DEPÓSITO SUSPEITO

Circulam nos meios políticos, rumores sobre a cópia de um recibo de depósito bancário que teria chegado às mãos de um conhecido empresário local. O depósito, com data de 2010, tem como beneficiário um agente político aqui da terrinha. O valor do recibo seria algo em torno de R$ 5 mil. 

Até aí, nada demais. O problema é que, de acordo com os mesmos rumores, o depósito teria sido feito por um terceiro e seria, digamos assim, uma espécie de retribuição por “favorecimentos políticos” prestados pelo tal agente. 

Este aprendiz de blogueiro não teve acesso à cópia do recibo, mas uma fonte do blog garante que viu o documento e falou com o autor do depósito. E o que ele ouviu é comprometedor.

EMPRESA DA ZONA AZUL NÃO ESTÁ PAGANDO A PREFEITURA

O vereador Tiago Abra(PSB) confirmou ontem, durante a sessão da Câmara, o que já se suspeitava. Em discurso, ele disse que a empresa responsável pela exploração da Zona Azul – a Soluções em Tecnologia de Trânsito Ltda, de Goiânia – não repassou um único centavo do que arrecada à Prefeitura, nos últimos cinco meses.

Como se sabe, a empresa ganhou a licitação com a proposta de repassar para a Prefeitura de Jales cerca de 20% do valor arrecadado com a cobrança por vagas no estacionamento.

De acordo com o vereador, a empresa já estaria devendo algo em torno de R$ 70 mil à nossa Prefeitura. 

CLIENTELA DE GAROTA DE PROGRAMA DOBROU DEPOIS QUE ELA APARECEU NA TV

A propaganda é a alma do negócio! Lembram-se da Lola Benvenutti? É aquela moça de São Carlos que se formou em letras, mas, pelo jeito, vai continuar trabalhando como garota de programa. Pelo menos, ela vai fazer o que gosta! 

Depois de matéria veiculada na TV, a Lola já foi até convidada pelo site Paparazzo para um ensaio fotográfico. Por sinal, ela usou umas calçolas ridículas – como essa da foto acima – durante o tal ensaio.

Mas, além de ter faturado com o ensaio fotográfico, Lola está faturando, também, com o expressivo aumento de sua clientela. Antes da fama, ela atendia cinco clientes diariamente. Depois da fama, ela passou a atender, em média, dez clientes por dia. E, se quisesse – ou se pudesse – Lola atenderia muito mais.

Ela disse que recebe, atualmente, cerca de 400 ligações por dia e que é parada nas ruas para dar autógrafos. E a procura de pessoas de outros estados é tão grande que ela já pensa em viajar pelo Brasil para fazer programas. “Eu posso fazer temporadas em outros estados, pode até rolar um ‘tour da Lola’”.

Além de dobrar a clientela, Lola aproveitou para reajustar o valor da “consulta” em 40%. “Tive que subir um pouco o valor pela demanda, mas prefiro fidelizar o cliente. Só não passo dessa quantidade de clientes por dia, até porque fico cansada e tenho que cuidar da minha saúde”, disse a moça ao G1.

NICE NOMEIA MAIS UM ASSESSOR

A nomeação do novo secretário municipal de Esportes, Bruno Altimari, não foi a única novidade produzida na galáctica equipe de assessores da nossa ungida prefeita. A outra novidade, porém, não mereceu o anúncio oficial, como no caso de Bruno.

Trata-se da nomeação, ocorrida já há alguns dias, de Adriano Lisboa de Domenicis – esse jovem ao centro da foto – para o cargo de chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Fazenda. Caberá a ele, entre outras coisas, cuidar das licitações da nossa Prefeitura.

Adriano, até onde se sabe, veio de Populina. Ele teria aportado em Jales há pouco tempo, por conta do serviço da esposa, que trabalha, segundo informações, como enfermeira no Hospital de Câncer. O novo chefe de gabinete integrou – como secretário – a Comissão Organizadora da Facip 2013, aquela que não houve.

Depois dessa, só resta agora mais um cargo a ser preenchido por Nice: o de coordenador do Polo da UAB de Jales. Quem se habilita?     

UNIFORMES ESCOLARES DE RIO PRETO TERÃO MAIS ITENS E CUSTARÃO BEM MENOS QUE OS DE JALES

Desculpem insistir nesse assunto, mas acho que, em casos como o dos uniformes escolares comprados por Nice, quanto mais informações, melhor para que os prezados leitores possam formar uma opinião.

Andei tentando descobrir, na internet, quais foram os gastos de Fernandópolis e Votuporanga nesse quesito, mas não foi possível localizar. Os gastos de Rio Preto, no entanto, estão disponíveis.

A principal cidade da região, que possui cerca de 25.000 alunos em suas escolas municipais, gastará cerca de R$ 2 milhões com uniformes. Ou seja, cerca de R$ 80,00 por criança matriculada. Jales, com 3.560 alunos, gastará R$ 430 mil, o que significa cerca de R$ 120,00 por aluno. Uma diferença de R$ 40,00 por aluno. 

Mas, uma outra diferença mostra que a compra de Nice precisa ser melhor explicada: enquanto o kit adquirido pela nossa prefeita possui  02 camisetas, 01 bermuda e 01 conjunto de frio, o kit de Rio Preto terá tudo isso e mais 01 camiseta de manga comprida, 01 par de tênis e 02 pares de meias para cada aluno.

Apenas com estes três itens, a Prefeitura rio-pretense gastará cerca de R$ 34,00 por aluno. Quer dizer: se Rio Preto comprasse somente os itens que estão sendo adquiridos por Nice, gastaria apenas R$ 46,00 por aluno, quase três vezes menos que Jales. 

A Prefeitura de Jales não divulgou, ainda, qual o valor unitário de cada peça do novo uniforme escolar, mas, considerando os preços estimados em Monte Azul Paulista, onde a mesma empresa – a Hebrom – ganhou a licitação, é possível deduzir os valores estimados em Jales e compará-los com os preços estimados em Rio Preto. Confiram a tabela abaixo e vejam a desproporção: 

Peça

Rio Preto

Jales

Bermuda

9,15

19,50

Camiseta manga curta

7,00

16,85

Camiseta sem manga

6,30

15,70

Conjunto calça e jaqueta de frio

32,70

66,00

CARLÃO PIGNATARI VIRÁ A JALES HOJE ANUNCIAR RECURSOS PARA SANTA CASA

Segundo a assessoria da Santa Casa de Jales, o deputado estadual Carlão Pignatari(PSDB) estará fazendo uma visita ao hospital nesta segunda-feira. A visita, marcada de última hora, está prevista para daqui a pouquinho, às 11:00 horas.

De acordo com o comunicado enviado à imprensa, o deputado virá a Jales para anunciar a conquista de alguns recursos para a nossa Santa Casa.

UNIFORMES ESCOLARES DE SANTA FÉ CUSTAM TRÊS VEZES MENOS QUE OS DE JALES

A mais recente pataquada do governo Nice – a compra de uniformes escolares – deverá esquentar a sessão da Câmara desta segunda-feira. Como já foi dito por aqui, a prefeita pretende investir R$ 430,8 mil na aquisição dos uniformes, um valor respeitável, se comparado com o que o governo anterior gastava nesse quesito.

Para se ter uma ideia, o ano em que Parini e Élida Barison mais gastaram com uniformes, foi em 2007, quando a Prefeitura pagou R$ 115,2 mil à empresa ganhadora da licitação. Naquele ano, além de bermudas e camisetas, a Secretaria de Educação distribuiu também mochilas e tênis aos alunos do município.

Nos anos seguintes, quando foram distribuídas apenas camisetas e bermudas, gastou-se R$ 82,2 mil(2008), R$ 54,2 mil(2009), R$ 57 mil(2010), R$ 62,5 mil(2011) e R$ 79,5 mil(2012). Ou seja, em seis anos, Parini gastou R$ 450,6 mil com uniformes. Nice gastará R$ 430,8 mil em apenas um ano.

Façamos agora uma comparação com Santa Fé do Sul. Na semana passada, a Prefeitura de lá entregou os uniformes – iguais a esses da foto ao lado – aos alunos do município. Pela internet, é possível constatar que a nossa vizinha adquiriu 14.370 peças pelas quais está pagando R$ 89,4 mil a uma empresa de Uberaba(MG). Reparem que cada peça está saindo, em média, a R$ 6,22.

Jales, por sua vez, está comprando 21.652 peças pelos já citados R$ 430,8 mil. Ou seja, cada uma delas está custando, em média, R$ 19,89. Uma diferença razoável, não acham? A foto aí do lado mostra os uniformes que estão sendo adquiridos pela Prefeitura de Jales.

Eu não entendo de confecção, nem de tecidos, mas será que existe uma diferença tão grande assim na qualidade ou no tipo dos uniformes que justifique tamanha discrepância nos preços? Com a palavra, os nobres  vereadores.

JORNAL DE JALES: CRISE NO PREÇO DA LARANJA FAZ CITRICULTORES ABANDONAREM PRODUÇÃO

O Jornal de Jales está chegando aos assinantes e às bancas, neste domingo, trazendo como principal destaque a grave situação da citricultura. De acordo com o jornal, os produtores estão desanimados com a crise de preços que afeta o setor e já cogitam erradicar seus laranjais.

Os gastos com uniformes escolares também são destaque no JJ. O jornal informa que pelo menos seis vereadores já assinaram um requerimento solicitando informações à prefeita. Eles querem saber por que as despesas com uniformes saltaram de R$ 80 mil, em 2012, para R$ 430 mil, em 2013.

Outro destaque do JJ foi a nomeação do ex-vereador Flávio Prandi Franco, o Flá, para a diretoria do Programa Vivaleite do governo estadual. Flá assumiu o cargo de diretor do Vivaleite a convite do secretário de Desenvolvimento Social, Rodrigo Garcia.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior comenta que a nomeação de Bruno Altimari para a Secretaria Municipal de Esportes pode ter causado surpresa nos meios esportivos, mas, segundo Deonel, não custa lembrar que a família do rapaz tem tradição na política.  

HOSPITAL DE CÂNCER VALORIZA SETOR DA CIDADE

O jornal A Tribuna publicou, na semana passada, uma matéria sobre o desenvolvimento que a instalação do Hospital de Câncer está levando ao setor da cidade onde estão os bairros Vila Maria, Novo Mundo, Paulo VI e Aparecida da Boa Vista. Até o Córrego do Açude, ali pertinho, também está sendo beneficiado. Vejam alguns trechos da matéria: 

A instalação do Hospital de Câncer, aliada, depois, à duplicação da rodovia Euclides da Cunha, está levando desenvolvimento e valorização a uma região da cidade, até então meio esquecida. Um exemplo claro da valorização foi o loteamento de um terreno pertencente a uma empresa, quase em frente ao hospital, onde, em menos de uma semana, foram vendidos todos os lotes por cerca de R$ 180 mil, cada. Hoje, os lotes estariam valendo quase R$ 300 mil, segundo pessoas que atuam no mercado imobiliário.

E a tendência é de valorizar ainda mais, quando ficar pronta a duplicação da Euclides da Cunha, pois ali pertinho está sendo construído um trevo que poderá se tornar a principal entrada da cidade. Talvez por isso mesmo, a família Malone, que é dona de dois postos de combustíveis na cidade, já está iniciando a construção de um novo empreendimento do ramo, nas proximidades do hospital. A expectativa, segundo um dos sócios, é de que o novo posto esteja pronto em um ano. “A construção de um posto de combustíveis exige muita burocracia, mas nós já iniciamos a terraplenagem e a intenção é começar as obras o mais rápido possível”, afirmou o empresário.

Outro ramo de negócios que está, aos poucos, se instalando no entorno do hospital, é o da alimentação. Ex-funcionária dos Supermercados Sakashita, dona Maria e o marido viram na instalação do hospital a oportunidade de abrirem o próprio negócio. Arrendaram um prédio próximo e instalaram ali o “Restaurante Grandes Lagos”, onde atendem, em média, cerca de 70 a 90 pessoas que passam no local para almoçar. “Isso é apenas na hora do almoço, mas nós temos também o café da manhã que é muito concorrido”, diz dona Maria.

Ela diz estar feliz com a escolha. “Depois de trabalhar muitos anos como empregados, nós podemos dizer que estamos muito contentes com o movimento do nosso restaurante”. Dona Maria diz que, no seu restaurante, já atendeu gente de muitos lugares do Brasil. “Realmente, o hospital traz pessoas de muitos outros estados para Jales. Aqui no restaurante, atendemos muita gente de Goiás, Mato Grosso, Minas… Até de Santa Catarina”, finaliza.

Em breve, porém, ela deverá ganhar a concorrência de outro restaurante. O novo prédio, de 470m², bem em frente ao hospital, já está pronto. O proprietário, Paulo, um dos donos da Pastelaria e Pizzaria ‘Massa Pronta’, do Jardim Paraíso, pretende iniciar as atividades do novo restaurante em janeiro do ano que vem. Ele acha, no entanto, que a Prefeitura precisa melhorar o atendimento àquela região.

“Acho que aquele setor da cidade tem tudo para se tornar um dos mais importantes e desenvolvidos, mas a Prefeitura precisa dar sua colaboração também. Quando chove, por exemplo, nós temos sérios problemas de alagamento em alguns pontos. Mas, de qualquer forma, aquele setor da cidade está crescendo bastante e nós temos a expectativa de que o nosso restaurante vai ser bastante utilizado”, concluiu Paulo.

Essa é também a expectativa da família Bernardes, que está instalando uma padaria próxima ao hospital, na Avenida ‘Francisco Jalles’. O prédio da “Padaria Bom Gosto” já está pronto e o novo empreendimento deverá iniciar suas atividades na segunda quinzena do próximo mês. “Nós só estamos aguardando a chegada dos balcões que deverão ser instalados em breve”, diz o futuro gerente Anderson.

Ele explicou que a família Bernardes – que possui uma propriedade rural em Jales e sempre trabalhou na agricultura – resolveu investir no comércio e viu, na instalação de uma padaria nas proximidades do Hospital de Câncer, uma ótima oportunidade de negócio. “Essa região da cidade está crescendo bastante e nós esperamos crescer juntos”, disse Anderson.

Imobiliária está preparando loteamento

Quando adquiriu um alqueire de terra no Córrego do Açude, o advogado e corretor de imóveis Osmar Antonio da Silva, da Landel Imobiliária, imaginava estar fazendo um bom negócio, mas, com a instalação do Hospital de Câncer ali perto, o negócio acabou se tornando um ótimo investimento. Tanto que, tempos mais tarde, ele adquiriu mais dois alqueires, onde está preparando um loteamento com cerca de 150 lotes. “O projeto já está pronto e agora nós só estamos dependendo da aprovação dos órgãos competentes para iniciarmos as vendas. Acredito que, no início de 2014, os lotes já estejam à venda”, afirmou Osmar.

Ele acredita que aquela região da cidade deverá se desenvolver muito nos próximos anos. “Sem dúvida alguma, a vinda do hospital provocou um ‘boom’ imobiliário naquele setor de Jales. Até mesmo o valor dos aluguéis de imóveis ali naquela região está crescendo”, garante o corretor de imóveis.

A Landel Imobiliária ainda não definiu os preços dos 150 lotes do novo loteamento. “Acho que, diante da valorização que está ocorrendo, seria precipitado fixarmos valores com muita antecedência, mas nós imaginamos que os lotes comerciais deverão custar por volta de R$ 400,00 por metro quadrado, enquanto os lotes residenciais deverão ser vendidos a R$ 300,00 por metro quadrado”, calcula Osmar.

EM ABRIL, JALES NÃO PRODUZIU NOVOS EMPREGOS

Os números do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgados durante esta semana, mostram que o emprego formal, em Jales, teve 299 admissões no mês de abril. O problema é que tivemos, também, 299 demissões. Ou seja, em abril o saldo de empregos, em Jales, foi zero.

Nós tivemos o pior desempenho entre as principais cidades da região. Votuporanga (226 novos empregos, em abril), Fernandópolis (90), Tanabi (65) e Santa Fé do Sul (62) confirmaram uma tendência que já vem de alguns anos e ficaram à frente de Jales.

Somados os empregos criados nos quatro primeiros meses de 2013, Votuporanga abriu 781, Tanabi gerou 527, Fernandópolis produziu 487 e Santa Fé do Sul contabilizou 146 novos empregos. Jales é a última com apenas 138 novas vagas abertas em quatro meses.

Ruim, não? Pois é, mas ainda assim está bem melhor que 2012. No ano passado, de janeiro a abril, Jales produziu somente 04 novos empregos com carteira assinada.

A TRIBUNA: NICE VAI TIRAR LANCHEIROS DA PRAÇA DO JACARÉ

Eis a capa de A Tribuna deste final de semana, que destaca os gastos da prefeita Nice Mistilides com a compra de uniformes escolares. O jornal vai mostrar que a Secretaria de Educação está gastando cerca de R$ 110 por aluno. Nos tempos da ex-secretária Élida Barison, os uniformes custavam, em média, pouco mais de R$ 25,00 por aluno. 

Matéria do repórter Alexandre Ribeiro, o Carioca, trata do projeto da prefeita Nice, que pretende transferir os lancheiros para a Praça “Euphly Jalles”.

As últimas novidades sobre a festa marcada para setembro, que substituirá a Facip; as notícias da Câmara Municipal, onde o ambiente continua tenso; as reclamações de moradores sobre o asfalto de alguns bairros e as notícias da polícia, tudo isso vai estar nesta edição de A Tribuna.

E tem também a coluna deste aprendiz de blogueiro, sobre os bastidores da política e o artigo do Marco Antônio Poletto, que, desta vez, vai estar falando da Irmã Dulce.   

USUÁRIA DIZ QUE ESCRITÓRIO REGIONAL DO IAMSPE AINDA NÃO FUNCIONA COMO DEVERIA

O Escritório Regional do Iamspe foi inaugurado um dia desses, com toda pompa e circunstância. Mas, pelo jeito, ainda terá que ser inaugurado outras vezes. Vejam o que me chegou através da caixa de contatos do blog:

Sr Cardoso boa noite, venho através deste mostrar minha insatisfação com o Escritório Regional do Iamspe. Moro na cidade de Araçatuba e fui até o Escritório em Jales pra obter autorização para um exame de Cintilografia.

Chegando lá, fui informada pela funcionária que deveria deixar o pedido de exame para ser enviado a Rio Preto pra ser autorizado. Veja bem, a mesma me informou que está sem telefone e sem programa pra autorização e que somente daqui 90 dias vai ser instalado o link.

Uma casa enorme com apenas uma sala de uso e ainda assim não funciona como deveria funcionar. Como vai atender a 40 municípios e 6.000 usuários, se não tem qualificação pra isso? Eu saí de Araçatuba em vão; poderia ter ido direto pra Rio Preto, vc não acha? Isso é decepcionante, mas, convenhamos, isso é BRASIL….

MATOGROSSO VAI AO MINISTÉRIO PÚBLICO CONTRA NEPOTISMO

A cruzada do servidor aposentado Lauro Figueiredo, o irrequieto  Matogrosso, contra os supostos casos de nepotismo na Prefeitura de Jales, apresentou novos e interessantes capítulos nesta sexta-feira. Um pouco antes de o Fórum encerrar o expediente, Matogrosso esteve por lá para protocolar duas representações contra a prefeita Nice Mistilides.

Uma delas repete as acusações de nepotismo já protocoladas na Câmara pelo mesmo Matogrosso. A representação cita os nomes de Lúcia Callado, esposa do vice, de Angélica Boleta, nora da prefeita, além de  Osvaldo Polízio Júnior, Roberto Timpurim, Simone Aranda e outros menos votados, destacando que a nomeação deles estaria vedada pela Lei Orgânica Municipal e pela Súmula Vinculante 13, do STF.

O denunciante enumera, também, algumas decisões de tribunais, contrárias à prática do nepotismo. Matogrosso não se fez de rogado: ao final de sua representação, ele pede a instauração de processo civil contra a prefeita e o afastamento dela do cargo, bem como dos demais supostos beneficiados.

O ex-servidor não parou por aí: na segunda representação, ele denuncia possível desvio de função do comissionado Aldo José Nunes de Sá, que foi nomeado por Nice para o cargo de chefe da oficina da Secretaria de Obras, mas, na prática exerce a função de motorista da prefeita.

De acordo com a denúncia, “com a manobra estampada às claras, a senhora prefeita municipal burlou a lei duas vezes”, permitindo que Aldo receba uma remuneração maior do que aquela que é paga aos motoristas de carreira.

As representações de Matogrosso podem ser vistas, também, como uma resposta a alguns aliados da prefeita que andaram dizendo que o ex-fogueteiro não teria coragem de levar os dois casos ao Ministério Público. Resta saber, agora, no que vai dar tudo isso. 

INSTITUIÇÃO SOLER CONSEGUE EFEITO SUSPENSIVO NO TJ-SP QUE PERMITE CONTINUIDADE A CONCURSOS EM ANDAMENTO

O desembargador José Reynaldo, da 2ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, concedeu efeito suspensivo parcial da liminar obtida pelo Ministério Público de Jales em Ação Civil Pública contra a Instituição Soler de Ensino.

A Justiça de Jales, atendendo pedido do MP, havia determinado a suspensão de parte das atividades da Instituição, inclusive os concursos em andamento, pela suposta prática de fraudes. O efeito suspensivo concedido ontem, 23, pelo TJ-SP, permite que os concursos já iniciados tenham prosseguimento, mas, em princípio, confirma a suspensão da contratação de novos concursos, até o julgamento do caso.   

O desembargador considerou justos os argumentos da defesa, dando conta de que a realização dos concursos em andamento envolve a contratação de mais de mil pessoas e fere o interesse de milhares de candidatos que se inscreveram para as provas. Para o desembargador, “o risco de dano de difícil reparação está na total paralisação das atividades da agravante, uma vez que as atividades que lhe estão sendo vedadas constituem parte relevante daquelas por ela desenvolvidas na consecução de seu objetivo social”.

Ele ponderou, também, que as provas juntadas pelo Ministério Público impressionam, à primeira vista, mas, além de não ter sido observado o contraditório, em alguns casos os inquéritos civis instaurados pelo MP e citados na denúncia já foram arquivados. O desembargador considerou, ainda, não haver razoabilidade na suspensão ou interrupção dos concursos já iniciados ou em desenvolvimento.

Falei ontem com o advogado da Instituição Soler, Carlos Alberto Expedito de Brito Neto. Ele disse que as acusações contra a empresa não procedem e reafirmou a confiança de que, ao final, depois de ouvidas todas as partes, a Justiça concluirá pela inexistência de irregularidades.

“A Instituição já fez mais de 200 concursos públicos e em apenas três deles existem processos em andamento, mas ainda em fase preliminar, sem o contraditório. Os demais casos de possíveis irregularidades,  citados pelo MP, foram todos arquivados”, disse Carlos Alberto.

SAÚDE: DESABAFO DE UM PAI PREOCUPADO

Recebi, ontem, através da caixa de contatos do blog, o e-mail de um amigo que narra a sua epopeia em busca de tratamento para a gripe da filha. Confiram:

Amigo Cardosinho, a nossa administração vai de vento em popa para o buraco. Minha filha de 8 meses teve uma gripe, procurei então o pediatra do bairro onde moro, e me informaram que o caso podia ser atendido somente no posto de saúde da rua 07.

Fui até lá, onde fomos atendidos por um médico que me disse que era uma gripe passageira e que em 7 dias estaria curada. Fiz tudo o que ele mandou e, não resolvendo, marquei outra consulta e fui atendido pelo mesmo medico. Minha esposa pedia um expectorante para o medico e ele dizia que não havia necessidade.

Resolvi, então, marcar consulta com um medico que atende em Jales há um bom tempo, e me informaram que ele não atendia mais pelo SUS, sendo que até uma semana atrás ele era o mais concorrido. Pois bem, colocaram uma médica de renome no lugar dele. Ela ficou indignada com a postura do médico anterior dizendo que a menina estava com o peito carregado e me passou uma lista de medicamentos, além de dizer que queria ver minha filha novamente em 15 dias.

Deixei a menina na creche junto com a receita, medicação e todas as orientações da medica, tais como não deixar ela ir para o chão, ficar agasalhada, na hora de dormir usar um travesseiro e etc. Chegando na creche minha esposa notou que nada disso tinha sido feito. A menina passou mal o noite toda, com febre e chorando porque não conseguia respirar.

Procurei o posto de saúde novamente e me disseram que a medica não estava atendendo e que só tinha dois horários para atendimento. Tentei passar pelo consultório da medica, mas fui informado que ela não pega mais novos pacientes, apenas trata dos que já possui.

Minha filha completou 9 meses, ou seja um mês já se passou e estamos nessa lengalenga. Hoje vai ser a quarta consulta e o terceiro medico que ela visita e não estou vendo nenhuma melhora nela. Isso não é uma denúncia, é mais como um desabafo de um pai preocupado e que não tem nenhum auxilio do poder público. Desculpe pelo tom do email e pelos erros de português.

1 351 352 353 354 355 651