FANTÁSTICO MOSTRA A CORRUPÇÃO NA MERENDA ESCOLAR

Vocês viram a reportagem exibida pelo Fantástico, ontem, sobre a corrupção na merenda escolar? Eis um trecho dela:

Uma das explicações para tantos problemas nas merendas é a corrupção. O Fantástico teve acesso, com exclusividade, a dois depoimentos que, segundo o Ministério Público, ajudam a entender o caminho das fraudes.

O Fantástico não mostrou o rosto das pessoas porque a investigação ainda está em andamento. As testemunhas dizem que têm medo de morrer, que estão sendo ameaçadas.

Genivaldo Santos é ex-sócio da Verdurama, empresa paulista do ramo de refeições prontas. A chamada merenda terceirizada é quando a cidade contrata uma empresa e paga para que ela fique responsável pela alimentação dos alunos. Genivaldo, que esteve à frente da Verdurama entre 2002 e 2008, foi interrogado em março deste ano por um promotor de São Paulo.

“Eu tinha a finalidade de pagar algumas propinas de alguns municípios. A média da propina era de 10%”, revela. Esse valor corresponde a cerca de R$ 70 milhões de propina por ano.

Vamos agora a um outro trecho da reportagem:

Agora, quem fala é uma testemunha-chave em uma investigação contra a prefeitura de Taubaté, no interior paulista. O homem acusa o atual prefeito, Roberto Peixoto, e a primeira- dama de receber propina de uma empresa de merenda chamada Sistal. Ele diz que, duas vezes por mês, durante três anos, entregou dinheiro da corrupção para o casal.

“Eu servia de mulas para eles”, conta. O homem calcula que Roberto e Luciana Peixoto receberam cerca de R$ 5 milhões de propina. “Eles estão montando uma boate em Taubaté agora”.

A casa de shows é uma das maiores da região e está registrada na junta comercial em nome de Anderson da Silva Ferreira, o genro do prefeito.

O Fantástico também foi a um sítio. A testemunha do Ministério Público disse em depoimento e também para a equipe de reportagem que o sítio está entre os bens comprados pelo prefeito com dinheiro de propina.

Segundo o denunciante, o valor do sítio foi R$ 250 mil reais, pagos em agosto de 2007.

“O pagamento foi feito à vista, de uma vez só, e o dinheiro foi levado na bolsa. Ele parou o carro ao lado do meu. Eu coloquei a bolsa dentro do carro dele”, relata a testemunha.

Em ambos os casos, as empresas envolvidas – a Verdurama e a Sistal – juram de pés juntos que nunca pagaram um centavinho sequer de propina a prefeitos.  

Agora, falando sobre o caso de Jales, nunca é demais repetir que a empresa Gente Ltda, reponsável pela nossa merenda terceirizada, chegou a receber por 9.000 refeições diárias, quando a quantidade estimada era de 5.299 refeições/dia. Como se sabe, a merenda está sendo investigada por uma CEI instalada pela Câmara de Jales, mas é bom que não tenhamos ilusões.

Assim como as empresas Verdurama e Sistal estão negando o pagamento de propinas a prefeitos, é muito provável que os vereadores Luís Especiato(PT) e Rivelino Rodrigues(PPS), integrantes da CEI, também venham a concluir – contra todas as evidências – que, em Jales, não houve qualquer malfeito na merenda. Eles só precisam ter um cuidado: de vez em quando, o contribuinte costuma dar o troco nas urnas. Basta que o assunto seja bem explorado pelos adversários.

A reportagem completa do Fantástico pode ser vista aqui.

MULHER DE VALDÍVIA XINGA BRASILEIRAS NO TWITTER

Deu no portal da Revista Istoé:

Não são bons os dias do jogador palmeirense Valdivia. Além da série de lesões que sofreu desde que retornou ao futebol brasileiro, a sua mulher, Daniela Aránguiz, anda falando demais. Irritada com o assédio feminino ao marido, ela postou no Twitter: “A maioria das mulheres brasileiras são piranhas, maria-chuteiras” (sic). Após ser criticada por diferentes apresentadores de televisão, ela se retratou dizendo que não se referia a todas as mulheres do País.

MPB4 & CHICO BUARQUE – “RODA VIVA”

Agora eu estou indo lá prá Regional FM, onde, das 10:00 às 14:00, apresento o Brasil & Cia, com o melhor da nossa MPB. Deixo com vocês, um vídeo com o MPB4 e o Chico Buarque cantando “Roda Viva”. Essa canção ficou em terceiro lugar no III Festival da TV Record, em 1967, mas não foi como música e sim como tema de uma peça homônima que “Roda Viva” entraria para a história. Escrita por Chico em 25 dias e montada por José Celso Martinez Correa, a peça estreou no Teatro Princesa Isabel, no Rio, em 15/01/1968.

Acontece que, apresentada no agitado ano de 1968, quando a radicalização da ditadura caminhava para a edição do AI-5, “Roda Viva” gerou intensa reação de grupos de direita ligados ao regime militar, que culminou com a agressão aos atores e a destruição dos cenários no Teatro Galpão, em Porto Alegre, em 17/07/1968. Isso determinou o final das encenações, sendo os atores da peça – Marília Pêra, entre eles – enfiados em um ônibus e despachados para São Paulo, com a recomendação de não retornarem.

Mas, voltando à canção, “Roda Viva” é uma longa e muito bem elaborada composição, com uma melodia soturna que realça e complementa o pessimismo fatalista do poema. A canção foi defendida no festival e gravada pelo próprio Chico Buarque, com o apoio do MPB4, numa versão que pode ser considerada definitiva. A versão que está no vídeo abaixo é bem mais recente, mas tão bonita quanto a original. Vale a pena dar uma olhada:

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

DESTAQUES DOS JORNAIS

Estas foram as manchetes dos jornais locais, neste final de semana:

Folha Noroeste: “Aluno que não frequenta escola, não pode circular à noite, em Urânia”

Folha Regional: “Prefeitura inaugura ESF Zilda Arns e reforma do ESF Leonísio Gambero”

Jornal de Jales: “Em Jales, 1.920 pessoas vivem abaixo da linha da pobreza”

A Tribuna: “Parini esconde bens para fraudar execução de sentença, acusa MP”

Na Folha Noroeste, destaque para a decisão proferida pela juíza da Comarca de Urânia, Marina de Almeida Gama, que determinou a restrição da circulação de adolescentes nas vias públicas de Urânia. Na sub-manchete, o assunto foi a inauguração do novo mamógrafo digital do Hospital de Câncer, doado por uma entidade. Outros assuntos da Folha Noroeste: “Emenda de Edinho regulariza ranchos em áreas turísticas e dá autonomia a municípios” e “MPF em Jales denuncia ex-prefeito Joaquim Pires, de Urânia, por fraude em licitação”. Na coluna FolhaGeral, o editor registra que o provedor da Santa Casa, José Devanir Rodrigues, o Garça, está mesmo decidido a ser candidato a prefeito.

Na Folha Regional, destaque para as inaugurações provomidas pelo prefeito Humberto Parini, na área da Saúde. O jornal destacou também o lançamento da chamada “Cruzada Premiada”, um iniciativa da Prefeitura de Jales e do Comitê de Combate à Dengue e Leishmaniose. O prêmio “Mário Covas”, recebido pela Santa Casa de Jales e a Sabesp, foi outro assunto tratado pela Folha Regional. Destaque também para o prefeito Guedes Marques Cardoso, de Pontalinda. Segundo ele, “Educação é prioridade para administração municipal”. E, na coluna Ella, mais uma demonstração de competência e bom gosto do Marcos Oliveira e do Douglas Zílio: a garota da semana é a belíssima Clareana Nogueira.

O Jornal de Jales destacou os números do IBGE sobre a pobreza em Jales e na região de São José do Rio Preto. Segundo o jornal, não fossem os programas de transferência de renda do governo federal, 1.920 jalesenses não teriam como sobreviver. Destaque também para os problemas do nosso trânsito, que são tratados em um texto do capitão Luís Carlos Presutto, e para a doação e instalação de um mamógrafo digital no Hospital de Câncer. Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior destaca que a Cocavel Veículos Ltda bateu mais um recorde de vendas na Facip 2011. E, na página 2, um artigo do cientista político Roberto Gonçalves propõe saídas para a sucessão municipal em Jales.

No jornal A Tribuna, matéria especial do jornalista Paulo Reis Aruca foca a nova iniciativa do  Ministério Público Estadual, que está acusando o prefeito Humberto Parini de prática de fraude à execução de sentença judicial. Segundo o MP, Parini estaria tentando ocultar seus bens para escapar à devolução de R$ 300 mil aos cofres públicos. Destaque também para a suspeita de que um morador do Jardim Paraíso teria morrido em decorrência de leishmaniose. Matéria do repórter Alexandre Ribeiro diz que a Câmara de Jales está discutindo a redução do número de vereadores. E a terceirização do lixo voltou a ser assunto em A Tribuna: o jornal relata que, apesar de a empresa Ecopav ter cortado funcionários e baixado os preços cobrados pela limpeza urbana, os gastos da Prefeitura com o lixo não diminuíram.

HOMEM MORRE COM SUSPEITA DE LEISHMANIOSE NO JARDIM PARAÍSO

No jornal A Tribuna, de amanhã, uma matéria do Alexandre Ribeiro, o Carioca, relata que um caminhoneiro de 59 anos, morador do Jardim Paraíso, pode ter morrido em decorrência da leishmaniose. Ele estava internado no Hospital de Base de São José do Rio Preto e morreu na madrugada da sexta-feira, dia 29, com sintomas típicos da doença.

A confirmação do caso, contudo, depende ainda dos exames feitos pelo Instituto “Adolfo Lutz” no líquido recolhido da medula do paciente. Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde, o homem era dono de um cão doente, que estava sendo tratado em uma clínica veterinária. O animal, que já foi sacrificado, pode ter sido o transmissor da doença.

EX-PREFEITO DE MIGUELÓPOLIS É PRESO EM MANAUS

Mais uma notícia sobre ex. Essa também foi veiculada pelo EPTV:

O ex-prefeito de Miguelópolis, José Cives Ferreira, foi preso em Manaus (AM) por agentes da Polícia Federal. Ele era foragido da Justiça e deve ser transferido para o Estado de São Paulo, onde pode cumprir penas que chegam a quatro anos e meio de prisão.

As acusações contra o ex-prefeito são de falsidade ideológica, apropriação de renda, desvio de dinheiro público e abuso de poder. José Cives Ferreira foi prefeito de Miguelópolis de 1983 a 1988 e de 2001 a 2003, ano em que foi cassado por corrupção.

Segundo o promotor de Justiça, Frederico Francis de Camargo, Ferreira estava na capital amazonense como estudante de medicina. A transferência do ex-prefeito ainda não foi definida pelas Secretarias de Segurança de São Paulo e do Amazonas.

JAGUARIUNA: PEÃO FICA FERIDO DEPOIS DE LEVAR CHIFRADAS DE TOURO EM RODEIO

O nome do peão é Jeferson Tabareli, de Ilha Solteira. Ele foi campeão, em 2010, do Circuito Internacional PBR, a mais importante competição de montarias em touros do país. Já o nome do touro não foi divulgado, mas ele passa bem. Vamos à notícia:

Um peão ficou ferido no Rodeio de Jaguariúna na noite de sexta-feira (6), na segunda noite de montarias. Durante a prova de touros, Jeferson Tabareli levou duas chifradas e saiu de maca da arena.

O acidente foi exibido no telão da arena. A sequência de golpes começou depois que o peão perdeu o equilíbrio e bateu a cabeça contra o touro. Ainda no ar, o peão levou uma chifrada e foi novamente atacado, já no chão. Equipes de apoio tentaram afastar o touro, que ainda derrubou um dos socorristas.

O peão foi levado para o Hospital de Jaguariúna. Depois de permanecer em observação, ele recebeu alta médica e passa bem.

E, se você estiver a fim de ver o vídeo do acidente, clique aqui.

EX-PREFEITO É CONDENADO POR FAZER R$ 19 MIL EM COMPRAS SEM LICITAÇÃO

O detalhe é que o prefeito teria feito as compras através do Fundo Social de Solidariedade, em uma empresa da própria mulher. Esse negócio de primeira-dama mandar no prefeito só pode dar nisso! A notícia é do EPTV – São Carlos:

A Justiça condenou esta semana o ex-prefeito de Gavião Peixoto, Alexandre Marucci Bastos, por fazer compras pelo Fundo Social na empresa da própria mulher, Flavia Piccolo Marucci Bastos, sem fazer licitação. As compras somam o valor de R$19 mil.

O casal terá que devolver R$ 57 mil aos cofres públicos e pagar uma multa de cerca de R$ 38 mil. Manucci e a ex-primeira-dama também tiveram seus direitos políticos suspensos por cinco anos e estão proibidos de manter contratos com o Poder Público e receber benefícios fiscais por cinco anos.

Este é o sexto ex-prefeito da região a ser condenado por irregularidades na administração. Em depoimento, Alexandre Marucci negou as acusações e disse que vai recorrer da decisão do juiz João Batista Galhardo Junior.

Pitaco do blogueiro: a essa altura do campeonato, até a loja da ex-primeira-dama já deve estar no nome dos filhos do casal.

PREFEITURA DE JALES E DEMOP: TRIBUNAL DE CONTAS APONTA IRREGULARIDADES EM CONTRATOS

O Diário Oficial de hoje publicou despacho do conselheiro substituto Olavo Silva Júnior, do Tribunal de Contas, concedendo prazo de 30 dias para que a Prefeitura de Jales e a empresa Demop Participações Ltda apresentem suas alegações a respeito dos contratos firmados entre ambas, para recapeamento asfáltico. Os contratos são oriundos de um Pregão Presencial realizado em maio de 2010, onde a Demop, de Votuporanga, saiu-se vencedora com uma proposta de R$ 6,1 milhões

A publicação do Diário Oficial não aponta quais seriam as possíveis irregularidades, mas é bem provável que, daqui uns três ou quatro anos, o próprio Tribunal chegue a conclusão de que não houve nenhuma irregularidade na contratação. Normalmente, é isso que acontece: o Tribunal faz uma visita anual às prefeituras, aponta irregularidades, exige uma porção de documentos, pentelha durante uns três anos, depois diz que está tudo bem. 

Foi isso que aconteceu, por exemplo, com a licitação realizada em 2007 e vencida pelo Banco Santander, para processamento da folha de pagamento dos servidores municipais. Em seu relatório de 2008, o Tribunal apontou irregularidades na licitação, mas, agora em 2011, concluiu que o procedimento foi correto. E foi mesmo! O Tribunal de Contas é um órgão que, se não existisse, não faria falta nenhuma!

Mas, falando em Demop, parece que a tal licitação de R$ 6,1 milhões não deu muito certo mesmo. O mesmo Diário Oficial está publicando, hoje, que a nossa Prefeitura está abrindo um novo Pregão Presencial, com o objetivo de contratar empresa para execução de serviços de recapeamento e correlatos. O que também não vai mudar muita coisa, uma vez que, provavelmente, a Demop será, de novo, a vencedora.

STF: SEIS MESES PARA PUBLICAR CONDENAÇÃO DE DEPUTADO

Como se sabe, o Agravo de Instrumento interposto pelos advogados do prefeito Humberto Parini, no caso Facip 97, está no gabinete do ministro Joaquim Barbosa, do STF, há quase três anos. E a notícia publicada pelo site Congresso Em Foco, nessa sexta-feira, dá bem uma idéia de como as coisas andam rápidas no STF:

O Supremo Tribunal Federal (STF) levou seis meses para publicar a sentença que condenou um deputado a 13 anos, 4 meses e 10 dias de prisão em regime inicialmente fechado. Só na semana passada, saiu o acórdão da ação penal que condenou o deputado Natan Donadon (PMDB-RO) por formação de quadrilha e peculato, acusado de desviar dinheiro público da Assembleia Legislativa de Rondônia. Com a publicação da decisão dos ministros, a Câmara agora será de fato comunicada e deve cassar o mandato do parlamentar, com base na Constituição.

Mas o advogado do deputado, Bruno Rodrigues, ingressou na quarta-feira (4) com um recurso contra a decisão dos ministros, o que, no mínimo, atrasará o comunicado oficial à Câmara. Ele nega que Donadon tenha desviado dinheiro da Assembleia.

Procurada desde a semana passada, a ministra Cármen Lúcia, relatora do caso, não informou ao Congresso em Foco por que a corte levou seis meses para a publicação do acórdão e se esse prazo está ou não dentro dos padrões do Judiciário.

A Constituição diz que nenhum parlamentar pode exercer o mandato se tiver condenação criminal contra si, mas essa sentença precisa “transitar em julgado”, ou seja, ser encerrada e não haver espaço para recursos.

1 1.164 1.165 1.166 1.167 1.168 1.243