NINA BECKER E ARNALDO ANTUNES: “O SEU OLHAR”

Durante a semana, o solerte repórter Tony Ramos – do Jornal do Povo, na Rádio Assunção – noticiou um fato curioso, ocorrido aqui em Jales, nas proximidades da EE. “Dom Artur Horsthuis”. Dois jovens – um rapaz e uma moça – se desentenderam por causa de uma música (na verdade, se for o que eu estou pensando, nem se poderia chamar de música) e acabaram chegando às vias de fato.

Segundo a notícia, o rapaz, incomodado com a “música” que saía do celular da moça, pediu que ela baixasse o som que  apoquentava seus ouvidos. Ao invés de diminuir o volume, a moça teria aplicado um tapa no sensível ouvido do rapaz e o que seria apenas uma pequena divergência sobre gosto musical, virou mais um caso policial.

Certamente que a moça não estava ouvindo a Nina Becker, uma das vozes mais delicadas da nossa moderna MPB. Nina é daquelas cantoras que se deve ouvir bem baixinho, ou, de preferência, com fone de ouvido. Ela gravou seus dois primeiros CD’s em 2010, mas antes, em 2009, já tinha ganho um prêmio de “melhor cantora”, da Associação Paulista de Críticos de Arte. Por essa época, ela era cantora da Orquestra Imperial.

Depois de 2010, Nina já lançou outros três CD’s, um deles – “Minha Dolores” – dedicado à obra de Adiléia Silva da Rocha, imortalizada com o nome artístico de Dolores Duran, cantora e compositora abatida precocemente por um infarto fulminante, aos 29 anos de idade e apenas cinco anos de carreira fonográfica.

Uma das músicas do CD dedicado a Dolores – “Manias“, do falecido  apresentador de TV e compositor bissexto Flávio Cavalcanti – pode ser ouvida aqui. E no vídeo abaixo, Nina e Arnaldo Antunes cantam algo mais moderno: “O Seu Olhar“, do Arnaldo e do Paulo Tatit, compositor que fiquei conhecendo através do saudoso amigo Francisco Valdo Albuquerque. Confiram:

   

2 comentários

  • A interpretação dos dois parece um acalanto,música pra ninar gente grande.Os cantores modernos tem seguido à risca a escola de João Gilberto (mais por ‘déficit-vocal’ que por opção estética).A Bossa-Nova matou o dó de peito de Nelson Gonçalves e os trinados de Dalva de Oliveira,inaugurando o canto contido.O estrelismo vocal e os arranjos eloquentes ficaram na lembrança e nos registros fonográficos da época.

  • Quanto a gosto musical,há quem diga que gosto não se discute e há quem diga que só existe dois tipos de gosto,o mau gosto e o bom gosto.Para o meu gosto,eu acho que a maioria dos brasileiros na hora de ouvir música acaba confundido gosto com desgosto,relativismo cultural tem limites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *