TIAGO ABRA: ‘O DRAMA DA SACOLINHA’

Na semana passada, fui escalado pelo Paulo Aruca, editor de A Tribuna, para ouvir clientes dos nossos supermercados e escrever uma matéria sobre o fim da distribuição gratuita das sacolinhas de plástico. Nas minhas andanças, a imensa maioria das pessoas que ouvi, se disse favorável à medida, que – até prova em contrário – visa a preservação do meio ambiente.  

E hoje, um visitante do blog cobrou a opinião deste aprendiz de blogueiro sobre o assunto. Vejam aí:

Anônimo
30 janeiro 2012 às 8:48

Faz tempo que precisamos de um Prefeito… Cardosinho em relação a não distribuição de sacolas no mercado o que você pensa?  não li nada a respeito no seu blog… até mais!

A minha opinião sobre o fim da sacolinha gratuita não tem a menor importância, mas eu concordo com o que escreveu o Tiago Abra, em artigo publicado no jornal A Tribuna, neste final de semana, abaixo reproduzido:

Os supermercados pararam de distribuir gratuitamente as sacolinhas de plástico na quarta-feira. Grande parte da população de São Paulo ficou revoltada e encheu as redes sociais de reclamações.

O principal argumento é de que esta seria uma medida para os comerciantes ganhar ainda mais dinheiro e que a preservação do meio ambiente é uma desculpa. Na verdade, essa revolta é causada pelo comodismo, pelo fato de você poder ir ao supermercado, pegar quantas sacolas quiser, sem se preocupar com o que acontecerá depois.

Infelizmente, campanhas de conscientização não bastam para educar o povo. Desde criança escuto coisas do tipo “precisamos preservar o meio ambiente, recicle, não jogue lixo nas ruas”. Mas nada disso adianta. Infelizmente, o brasileiro só aprende quando mexem no seu bolso.

Na Europa, o cliente tem que pagar se quiser pegar sacola plástica. A esmagadora maioria leva sua própria sacola reciclável, sem reclamar. Ao contrário, é elegante colaborar com a preservação do meio ambiente, afinal um mero pedaço de plástico demora mais de 100 anos para se decompor.

Mas e se eu estiver de moto? Quando morei em Londres, ia ao trabalho de bicicleta todos os dias e sempre andava com uma mochila para o caso de ter que passar no supermercado ou em outro lugar. Ou seja, ao invés de ficar arrumando desculpas, é preciso que cada um arrume uma solução, o que é simples de se fazer neste caso. Sem drama.

Pequenas atitudes fazem a grande diferença, sim. E para que isso aconteça é necessário uma mudança de hábitos de todos. É preciso parar de olhar somente para o próprio umbigo e começar a pensar no bem coletivo.

A charge lá de cima é do talentoso Cazo e foi publicada originalmente no jornal Comércio do Jahu, de Jaú(SP). O Jornal de Jales também publica as charges do Cazo.  

12 comentários

  • antonio inacio da costa

    parabes Tiago Abra pelo seu artigo,gostaria de ter esse talento para por na cabeca das pessoas, o quanto e nessessario preservar o meio ambiente, porque este planeta e unico, ate que provem o contrario.

  • Anônimo

    Pergunto, então? Porque os supermercados querem vender a R$ 0,19 centavos a outra sacola? Mesmo porque, no fantastico de ontem, 29/01, um especialista diz que esse novo modelo de sacola, é biodegradável, apenas em local próprio de compostagem. Acho que os supermercados vão economizar e o consumidor vai pagar a conta.

  • Observador

    Já que é tão importante para o planeta, porque as sacolas biodegradáveis estão sendo vendidas e não cedidas ao consumidor?

  • VANIA

    Sou a favor preservar, despoluir, etc…. mas sou tb a favor de irmos a Supermercado e termos mercadorias mais baratas, pois pagavamos pelas sacolinhas plasticas, e ai oque me dizem? Sempre só sobra…. para nós consumidores.

  • Cecília

    Cardosinho, lá do outro lado do mundo, qdo foram retiradas essas sacolinhas, o consumidor “esquecido”, tinha a opção de comprar as sacolinhas (biodegradáveis)e pagar por unidades. E os supermercados doavam às instituições carentes o que arrecadavam .

  • Anônimo

    Vcs acreditam que os empresários do ramo de supermercado estão preocupados com a natureza? Estão pensando em diminuir os gastos para sobrar mais, e a cada dia, aumentar suas fortunas. Vamos deixar essa coversa mole de lado e vamos ao ponto. “Diminuir custo, para aumentar o lucro”, e assim o consumidor paga mais uma vez a conta em nome, agora, da natureza. Já que querem presevar, distribuam as sacolas biodegradáveis, “gratuitamente”, correto?

  • Anônimo

    Sou a favor da preservação do meio ambiente..mas, sabemos que essa não é a melhor forma de preservá-lo..se assim fosse todos nós em prol ao meio ambiente andaríamos a pé, presenciei sábado no supermercado da rua 8 um senhor muito humilde saindo com um frango e um papel higiênico nas mãos sem sacola alguma…perguntei o motivo e ele me disse que não dava pra comprar a sacolinha de R$ 0,20…doeu em mim aquelas palavras…agora vcs acham justo?????È bem fácil para quem tem carro ir ao supermercadoo e colocar tudo no porta mala..mas, e pra quem anda a pé????..

  • anônimo

    Tiago Abra o mestre das campanhas antecipadas

  • antonio inacio da costa

    sera que todas estas pessoas que criam dificuldades quanto a eliminacao das famigeradas sacolinhas, ja foram a um lixao a ceu aberto, ou mesmo um aterro sanitario, se nao foram vao, irao sair de la enojado de si propio,ai credo que nojeira,eca,caca e o inferno na face da terra, claro que so eliminar as sacolinhas nao vai resolver o problema mas ja e um bom comeco,meus amigos, deixemos as intrigas de lado, e vamos a luta, quanto a quem vai pagar, e outra historia, Volto a lembrar, por enquanto so tem este planeta, e a humanidade tem que se perpetuar…

  • Anônimo

    Recado ao Tiago Abra: Sou seu amigo e entendo bem da lei eleitoral. Vc tem diversos carros com adesivo, acho bom tirar, se alguém fizer fotos em encaminhar ao juiz eleitoral, vc está fora, certo?

  • Anônimo

    Sr. Antonio inacio da Costa, com todo o respeito, o problema não é dificultar a eliminação das famigeradas sacolinhas. A questão, além de ser ambiental, também é econômica. Pergunto: Porque nós consumidores é que temos que pagar a conta e não o supermercado. São R$ 0,19 ou R$ 0,20 centavos cada sacola, num universo de 1000 sacolas ao dia, o faturamento será astronômico ao final do mês, certo?

    • antonio inacio da costa

      senhores anonimos, tambem com todo respeito, quando o planeta nao tiver mais condicoes de vida, ai nao vai adiantar nada nosso rico dinheirinho.Agora,se o grande entrave e os custos tambem concordo, mas nao vamos desistir de proteger nosso meio ambiente.Vamos levar esta luta com muita seriedade,nunca sai do Brail, nem a passeio mas sei que os paises desenvolvidos tiveram os mesmos problemas e melhoraram, nos tambem vamos conseguir tenho sertesa, pois do meu lado neste instante tem uma crianca de 06 anos e quero pra ela um ambiente no minimo saudavel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *