AFILIADA DA GLOBO NO PARANÁ DEMITE JORNALISTA AMEAÇADO DE MORTE

Deu no site Notícias da TV:

james_alberti_despedida_free_bigAfiliada da Globo no Paraná, a RPC demitiu o jornalista James Alberti, produtor das primeiras reportagens do Jornal Nacional sobre a operação Lava Jato. A demissão aconteceu apenas nove meses depois de o repórter voltar de uma viagem forçada ao exterior, para se proteger de ameaças de morte recebidas quando conduzia investigações envolvendo corrupção e pedofilia.

A emissora disse a Alberti que ele foi dispensado em uma redução de custos que eliminou o emprego de outros 15 profissionais. No meio jornalístico, no entanto, a demissão causou estranheza não só pelas recentes ameaças de morte e pelas inevitáveis insinuações de que o corte poderia ter sido motivado por pressões políticas. Alberti é o jornalista mais premiado da história da RPC.

Em 2010, uma investigação de dois anos comandada pelo produtor resultou na “demissão” de 724 servidores fantasmas da Assembleia Legislativa do Paraná, gerando uma economia de mais de US$ 400 milhões por ano aos cofres públicos.

A reportagem rendeu à rede paranaense de TV alguns dos prêmios mais importantes do jornalismo. A série Diários Secretos, como foi batizada, levou o Grande Prêmio Esso, o mais desejado do país, e o Global Shining Light Award, um dos principais do jornalismo investigativo mundial. A entidade que entrega a láurea considerou a reportagem uma das dez mais impactantes da história do jornalismo investigativo, ao lado do escândalo Watergate (1972).

Alberti trabalhava havia 16 anos na RPC. Ele agia nos bastidores, apurando informações. Fazia parte do primeiro time de repórteres investigativos que não mostram o rosto, como Eduardo Faustini, do Fantástico, e Tim Lopes, assassinado em 2002. Só apareceu uma vez, num Globo Repórter de 2009.

O jornalista esteve por trás do noticiário da Lava Jato até março do ano passado, quando trocou Curitiba por Londrina para se aprofundar nas investigações da Publicano, operação da Polícia Federal contra um esquema de desvio de dinheiro da Receita Federal, fraude na manutenção de veículos oficiais do Estado e corrupção de menores. Entre os envolvidos, estavam um primo, o fotógrafo e um colega de corridas do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *