MÃE DE ALUNO RECLAMA: ESCOLA ‘JUVENAL GIRALDELLI’ NÃO TEM AULA DE REFORÇO POR FALTA DE PROFESSOR

Pelo jeito, a Educação premiada de Jales ainda tem falhas. Recebi, hoje, na caixa de contato do blog, um e-mail denunciando a falta de professores na EM “Juvenal Giraldelli”, no Jardim Oiti. Por interessante, reproduzo, abaixo, um trecho do e-mail:

As crianças do 4º e 5º anos da escola municipal Juvenal Giraldeli estão sem aula de reforço (embora muitas crianças precisem desse recurso) e a resposta que temos é que o município está sem professores… pq? não tem professor querendo trabalhar ou não querem gastar dinheiro e contratar novos professores???

Não tenho conhecimento sobre o que poderia estar acontecendo, mas, com certeza, tem muita gente querendo trabalhar. Falta de dinheiro para contratar professores também não é, pois a Secretaria de Educação é a prima rica da Prefeitura.

13 comentários

  • Benazir B.

    Só não esqueçamos de que não só a escola como também a família é responsável pela educação. Acho que os pais poderiam ajudar seus filhos, pelo menos uma hora diária, com os conteúdos ministrados nas aulas, principalmente quando a criança está nas séries iniciais da educação básica. Porque todos nós, que já somos letrados, temos sim contribuições a dar para uma criança: a leitura de um texto, a compreensão desse texto através de uma conversa com a criança, ajuda com as quatro operações matemáticas elementares são coisas que fazemos no nosso dia a dia e que podemos realizar um esforço pessoal para sermos um mediador dessa criança na conquista dessas proficiências. É claro que o professor tem a incumbência de facilitar essa aprendizagem, mas as famílias sempre podem ajudar com pelo menos um pedacinho desse processo.
    O que vejo é que as famílias de hoje, majoritariamente, estão preocupadas em chegar em casa e assistir à patética vingança da novela das 21h.
    É como cantou Elis:

    “Perdoem a falta de abraço,
    Perdoem a falta de espaço,
    Perdoem por tantos perigos,
    Os dias eram assim…”

  • anonimo

    se vc sabe que tem vingança na novela das 21h é pq vc tb assiste,dona benazir,o problema é que essas crianças tem o direito dessas aulas e existem professores qualificados para isso,nós mães podemos sim dar a contribuição mas não somos qualificadas e tb tem muitas mães,ou avós que criam seus netos que não são nem alfabetizadas,por isso que existe a escola….

  • Aberta a discussão.

    A avaliação dessa situação nos traz a luz alguns temas para a discussão e um deles é a terceirização. Em época de correria que a grande maioria das pessoas vive, pouco tempo se encontra para uma conversa, uma visita a um parente (talvez os próprios pais) e tão pouco a educação dos filhos. As escolas acabam por virar um local onde a criança mais tempo passam, as vezes em período integral e quando chegam em casa, cansadas pelo dia de atividades e estudos, assim como os pais, cansados do trabalho e estressados, o que resta é dormir, pois na outra manhã (ou madrugada) começa tudo de novo. Será que essa terceirização da educação de nossos filhos tem dado certo? Será que sabemos o que nossos filhos fazem nas escolas e nas companhias de seus colegas?
    Essa mãe que escreveu o e-mail dá alguma contribuição para o processo de ensino de seu filho ou somente terceiriza sua educação de forma integral, deixando para a escola fazê-lo e ela simplesmente cobrar os resultados? Pela forma que escreveu a mensagem, se trata de uma pessoa letrada, portanto, não pode alegar falta de conhecimento para auxiliar seu filho nas tarefas escolares.
    Vamos fazer uma reflexão sobre o tema e chamarmos mais pessoas para a discussão, diretores de escolas, pedagogas, professores etc, pois a realidade precisa ser trazida à tona.

  • anonimo

    não estou tirando das minhas costas a minha obrigação de mãe de passar algum conhecimento á minha filha,mas sim, como cidadã e pagadora de meus impostos cobrar o que é nosso por direito!!!

  • Jalesense

    Pago impostos, minha mulher e eu trabalhamos fora, damos toda a assistência que meus filhos precisam, estudamos com eles, mas muitas vezes, ficamos de mãos amarradas, pois não conseguimos explicar algumas coisas, por exemplo, em matemática. E aí? Meus filhos não têm direito a ter estas dúvidas sanadas na escola onde espera-se que haja especialistas? O aluno não pode ser apenas um número, nem reduzido a índice. Não podem simplesmente “premiar” uma escola com alunos genética e financeiramente privilegiados e relegar outras à sorte, deixar à mingua, ao Deus dará. É covardia. É preconceito. É injustiça.

  • Pense nisso

    Certeza nós temos é de que não há interesse em enfrentar problemas. O idiota que fala de escolas de elite se esquece que Jales tem notas máximas no ensino público e que ao invés de ficar usando de seu tempo para ver a novela, deveria dar suporte aos filhos. Brasil, país de notas de IDEB baixas, de cotas na universidade e de pais (com reservas) que não pensam em “perder” tempo para com os filhos.

  • Crovão

    -Falando em Escola, minha filha estuda na J.Giraldelli,

    certo dia perguntei a ela, se na sala dela tinha LOUSA

    DIGITAL, sabem qual a resposta? Não.

    – Tudo isso faz me refletir e dizer que em tudo há

    semelhanças, foi assim quando procurei a UPA,

    -Agora para veicular propaganda são bons.

  • Ravenna

    Só um lembrete: a lousa digital é apenas um dos recursos para a sala de aula, não o único. Uma classe ou escola que ainda não usufrua da lousa digital não significa necessariamente que é uma instituição ruim.
    Convivi de perto com algumas professoras da escola Juvenal Giraldelli e posso lhes garantir que todas elas são profissionais dedicadas em ajudar os alunos na construção de suas identidades enquanto cidadãos de bem, são profissionais engajadas em auxiliar cada aluno na construção gradativa de seu projeto de vida através do desenvolvimento das habilidades de compreensão e comunicação, que permitem ao educando encontrar seu espaço pessoal e profissional.

  • Anônimo

    E assim caminha a humanidade…
    É tudo que os governantes querem, que fiquemos uns contra os outros PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO X PAIS DE ALUNOS. Eu entendo que os dois lados aqui tem razão, pois não podemos terceirizar a educação dos nossos filhos, mas também não podemos pensar que os pais tem que fazer o papel dos professores, que antigamente, quando eram respeitados, eram chamado respeitosamente de EDUCADORES. O que eu vejo é que muitas vezes perdemos o foco da discussão e passamos a atacar uns aos outros, mas o que essa mãe está “cobrando” não é nada mais do que a OBRIGAÇÃO do governante. Se ficarmos nos atacando movidos por pensamentos lineares vamos sempre patinar, é preciso um pensamento mais complexo para vermos o que realmente queremos cobrar.
    Caso contrário os governantes ficam sentados nas suas cadeiras morrendo de rir ao nos ver brigando entre nós aqui em baixo.

  • Ravenna

    Oi, anônimo. Pelo que li, em momento algum o post da “Benazir” e de “Aberta a discussão” falou em repassar toda incumbência do processo de ensino-aprendizagem aos pais. O que eu acho (e concordo com a Benazir neste ponto) é que a escola é sim responsável pela formação de seus alunos e que o professor é a pessoa capacitada para fazê-la, mas o que vejo hoje é que grande parte dos pais deixa essa tarefa apenas para a escola, quando a construção de um letramento efetivo também depende da participação das famílias.
    Eu também sou cidadã, pago meus impostos e, por isso posso cobrar dos governantes professores nas nossas escolas, claro, mas o que acho é que se exige muito da escola quando nos esquecemos de perguntar “o que eu pai estou fazendo pela elevação do desempenho de meu filho no âmbito escolar”. É esse tipo de questão que deve ser refletida por cada pai na vida diária. A escola tem um papel a cumprir, os professores têm um papel a cumprir, o aluno tem o papel dele, mas e eu pai será que estou cumprindo o meu papel?

    Agora se a Benazir assiste ou não à novela,conheço-a pessoalmente e posso lhe garantir que não, rss A pobre não tem nem televisão em casa (por opção, claro). Como ela conhece a intriga das protagonistas? Bom, eu Ravenna particularmente não aprecio certas tendências musicais como axé, funk, mas eu sei que esses ritmos estão por aí, então com ela deve ser a mesma coisa.
    Gostei muito de participar deste blog, gosto de conhecer colegas virtuais que expõem opiniões e argumentos com ética, pois é isso que nos torna verdadeiramente seres humanos. Gosto de discussões produtivas como esta que foi colocada aqui, é isso que faz o blog cumprir sua função social. A sugestão da “Aberta a discussão” foi excelente: “vamos fazer reflexão sobre o tema e chamarmos mais pessoas para a discussão”. Fica aí então o recado para o Cardosinho, quem sabe ele se interesse em criar um tópico neste blog focalizando especialmente a Educação, a sociedade brasileira carece disso.
    Bom, anônimo, agora me vou, pois tenho um dia cheio amanhã. Boa semana pra você.

  • Anônimo

    Concordo com Ravenna, mas isso não tira do ESTADO a responsabilidade de contratar mais professores. Esse é o foco do email que deu origem à essa discussão. Creio que temos que direcionar o debate, se vamos falar da responsabilidade dos pais, da responsabilidade dos professores (que julgo serem heróis diante da política de educação que temos hoje) ou da responsabilidade do ESTADO, que julgo ser o mais omisso de todos, muito mais do que os pais de qualquer aluno de qualquer escola, seja municipal, estadual ou particular.

  • Anônimo

    Aproveitando o assunto, e acho que é pertinente, no meu bairro tem uma escola municipal, que parece ser muito boa, mas tem uma reclamação que é constante entre as mães dos matriculados, as crianças voltam para casa com marcas de mordidas, e o pior, isso não acontece uma única vez. Teve uma mãe que estava reclamando que sua filha foi mordida (a ponto de ficar a marca dos dentes da outra criança) três em um único dia. Quando as funcionárias são questionadas a respeito do fato elas argumenta que o número de funcionários é insuficiente para cuidar da quantidade de crianças que estão na sala. Fatos como esses vem se repetindo constantemente, e é preocupante, porque as crianças estão associando a escolinha a um ambiente onde são machucadas e não a um ambiente salutar, de aprendizado. Mais uma vez a discussão gira em torno da não contratação de profissionais para cuidadas daquelas inocentes crianças, que por fim terão que aprender a morder também para se defender. Pergunto, com o maior orçamento do município, a educação não poderia contratar mais profissionais?

  • INDIGNADO

    ATÉ QUE PONTO A PROGRESSÃO AUTOMÁTICA ANDA PREJUDICANDO A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NA ESCOLA JUVENAL GIRALDELI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *