Categoria: Cidade

FEIRA DA UVA E DO MEL 2017 TERÁ DOIS DIAS COM MUITAS ATRAÇÕES

A notícia é da Secretaria Municipal de Comunicação:

FOTO 1 chamada-siteA Comissão da 12ª Feira do Agronegócio da Uva e do Mel 2017 esteve reunida no dia 07 de agosto, para acertar os últimos preparativos para a realização do evento que será nos dias 1 e 2 de Setembro, na Praça João Mariano de Freitas em Jales.

Durante a feira, os visitantes poderão comprar uvas e mel com preços acessíveis e de excelente qualidade e também encontrarão artigos de artesanato, suco de uva artesanal. Na programação da feira, constam apresentações culturais do Taikô de Jales (que recentemente obteve o terceiro lugar no Campeonato Brasileiro) da Catira, do Projeto Guri, além de cantores regionais. Haverá também uma Praça de Alimentação que será coordenada pelo Rotary Clube Grandes Lagos de Jales.

Segundo a engenheira agrônoma da Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento, Pecuária e Meio Ambiente, Silvia Andreu, uma vez que a viticultura é um dos motores econômico-financeiro que sustentam a geração de empregos e renda para toda a nossa região, a Prefeitura Municipal de Jales, através do prefeito Flávio Prandi Franco, o Flá, deu todo o suporte necessário para a realização da Feira.

A engenheira destacou ainda a parceria entre as Secretarias Municipais de Agricultura e Câmaras Municipais das cidades de Jales e Urânia, pois a participação efetiva dos viticultores de ambas as cidades se complementam.

“Jales participa em maior número com viticultores que produzem a Uva Niágara e a cidade de Urânia e cidades vizinhas têm sua participação voltada mais para as uvas finas como a Itália, Rubi, Benitaka, Brasil e Centenial”, explicou Silvia Andreu.

FESTAS GERAM MULTAS DE R$ 50 MIL AO EX-PREFEITO PARINI

parini chapeludoComo os prezados leitores sabem, o Ministério Público Federal de Jales ajuizou – em 2011, se não me falha a memória – várias ações onde acusa prefeitos de pelo menos 31 municípios de improbidade administrativa, por conta do uso supostamente irregular de verbas destinadas pelo Ministério do Turismo para eventos festivos.

O nosso ex-prefeito Humberto Parini é um dos acusados. Ele teria usado irregularmente as verbas destinadas a duas facip’s (2009 e 2010), uma festa da uva (2009), três arraiás na praça, promovidos pela Antena 102 (2008, 2009 e 2010), e uma festa do motorista, promoção da Assunção AM (2009). No total, os recursos somam R$ 1,7 milhão.

Não bastassem os problemas com a Justiça Federal, Parini anda às voltas também com o Tribunal de Contas da União (TCU), por conta de duas das festas retrocitadas: a Festa do Caminhoneiro de 2009 e o Arraial na Praça de 2010, que, ironicamente, brindou o público jalesense com a banda Batom na Cueca.

O batom que os circunspectos (e ímprobos) senhores do TCU descobriram na cueca de Parini rendeu a ele duas multas, as quais, no total, chegam a R$ 50 mil, que ele poderá pagar em 36 suaves parcelas. Além das multas, o TCU determinou, no caso da Festa do Motorista, que a Prefeitura devolva cerca de R$ 130 mil ao Ministério do Turismo.

Parini está recorrendo, mas o TCU já mandou ao arquivo morto dois de seus recursos.    

JORNAL DE JALES: VENDA DO RECINTO DA FACIP PARA EMPRESA DE SÃO PAULO EMPERRA POR CONTA DO PRAZO DE PAGAMENTO

IMG_0441Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo que está destacando a suspensão do laudêmio – aquele tributo cobrado pela família Jalles – conforme decisão do Corregedor Geral do TJ-SP, Pereira Calças. O jornal traz dois textos sobre o assunto. Num deles, o advogado Carlos Alberto Brito Neto explica a decisão. No outro, o professor Sedeval Nardoque – o primeiro a questionar a cobrança do laudêmio – diz que a decisão, apesar de favorável ao interesse público, ainda traz preocupação. O editorial do jornal também trata da decisão sobre o laudêmio e diz que ela ainda poderá ser objeto de eventual recurso dos advogados da família Jalles.

Destaque, igualmente, para outra decisão da Justiça: a da juíza de Urânia, Marcela Correa Dias de Souza, que deferiu o pedido dos advogados de defesa e revogou a prisão provisória do ex-prefeito Francisco Airton Saracuza e os ex-assessores que foram presos em março/abril pela Polícia Federal de Jales. Acusados de pagamentos suspeitos com recursos da chamada “repatriação”, eles tiveram pedidos de habeas corpus negados anteriormente, mas agora – depois de interrogados pela Justiça – poderão aguardar o julgamento em liberdade.

O lançamento do livro do escritor Mário Soler sobre o início da carreira política do prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo; as investigações do Ministério Público Federal (MPF) sobre o acúmulo de cargos por médicos de 22 municípios da região; a largada para a volta ao mundo que um casal de Jales pretende fazer em cima de uma bicicleta; e a instalação, em Jales, de uma unidade da ONG que incentiva crianças e jovens com deficiência a praticar esportes paraolímpicos, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que as negociações para a venda do recinto da Facip, que pertence à Unimed de Jales, estão um pouco “enroladas”. Na quarta-feira, 02, os cooperados da Unimed se reuniram e recusaram a oferta de empresa Gauri Eventos, de São Paulo. A empresa ofereceu R$ 3 milhões em suaves parcelas, mas os cooperados querem receber a grana à vista. O colunista destacou, também, a vinda do frade/escritor Frei Betto a Jales, no dia 10, para uma palestra. Amigo e conselheiro de Lula, foi Frei Betto quem convenceu o ex-presidente a nomear Joaquim Barbosa para o STF.

Em tempo: acabo de descobrir mais um amor platônico do meu amigo Luiz Carlos Seixas (Ourinhos-SP), que, em sua juventude, namorou várias moças sem que elas soubessem. Foi ele mesmo quem confessou a paixão não correspondida, em deliciosa crônica publicada pelo JJ deste domingo.    

A TRIBUNA: VEREADOR DESCONFIA DE IRREGULARIDADES NO PAGAMENTO DE HORAS EXTRAS NA PREFEITURA

capa tribuna 06.08.17A principal manchete do jornal A Tribuna deste final de semana destaca o crescimento dos gastos da Prefeitura de Jales com o pagamento de horas extras a funcionários. Segundo a matéria, nos 12 meses de 2016 foram gastos R$ 950 mil, enquanto nos seis primeiros meses deste ano já se gastou R$ 505 mil. Os números estão na resposta a um requerimento do vereador Tiago Abra. A Prefeitura alega que o aumento é consequência do reajuste salarial de 6,8%, enquanto o vereador, de seu lado, classifica o aumento de inexplicável e aponta indícios graves de irregularidades na prestação de horas extras.

Destaque, igualmente, para a Ação de Cobrança que a empresa Proposta Engenharia Ambiental Ltda ajuizou na Justiça para tentar receber uma dívida da Prefeitura de Jales, estimada em R$ 316 mil. A empresa – que foi a responsável pela limpeza urbana e o recolhimento do lixo em Jales, de janeiro 2014 até maio 2015 – está alegando que a Prefeitura pagou apenas parcialmente as faturas relativas a maio e junho de 2014, ainda no governo da ex-prefeita Nice Mistilides, deixando para trás um débito de R$ 222 mil, que atualizados chegam aos R$ 316 mil.

O preço da gasolina nos postos de combustíveis de Jales, que varia de R$ 3,20 a R$ 3,70 mas continua sendo uma das mais baratas do estado; os recursos de R$ 1,5 milhão em emendas parlamentares destinadas ao setor de saúde de Jales; a decisão da Justiça que livra a Casa da Criança de ter que devolver o terreno doado pela Prefeitura à entidade em 1980; a agressão sofrida por uma equipe do canal SBT, durante reportagem em Urânia; e a nova dor de cabeça do prefeito Flá Prandi, que, em menos de 15 dias, teve que mudar duas vezes o local para depósito de resíduos da construção civil, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, os temores do presidente da Acij, Carlos Roberto Altimari, com o novo modelo de “Área Azul” que está sendo proposto pela Prefeitura. Na página de opinião, o palmeirense Pedro Callado relembra alguns ensinamentos do ex-presidente americano Abraham Lincoln, enquanto o santista Victor Pereira escreve sobre a transferência do atacante Neymar do Barcelona para o PSG. No caderno social, a coluna do Douglas Zílio, agora com duas páginas coloridas, está recheada de belas mulheres e seus chibantes óculos escuros.   

DEU NA FOLHA NOROESTE DE HOJE

folha noroeste 06.08.17O jornal digital Folha Noroeste deste sábado está destacando os recursos federais que estão sendo liberados para o setor de Saúde de Jales. Segundo foi divulgado pela Prefeitura, o município deverá receber R$ 1,5 milhão que serão utilizados na construção de uma unidade de saúde no Jardim Monterey e na reforma das unidades de saúde do Jardim Arapuã e da Cohab Roque Viola. Boa parte do dinheiro – cerca de R$ 1,1 milhão – é fruto de emendas parlamentares do deputado federal licenciado Rodrigo Garcia(DEM), o mais votado em Jales nas eleições de 2014 (10.867 votos). Os deputados petistas Vicentinho (114 votos) e Ana Perugini (248) também  destinaram R$ 250 mil em emendas.

O jornal destaca, também, a liberdade concedida pela Justiça ao ex-prefeito de Urânia, Francisco Airton Saracuza, e seus quatro ex-assessores que estavam presos desde março deste ano, quando foi deflagrada a Operação “Repartição” da Polícia Federal. Depois de interrogados pela Justiça de Urânia na quinta-feira, 03, eles foram libertados ontem, sexta-feira, e irão responder o processo em liberdade. Segundo o jornal, Saracuza chegou em sua residência por volta das 16 horas da sexta-feira, 04, e foi recepcionado por correligionários e amigos.

Na coluna FolhaGeral, o quase intransponível ex-lateral esquerdo Roberto Carvalho está informando que a Assembleia Legislativa registrou, na quinta-feira, 03, a entrada de alguns projetos de lei solicitando a classificação de 12 municípios paulistas – incluindo a nossa vizinha Estrela D’Oeste – como “Município de Interesse Turístico”. Roberto aproveitou para lembrar que a promessa feita pelo secretário estadual do Turismo, Laércio Benko – quando ele esteve por aqui, em junho passado – ainda não foi cumprida. Para quem não se lembra, depois de tomar umas cajibrinas, o alegre secretário garantiu que Jales estaria classificada como “Município de Interesse Turístico” até o dia 1º de agosto, mas até agora nada.

PRAÇA “EUPHLY JALLES”: BENFEITORIAS FEITAS POR LANCHEIRO SERÃO DESFEITAS EM REFORMA

praça 010817092439

Considerando que as reformas deverão custar cerca de R$ 1,2 milhão, acho que os pneus coloridos irão permanecer na praça por longos anos. A notícia é do jornal A Tribuna:

Questionado sobre a migração dos trailers de lanches da praça João Mariano de Freitas para a Praça Dr.Euphly Jalles, o prefeito Flávio Prandi Franco alertou que a prefeitura vai colocar em prática, em breve, um projeto arquitetônico de reformulação geral da praça. A obra vai incluir a construção de quiosques para abrigar as lanchonetes que já funcionam e outras que começarão a funcionar no local.

”Estes espaços públicos precisam ser adequados. Eu vejo com dificuldade a falta de padronização. Precisamos enfrentar esse problema para poder oferecer para a população um serviço de melhor qualidade com uma apresentação e um acolhimento melhores. Não adianta você fazer individualmente [onde] cada um vai e se instala da forma que acha melhor”, disse em entrevista ao repórter Tony Ramos.

A “novela dos lancheiros” ganhou novo capítulo na semana passada quando Carlos da Silva, proprietário de um dos trailers instalados na praça, tomou posse de uma área nos arredores do estabelecimento e construiu uma espécie de “praça dentro da praça”, sem autorização da prefeitura. O local recebeu um pequeno cercado, onde foram colocados pneus coloridos, plantada grama e mudas de plantas e flores. Toda benfeitoria deve ser desfeita quando as obras de reforma da praça forem realizadas.

Além disso, os dois trailers que haviam permanecido na Praça João Mariano de Freitas (Jehad e Lanche da Tia) começaram a se mudar para a Praça Dr.Euphly Jalles. O jornal A Tribuna apurou que cada um irá se instalar numa das pontas da margem da Rua Onze.

A transferência atende a um acordo firmado entre a Prefeitura de Jales, o Ministério Público e os lancheiros. A praça original deve ser totalmente desocupada.      

Com a chegada dos novos “moradores”, a praça terá seis trailers de lanche totalmente diferentes um do outro, mas a intenção da prefeitura é construir quiosques padronizados e conceder seu uso através de licitação mediante pagamento de taxas.

O projeto foi feito gratuitamente pelas arquitetas Daniela Alvizi Amaral, Fabiana Toyoda Scandelai e Marta Pádua Franco do escritório Arte Nova Arquitetura.

De acordo com o projeto, além de quiosques padronizados, a praça terá arborização e uma fonte moderna da altura do solo. O secretário de Obras, Nilton Suetugo estima que a reforma custe aproximadamente R$ 1,2 milhão. Metade do dinheiro viria da primeira parcela anual do programa estadual Município de Interesse Turístico, no qual Jales deve ser incluída nos próximos meses. O restante poderá vir de emendas parlamentares ou da segunda parcela do programa. Niltinho acredita que a obra deve durar mais de um ano, por isso deverá ser realizada por partes.

EM NOTA, POLÍCIA MILITAR FALA SOBRE TUMULTO APÓS FESTA DO MOTORISTA

O comandante da Polícia Militar de Jales, capitão Tominaga, enviou nota de esclarecimento à imprensa, a respeito de tumulto ocorrido na madrugada de domingo, logo após o final da Festa do Motorista de Jales. Ei-la:

A Polícia Militar foi acionada via fone 190-emergência para atender uma ocorrência na avenida “Paulo Marcondes”, em frente ao local onde havia ocorrido a Festa do Motorista. Digo “havia ocorrido” porque a referida festa já havia se encerrado.

Segundo o solicitante, no local havia um grande tumulto, além de brigas, som em alto volume e indivíduos impedindo o tráfego de veículos. Com a chegada das viaturas, ainda sem saber ao certo o que havia, os policiais foram recebidos com garrafadas, sendo que uma delas atingiu a porta de uma das viaturas e os estilhaços lesionaram a mão de um policial, o qual teve que ser medicado na UPA e recebeu dois pontos.

Devido ao grande número de pessoas e as várias garrafas e pedras que eram atiradas contra os policiais, os mesmos tiveram que se afastar a uma distância segura e solicitaram apoio de outras viaturas. Com a chegada das viaturas de apoio, os policiais se posicionaram na avenida e, ainda sendo recebidos a pedradas e garrafadas, além de ofensas verbais, começaram a se deslocar em direção ao tumulto com o fim de dispersá-lo, entretanto, as pessoas que lá estavam insistiram em permanecer e a jogar pedras nos policiais.

Desta forma, foi necessário o uso de meios menos letais, como gás pimenta, granadas de efeito moral e munição de elastômero (“bala de borracha”) para fazer frente à injusta agressão que estavam sofrendo. Quando cessaram as pedradas e garrafadas, os policiais, agora sem usar qualquer tipo de arma ou munição, avançaram e conseguiram dispersar a multidão.

Após, dois indivíduos foram abordados nas imediações e conduzidos á Central de Polícia Judiciária de Jales, onde foi registrado um boletim de ocorrência sobre as ofensas, dano e lesão corporal sofrida pelo policial militar, ressaltando que até o término do registro da ocorrência não tínhamos conhecimento de nenhum civil lesionado.

JUSTIÇA JULGA IMPROCEDENTE AÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO QUE PEDIA MAIS POLICIAIS CIVIS PARA JALES

O portal UOL publicou ontem extensa matéria (“Justiça obriga governo Alckmin a repor policiais civis) sobre a falta de policiais civis em várias regiões do estado de São Paulo e as ações do Ministério Público que tentam obrigar o governo estadual a contratar mais policiais.

A matéria cita algumas dessas ações do MP, em cidades como Águas de Lindóia, Piracicaba, Leme e Jales. Eis o trecho da matéria, onde Jales é citada:

Também no ano passado, a Justiça concedeu liminar na ação ajuizada pelo Ministério Público em Jales, determinando que o Estado apresentasse em 60 dias um cronograma de providências para garantir à Polícia Civil da cidade e da região o número mínimo de policiais. O Estado recorreu e a liminar foi suspensa. Agora, a decisão de mérito está pronta para ser dada.

Segundo a Promotoria, faltam ao menos 32 delegados na comarca, sendo que oito deles estão às vésperas de se aposentarem. Além disso, cinco dos sete municípios da comarca não contam com delegado titular. Para o Ministério Público, “a deficiência da investigação criminal implica em impunidade, que, por conseguinte, estimula a criminalidade”.

Por coincidência, também ontem foi publicada a decisão de mérito da Justiça de Jales sobre o caso. A sentença da juíza Maria Paula Branquinho Pini, da 4ª Vara Judicial de Jales, julgou improcedente a ação do MP que obrigava o governo estadual a contratar mais policiais.

A juíza, que ouviu várias testemunhas, reconhece que “a situação da segurança pública está deficiente e gera elevada preocupação em nossa sociedade“. Ela argumentou, no entanto, o princípio da independência dos poderes, defendido pelo artigo 2º da Constituição Federal, para negar o pedido do Ministério Público. 

Em um trecho da sentença, a magistrada diz que “o Poder Judiciário não pode compelir a contratação de servidores, pois cabe aos Estados o dever de prover a segurança de seus administrados“. E, ao final, arremata afirmando que “apenas o Poder Executivo possui condições de aferir e decidir administrativamente o que convém ou não ao interesse público, não podendo o Juiz substituir a Administração Pública no exercício de seu poder discricionário”.

O MP deverá, evidentemente, recorrer da decisão, mas, a menos que o TJ-SP mude seu entendimento, é bastante provável que a sentença de Maria Paula seja mantida. Em maio deste ano, ao cassar a liminar deferida pela Justiça de Jales, citada na matéria do UOL, os desembargadores do TJ arguiram exatamente o princípio da independência dos poderes.

Mencionando uma decisão da ministra Carmem Lúcia, presidente do STF, os desembargadores afirmaram que “não cabe ao Poder Judiciário impor a prática de políticas públicas ao Executivo, que detém a competência para estabelecer diretrizes, conforme oportunidade e conveniência, no que tange a contratação de pessoal para o preenchimento de cargos e funções específicas“.

JORNAL DE JALES: CLUBE DOS MÉDICOS É VENDIDO PARA EMPRESA DE RIO PRETO

IMG_0401Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cujo principal destaque é para a decisão do Corregedor Geral do Tribunal de Justiça, desembargador Manoel Queiroz Pereira Calças, em julgamento de um recurso do Ministério Público de Jales. A decisão diz que o Cartório de Registro de Imóveis não pode mais exigir o pagamento de laudêmio para transações imobiliárias feitas em Jales a partir de 2003, quando passou a vigorar o novo Código Civil. Ouvido pelo jornal, o advogado Carlos Alberto Brito Neto entende que a partir de agora o Cartório não poderá exigir a comprovação do pagamento do laudêmio para efetuar registros de contratos.

O JJ está informando, também, que, para o prefeito Flávio Prandi(DEM), a revitalização da Praça do Arapuã poderá ser o começo de uma série de reformas de bens públicos com a ajuda dos moradores. Antes da solenidade de reinauguração, no domingo passado, alguns moradores do Arapuã que ajudaram na repaginação da praça, nos finais de semana, se colocaram à disposição para colaborar com trabalhos semelhantes em outras praças, a começar pela praça da igreja do bairro.

A prisão de três meliantes que tinham produzido uma onda de assalto em Jales, nas últimas semanas; o III Seminário de Agricultura Orgânica, que coloca Jales no centro das discussões sobre o assunto; as impressões do advogado João Aparecido Papassídero sobre a reforma trabalhista; e a camisa autografada por antigos ídolos santistas – Edu e Coutinho – que um torcedor, aqui de Jales, ganhou de presente, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que o terreno do Clube dos Médicos, com cerca de 19 mil metros quadrados, foi mesmo vendido para uma empresa de São José do Rio Preto. A compradora – Bedala Incorporações e Empreendimentos Imobiliários – pretende lotear a área recém-adquirida e já adiantou que, se obtiver sucesso nesse primeiro empreendimento, novos investimentos no ramo imobiliário poderão ser feitos pela empresa em Jales.     

AUMENTO NA PROCURA POR UVAS SEM SEMENTE ANIMA PRODUTORES DE JALES E REGIÃO

nc-uva-sem-semente4-300717

A reportagem é do programa “Nosso Campo”, da TV Tem – Sorocaba. O vídeo pode ser visto aqui.

No sítio da família Fação, em Jales, cerca de 35 toneladas de uva devem ser colhidas até o final da safra. Marcos Fação diz que a produção começou cerca de 30 anos atrás com as variedades itália e rubi. Com o passar do tempo, outras também passaram a ser cultivadas.

Atualmente, 60% dos 1.600 pés da propriedade são da variedade centennial, que foi desenvolvida na Califórnia, nos Estados Unidos. A fruta não tem sementes, uma característica muito apreciada no mercado. O produtor diz que a variedade não é tão exigente com mão de obra, mas que requer muitos cuidados técnicos.

O preço pago ao produtor é melhor, chegando a atingir o dobro das variedades tradicionais. Isso fez com que o produtor João Guilherme Cardoso também investisse em outra variedade sem sementes: a BRS Vitória. Hoje, o plantio dessa uva ocupa quase metade dos cinco hectares do sítio em Palmeira D’Oeste (SP). na safra atual, a expectativa é colher mais de 20 toneladas.

O desenvolvimento da BRS Vitória levou quase 30 anos de pesquisa, realizada na região Noroeste de São Paulo. O pesquisador da Embrapa, João Dimas, foi um dos responsáveis pelo desenvolvimento da variedade.

Segundo ele, a BRS Vitória foi testada em várias regiões do país, mostrando características da planta original e se destacando pela produtividade. Para João Dimas, as uvas sem sementes são uma tendência e a demanda deve aumentar daqui pra frente.

De olho no mercado, João Guilherme já tomou uma decisão para as próximas safras. Ele diz que vai dedicar uma área maior para as uvas sem sementes. A safra em Jales, segundo a Casa de Agricultura do município, deve somar 23 mil toneladas de uvas colhidas.

1 2 3 4 371