Categoria: Cidade

DESTAQUES DOS JORNAIS

Estas foram as manchetes dos jornais locais, neste final de semana:

Folha Noroeste: “MPF move 31 ações contra 39 prefeitos e ex-prefeitos por irregularidades na contratação de shows com verbas do Turismo”

Folha Regional: “Representantes de 10 nações aprendem com a Sabesp a reduzir perdas de água”

Jornal de Jales: “Ministério Público Federal denuncia prefeitos, ex-prefeitos, ex-deputado e empresários de artistas”

A Tribuna: “Parini usou intermediários para contratar shows, acusa MPF”

Na Folha Noroeste, destaque para as 31 ações de improbidade administrativa ajuizadas pelo MPF contra 83 pessoas que teriam violado a lei das licitações, na contratação de shows. Outras manchetes: “Estradas rurais no município de Mesópolis serão recuperadas através do Programa Melhor Caminho“; “Prefeito Saracuza assina convênio para construção de 150 casas em Urânia“. Na coluna FolhaGeral, o editor Roberto Carvalho informa que, nesta semana, completou 120 dias que a liminar concedida ao prefeito Parini está esperando um parecer do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

A capacitação de profissionais de dez países nas ferramentas mais eficientes de combate às perdas de água, realizada em Jales por técnicos da Sabesp, foi o destaque da Folha Regional. O treinamento reuniu 23 engenheiros, gerentes e diretores de companhias de várias nações. Outras manchetes: “Paranapuã mantém educação como prioridade em 2012“; “Câmara aprova prestação de contas e Balanço Geral de 2009 da Prefeitura de Jales“. Na disputada coluna Ella, o talento do fotógrafo Marcos Oliveira realçou ainda mais a beleza da carismática Beatriz Freschi Teixeira, que adora fazer novas amizades.

No Jornal de Jales, destaque para as acusações do MPF contra políticos da região e para os desmentidos providenciados pela Prefeitura de Jales e pelo ex-deputado Vadão Gomes, que negam irregularidades na aplicação das verbas do Turismo. Outras manchetes: “Ministério do Turismo firma parceria com a Cáritas em comunidade terapêutica“; “Saneamento básico em Jales impressiona estrangeiros“. Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior informa que o empresário Carlos Toshiro Sakashita está procurando área para instalar uma filial do Supermercado Sakashita  em Votuporanga. 

A Tribuna destacou a nova enrascada em que se meteu o prefeito Humberto Parini, que, juntamente com outras 82 pessoas, está sendo acusado de improbidade administrativa, mais uma vez por supostas irregularidades cometidas na realização de Facips e outras festas. Outras manchetes: “Moradores protestam contra doação de terreno“; “Dívidas da Prefeitura de Jales com precatórios chegam a R$ 12 milhões“. Na coluna Enfoque, a informação de que o clima na Câmara Municipal continua tenso e, por conta disso, o novo assessor jurídico, Marlon Santana, já estaria pensando em deixar o seu cargo.  

COMBUSTÍVEL EM JALES É ATÉ 11% MAIS CARO QUE NA REGIÃO

A notícia é do portal Jales Net:

O valor de combustível em Jales é encontrado nos postos até 11% mais caro do que em outras cidades da região. Os consumidores jalesenses encontram preços de gasolina variáveis entre R$ 2,81 e R$ 2,84 enquanto o álcool oscila entre R$ 1,82 e R$ 1,86.

Nas cidades da região como Fernandópolis onde é verificado o preço mais baixo, o menor valor da gasolina é de R$ 2,62 e etanol R$ 1,68. Em Santa Fé do Sul o preço médio do derivado do petróleo está avaliado em R$ 2,72, enquanto o derivado da cana de açúcar R$ 1,81.

A notícia completa, do Jales Net, pode ser lida aqui.

MANTENHA SEU QUINTAL LIMPO

Não é nada fácil a tarefa dos encarregados do combate ao mosquito Aedes aegypti. De vez em quando, nós ouvimos o pessoal da dengue implorando às donas de casa que mantenham seus quintais limpos. No entanto, como conscientizar a população, se até a própria Prefeitura faz ouvidos moucos aos apelos dos responsáveis pelo controle da dengue?

Vejam o caso do terreno da foto acima, que abriga o prédio da futura Secretaria Municipal de Fazenda, uma das obras iniciadas e paralisadas pela administração Parini. O cenário é de abandono total. A foto não mostra, mas, em meio ao mato, temos copos vazios, sacolas plásticas, tampinhas de garrafa, etc. Só está faltando a água da chuva para que o mosquito da dengue tenha um local apropriado para procriar.

PROBLEMAS COM FACIP FINANCIADA POR MINISTÉRIO DO TURISMO ESTÃO SÓ COMEÇANDO

O prefeito Humberto Parini mandou correspondência para a imprensa local, contestando a matéria do Estadão e garantindo que não existem irregularidades na aplicação dos recursos oriundos de convênios firmados com o Ministério do Turismo. Evidentemente, que ele não poderia fazer coisa diferente, senão desmentir.

Tudo indica, no entanto, que os problemas com os convênios do Ministério do Turismo estão só começando. Fontes confiáveis garantem que, nos próximos dias, chegarão outras más notícias, principalmente no campo facipesco. Resta saber se o prefeito terá que emitir outros desmentidos, ou se vai deixar isso para os demais atingidos.

EMPREGOS NA SANTA CASA DE JALES

A nossa Santa Casa parece disposta a ajudar a melhorar os números do emprego formal em Jales, que, nos últimos tempos, têm sido os piores da região, conforme levantamentos do Ministério do Trabalho. A Vívian Curitiba, assessora de imprensa do hospital, mandou e-mail, comunicando a abertura de vagas para emprego. Vamos a elas:

1 vaga- setor de faturamento (ambos os sexos) mas que já tenham experiencia em Faturamento ou Administração.

1 vaga – Recepção (ambos os sexos) – disponibilidade total de horários e experiencia na área de recepção ou atendimento ao público.

Não me perguntem os salários, que eu não sei. Os interessados devem procurar a Santa Casa. O telefone de lá é o 3622-5000.
 

OS BANCOS DA PRAÇA

Lembram-se da canção “A Praça”, do Ronnie Von? Uma parte da letra dizia: “…a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores e o mesmo jardim…”. Pois bem, certamente que a Praça “João Mariano de Freitas”, a Praça do Jacaré, jamais poderia servir de inspiração para uma música como essa.

Afinal, depois da passagem de Parini pela Prefeitura, apenas a praça continua a mesma (pensando bem, quase a mesma), mas os bancos, as flores, o jardim e até mesmo o pobre e vegetariano jacaré já se foram.

Nem vamos falar da nova vegetação, que ficou uma porcaria. Fiquemos no caso dos novos bancos, que, segundo um dos responsáveis da empresa que fez as reformas, foram escolhidos pelo próprio prefeito (com a ajuda da primeira-dama, evidentemente!).

Eles estão se transformando em bancos móveis. Segundo relatos, alguns bancos estão sendo arrancados e à medida que a sombra muda de lugar, eles também vão mudando. É o caso, por exemplo, desse banco da foto do lado, que, no período da tarde, é retirado do lugar onde foi instalado e levado para a aconchegante sombra da Banca do Edu.

Mas, pior mesmo é o caso do banco da foto lá de cima. Ele foi arrancado por um vândalo. O episódio deu até Boletim de Ocorrência na polícia e o cara, aparentemente um maluco, foi levado pelo SAMU para o Pronto-Socorro. Nos tempos dos bancos de cimento, nenhum maluco os arrancava, mas, até aí, tudo bem. Acho que o prefeito fez bem em trocá-los, afinal, eles já estavam ultrapassados mesmo e tinha até um deles com o distintivo do São Paulo F.C, que enfeiava a Praça.

O problema maior é o desleixo. E o que revela o desleixo da administração municipal é que, passados cinco ou seis dias da ação predatória do vândalo maluco, o banco continua jogado na praça, sem que ninguém tome uma providência para devolvê-lo ao local adequado ou mesmo tirá-lo definitivamente dali.  

DIFICULDADES PARA ESTACIONAR

Vejam vocês que achar um lugar para estacionar no centro de Jales não tem sido tarefa fácil. Um amigo mandou as fotos da viatura policial parada em lugar onde qualquer outro simples mortal não poderia estacionar, sem levar uma multazinha, ou, no mínimo, sem ser advertido.

E outro amigo me pediu que eu fotografasse o carro do presidente da Câmara. Segundo ele, Macetão não utiliza o estacionamento da Câmara porque seu carro ostenta um enorme adesivo do PSD. A lei proíbe, pelo menos em época de campanha eleitoral, que veículos com propaganda eleitoral utilizem estacionamentos de órgãos públicos.

Mas, no caso do Macetão, a precaução vem pelas metades: segundo o amigo que me ligou, o vereador estaciona o carro todos os dias na faixa amarela, que está ali justamente prá evitar que as pessoas parem em frente ao estacionamento da Câmara. Mas ele, agora investido nos superpoderes de presidente de plantão, já não se acha, pelo jeito, um simples mortal.

 

APOSENTADORIAS DESFALCAM PREFEITURA

O jornal Folha Noroeste publicou, neste final de semana, duas portarias do Instituto Municipal de Previdência Social de Jales – IMPSJ, referentes às aposentadorias de dois servidores municipais. A primeira delas concede aposentadoria, por idade, à dona Antonia Aparecida Tondati Mantelato, que, nos últimos tempos, trabalhava no Teatro Municipal. A dona Antonia é a mãe da Olívia, outra competente servidora municipal.

A outra portaria concede aposentadoria ao ex-responsável pelo setor de licitações da Prefeitura, Roberto Carlos de Oliveira Peres. No caso do Roberto, a aposentadoria é por conta de uma doença complicada – espondilite anquilosante – que causa sérios problemas nas articulações e na coluna. É a mesma doença que aposentou o ex-vereador José Eduardo Pinheiro Candeo.  

Hoje cedo falei com o Roberto. Ele estava um pouco chateado com a aposentadoria. Tão chateado que nem foi se despedir dos amigos de trabalho. “Eu estive na Prefeitura na segunda-feira apenas para devolver a chave da minha sala ao prefeito. Depois de tantos anos de trabalho, me sinto como se estivesse saindo pela porta dos fundos”, disse-me ele.

Com certeza, não faltará oportunidade para ele se despedir dos amigos. Trabalhei com o Roberto e sou testemunha de que, em muitas ocasiões, ele tinha que fazer fazer um grande esforço para executar suas tarefas, tamanhas são as dores que a espondilite provoca. A Prefeitura de Jales perde um colaborador eficiente e correto. 

PREFEITURA TENTA ESCONDER CASO DE LEISHMANIOSE NO JARDIM ELDORADO, MAS SAÚDE CONFIRMA

A responsável pela divulgação das atividades da equipe de combate à dengue, Vanessa Luzia da Silva, confirmou, ontem, ao Jornal do Povo, a existência de mais um caso – o primeiro deste ano – de leishmaniose visceral, em Jales. A vítima é um senhor de 44 anos de idade, morador da Rua Altino Antonio de Oliveira, no Jardim Eldorado, conforme noticiado pelo jornal A Tribuna, na edição deste final de semana.

Curiosamente, o setor de imprensa da Prefeitura de Jales tentou esconder o caso, que já havia sido confirmado a este aprendiz de blogueiro pelo vice-prefeito Clóvis Viola. Na semana passada, solicitei informações à Secretaria Municipal de Saúde e a resposta que me chegou dizia que “no momento não há suspeitos no bairro citado e também em nenhum outro bairro da cidade”.

Além de desmentir o caso do Jardim Eldorado, a resposta ainda continha um “puxão de orelhas” direcionado a mim, por conta de uma matéria que eu havia escrito para A Tribuna, na semana anterior, sobre um outro caso de leish verificado no bairro São Judas Tadeu.

Mas o pior de tudo é que, ao que parece, o nome da Vanessa foi usado por algum irresponsável – ligado ao setor de imprensa da Prefeitura – que não teve coragem de assinar o desmentido e o “puxão de orelhas”. Assim que recebi a resposta, deduzi que ela não havia sido redigida pela Vanessa, uma moça bem educada, responsável e extremamente competente.

Aliás, sempre que vai ao rádio, a Vanessa dá mostras de sua competência. Ontem, não foi diferente: ela confirmou e explicou, de maneira bastante clara e didática, o caso do Jardim Eldorado, além de anunciar as medidas que estão sendo tomadas. Afinal, a Vanessa sabe que a melhor forma de combater a doença e alertar a população é divulgar corretamente os fatos. Infelizmente, algumas pessoas que rodeiam o prefeito não têm a mesma competência.    

MORADORES DO RESIDENCIAL SÃO LUCAS PROTESTAM CONTRA DOAÇÃO DE TERRENO À CÁRITAS

Alguns moradores do Residencial São Lucas foram ouvidos, hoje, pelo Antena Ligada, sobre a doação de um terreno localizado naquele bairro para a Cáritas Diocesana de Jales. E eles, pelo jeito, não gostaram da novidade, uma vez que o terreno será utilizado para implantação de um projeto para atendimento de jovens dependentes de drogas.

Tudo indica que o caso vá parar na Justiça, assim como já aconteceu com a doação de uma área da Rodoviária para o Sesi. A principal reclamação foi quanto à falta de discussão do assunto com a população do Residencial São Lucas e outros bairros próximos, que é, afinal, uma das principais partes interessadas.

Como eu já noticiei aqui no blog, o prefeito Humberto Parini havia tentado, há algum tempo, doar esse mesmo terreno para a construção do novo prédio da escola “Juvenal Giraldelli”, mas o governo do estado não aceitou a doação, porque a área havia sido reservada pelo loteador para a construção de uma praça.

Mesmo sabendo disso, os vereadores aprovaram, sem discussão, a doação  proposta pelo prefeito e, agora, estão sendo apontados pelos moradores  como os principais responsáveis. Aguardemos os próximos capítulos.

1 432 433 434 435 436 454