BARÃO VERMELHO – “AMOR, MEU GRANDE AMOR”

Angela Maria Diniz Gonçalves já nasceu com nome de cantora (se bem que o verdadeiro nome da Ângela Maria é – cruzes! – Abelim Maria), mas fez sucesso como Ângela Ro Ro. E não apenas como cantora, mas também como compositora. Logo de cara, ela emplacou “Amor, Meu Grande Amor“, música de seu primeiro disco (ao lado), de 1979.

A música foi feita na Inglaterra, onde Ângela, levada por seu espírito hippie, viveu alguns anos. Foi em Londres, trabalhando como garçonete que ela compôs a melodia de “Amor, Meu Grande Amor“. Originalmente, a música tinha uma letra em inglês e refletia mais uma separação de Ângela, que, jovem ainda, já colecionava alguns desamores.

A letra em português foi feita pela poetisa Ana Terra (nada a ver com a personagem de Érico Veríssimo!), que não conhecia a música de Ângela, mas, coincidentemente, também acabara de vivenciar uma separação. Um amigo comum cuidou de levar a letra de Ana para Ângela – que preparava seu primeiro disco – e esta percebeu que os versos se encaixavam perfeitamente na melodia que ela havia feito em Londres.

Assim nasceu “Amor, Meu Grande Amor“. E assim surgiu Ângela Ro Ro, que, por conta de seu primeiro disco, seria chamada de a “sensação do ano” na música popular, em matéria do Jornal do Brasil, de dezembro de 1979.

Dezesseis anos depois, em 1995, a música foi regravada pelo grupo Barão Vermelho, já com Roberto Frejat como vocalista principal, “estourando” entre os mais jovens. Ângela conta que, em seus shows, já foi interpelada muitas vezes por pessoas que, para agradá-la, dizem: “pôxa, que legal você cantando a música do Frejat!”.

Por via das dúvidas, no disco de 2013 – “Feliz da Vida“, gravado ao vivo – Ângela convidou Frejat para cantar junto com ela o sucesso de ambos, “Amor, Meu Grande Amor“. Maria Bethânia, Jorge Vercillo, Diogo Nogueira e Sandra de Sá também  integram o time de convidados. 

No vídeo abaixo, uma belíssima versão do Barão Vermelho, também ao vivo:

 

3 comentários

  • Adoro o álbum inaugural de Ângela Ro Ro,parece uma coletânea de sucessos e não um disco de carreira.Na época,ainda era difícil uma cantora também compor o seu repetório,e no trabalho em questão o álbum é todo autoral.

  • Quanto ao Frejat,além do timbre meio negróide parecido com o de Ângela,os dois tem um toque bluesy nas interpretações que os aproximam.

  • A Ângela Ro Ro foi a primeira celebridade (de primeira linha,e do sexo feminino) a assumir publicamente a sua condição-homossexual.Em tempos de apologia ao terceiro sexo e movimento LGBTQYZ e mais alguma coisa,a cantora pode ser chamada de pioneira e sem levantar bandeira oportunista pra suprir déficit de talento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *