A TRIBUNA: JALES PODE FICAR SEM ÔNIBUS CIRCULARES

No jornal A Tribuna deste final de semana, a principal manchete diz respeito ao transporte coletivo em Jales, que estaria ameaçado de paralisação. De acordo com a matéria, a Viação Jauense protocolou um ofício na Câmara Municipal, alertando para o risco de interrupção total ou parcial dos serviços. A empresa está cobrando uma dívida de pouco mais de R$ 100 mil da Prefeitura, correspondente – segundo ela – aos subsídios das passagens dos meses de setembro e outubro, que ainda não foram pagos. No valor estão incluídos, também, um reajuste do subsídio que, atualmente, é de R$ 15 mil mensais, além de um reajuste retroativo das passagens, que passaria de R$ 2,50 para R$ 3,00.

Destaque, igualmente, para as 10.400 notificações que a Prefeitura está enviando a proprietários de imóveis urbanos de Jales, após levantamento feito por uma empresa especializada em geoprocessamento. A empresa fez fotos aéreas de todos os bairros da cidade e concluiu que – por conta de reformas e ampliações – a área construída de mais de dez mil imóveis está em desacordo com o cadastro imobiliário municipal. Até a sexta-feira já tinham sido enviadas pouco mais de 8.000 notificações e cerca de 500 pessoas já tinham comparecido à Prefeitura para reclamar ou pedir explicações.

A aprovação do projeto do vereador Henrique Macetão, que prevê atendimento preferencial em bancos e repartições públicas às pessoas que estejam em tratamento contra o câncer; os preços dos combustíveis em Jales, que continuam entre os mais baratos do estado; a segunda etapa dos concursos públicos da Prefeitura que será realizada nesse domingo, com provas para 3.000 candidatos; a repercussão do artigo do bispo dom Reginaldo, com críticas à reforma da Previdência; e a condenação da médica que prestava serviços em um ESF de Jales e, depois de investigada pela Polícia Federal, foi acusada de enriquecimento ilícito, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações dão conta de que uma empresa da capital já estaria com tudo certo para assumir a realização da Facip em 2018, mas o recinto de exposições “Juvenal Giraldelli” estaria descartado como local do evento. Na página de opinião, o ex-prefeito Pedro Callado escreve sobre maternidade e paternidade socioafetiva, enquanto o Hélio Consolaro filosofa sobre “corte de unhas”. No caderno social, destaque para a confraternização de final de ano do pessoal da Polícia Civil e para a coluna do Douglas Zílio, que flagrou alguns colunáveis na comemoração dos 59 anos da Santa Casa.

5 comentários

  • Observador

    A paia é fina e o fumo e GROSSO.

  • Grobo

    Engraçado o Fla manda imposto, faz e refaz ninguém fala nada. A Nice ia fazer alguma coisa ficava todos criticando.
    Cadê o Gilbertão, o Jesus, o Rivail que tanto defendia o Fla.
    O Fla traiu todos seus companheiros.

  • elias

    Orra, não posso nem mais ficar peladão na piscina de casa que o agora estão tirando fotos é? Cade minha privacidade?

  • OLHA PESSOAL, QUANTO Á ESSA EMPRESA DE ONIBUS, ACHO QUE A PREFEITURA SUBSIDIAR ELA É MUITO ERRADO, POIS ELA TEM DESFRUTADO DE UM SERVIÇO SEM PAGAR NADA AOS COFRES E AINDA QUER AJUDA?? VE SE A PREFEITURA AJUDA OS MOTO-TAXIS E AO TU-TUC, NADA ENTÃO CADA UM COM SUA ADMINISTRAÇÃO, ELA QUE ADMINISTRE AS LINHAS E SUAS DESPESAS E PRONTO, QUANTO ÁS FOTOS AEREAS, A POPULAÇÃO DEVERIA TER SIDO AVISADA COM CERTEZA, MAS ESSE PREFEITO NÃO TEM CONSIDERÇÃO NENHUMA POR NÓS MESMO ENTÃO ESTÁ TUDO CERTO KKKKKKKKKKKK MORE EM JALES E PAGUE O PATO.

  • Cowboy do asfalto

    Além do aumento dos impostos, todos nós fomos expostos à invasão de nossa privacidad

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *