JORNAL DE JALES: AVALIAÇÃO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLOCA FATEC JALES ENTRE MELHORES FACULDADES DO PAÍS

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, que está destacando a avaliação da Fatec Jales “Prof.José Camargo”, classificada entre as melhores faculdades do país, segundo o Índice Geral dos Cursos (IGC), divulgado esta semana pelo Ministério da Educação. Nossa Fatec  obteve nota 4, que é considerado um excelente desempenho na avaliação, onde a nota máxima é 5. O IGC é considerado o principal indicador da qualidade do ensino superior brasileiro. A Fatec Jales oferece quatro cursos superiores: Agronegócio, Gestão Empresarial, Sistemas para Internet e Análise e Desenvolvimento de Sistemas.

Destaque, igualmente, para a parceria firmada entre a Prefeitura de Jales e o loteador do Big Plaza, Laércio Prates, que está redundando na recuperação asfáltica das ruas daquele bairro, com os custos totalmente cobertos pelo empresário. Segundo o prefeito Flávio Prandi, a parceria marca o início de uma nova fase da administração municipal. O prefeito disse ao jornal que outros bairros da cidade deverão ter o asfalto recapeado pelos loteadores que, de acordo com Flá, entenderam a necessidade de recuperar as ruas danificadas em seus empreendimentos.

A reinauguração da Ótica e Relojoaria  Alvorada, na Rua Dez, depois de passar por uma repaginação geral; o recinto da Facip que continua à venda, mas agora por um preço superior aos R$ 3 milhões anunciados anteriormente; a confraternização da Associação dos Engenheiros da Região de Jales – Aerj; a bolsa de estudos que a Unijales concedeu à vendedora de sorvetes de Jales – Bruna Atanázio – que virou celebridade depois de uma postagem no Facebook; e a aprovação da lei municipal, de autoria do vereador Macetão, que prioriza o atendimento de pessoas em tratamento contra o câncer, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que o jalesense Jarbas Elias Zuri Júnior – organizador do encontro do PMDB aqui em Jales, em 2014, com a presença da então presidenta Dilma – é o novo secretário de Turismo e Eventos do município de Paulínia. Ele não é o único jalesense requisitado pela administração municipal de Paulínia: Carlos Tadeu Rayel foi convocado para implantar um novo serviço de Comunicações Digitais do município. Rayel, lembra o colunista, já assessorou os falecidos Roberto Rolemberg e Orestes Quércia, além de cuidar de campanhas eleitorais, como do ex-governador Garotinho, do Rio de Janeiro, e Silval Barbosa, do Mato Grosso. 

6 comentários

  • Parabéns à Fatec e aos profissionais gabaritados que ali se empenham. Muito bom saber que temos uma instituição de ensino superior deste nível (e ainda mais gratuita) em nossa cidade! Taí o resultado de um trabalho sério e competente.

  • R$

    Aínda paira no ar, porque o bloqueiro simplesmente APAGOU a pesquisa que a ultrapassada Faficle de Jales é uma das piores instituições de ensino do país.
    Sera que rolou um R$ por fora?

  • Refinado

    Enquanto isso na unijales… uma das piores do país.

  • MÁFIA DOS COXINHAS o assunto não tem em nada com as noticias principais do Jornal de Jales, mas é que eu estava mexendo a mais de 2 hs. na Internet, Facebook , Google e acabei encontrando algo preciso da década de 90 onde já se falava de corrupção no Brasil e da máfia do PSDB e MPDB e entre os mafiosos citados , não é que apareceu os nomes do doleiro Youssef e do Juiz corrupto Moro, então vejamos:

    Aconteceu na década de 90. US$ 124 bilhões saíram do Brasil através das chamadas contas CC5. Há quem diga que, na época, nem as reservas brasileiras em moeda americana chegavam a esse total. O banco usado para a roubalheira foi o Banestado e o ralo era Foz do Iguaçu/PR, cidade onde antes durante ou depois foi trabalhar o tal “Japonês da Federal”, que nada tem a ver com a história.
    Também meio antes, durante ou depois – a essa altura pouco importa, aconteceu a CPI dos Precatórios, que desaguou numa tal Operação Macuco da Polícia Federal, que entrou em cena e descobriu que pelo menos US$ 30 bilhões daquela cifra foram remessas ilegais.
    Durante as investigações, a Procuradoria da República ia junto aos órgãos oficiais, perguntava uma coisa, respondiam outra. Refazia o pedido e a resposta vinha incompleta. E aí, ela radicalizou: pediu a quebra de sigilo de todas as contas CC-5 do País. Sugiro ao leitor uma visita ao Google para entender melhor essas tais contas.
    A PF descobriu que o dinheiro passava por Nova Iorque (EUA), uma roubalheira que apesar de gigante, seria apenas a ponta de um iceberg. Entre os suspeitos estavam empresas financiadoras de campanha, alto empresariado em geral e membros da alta cúpula do governo brasileiro da era Fernando Henrique Cardos
    O rombo era tamanho que os promotores americanos, abismados com o volume de dinheiro que havia transitado por aquela cidade, quebraram sigilo bancário em Nova Iorque. A equipe da PF foi reconhecida e ganhou a simpatia até do enfadonho e burocrático Banco Central (EUA), além da FBI (Polícia federal americana).
    O mecanismo descoberto era e é um traçado muito bem articulado, de forma que os verdadeiros nomes dos titulares não possam aparecer. Desse modo, num passe-repasse, plataformas financeiras e coisa e tal, os trabalhos para ocultação envolvem ou envolveriam até cinco camadas ocultadoras.
    Com esse grau de sofisticação, investigar seria percorrer o complexo caminho inverso, mergulhar nas tais camadas, até que se chegar aos verdadeiros titulares do dinheiro.
    Estava tudo tão bom e tão bem protegido, que a prática consolidou-se, e como a corrupção no País é endógena, além de “lubrificar economias” (a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE que o diga!) as ratuínas foram abrindo a guarda. Com impunidade garantida, alguns grandes nomes relaxaram e apareceram por descuido.
    Haja descuido! Surgiu até um óbvio – “Tucano” e um aleatório “Serra”. Tão óbvio que deixou perplexo não só o delegado que coordenava o trabalho, mas também os procuradores. Mero ato falho e primário, em tempos de abertura de guarda, de “engavetadores gerais da República”. Tempos de gente honrada e das panelas silenciosas, da dita “grande mídia” calada, dos arautos da moralidade hodierna.
    Há uma entrevista no Youtube com o delegado federal José Castilho Neto, coordenador da Operação Macuco. Sem fulanizar ou partidarizar, ele reclama da oportunidade aberta e perdida, naquela época, para o enfrentamento da banda podre, seja da política, seja do empresariado. O Cônsul do Brasil, que trabalhava em Nova Iorque, teria dito para as autoridades americanas que a cabeça do delegado Castilho “estava a prêmio”. Só não disse quem seria o pagador, se os protegidos ou os protetores.
    Castilho foi afastado. E o leitor a essa altura deve estar se perguntando: por que esse saudosismo tanto tempo depois?
    Primeiramente para lembrar que a podridão de antes não inocenta ninguém. Mas serve pra provar a hipocrisia dos que hoje posam como arautos da moralidade. Mostra o cinismo dos paneleiros e demonstra com cristalina clareza a postura golpista da dita “grande imprensa”.
    Em segundo lugar, para não ter que retornar aos tempos do Brasil Colônia ou da mordaça da ditadura militar, eu simplesmente gostaria de reafirmar que esse caso escabroso, narrado lá em cima, ocorreu na era do impoluto Fernando Henrique Cardoso. Sabe qual emissora de televisão de maior audiência? TV Globo. Sabem quem era o doleiro? Alberto Youssef. Sabem quem era o juiz? Sérgio Moro.
    O TEMPO PASSA MAS OS RATOS OU OS MAFIOSOS CONTINUAM OS MESMOS E O POVO BRASILEIRO SEM NADA PODER FAZER CONTRA O PODER MAIS PODRE DO BRASIL: O MPF, STF, TSE, TRT, GLOBO, FHC, AS CPI ENCOMENDA ETC…..

  • A DIREITA BRASILEIRA – VAMOS MOSTRAR O MAIOR MONSTRO DO STF, ATRAVÉS DAS PALAVRAS MUITO BEM DITAS DO JORNALISTA BOECHAL:–

    Temos um Ministro do STF que não teme ser defensor explícito do crime organizado.
    Gilmar Mendes nem deveria ser impedido, deveria ser preso. Os laços de Gilmar e sua mulher com Jacob Barata são de amizade, comerciais e profissionais. O cunhado do Gilmar é sócio de Jacob Barata. Jacob tinha o contato direto da mulher de Gilmar em seus contatos.
    Esse senhor Barata, pelos crimes revelados por vários delatores, vem roubando diretamente da população mais pobre do RJ, comprando toda a cúpula da política fluminense e a Fetranspor. O Sr. Barata roubou 10, 20 centavos 4, 6 vezes por dia da população mais pobre do RJ, por anos a fio.
    A suspeição da Gilmar Mendes teria o efeito de mostrar que ele nada tem a ver com esses crimes, que a sociedade do cunhado e que a bênção no casamento, foram coincidências.
    Mas como ele não se declarou suspeito, mesmo quando o “rabo abanou o cachorro” e com todas as manifestações do MP, demonstrando cabalmente que os elos são pessoais, comerciais e profissionais, a única opção a crer é que Gilmar tem muito a esconder tanto nessa relação como nas outras em que se posicionou de forma imoral.
    Jacob Barata é um bandido violento. Provavelmente está roubando dos cariocas há 30 anos. É um milagre da Lava-Jato e adjacências que estejamos trazendo esse esquema à vista, à tona.
    O judiciário e o MP precisam tratar Jacob Barata de forma especial, com o peso expressivo da lei, pois ele vai entregar Gilmar Mendes.
    As últimas atuações do ministro são claras evidências de obstrução intencional da justiça, mandando às favas qualquer resquício de moralidade e racionalidade. Um acinte, um deboche.
    Está muito claro que Gilmar é um infiltrado do status quo para explodir os esforços anti-corrupção e redirecionar os entendimentos do STF para a frouxidão ética e moral, apenas com seus “afilhados e amigos”.
    Derrubar Gilmar Mendes é atravessar uma das últimas muralhas de proteção do sistema corrupto que moveu a política brasileira nos últimos, pelo menos, 30 anos.
    Os brasileiros podem até ser impotentes para derrubá-lo, mas a cada atuação do ministro, mais gente desacredita no país e FAZ QUESTÃO de não apoiar qualquer movimento de recuperação econômica.
    Gilmar Mendes é a certeza da impunidade, portanto é a incerteza econômica. Gilmar Mendes é uma ode à concorrência desleal, portanto é um inimigo da governança e da ética nos negócios. Gilmar Mendes é o Alien parasita no organismo brasileiro.
    Gilmar Mendes, mais do que Lula e Aécio (que são mortos vivos fedendo no noticiário), é a próxima fase de todas as lava-jatos do passado, e a primeira de todas as lava-jatos do futuro.
    Ou é ele, ou é a nação. Jacob Barata não deve entregar Cabral, que é outro cadáver político, esse pelo menos não está fedendo em nossas salas. Tem que entregar Gilmar.
    Acreditem. Gilmar convence os brasileiros a não lutar para tirar o Brasil dessa crise. Convence os brasileiros com mais capacidade, mais recursos e maior grau de empreendedorismo a cogitar SERIAMENTE sair do país. Gilmar Mendes é nosso ministro bolivariano.
    Amigos, entendam a importância de combatê-lo. Não se enganem, é um elemento fundamental para a manutenção do status quo. Está entre nós e a esperança.
    Assinem tudo, reverberem tudo, tudo o que for contra Gilmar. Esse cara quase torna a sonegação de impostos um imperativo ético. Ninguém merece pagar o salário desse imperador da imoralidade judiciária.
    Por isso que nenhum ladrão do PSDB e nem do PMDB esta na cadeia muito menos o juiz Moro.

  • DIREITA BRASILEIRA A MESMA DAS PANELAS, QUE VÊ HOJE A GASOLINA A 3,88 ( PREÇO MÉDIO,) O DIESEL A 3,22 ( PREÇO MÉDIO ), O ÁLCOOL 2,52 ( PREÇO MÉDIO ) O GÁS 70,00 ( PREÇO MÉDIO )E ENERGIA ELÉTRICA COM AUMENTO DE 22,06% E ESTA NA FAIXA VERMELHA, POR FAVOR VAMOS BATER PANELAS AGORA:–

    MORO CADA VEZ MAIS ENCALACRADO
    Por mais que a mídia golpista blinde (e brinde), as zagas dos jornalões está se mostrando impotente para segurar os seus colunistas, cobrando investigações não na Lava Jato, mas da Lava Jato.
    Se a Tevê Globo retarda a notícia de que Moro é corrupto, vendedor de sentenças, o jornal O Globo, do grupo, ontem escancarou, e o portal G1, a revista eletrônica do grupo, parece ter dado liberar geral para os seus jornalistas, que estão batendo.
    Nas redes sociais o assunto predominante é Tacla Durán e a taclada no togado rabo.
    Juristas mais éticos e honestos, menos partidários, têm se pronunciado, exigindo investigação, alguns afirmando que, diante das provas apresentadas, Moro já deveria estar preso.
    O silêncio de Moro diz muito, logo ele, falastrão falador.
    Este, com certeza, será o assunto dominante nas conversas e discussões da semana, Moro é vendedor de sentença, sua mulher e o padrinho de casamento os intermediários.
    Com o assunto já de domínio público, sem ter como esconder, porque vazado das redes sociais e chegando às orelhas de todos, as redes de televisão noticiarão: o nosso herói é igual a uma parcela dos réus que julga, rouba também, com Bonner fazendo cara e bocas com o “furo” de reportagem, como se já não soubesse.
    E começará a desconstrução, o desmonte do vendedor de sentenças, manipulador dos autos dos processos, subtraindo documentos e adulterando datas e extratos bancários, a seu bel prazer, para incriminar ou isentar, de acordo com a ideologia do freguês, até então tido por nós como réus, para Moro, mercadorias.
    Moro terá o mesmo destino de Collor, Roberto Jefferson, Joaquim Barbosa… Laranjas construídas pelo Globo, descartadas quando não tinham mais o que dar, tornando-se bagaços.
    Ontem, nos comentários, afirmei que Moro protocolaria hoje um pedido de licença de um ano, para mais um curso com os seus patrões, nos serviços de inteligência norte-americanos. Errei.
    Sabedor do que Tecla Durán falaria e das provas que tinha e apresentou, Moro se antecipou, o pedido de licença foi protocolado na antevéspera, dia 28/11.
    Pretende evadir-se e para isso conta com o beneplácito do CNJ e do STF, cúmplices, padrinhos e protetores, mas não será facinho não.
    Por investigar empreiteiras e a Petrobras, empresas com negócios em diversos países, a Lava Jato criou braços, tentáculos internacionais, e diversos países, a partir das denúncias feitas pela Lava Jato estão investigando os seus empresários e políticos, com prisões já efetuadas e bens ficando indisponíveis, à disposição da Justiça.
    Sabedores que as informações recebidas não são confiáveis, podendo ter induzido a injustiças, esses países deverão se manifestar nas cortes internacionais.
    O país mais atingido é a Venezuela, já que sendo a Lava Jato um drone dos Estados Unidos, só mandou para a justiça venezuelana acusações contra homens do governo ou ligados ao governo, isentando os nomes da oposição, ao contrário daqui, onde criminalizou o PT e aliviou os tucanos (só Aécio Neves foi citado 106 vezes, por delatores, sem nenhuma consequência).
    Maduro declarou que vai pedir a Durán cópias dos resultados da perícia feita nos documentos que ele apresentou como falcatruas de Moro e, sendo verdadeiros os laudos, e são, quem periciou foi a Justiça espanhola, pedirá a prisão de Moro.
    Como está em território brasileiro, Moro não será preso, ficando na situação de Paulo Mafuf: se cruzar as fronteiras, sair do Brasil, a Interpol prende.
    Os Marinhos, por causa da corrupção da Globo com a FIFA, deverão logo estar na mesma situação.
    Parece que a Lava Jato chegou, finalmente, na corrupção.
    ENTÃO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *