Categoria: Região

OS ELEITOS EM SANTA SALETE

Em Santa Salete, a eleição foi quase tão equilibrada quanto em Jales. O tucano Ivalderis Molina, atual vice-prefeito, conseguiu eleger-se com 705 votos, ou 51,27% dos votos válidos. Seu oponente, o peemedebista Edílson César Farinha, chegou bem perto: 670 votos, equivalentes a 48,73% dos votos válidos.

Com um dos menores colégios eleitorais da região – 1.494 eleitores – Santa Salete teve apenas 91 ausências, correspondente a 6,09% de abstenção. Entre os 1.403 eleitores que compareceram, 08 votaram em branco e 20 anularam o voto. Curiosamente, o PMDB de Santa Salete conseguiu eleger 03 mulheres para a Câmara Municipal. Eis os eleitos:

Paulo Buzo (PSDB)  –  129
José Carlos Codinhoto (PSDB)  –  104
Nilo Lopes (PP)  –  99
Marizete Costa (PMDB)  –  94
Rosana Cocharro (PMDB)  –  86
Beto do Posto (PSDB) –  83
João Paulo (PMDB)  –  78
Tião Miguel (PSB)  –  67
Lúcia Lopes (PMDB) –  65

OS ELEITOS EM SANTA ALBERTINA

Em Santa Albertina, o vencedor foi Vanderci Novelli(PMDB), o Tuquinha. Ele obteve 2.485 votos, ou 61,01% dos votos válidos, enquanto seu adversário, o atual vice-prefeito João Gadotti(PDT), ficou com 1.588 votos (39,99%).

Segundo os números do TSE, 4.236 eleitores foram às urnas em Santa Albertina, enquanto 532 (11,16%) não compareceram. Entre os que compareceram, 68 votaram em branco, enquanto 95 anularam o voto. Os vereadores eleitos foram os seguintes:

Juninho Formigoni (PMDB) – 563
Zé da Farmácia (PDT) –  249
Gatinho da Ambulância (PMDB)  –  241
Tuca Lino (PDT)  –  233
Facin (PSDB)  –  203
Gilmarzinho (PMDB)  – 192
Nariguim (PSDB)  –  190
Piruca (PMDB) – 184
Tavim (PMDB)  –  165

OS ELEITOS EM PONTALINDA

Pontalinda foi o único município de região onde teria havido um princípio de tumulto, por conta das eleições. Nada importante, porém. Importante mesmo foi a eleição do petebista Elvis Carlos de Souza, que foi apoiado pelo atual prefeito, Guedes Marques Cardoso.

Elvis obteve 1.584 votos, ou 56,90% do total de votos válidos. Já o seu adversário, Benedito Tonholo(PSD), ficou com 1.200 votos (43,10%). 486 eleitores não votaram, o que deixou o índice de abstenção, em Pontalinda, em 14,30%.  Entre os que compareceram, 29 votaram em branco e 81 anularam o voto. Eis os vereadores eleitos:

Processo (PMDB)  –  248
Maurão (PPS)  –  223
Heitor Quatroque (PTB)  –  221
João da Viola (DEM)  –  212
Lambari (PP) – 207
Marlúcio (DEM)  –  193
Rosângela do Boy (PT)  –  184
Marcelo do Baltazar (PT)  – 169
Deneval (PT) – 150

OS ELEITOS EM PARANAPUÃ

No site do TSE é impossível saber quantos votos teve o candidato Cláudio Pereira da Silva, o Caju, uma vez que sua candidatura está sub judice e, por consequência, os votos dados a ele não aparecem na contagem.

Uma coisa, porém, é certa: mesmo que consiga se livrar dos problemas com o registro de sua candidatura, Caju terá que esperar mais quatro anos para tentar, novamente, voltar à Prefeitura de Paranapuã. Ele deve ter tido pouco mais de 900 votos, bem menos que os 1.637 obtidos pelo atual prefeito, dr Antonio Melhado. Abaixo, os vereadores eleitos em Paranapuã:

Gilmarzinho (PT)  –  199
Rolimã (DEM)  –  185
Maria José (PTB)  –  162
Zanza (PT) –  151
Esquisito (PMDB)  –  147
Minú  (PRB)  –  147
Cláudia Siqueira (PSD) –  132
João Baiano (PSDB)  –  126
Robinho Paixão (PT)  – 100

OS ELEITOS EM DIRCE REIS

Roberto Visoná, do PMDB, foi o grande vencedor das eleições em Dirce Reis, contrariando algumas pesquisas que apontavam o atual prefeito, Euclides Scriboni Benini, como favorito. Roberto obteve 824 votos, ou 55,75% dos votos válidos, enquanto seu adversário conseguiu apenas 654 votos, ou 44,25%.

A abstenção, em Dirce Reis, foi de apenas 5,22%, uma vez que 1.526 dos 1.610 eleitores inscritos no município foram às urnas, neste domingo. Entre os 1.526 que compareceram, 18 eleitores votaram em branco, enquanto 30 deles preferiram anular o voto. Abaixo, os vereadores eleitos:

Noel (PSC) –  137
Maércio da Chácara (PR) –  84
Maí (PMDB)  –  80
Laio do Posto (PT)  –  79
João Dutra (PR) – 75
Zé Guilherme (PT)  –  66
Cidinha Rizzi (PR)  –  63
Donizete do Acampamento (PR) – 59
Jeguinho (PT)  – 49 

OS ELEITOS EM ASPÁSIA

O servidor público municipal José Eduardo de Assunção(DEM), o Calango, foi eleito o novo prefeito de Aspásia, com 934 votos (58,27%).

Vanderlei Conejo(PT), seu adversário, obteve 669 votos (41,73%). Calango estava sendo apoiado pelo atual prefeito, o Lia do Bar Os vereadores eleitos foram os seguintes:

Odenir Vieira (PSDB) – 138
Zica (PSD) – 129
Rute Teodoro (DEM) – 126
Celsino (DEM) – 107
Joacir (DEM) – 100
Zorba (DEM) –  96
Ninin (PTB) –  88
Tioza (PT) – 79
Odair (PT)  –  74

SUPLICY VISITA PARANAPUÃ EM APOIO AO CANDIDATO CAJU

Mesmo estando – por enquanto – com sua candidatura indeferida, por conta de problemas com a “Lei da Ficha Limpa”, o candidato a prefeito de Paranapuã, Cláudio Pereira da Silva, o Caju, continua com muito prestígio junto à cúpula petista.

Ontem, quinta-feira, ele recebeu a visita do senador Eduardo Suplicy, que veio a Paranapuã especialmente para dar seu apoio ao Caju.

Para não perder o costume, Suplicy aproveitou para falar do seu projeto “Renda Cidadã”. Depois, ele seguiu para Palmeira D’Oeste, onde foi recepcionado pelo candidato a prefeito Marcão da Elektro(PT).

POLÍCIA FEDERAL DE JALES ENCONTRA R$ 40 MIL PARA COMPRA DE VOTOS

A notícia é do Diarioweb:

A Polícia Federal de Jales apreendeu R$ 40 mil em cédulas de R$ 100 em uma residência de Fernandópolis. A apreensão foi ordenada pelo Juiz Eleitoral da cidade após suspeita de compra de votos.

O dinheiro foi encontrado em uma caixa, e o dono da casa não conseguiu justificar sua origem aos policiais, o que reforça os indícios de que o valor apreendido realmente seria destinado a fins ilícitos relacionados à “compra” de votos para as eleições municipais.

Será instaurado inquérito com o fim de apurar com detalhes os fatos e determinar a autoria de eventuais crimes cometidos. A pena prevista para o crime de “compra” de votos, delito previsto no artigo 299 do Código Eleitoral, é de até 4 (quatro) anos de reclusão e pagamento de multa.

ELEITORA DE CAJU DIZ QUE DISPUTA VAI SER EQUILIBRADA EM PARANAPUÃ

Hoje, no início da noite, estive na Via Pães, onde encontrei a simpática moça da foto, que trabalha por lá. O nome dela é Fabrícia e, embora esteja morando atualmente em Jales, é paranapuense de coração e faz questão de votar naquele vizinho município.

A Fabrícia é eleitora do Caju e – como não é moça de meias palavras – já foi logo dizendo que estava muito chateada comigo porque – segundo ela – eu sou contra o candidato preferido dela. E foi mais longe a Fabrícia: disse que eu fui infeliz ao usar a expressão “alegria de pobre dura pouco”, ao anunciar o indeferimento da candidatura do Caju.

Gosto de pessoas sinceras como a Fabrícia, mas não é verdade que eu esteja contra o candidato dela, muito pelo contrário: tenho até apreço pelo Caju. Tive a oportunidade de viajar com ele para Brasília, em 2003, onde fomos participar de um encontro entre o então recém-eleito presidente Lula e os prefeitos do PT. Eu fui com o Caju, representando um jornal de Jales.

Eram cerca de 400 prefeitos e o único citado nominalmente pelo presidente Lula, em seu discurso, foi exatamente o “companheiro Caju”. Lula falou da origem simples do Caju – um ex-cortador de cana – e mencionou uma frase que teria aprendido com o então prefeito de Paranapuã: “o homem é do tamanho do seu sonho”.

Sempre tive, portanto, um bom relacionamento com o Caju. Isso não pode me impedir, no entanto, de noticiar os fatos. E o fato é que ele – assim como a candidata a prefeita de Urânia, Neuseli Pires – está com sua candidatura indeferida. Ou seja, ele pode até ganhar as eleições em Paranapuã, mas corre o risco de não tomar posse.

A Fabrícia – que me disse já ter trabalhado na colheita da cana, junto com o Caju – afirmou, também, que a eleição em Paranapuã vai ser equilibrada, mas, se depender dela, o doutor Antonio Melhado voltará a se dedicar exclusivamente à Medicina. “Ele é um excelente médico, mas, como administrador, deixou a desejar…”, concluiu.

Em tempo: a temperatura está realmente elevada em Paranapuã. Consta que, na noite desta quarta-feira, uma briga com motivação política teria acabado com um preso. O rapaz teria agredido uma menor de idade.    

FERNANDÓPOLIS: BOATOS SOBRE POSSÍVEL PRISÃO DE CANDIDATO SÃO ESCLARECIDOS

O amigo acha que a boataria anda solta em Jales? Então veja a notícia do site Região Noroeste sobre a suposta prisão do prefeito Luiz Vilar, de Fernandópolis:

Uma central de boatos deixou parte da imprensa de Fernandópolis em alerta sobre a possível prisão de um candidato a prefeito por distribuição de “vale combustível” na periferia da cidade. Na última segunda-feira apenas uma averiguação feita pela polícia militar foi constatada que alguns “vales” foram apreendidos e encaminhados ao 1º Distrito Policial.

Ao mesmo tempo, foram espalhados aos quatro cantos, que o candidato Luiz Vilar teria sido preso pela Polícia Federal e que estava sendo levado à Jales, sede regional. Os boatos plantados deixou jornalistas sem informações concretas sobre a veracidade dos fatos ocorridos durante a noite da última segunda-feira, 1 de outubro.

Na terça-feira, o regiaonoroeste apurou que os boatos foram plantados com objetivo de desmoralizar a campanha de Vilar, já que o candidato, no momento dos ataques, boatos via telefone e em boca-a-boca, realizava uma passeata por vários bairros e na noite de segunda-feira, participava de um encontro com moradores no Jardim Araguaia.

A notícia completa do Região Noroeste, inclusive com um pedido de desculpas de um jornalista que teria ajudado a espalhar o boato, pode ser lida aqui

1 79 80 81 82 83 85