PAREM DE DOURAR A PÍLULA: O PREFEITO É O MAIOR CULPADO

OS MALEFÍCIOS DO CENTRALISMO E DA MEDIOCRIDADE

Uma comerciante jalesense, do ramo de calçados e confecções, foi entrevistada hoje pelo ótimo repórter Claudinei Antonio, do Antena Ligada, da Rádio Antena 102 FM, sobre as vendas do comércio nesse final-de-ano. Segundo a comerciante, as vendas foram boas, mas teriam ficado abaixo da expectativa, já que, nas palavras dela, a cada ano que passa as vendas sempre superam as do ano anterior, o que não aconteceu neste Natal, em Jales. 

Sem criticar a administração municipal, mas com alguma veemência, a entrevistada argumentou que faltaram atrativos que pudessem trazer mais consumidores de outras cidades, ou até mesmo que permitissem estimular os consumidores jalesenses a permanecerem aqui em nossa cidade, gastando no comércio local. Uma decoração natalina decente (e aí já são palavras minhas e não da moça, que é bem educada), por exemplo, seria um bom atrativo, mas nem isso a nossa administração municipal soube planejar.

E quando me refiro à administração municipal, estou me referindo principalmente ao prefeito Humberto Parini. Algumas pessoas, por interesses localizados ou por algum tipo de receio, tem a mania de atirar culpas em assessores do prefeito e, de outro lado, poupar o principal culpado, o prefeito, de críticas. No caso da decoração natalina, por exemplo, sobrou para o secretário de Planejamento, João Missoni Filho, a tarefa de defender a administração, enquanto o prefeito, como é de praxe, se escondia das críticas.

Mal sabem as pessoas, que o João Missoni até que tentou fazer a parte dele. Ainda no primeiro semestre de 2010, ele e a secretária da Educação, professora Élida Barison, reuniram-se duas ou três vezes com o presidente da ACE, Wainer Pedrosa, e com representantes da Associação dos Artesãos de Jales, com o objetivo de planejar a iluminação natalina.

Os artesãos, confiantes em que as coisas eram sérias, chegaram a apresentar um projeto de decoração baseado no reaproveitamento de recicláveis, mas, segundo se sabe, o assunto empacou quando chegou ao gabinete do prefeito. Provavelmente por questões pessoais, já que o presidente da ACE não lhe é muito simpático, o prefeito preferiu entregar o planejamento da decoração natalina ao talento da primeira-dama, Rosângela Parini. Deu no que deu!

Agora, vejo alguns otimistas na expectativa de que, em 2011, tudo vai mudar, uma vez que, segundo foi divulgado, o prefeito e o presidente da ACE teriam, finalmente, se reunido para por os pingos nos “is” e planejar ações conjuntas, visando tornar a cidade mais atrativa para o próximo Natal. Com todo o respeito aos otimistas: não se enganem, meus queridos! Com a autoridade de quem não acredita em Papai Noel e de quem participou da administração Parini, posso afiançar aos poucos leitores deste blog: se depender do prefeito e de sua capacidade de tomar iniciativas e coordenar projetos, a decoração do centro comercial, no Natal de 2011, vai ser ainda pior do que foi em 2010, se é que isso seja possível.

Podem acreditar, senhores otimistas, as coisas só vão sair do papel se a sociedade organizada, no caso a ACE e a Associação dos Artesãos, forem à luta, sem esperar muita coisa do prefeito e da Prefeitura. Afinal, até a maior conquista da nossa cidade nestes tempos de Parini, o Hospital de Câncer, só foi possível graças ao esforço e à iniciativa de muita gente que nem participa da administração municipal. Nessa história, o prefeito só pegou carona e por pouco que ele não causa um pequeno atraso ao carro. Mas isso é assunto prá um outro post.

Ah! E se quiserem saber como foi o final-de-ano na Estância Turística de Santa Fé do Sul, com direito ao Jair Super Cap no show da virada e 20 mil pessoas na praça, leiam aqui, aqui e aqui.  Mas, por favor, não me digam pra eu me mudar para lá.

CAIXA DE EMAILS

Minha caixa de emails tá sempre recebendo coisas engraçadas, que os amigos mandam. O Chico Melfi, por exemplo, me mandou essa sobre uma suposta manchete de jornal. Vejam que maldade:

Manchete dos jornais, no dia primeiro:

Dilma toma posse, Lula toma cachaça e Temer toma Viagra

Já o Carioca mandou algumas piadas sobre pequenos detalhes que podem levar uma mulher a iniciar uma briga de casal. Vejam como nós, os maridos, temos que ser cuidadosos com as palavras:

Minha mulher estava nua, se olhando no espelho do quarto de dormir. Ela não está feliz com o que vê e diz: – Sinto-me horrível; pareço velha, gorda e feia. Eu realmente preciso de um elogio seu.

Eu disse: Sua visão está ótima!

Aí a briga começou…

===============================

Eu levei minha esposa ao restaurante. O garçom, por algum motivo, anotou meu pedido primeiro. – Eu vou querer churrasco, mal-passado, por favor.

Ele disse: – Você não está preocupado com a vaca louca ?

– Não, ela mesma pode fazer seu pedido.

Aí a briga começou…

===============================

Voltei do médico após uma consulta e minha esposa toda preocupada, pergunta-me:

– E então, o que o médico lhe disse?

De pronto, eu respondi:

– A partir de hoje, não faremos mais amor, estou proibido de comer qualquer coisa gorda.

Aí a briga começou…

===============================

O Célio Baião mandou um vídeo, onde um pai tenta explicar ao filho o que é masturbação. Vejam como é complicado esse assunto:

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

A Marynilda mandou um email muito engraçado sobre duplas sertanejas, mas eu não tô conseguindo copiar e postar. Semi-analfabeto digital que sou, ainda tô apanhando muito do computador. Mas o Claudir Balestrero também mandou um email interessante onde se diz que “turista é fogo!”. E para exemplificar, ele anexou várias fotos, das quais posto duas aí embaixo:

GOVERNO DILMA: ESPERANÇAS E INTERROGAÇÕES

O jornal carioca Correio do Brasil está publicando, em sua edição de hoje, o artigo semanal do bispo de Jales, D.Demétrio Valentini, sob o tema acima. O Correio do Brasil foi o primeiro órgão da chamada grande imprensa a publicar, durante a campanha eleitoral de 2010, o comentário de uma ex-aluna de dona Mônica Serra, dando conta de que a mulher do então candidato José Serra teria cometido um aborto, quando ambos ainda moravam no Chile. Introduzido por Mônica à campanha, o tema aborto havia se transformado em um dos principais motes do discurso serrista e, por conta disso, o comentário da ex-aluna, feito em uma rede social (Facebook) e publicado pelo Correio do Brasil acabou repercutindo bastante, retirando o assunto da pauta de Serra e ocasionando um certo sumiço da mulher do candidato. O tema aborto repercutiu também, é claro, na Igreja Católica, ocasião em que dom Demétrio, contrariando movimento liderado pelo bispo de Guarulhos, dom Luiz Gonzaga Bergonzini, adotou uma posição firme em defesa do direito de os eleitores escolherem livremente os seus candidatos. A posição do nosso bispo foi destaque na mídia nacional e gerou inclusive uma “Carta Aberta a Dom Demétrio Valentini“, publicada pela revista Carta Maior e por outros órgãos de imprensa, ainda um pouco antes do segundo turno da eleição presidencial. Voltando ao artigo desta semana, a íntegra publicada pelo Correio está aqui.

SANTA CASA DISTRIBUI PRESENTES A CRIANÇAS INTERNADAS

Como parte do projeto de humanização do ambiente hospitalar, implantado pelo provedor José Devanir Rodrigues, o Garça, a Santa Casa de Misericórida de Jales promoveu, na véspera do Natal, a entrega de presentes a todas as crianças internadas na Pediatria do hospital, além de distribuir cartões de Natal a todos os pacientes que se encontravam internados naquela data. Os presentes e os cartões foram doados por voluntários, colaboradores e empresas parceiras da Santa Casa.  A psicóloga do hospital, Jihan Said, resumiu os objetivos da iniciativa do provedor Garça: “Nossa meta é que os pacientes se sintam valorizados aqui e respeitados como pessoas . Esse trabalho não se resume a entregar presentes, mas possibilitar o bem-estar físico e emocional dos internados, principalmente na época do Natal, em que todos estão mais sensíveis“, disse ela. A notícia completa está no site Região Noroeste.

CÂMARA REALIZA PRIMEIRA REUNIÃO

Na Câmara Municipal de Jales, o recesso anual acontece no período de 16 de dezembro a 31 de janeiro, ou seja, 45 dias de dolce far niente para os nossos nobres edis que só voltariam ao trabalho no dia 01 de fevereiro, certo?  Errado! Nesta sexta-feira, os vereadores jalesenses, atendendo convocação do recém-empossado presidente Claudir Aranda, estarão reunidos para a primeira Sessão Extraordinária do ano. A pauta da reunião inclui a análise de 6 projetos- de-lei, em regime de urgência, todos eles enviados pelo prefeito Humberto Parini. Três desses projetos-de-lei referem-se à assinatura de convênios com clubes e escolas particulares, autorizando a Prefeitura a investir recursos públicos na reforma de praças esportivas privadas, visando a realização dos Jogos Regionais de 2011.

Segundo esses projetos, serão investidos R$ 23.533,38 na quadra de tênis e na piscina de biribol do Clube do Ipê;  R$ 35.548,75 no ginásio poliesportivo do Colégio XV de Abril (Anglo);  e R$ 25.748,70 no ginásio poliesportivo da Cooperativa Regional de Ensino (Colégio Objetivo). A relação de despesas inclui ainda R$ 16.216,54 na reforma do ginásio poliesportivo da Escola Estadual “Dr.Euphly Jalles”, mas a Prefeitura não enviou nenhum projeto-de-lei para assinatura de convênio com o governo do estado. Da mesma forma, não se falou ainda na assinatura de convênio com o Jales Clube, nem tampouco foram quantificados os recursos a serem investidos para melhorias no ginásio poliesportivo, piscina olímpica,  quadra de areia e pista de atletismo daquele clube, que também será utilizado para realização dos Jogos.

JORNALISTA ACUSADO DE QUEBRA DE SIGILO ESTEVE EM JALES

Poucas pessoas ficaram sabendo, mas o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, que ficou famoso durante a campanha eleitoral de 2010, acusado que foi de suposto envolvimento na quebra do sigilo fiscal de Verônica Serra, filha do  ex-candidato a presidente, José Serra, esteve em Jales, em agosto de 2009.

Naquela ocasião, Amaury Ribeiro Jr ainda trabalhava nos jornais O Estado de Minas e Correio Braziliense, e deslocou-se de Belo Horizonte até a nossa cidade para realizar investigações que embasaram a publicação de matéria sobre o diretor da Petrobrás e sócio da empresa jalesense Implalife, Diego Hernandes.

Este aprendiz de blogueiro teve a oportunidade de conversar com Amaury que, acompanhado do também jornalista Paulo Reis Aruca, de A Tribuna, buscava informações sobre entidades jalesenses que recebiam recursos da Petrobrás para desenvolver projetos com crianças e adolescentes em situação de risco.

A  matéria sobre o suposto crescimento patrimonial do ex-sindicalista Diego Hernandes foi publicada pelo Correio Braziliense alguns dias depois, e mereceu indignado desmentido da Petrobrás.

Aos 44 anos, Amaury Ribeiro Júnior  não é um jornalista qualquer. Em 20 anos de jornalismo, ele já recebeu três prêmios Esso e quatro prêmios Wladimir Herzog, além de ser membro do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos. Atualmente na TV Record, ele já foi repórter especial do jornal O Globo e da revista Istoé.

Em setembro de 2007, bem antes de vir a Jales, Amaury foi baleado em um bar na cidade de Ocidental, em Goiás, quando ele realizava investigações para o Correio Braziliense, sobre homicídios ligados ao narcotráfico no entorno de Brasília. Aos tiros, ele sobreviveu. Certamente que sobreviverá também à acusação da quebra de sigilo.

A EVOLUÇÃO DO PT EM JALES, SEGUNDO MURILO PHOL

O petista Murilo Pohl publicou uma interessante e trabalhosa análise sobre a performance do PT em Jales, onde ele compara a votação alcançada em nossa cidade pelos candidatos do partido a deputado estadual e federal, nas eleições de 2002, 2006 e 2010.  Murilo, como se sabe, foi um dos principais  conselheiros do prefeito Humberto Parini, durante os dois ou três  primeiros anos da administração petista de Jales. Eles acabaram, no entanto, entrando em rota de colisão, depois de desentendimentos por conta dos recursos liberados pela Petrobrás para aplicação em projetos de proteção a crianças e adolescentes.

Essa, pelo menos, foi a versão oficial para o rompimento, mas, observadores bem informados garantem que o verdadeiro mote para a desavença entre os dois teria sido o fato de Murilo, então presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, não ter dado muita atenção a um projeto apresentado pela filha do prefeito, Maria Gabriela Parini. Na época, a filha do prefeito era funcionária da ADERJ e prestava serviços no Projeto Sentinela, vinculado à Prefeitura.  Competente e bem apadrinhada, a filha do prefeito não ficou mais do que dois anos pendurada à folha-de-pagamento da ADERJ. No dia 15 de abril do ano passado, enquanto nossa cidade comemorava o seu sugestivo 69º. aniversário, Gabriela recebeu como presente a sua nomeação para um cargo comissionado na inventariança da extinta Rede Ferroviária Federal, com um salário razoavelmente atrativo. Uma considerável evolução, sem dúvida. 

Mas, voltando à evolução citada por Murilo em seu blog, o estudo elaborado pelo ex-conselheiro do prefeito demonstra claramente que o petismo de Jales, depois da ascensão ao poder municipal, sofreu um processo de encolhimento nas urnas. Senão vejamos: em 2002, quando Parini ainda se dedicava às suas atividades de fiscal e dentista, os candidatos a deputados federais do PT saíram das urnas jalesenses com 5.289 votos, boa parte deles confiados aos conhecidos Luciano Zica e Padre Sardinha.  Em 2006, os votos nos federais petistas caíram para 3.311, mas o fundo do poço parece ter sido alcançado em 2010, quando apenas 1.770 eleitores jalesenses se dispuseram a votar nos candidatos estrelados.

Seguindo no mesmo diapasão, o gráfico com a votação dos candidatos petistas a deputado estadual, também apresenta uma curva descendente.  Em 2002, quando Parini ainda não era prefeito, foram 3.582 votos nominais em candidatos petistas. Em 2006, com Parini no poder, os estaduais do PT caíram prá 1.829 votos e, finalmente, em 2010, um número redondo: apenas 1.500 eleitores jalesenses apertaram a tecla verde depois de ver aparecer na urna eletrônica a foto de um candidato petista à Assembléia do Estado. O estudo completo e a análise feitos por Murilo Pohl, com direito a gráfico no final, podem ser vistos aqui. Ele não contabiliza os votos dados na legenda do PT, o que não altera o quadro. Boa leitura!

ROBERTA SÁ

 FOI ELA

A cantora Roberta Sá nasceu em Natal, no Rio Grande do Norte, onde, por influência dos pais, ouvia muita MPB, Beatles e músicas regionais. Aos nove anos, em virtude do segundo casamento de sua mãe, ela se mudou para o Rio de Janeiro. Aos 18,  entrou em um programa de intercâmbio e foi para o Missouri, nos Estados Unidos, onde estudou canto durante um ano. De volta ao Rio, Roberta continuou fazendo aulas de canto, enquanto cursava Jornalismo e trabalhava como balconista. Depois de participar do programa Fama, de onde foi eliminada na quarta semana, Roberta gravou uma fita demo com cinco músicas. A fita foi parar nas mãos do autor de novelas, Gilberto Braga, que, tendo gostado da voz da cantora, pediu que ela gravasse a música “A Vizinha do Lado“, de Dorival Caymmi, para a trilha da novela Celebridade. Em 2005, Roberta gravou seu primeiro CD, com participações de Ney Matogrosso e do conjunto MPB-4. Em 2007, ela gravou o CD “Que Belo Estranho Dia Prá Se Ter Alegria“, com o qual ganhou dois prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA: melhor cantora e melhor álbum. No vídeo, Roberta Varela Sá aparece cantando a música “Foi Ela“, durante homenagem do programa Som Brasil ao compositor Ary Barroso.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

FERNANDÓPOLIS CONSEGUE MAIS R$ 10 MILHÕES EM CONVÊNIOS

O site de notícias Região Noroeste publicou matéria nesta quinta-feira, 06, onde o prefeito de Fernandópolis, Luiz Villar (DEM), afirma ter assinado dois convênios com o Ministério do Turismo, para recapeamento asfáltico, no valor de R$ 2,7 milhões. O prefeito fernandopolense disse também que assinou outros cinco convênios no valor total de R$ 7,5 milhões. A notícia, também veiculada na página oficial da Prefeitura de Fernandópolis, não menciona de onde virão os recursos, mas tudo indica que os citados cinco convênios tenham sido firmados com o governo federal.

1 1.087 1.088 1.089 1.090