LYSIA CONDÉ – “FLOR AMOROSA”

O meu amigo Tinhoso sugeriu o vídeo em que o Fagner ostenta um óculos pra lá de fashion e canta duas músicas do falecido cantor/compositor/ator Antonio Marcos. O diabo é que o vídeo tem mais de dez minutos. Se o amigo leitor estiver com tempo, vale a pena conferir aqui.

Entre uma música e outra, Fagner conta como Antonio Marcos o ajudou no começo de sua carreira e fala da canção que fizeram em parceria (a segunda do vídeo, “Coração Americano“). O vídeo foi gravado durante evento de 2005,  organizado por Aretha Marcos para lembrar que, se estivesse vivo, o seu pai estaria completando, naquele ano, 60 primaveras. Antonio Marcos morreu  aos 46 anos, em 1992, vítima do alcoolismo.  

Aretha é uma das filhas de Antonio Marcos com a cantora Vanusa, a primeira das quatro esposas que ele teve. Uma das outras foi a atriz Débora Duarte, com quem Antonio Marcos contracenou em uma novela. Do casamento dos dois, nasceu a Paloma Duarte, também atriz. Além das quatro esposas, ele morou também com uma enteada do Roberto Carlos, com quem terminou seus dias.

Como cantor, o seu maior sucesso foi “O Homem de Nazaré”, mas é com a canção “Como Vai Você” – uma parceria com o irmão Mário Marcos – que ele é lembrado até hoje, como compositor. Uma das últimas regravações de “Como Vai Você” é da baiana Daniela Mercury. A veia poética, Antônio Marcos herdou da mãe, Eunice Barbosa, que publicou livros de poesia e teve músicas gravadas por Roberto Carlos. Dois dos maiores sucessos de Jessé – “Voa Liberdade” e “Solidão de Amigos” – foram escritos por dona Eunice.

Falemos agora de “Flor Amorosa”, música do flautista Joaquim Callado – provavelmente um parente distante do nosso ex-prefeito – composta em 1880 e gravada pela primeira vez em 1902. O detalhe é que a letra de “Flor Amorosa”, de autoria de Catulo da Paixão Cearense, foi escrita somente uns 25 anos depois. A primeira gravação de letra e música é de 1929.

Outro dado curioso é que “Flor Amorosa” – considerada a primeira composição de música popular urbana que fugia dos ritmos importados da Europa – foi a última música composta por Callado, que morreu em 1880, com apenas 31 anos. Ele foi o pioneiro na implantação e fixação do Choro como gênero musical genuinamente brasileiro e, por isso mesmo, é conhecido como o “Pai dos Chorões”.

No vídeo abaixo, uma graciosa interpretação de “Flor Amorosa”, com a cantora mineira Lysia Condé.

4 comentários

  • A passionalidade de Fagner se ajusta muito bem ao repertório de Antônio Marcos,compositor movido a paíxões e excessos.O cantor surgiu no finalzinho da jovem guarda,e com o porte de galã e sua voz apaixonada incendiou corações.
    Vale ressaltar que o seu estilo sentimental nunca fez parte dos cânones da chamada MPB-Universitária.A sua música é simples e direta como as do ”Rei” Roberto Carlos.

    E vale ressaltar também que a palavra ”universitário” naquela época tinha uma conotação bem diferente de hoje.

  • Quanto a música ”Flor Amorosa”,eu fiz uma ligeira confusão com ”Linda Flor”.São duas músicas distintas,claro.Enquanto a primeira é considerada o primeiro Choro-oficial do Brasil,a segunda entrou pra História como o primeiro samba-canção.Duas flores poderosas do jardim da MPB.

  • anonimo

    A música O Homem de Nazareth é composição de Cláudio Fontana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *