Categoria: Política

NAMORADA DE LULA DIZ QUE “LIBERDADE NÃO VIRÁ ASSINADA PELOS QUE FRAUDARAM A JUSTIÇA!”

Deu no Brasil 247:

A namorada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a socióloga Rosângela da Silva, escreveu no Twitter no começo da tarde deste sábado que “a Liberdade irá nos alcançar mas não virá assinada por aqueles que fraudaram a Justiça!”.

É uma referência aos procuradores da Operação Lava Jato que pediram que Lula vá para o regime semiaberto, porque ele já cumpriu um 1/6 da pena no âmbito do processo do triplex em Guarujá (SP).

A defesa de Lula tem insistido que ele não aceitará o regime semiaberto. Advogados e o ex-presidente defendem a tese de que ele só deve sair para ficar livre por causa da condenação sem provas.

Ao apresentar a denúncia em setembro de 2016, o procurador Henrique Pozzobon admitiu que não havia “provas cabais” de que Lula era o proprietário do apartamento. Segundo a acusação, o imóvel seria uma propina da OAS, mas o ex-presidente nunca dormiu no apartamento nem tinha a chave da unidade.

JANOT DENUNCIOU DILMA EM 2017 E AGORA DIZ QUE ELA NÃO É CORRUPTA

Devagar, a verdade vai aparecendo. Há alguns dias, o vampirão Michel Temer confessou que o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff foi um golpe. Hoje, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o ex-senador tucano Aloysio Nunes disse que o ex-juiz Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato fizeram manipulações políticas para induzir ao impeachment.

“Não é possível, em um processo judicial, em um país civilizado, um juiz e os procuradores se comportarem da forma como se comportaram. Processo judicial exige um juiz independente, imparcial, que dê iguais oportunidades tanto à defesa quanto ao Estado provarem seus argumentos”, afirmou Aloysio.

Também hoje, na mesma entrevista em que confessou ter entrado armado no STF com a intenção de matar o ministro Gilmar Mendes, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot reconheceu a honestidade de Dilma. A notícia é do Brasil 247:

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou, na entrevista que concedeu à revista Veja, que não tem “nenhuma dúvida” de que a ex-presidente Dilma Rousseff não está envolvida em atos de corrupção. 

 “É impossível que o Lula não fosse um dos chefes de todo esse esquema. Não tenho dúvida de que ele é corrupto. Da mesma forma que não tenho nenhuma dúvida de que a Dilma não é corrupta”, disse Janot, na entrevista em que também revelou ter ido armado a uma sessão do Supremo Tribunal Federal com a intenção de assassinar o ministro Gilmar Mendes.

Apesar do reconhecimento da honestidade da ex-presidente Dilma, Rodrigo Janot apresentou, em setembro de 2017, uma denúncia contra o que ele chamou de “quadrilhão”, incluindo Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff. 

Como lembra reportagem do Jornal GGN, a peça assinada por Janot e que foi aceita pela 10ª Vara Federal em Brasília em novembro do ano passado afirma que os dois ex-mandatários teriam tido participação em um esquema de coleta de propinas de R$ 1,48 bilhão, entre 2002 e 2016.

A denúncia sustentava que o esquema teria existido por vantagens supostamente ilícitas em contratos da Petrobras, do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e do Ministério do Planejamento nos governos dos dois ex-presidentes.

Hoje, dois anos depois, Rodrigo Janot desmente a própria denúncia criada por ele em 2017: “Até agora não surgiu nenhuma prova que envolva a ex-presidente com corrupção”, disse, entre as suas declarações.

BOLSONARO LEVA ATAQUES À ONU E GERA REAÇÕES DE ESPANTO NO BRASIL E NO MUNDO

A análise é do UOL

Apesar da expectativa de que aproveitasse a ocasião para desfazer a imagem de “radical”, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) usou seu primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU para atacar a mídia — a quem acusou de sensacionalismo sobre a Amazônia, além de criticar a França e o socialismo.

A fala foi recebida com choque por diplomatas e funcionários da ONU, relatou o blogueiro do UOL em Genebra, Jamil Chade. “Bolsonaro perdeu a oportunidade de ser respeitado”, disseram membros da comunidade internacional.

O presidente dos EUA, Donald Trump, que também fez discurso nacionalista, cumprimentou o colega brasileiro. Mas Emmanuel Macron, da França, usou o discurso para sugerir boicote a países que não cumprem com compromissos ambientais — em uma indireta ao Brasil.

Por aqui, a oposição, incluindo o deputado Alexandre Frota (PSDB), classificou o discurso de Bolsonaro de “vexame”. Aliados defenderam e chamaram o presidente de “corajoso”.

Entre empresários brasileiros, o tom adotado pelo presidente da República foi considerado “desnecessário“, em um contexto de recuperação econômica em marcha lenta.

PORTA-VOZ DA DIREITA PEDE LULA LIVRE E A DUPLA MORO-DALLAGNOL NO BANCO DOS RÉUS

Nesse ritmo, daqui a alguns dias até os asquerosos Diogo Mainardi, Augusto Nunes e Alexandre Garcia irão aderir ao Lula Livre. Deu no Brasil 247:

Assim como já fez Reinaldo Azevedo, outro tradicional porta-voz da direita, o colunista Demétrio Magnoli agora pede Lula Livre e também que Sergio Moro e Deltan Dallagnol sejam investigados pela farsa revelada pela Vaza Jato.

“O conluio entre Estado-julgador e Estado-acusador violou as leis que regulam o funcionamento do sistema de Justiça. A corte suprema tem o dever de preservar o Estado de Direito, declarando a nulidade dos julgamentos e colocando o ex-presidente em liberdade”, diz ele no artigo Lula Livre, na Folha de S.Paulo.

“​​Sergio Moro agiu como juiz de instrução italiano, uma espécie de coordenador dos procuradores —mas no Brasil, onde inexiste essa figura, não na Itália, onde um juiz diferente profere a sentença. Batman e Robin. Moro e Dallagnol, comparsas, esculpiram juntos cada passo do processo, nos tabuleiros judicial e midiático”, afirma Magnoli.

“Batman, Robin e cia merecem sentar no banco dos réus sob a acusação de fraudar o sistema de Justiça. Lula livre, não por ele ou pelo PT, mas em defesa de um precioso bem público, de todos nós, ao qual tantos brasileiros pobres precisam ter acesso: o Estado de Direito. Que o ex-presidente seja processado novamente, segundo os ritos legais, e julgado por magistrados sem partido.

GOVERNO BOLSONARO AVALIA MUDAR CONSTITUIÇÃO PARA CONGELAR SALÁRIO MÍNIMO

Governo Bolsonaro planeja economizar R$ 37 bilhões, em dois anos, em cima de quem tem salários reajustados com base o salário mínimo. Quase 50 milhões de trabalhadores e beneficiários do INSS serão impactados negativamente com o congelamento.

A notícia é da revista Fórum:

O Ministério da Economia, de Paulo Guedes, analisa retirar da Constituição a obrigatoriedade de que o valor do salário mínimo seja corrigido pela inflação, para então autorizar o seu congelamento provisório em situações de “aperto fiscal”.  Uma das hipóteses é que o valor fique travado por dois anos. Proposta atualmente está em tramitação no Congresso. Informação foi confirmada na segunda-feira (16) por Bernardo Caram, da Folha de S.Paulo.

O salário mínimo já não tem mais a obrigatoriedade de ser reajustado acima da inflação, pois tal regra caiu esse ano no governo Bolsonaro. Agora, a nova mudança iria além, permitindo o congelamento do valor, sem reposição da inflação. No entanto, a Constituição define que o salário mínimo deve ter reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo.

A teoria de Paulo Guedes é que, como o governo tem gastos atrelados ao salário mínimo, como as aposentadorias, a medida traria alívio ao Orçamento em situações de “aperto fiscal”.

A medida será incluída na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que altera regras fiscais e tem autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ). O texto atualmente está na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e é debatido por um grupo de parlamentares, representantes do Ministério da Economia e técnicos de Orçamento no Congresso.

“ACUSAÇÃO É UM AMONTOADO DE SUPOSIÇÕES”, DIZ JUIZ DE SP QUE REJEITOU DENÚNCIA CONTRA LULA E IRMÃO

Se fosse na Justiça Federal do Paraná, a denúncia teria sido aceita e Lula seria mais uma vez condenado. Deu o portal Brasil de Fato

Em derrota para a sessão paulista da Operação Lava Jato, a Justiça Federal rejeitou na segunda-feira (16) a denúncia de corrupção passiva apresentada na semana passada contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o irmão dele, José Ferreira da Silva, o Frei Chico. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Na decisão, o juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Federal Criminal em São Paulo, criticou o Ministério Público Federal: “A denúncia é inepta. Não seria preciso ter aguçado senso de justiça, bastando de um pouco de bom senso para perceber que a acusação está lastreada em interpretações e um amontoado de suposições”, afirmou Mazloum.

De acordo com a denúncia, Frei Chico teria recebido mesada da Odebrecht de 2003 a 2015 dentro de um pacote de vantagens indevidas oferecidas ao petista. O valor total chegaria a R$ 1,1 milhão, divididos em repasses de R$ 3 mil a R$ 5 mil ao longo do período.

O relacionamento teria começado, dizem os procuradores, quando o irmão de Lula foi procurado pelo grupo, nos anos 1990, para ser interlocutor com movimentos sindicais, serviço que foi efetivamente prestado até 2002, quando Lula foi eleito presidente. A denúncia, porém, afirma que Frei Chico teria continuado a receber os pagamentos, mesmo sem prestar mais qualquer trabalho à empreiteira.

Para o juiz federal, os fatos da denúncia não possuem todos os elementos legais exigidos para a configuração do delito, não havendo pressuposto processual nem justa causa para a abertura da ação penal.

“Não se tem elementos probatórios de que Lula sabia da continuidade dos pagamentos a Frei Chico sem a contrapartida de serviços, muito menos que tais pagamentos se davam em razão de sua nova função”, afirma o juiz.

Em outro trecho da decisão, o magistrado pontua que “absolutamente nada existe nos autos” no sentido de que Lula, a partir de outubro de 2002, “foi consultado, pediu, acenou, insinuou ou de qualquer forma anuiu ou teve ciência dos subsequentes pagamentos feitos a seu irmão em forma de ‘mesada’”.

O juiz afirma que “a denúncia não descreve nem mesmo alguma conduta humana praticada pelo agente público passível de subsunção ao tipo penal”.

Também foi rejeitada a denúncia em relação a outros três executivos da Odebrecht por suposta prática de corrupção ativa: Alexandrino Alencar, Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo, e Emilio Odebrecht. Os procuradores do MPF em São Paulo prometem recorrer.

FRASE

“É impossível dar nota para o governo Bolsonaro porque não há governo, há apenas um circo infestado de palhaços sem a mínima graça. Com Bolsonaro, o Brasil virou piada mundial”.

(Do youtuber Felipe Neto, em entrevista ao jornal Valor Econômico, publicada hoje. O canal de Neto, no Youtube, possui 34 milhões de inscritos. E no Twitter, ele tem 10 milhões de seguidores).

 

1 2 3 4 5 6 382