A TRIBUNA: EX-FUNCIONÁRIA REGISTRA QUEIXA NA POLÍCIA CONTRA CONSIRJ E EMPRESA POR SUPOSTA FALSIDADE IDEOLÓGICA

No jornal A Tribuna deste final de semana, o principal destaque é o protesto dos caminhoneiros contra a política de reajuste de preços dos combustíveis implantada pelo presidente da Petrobras, o tucano  Pedro Parente. Matéria do jornal diz que um grupo de empresários do setor de transportes e caminhoneiros autônimos realizaram uma manifestação às margens da rodovia Euclides da Cunha na manhã de sexta-feira. Não houve, porém, bloqueio da passagem de veículos de carga, como acontece em várias partes do país. Faixas contra os preços dos combustíveis, especialmente do Diesel, foram exibidas pelos manifestantes.

Destaque, também, para o homicídio ocorrido em Jales, na tarde de terça-feira, 22, quando uma jovem foi assassinada pelo marido. Alciene Souza Oliveira, de 24 anos, funcionária de um restaurante, foi morta com cerca de trinta facadas desferidas pelo próprio companheiro, na residência do casal, no Jardim Oiti. O marido, de 27 anos, foi preso pela Polícia Militar nas proximidades do local do homicídio. A mãe do rapaz também ficou ferida ao tentar impedir o filho de continuar esfaqueando a jovem.

O caso da ex-funcionária de uma empresa contratada pelo Consirj, que registrou queixa na Polícia Civil contra ambos – a empresa e o Consirj – por suposto crime de falsidade ideológica; a ação da Polícia Militar de Jales, que apreendeu 19 quilos de maconha na Vila União; o caso de uma empresa de medicamentos que está apelando à Justiça para receber uma dívida de apenas R$ 4,5 mil da Prefeitura de Jales; e o lançamento do simpósio sobre combate à corrupção, que será realizado em Jales, no mês de agosto, com a presença do ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, a informação de que a Prefeitura está cobrando R$ 663 mil do Cartório do Registro de Imóveis de Jales, referentes a tributos (ISS) não recolhidos ou recolhidos a menor entre 2011 e 2016. A ex-oficial do Cartório, Gerci Marinelli Fernandes, está contestando a cobrança. Na página de opinião, artigo de um grão-mestre garante que a Maçonaria segue viva e atuante por um Brasil mais justo. No caderno social, destaque para o chá feminino promovido pela Igreja Catedral da Família e para a coluna do Douglas Zílio.    

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *