A TRIBUNA: CRÍTICAS À ESCURIDÃO LEVAM PREFEITURA A SUBSTITUIR LÂMPADAS QUEIMADAS EM AVENIDAS

No jornal A Tribuna deste carnavalesco  final de semana, o principal destaque é para as negociações salariais entre o Sindicato dos Servidores Municipais e o prefeito Flávio Prandi, que voltou de Brasília na quinta-feira, para participar da assembleia geral marcada para a Câmara Municipal. Ao final, os servidores públicos municipais aceitaram a proposta de 3,5% de reajuste salarial, que significa um aumento de 1,29% acima da inflação  medida pelo IPCA. O acordo prevê, também, um aumento do valor pago no vale alimentação, que subiu de R$ 210,00 para R$ 245,00. A matéria diz que a assembleia não contou com número expressivo de servidores. Entre os vereadores, o único ausente foi Tiquinho.

Destaque, igualmente, para a iniciativa da Prefeitura, que está substituindo as lâmpadas queimadas nas luminárias ornamentais de algumas avenidas. Como se sabe, o problema os pontos escuros em alguns setores da cidade vem sendo alvo de recorrentes críticas da população. Enquanto não define a contratação de uma empresa privada  para cuidar desse serviço, a Secretaria de Planejamento iniciou, na semana passada, a substituição das lâmpadas. Os serviços começaram no prolongamento da Avenida “Francisco Jalles”, nas proximidades do Hospital de Câncer.

A apresentação do projeto de revitalização da Praça “Euphly Jalles”; os motivos que causaram o substancial aumento no preço dos aluguéis de caçambas, em Jales; o projeto de lei do vereador Tiago Abra, que proíbe fogos de artifícios com estampido em eventos; a volta das discussões, na Câmara, sobre a venda do aeroporto municipal; e a indenização que está sendo pedida na Justiça por uma mãe que levou a filha para uma consulta no Hospital de Base, em São José do Rio Preto, e foi abandonada – juntamente com a filha – pela ambulância da Secretaria Municipal de Saúde, são outros assuntos de A Tribuna, que está completando 30 anos de fundação.

Na coluna Enfoque, informações sobre a possibilidade de “entrar água” no acordo que previa a “doação” da sede da Aderj para a Prefeitura, em troca de dívidas; na página de opinião, a crônica do Marco Poletto é sobre a Quarta-feira de Cinzas, enquanto o artigo do ex-prefeito Pedro Callado – “Dois pesos e duas medidas” – fala da maneira diferente como a imprensa trata o tema “desemprego” nos governos Dilma e Temer. No caderno social, destaque para a coluna do Douglas Zílio e para o aniversário da Erika Rossafa.

4 comentários

  • Observador

    Jales sem:
    Recinto exp
    Aeroporto
    Estádio
    Dinheiro
    Asfalto
    Estamos no mato muito mato e com muito cachorro.
    Estamos lascados.

  • Proibir a queima de fogos com estampido em todo território nacional,seria uma ótima campanha,não só os animais agradeceriam,eu também.Leandro Karnal chama esse tipo de comemoração de pequena-barbárie.

    • Esperando o fim.

      Para sua informação, a abertura dos jogos de inverno foram sem pólvora, sem fumaça, quase um ilusionismo.
      Primeiro mundo irmãozinho, coisa de quem acaba com este planeta somente no apertar de um pequenino botão.
      Então enquanto isso não acontece:
      Cerveja Brahma;
      Carne ponta de peito na churrasqueira;
      Cachorra ( animal ) entre as pernas.
      Música boa ;
      Cercado de VERDADEIROS amigos,
      E do resto amigo, esperar o fim.
      Beijo no seu coração.

  • Gazeta

    Tem que vender tudo mesmo, igual vendeu almoxarifado da prefeitura e nunca mais comprou outro fica pagando aluguel, vendeu recinto da facip nunca mais, vende os campos de futebol dessa vez o aeroporto, o estádio e o campo de Aeromodelismo do aja também,
    Lá no aeromodelo é terreno público da prefeitura, quem quiser solta aeromodelo compra um terreno e solta,
    Não no terreno da prefeitura, vende todos os terrenos que a prefeitura precisa de dinheiro.
    Coloca os terrenos do aeromodelo a venda ou já construí casa popular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *