SUÉCIA, CITADA COMO EXEMPLO POR BOLSONARO, TEM QUASE DEZ VEZES MAIS MORTES QUE VIZINHAS

Um dia desses, o presidente Bolsonaro disse que o Brasil deveria se mirar no exemplo da Suécia, que implantou um isolamento social meia-boca e deixou muita coisa funcionando normalmente. Se o imbecil que colocaram na presidência procurasse se informar melhor, talvez não falasse uma besteira dessas.

A Suécia, com seus 11,3 milhões de habitantes, já tem quase 4.000 óbitos por coronavírus. É a pior – e bota pior nisso! – situação entre os países escandinavos. Suas vizinhas, que adotaram um isolamento social mais rigoroso, obtiveram resultados bem melhores.

A Dinamarca, com 5,8 milhões de habitantes, tem menos de 600 óbitos. A Finlândia, com 5,5 milhões de habitantes, contabiliza cerca de 300 mortes. E a Noruega, com população de 5 milhões de pessoas, registra menos de 250 óbitos pelo coronavírus. E o presidente usa a Suécia como exemplo, para defender sua tese de que o Brasil precisa abandonar o isolamento e voltar ao trabalho.

Há uns 15 dias, o deputado federal Osmar Terra deu uma entrevista a uma rádio gaúcha, defendendo o fim do isolamento e, assim como o imbecil-mor, citou a Suécia como exemplo. Deu azar!

O entrevistador estava bem informado e pediu ao deputado para ele explicar o fato de a Suécia já ter – àquela altura – 3.000 mortes, enquanto o Rio Grande do Sul, com quase a mesma população da Suécia, tinha 105 óbitos (hoje são 150). Osmar “Trevas” não soube explicar. Ouça parte da entrevista nos primeiros três minutos deste áudio.

A Suécia pode ser bom exemplo na guerra contra o coronavírus, mas em outro aspecto. Desde abril, os principais hospitais suecos suspenderam o uso da cloroquina – veja aqui – no tratamento contra a covid-19.

Enquanto isso, aqui no Brasil, o Bozo e o ex-urubólogo Alexandre Garcia insistem – sabe-se lá por quais motivos – em receitar a cloroquina. Como já disse o Zé Simão, entre a cloroquina e a semente milagrosa do pastor Valdemiro, é melhor ficar com a semente, já que ela, até onde se sabe, não tem efeitos colaterais.

Em tempo: a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) divulgou documento, nesta terça-feira, 19, afirmando que a cloroquina não tem eficácia comprovada contra o coronavírus e reforçou com seus profissionais o fato de que eles não são obrigados a prescrever a droga.

A SBMFC representa os médicos que atuam em 47,7 mil equipes de atenção básica no Brasil, 80% delas por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). 

PROFESSOR QUE FOI A PROTESTO CONTRA ISOLAMENTO E A FAVOR DA INTERVENÇÃO MILITAR MORRE COM SUSPEITA DE COVID

O professor parecida bem saudável há um mês. A notícia está pendurada no portal da revista Fórum:

No dia 19 de abril, Angelo Antônio Cavalcante Martins, professor da Faculdade de Economia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), foi a um protesto bolsonarista em Maceió que pregava o fim das medidas de isolamento social e pedia, entre outras coisas, por uma intervenção militar e um novo AI-5.

Na manifestação, feita no Dia do Exército, Martins estava vestido de verde e amarelo, como a maioria dos manifestantes, não usava máscara e desrespeitava o decreto estadual que, desde março, proibia aglomerações.

No domingo passado (17), menos de um mês após o ato, o professor faleceu com suspeitas de Covid-19.

Segundo pessoas próximas, Martins adoeceu cerca de uma semana antes de falecer e procurou uma unidade de saúde da capital alagoana quando já estava com sintomas avançados, como febre e falta de ar.

A Associação de Docentes da UFAL confirmou a morte do professor e informou que o sepultamento de Martins foi realizado no último domingo de “forma bastante reservada, devido à suspeita de contágio da Covid-19”.

Até a noite desta terça-feira (19), o Ministério da Saúde havia registrado 4.054 casos de Covid-19 no em Alagoas e 224 óbitos em decorrência da doença no estado.

MAIA ADMITE QUE ELEIÇÕES MUNICIPAIS PODEM SER ADIADAS

A notícia é do G1:

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (19) que o Congresso Nacional discutirá o adiamento das eleições municipais deste ano – sem estender o mandato dos atuais prefeitos. O adiamento seria uma prevenção por conta da pandemia do novo coronavírus.

Segundo o presidente da Câmara, a maioria dos líderes da Casa defende o adiamento, desde que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores não sejam prorrogados. O primeiro turno das eleições está marcado para 4 de outubro e o segundo turno, se houver, para o dia 25 do mesmo mês.

Maia afirmou que o presidente do Senado e do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deve criar um grupo de trabalho conjunto, formado por deputados e senadores, para decidir sobre a questão.

“O presidente Davi vai construir um grupo com a Câmara para que possamos discutir a questão da data da eleição, se nós vamos mantê-la no mesmo dia ou se a decisão do Parlamento vai ser modificá-la dentro do próprio mandato numa outra data. Então, seria o adiamento da eleição sem prorrogação de mandato”, afirmou Maia.

“Eu vi ontem na discussão com os líderes, que o adiamento é uma posição quase de unanimidade. A maioria dos parlamentares entende que podemos ter o adiamento, mas não devemos ter a prorrogação de nenhum mandato”, acrescentou o presidente da Câmara.

RENATO PRETO, TIÉ, MATOGROSSO, PORCINA, BERINJELA E OUTRAS NOVIDADES DOS PARTIDOS DE JALES

O ex-diretor da Casa da Criança, Renato Luís de Lima Silva, o Renato Preto, é um dos novos filiados do PSD de Jales, o mesmo partido para onde foi o vereador Macetão. As ligações políticas entre os dois são antigas. Para quem não se lembra, assim que assumiu a presidência da Câmara, em 2012, Macetão nomeou Renato no cargo de motorista do Legislativo.

Até onde se sabe, Renato Preto está morando em Ponta Porã(MS) e cursando medicina no Paraguai. Apesar de estar a quase 800 quilômetros de Jales, tudo indica que ele manteve seu domicílio eleitoral por aqui.

Outro que, aparentemente, mantém seu domicílio eleitoral em Jales – não obstante estar morando em Araçatuba há uns 20 anos – é o ex-vereador Elizier de Oliveira Colodetti, o Tié.

O ex-petista é uma das 21 pessoas que se filiaram ao PV de Jales em 2020. Por sinal, o PV, presidido pela advogada Sara Castardo Dácia, está anunciando que deverá lançar uma chapa de candidatos a vereador nas eleições deste ano.

A professora Maria Elena Batista de Souza, a Porcina, que já foi do MDB, se filiou ao PT. O partido – que possui 352 filiados – conseguiu apenas dois reforços. O outro reforço é uma velha conhecida: a servidora aposentada Celina de Souza, que deixou o partido em 2013 e agora está de volta.

Os ex-candidatos a deputado federal em 2018, Betto Mariano e Luiz Henrique do CAJ, deixaram o Patriotas e aportaram, respectivamente, no PSD e no DEM. Já o advogado  Adauto José de Oliveira, ex-assessor da Prefeitura de Dirce Reis, se filiou ao PP. Outro reforço de peso do PP é o eficiente servidor municipal Nivaldo Gonçalves Resende, o Berinjela, que recebeu as bênçãos do deputado Fausto Pinato.

E o PSL de Jales conta com apenas 65 filiados, a maioria deles arrebanhada em 2019, no bojo do bolsonarismo. Em 2020, já sem Bolsonaro, o PSL local conseguiu apenas 05 reforços, entre eles o voluntarioso ex-lateral direito do cuiabano Dom Bosco, Lauro Figueiredo, o Matogrosso.

Tudo indica, porém, que o PSL deverá perder um desses reforços. Isso porque o médico Ricardo Alexandre Gouveia está na lista de filiados do PSL e do PP. As duas filiações foram registradas em abril e, certamente, uma delas será cancelada, já que a dupla filiação é irregular.

Em 2012, o ex-vereador Maurinho Enfermeiro foi excluído das eleições por dupla filiação (PSDB e PT). Ele até recorreu às instâncias superiores, mas foi em vão.

Ainda sobre o PSL, uma olhadela na lista de filiados mostra que o partido não tem muita gente conhecida. Além dos citados Matogrosso e Ricardo Gouveia, os mais conhecidos são os empresários Claudemir Rossafa e Sérgio de Marqui, o turismólogo Weber Kitayama, e o tenente Luís Carlos Pressuto, ex-comandante da Polícia Militar de Jales.

VEREADOR QUE ERA CONTRA O ISOLAMENTO MUDA DE OPINIÃO APÓS PERDER O PAI PARA A COVID

A notícia é do UOL:

Pouco mais de um mês após defender a abertura do comércio no início da pandemia do novo coronavírus no Pará, o vereador de Belém Sargento Silvano (PSD) teve dez pessoas da família infectadas com a covid-19. O pai dele, o aposentado Francisco Rodrigues Lopes, de 65 anos, não resistiu e morreu ontem, entrando para a estatística que contabiliza 1.330 óbitos pela doença no estado.

A defesa pelo fim do isolamento social ocorreu em 27 de março, em uma rede social. O vereador escreveu que, em um mês, “todos” iriam ver que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “tinha razão” sobre a abertura imediata do comércio como medida para “preservar os empregos”.

Depois da defesa ao presidente, neste período, dez pessoas da família do vereador adoeceram, incluindo ele, a esposa e os filhos. O pai ficou 32 dias com a covid-19, sendo 22 internado e 14 sob respiração mecânica.

Ao ter a família atingida pelo novo coronavírus, o vereador mudou a postura. Em 20 de abril, ele publicou nas redes sociais: “Isso não é uma gripinha (sic), como disse o Bolsonaro. O presidente mente para o povo brasileiro. Bolsonaro perdeu o meu respeito! Falo de tudo que tenho sofrido com minha família nesses últimos dias”.

Em entrevista ao UOL, Sargento Silvano confirmou que agora defende o isolamento social. Para ele, não adianta preservar os empregos se a pessoa “não vai levar nada” ao morrer com a doença.

“Agora defendo o lockdown. Meu pai, por exemplo, construiu um patrimônio, mas quando foi enterrado não levou nem a roupa do corpo. Foi enterrado no lençol do hospital e em um saco”.

LICITAÇÃO DO LIXO, QUE PREVIA “CIDADE LIMPA” PERMANENTE EM JALES, É SUSPENSA PELO TRIBUNAL DE CONTAS

Deu chabu a concorrência aberta pela Prefeitura para contratação da empresa que cuidará da limpeza urbana em Jales. A apresentação de propostas estava prevista para a sexta-feira, 05, mas a licitação foi suspensa pelo TCE na véspera. Como se sabe, o contrato com a empresa atual – a Macchione Ltda, responsável por esse serviço em Jales há cinco anos – está vencendo agora em maio.

O Tribunal de Contas atendeu duas representações protocoladas contra o edital da licitação. O edital prevê que, além da varrição de ruas e do recolhimento do lixo, a empresa ficará responsável, também, pela coleta dos recicláveis e dos volumosos domiciliares – sofás, tvs, fogões, etc – deixados nas calçadas e em pontos de descarte irregular.

Resumindo, o edital previa uma espécie de “cidade limpa” permanente, mas a ideia terá que ser adiada. E o setor jurídico da Prefeitura terá que se virar para encontrar uma justificativa para uma prorrogação emergencial do contrato com a Macchione, a fim de não deixar a cidade sem limpeza.

 

JANAÍNA DIZ QUE BOLSONARO É BURRO E DEVERIA RENUNCIAR

A Jana está quase reconhecendo que fez caca ao apoiar o Bozo, mas não consegue se livrar do ranço antipetista. Deu no Brasil 247:

A deputada estadual por São Paulo Janaina Paschoal que quase foi candidata a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, diz que ele deveria renunciar. A opinião foi dada durante entrevista na série de transmissões ao vivo da Folha de S.Paulo, nesta segunda-feira (18).

Janaína não vê motivos para o impeachment, mas disse que o governo comete “loucuras” e “burrice”. Embora ainda o apoie, acha que ele não tem condição de continuar presidente. 

“Ele podia renunciar, né? Ele insiste nos erros”, disse a deputada. 

“Eu sinto o presidente como uma pessoa muito recalcada. Eu acho que ele apanhou muito na vida. […] E aí ele venceu. Parece que ele está sempre querendo mostrar para todo mundo que ele chegou lá, que ele não deve satisfações”, afirmou na entrevista à Folha.

Janaina não vê o excesso de polêmicas e recuos de Bolsonaro como uma estratégia política, mas como “muita burrice” e acha que as Forças Armadas não dão respaldo para “algo tão grotesco.”

A deputada fez questão de explicitar mais uma vez seu antipetismo: “Não consigo ver, sob o ponto de vista do direito eleitoral, uma relação de causa e efeito [entre a entrevista do empresário Paulo Marinho  e a anulação da eleição]. […] Depois de todo o meu trabalho? Vão criar um caminho forçado para entregar a Presidência da República para o PT? Tudo que eu não quero na vida é o PT no governo”, disse.

MORRE EM CAMPINAS DEPUTADO QUE ASSUMIU VAGA DE LUIZ FLÁVIO GOMES, FALECIDO EM ABRIL

Ele ficou apenas 45 dias no cargo. A notícia é do portal A Cidade ON, de Campinas:

O deputado federal de Campinas Luiz Lauro Filho (PSDB) morreu nesta segunda-feira (18). Ele tinha 41 anos e estava internado desde a madrugada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Centro Médico, após sofrer uma parada cardíaca em sua casa.

Segundo informações da família, o parlamentar passou mal na sua casa por volta de 2h e foi levado ao hospital, onde foi reanimado e passou por um procedimento para a colocação de dois stents. No entanto, ele acabou não resistindo.

Luiz Lauro é sobrinho do prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB). O prefeito cancelou uma transmissão ao vivo que faria em suas redes sociais hoje, às 14h30, para falar de medidas de combate ao novo coronavírus. Ele deixa dois filhos. 

Luiz Lauro Ferreira Filho nasceu em Campinas em 10 de junho de 1978. Publicitário de formação, foi eleito deputado federal por São Paulo nas eleições de 2014, ainda no PSB.

Nas eleições de 2018, não consegui se reeleger, terminou como suplente. Em dezembro de 2019, já no PSDB, assumiu o mandato após a licença Jefferson Campos. Em abril de 2020, foi efetivado deputado federal com a morte de Luiz Flávio Gomes. 

CONTRA CORONAVÍRUS, PREFEITO DECRETA 21 DIAS DE ORAÇÕES E 01 DE JEJUM

O pastor Iranil era o vice-prefeito e assumiu a Prefeitura em 2018, depois que o titular, Carlos Aníbal Ruso (PSDB), foi preso por associação criminosa, corrupção ativa e corrupção passiva. Sete vereadores e um secretário também foram presos pelos mesmos crimes.

Como se vê, a população de Ladário precisa orar muito. A notícia é do Conjur:

A Prefeitura de Ladário, no Mato Grosso do Sul, editou um decreto que prevê 21 dias de oração, um de jejum e até um cerco espiritual como medidas de combate ao coronavírus. O decreto foi assinado pelo prefeito Iranil de Lima Soares.

Na justificativa, Soares diz que Ladário é uma “cidade cristã” e que “Deus ouve a oração de um povo quebrantado”. No artigo 1º, o decreto prevê orações diárias nos lares, mas sem aglomeração de pessoas. 

Já o artigo 2º orienta voluntários a orar por 21 dias e fazer jejum por um dia, “invocando o nome do Senhor para que juntos na fé possamos vencer a pandemia”. Segundo dados do governo do estado, Ladário tem cinco casos confirmados de Covid-19.

No dia 7 de junho, está previsto um cerco espiritual na cidade, onde cada cidadão deve rezar em sua casa, “com o escopo de pedir ajuda a Deus, tanto pelas pessoas que já estão doentes, quanto por aqueles que estão tomando medidas para não contrair a Covid-19, bem como para afastar este mal que assola nossa nação”, conforme o artigo 3º do decreto.

EX-GOVERNADOR DA PARAÍBA MORRE DEZ DIAS DEPOIS DA ESPOSA, AMBOS DE COVID-19

A notícia é do UOL:

O ex-governador da Paraíba Wilson Braga morreu na noite de ontem, aos 88 anos, em um hospital particular da capital João Pessoa. Ele estava internado desde 1º de maio e teve resultado positivo para covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A morte do ex-governador acontece dez dias após sua esposa, a ex-deputada federal Lúcia Braga, também morrer em decorrência da covid-19.

Wilson e Lúcia Braga deram entrada no Hospital Nossa Senhora das Neves em 1º de maio. Segundo o último boletim médico do ex-governador, do último sábado (16), ele estava intubado com quadro clínico grave. Ele também apresentava insuficiência renal e fazia hemodiálise.

Por ser um caso de covid-19, não houve velório. Apenas familiares puderam acompanhar o sepultamento na manhã de hoje com o caixão fechado.

O atual governador do estado, João Azevêdo (Cidadania), usou as redes sociais para lamentar a morte de Braga.

“É com muita tristeza que recebemos a notícia do falecimento do ex-governador Wilson Braga, que não resistiu às complicações da covid-19. Há poucos dias já havia perdido a sua esposa, Lúcia Braga, também vítima da doença”, escreveu Azevêdo.

1 3 4 5 6 7 1.426