AUDITOR PRESO POR EXTORSÃO QUASE FOI NOMEADO SECRETÁRIO DA RECEITA DE BOLSONARO

Deu no Brasil 247:

O auditor fiscal Marco Aurélio Canal, preso por extorquir investigados da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro, foi cotado para ocupar o cargo de secretário-geral da Receita Federal. Ele chefiou uma operação conjunta da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, para uma devassa nas contas do Instituto Lula, que resultaram em penalidades que ultrapassam os R$ 18 milhões. O instituto informou que o valor é quase 50 vezes maior do que o valor que os próprios auditores consideraram desalinhado ao propósito da entidade.

De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, o nome dele foi apresentado ao ministro Paulo Guedes (Economia), que escolheu o economista Marcos Cintra para o cargo.

Em delação premiada, o empresário Lelis Marcos Teixeira afirmou que teriam sido pagos R$ 4 milhões de propinas a Marco Aurélio Canal para barrar uma fiscalização que estava sendo conduzida contra a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). 

Canal era supervisor de Programação da Receita no Rio que tinha acesso a informações sensíveis da Operação Lava Jato. A ordem de prisão do auditor foi decretada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal no Rio. Bretas conduz a Lava Jato Rio.

O auditor também teve atrito com o Gilmar Mendes. De acordo com o ministro do Supremo Tribunal Federal, Canal foi a pessoa que “coordenou a operação” em que seus dados e de sua mulher, Guiomar Feitosa, foram acessados.

Um dos dossiês elaborados pela equipe de auditores que investigou Gilmar e outros 133 agentes públicos foi enviado para Canal, apontaram documentos enviados à Procuradoria-Geral da República (PGR) pela própria Receita.

3 comentários

  • Sem esperança

    Do jeito que a moral de nossos políticos e agentes públicos anda, se nomeasse ou não nomeasse não mudaria em nada! seria mais um malando ou menos um malandro, nos brasileiros já perdemos a confiança em todos os níveis!

  • Querem um conselho: não mexam com Gilmar!

    É inegável que a corrupção sempre houve, no Brasil. principalmente na fiscalização de policiais rodoviários até ministros do STF. Os brasileiros sempre pagaram propinas para levar vantagem. Só que a justiça não pode ser conivente. Temos muitas autoridades, políticos, gente do governo roubando mas não temos provas.
    É o caso do auditor da RF que foi pivô de recente conflito entre o Gilmar Mendes do STF, a Receita Federal e a força-tarefa da Lava Jato/RJ. O auditor foi preso sob suspeita de extorquir dinheiro de investigados na operação.
    O ministro acusou os procuradores de usarem a Receita para “pistolagem” e acusou o auditor de chefiar uma investigação contra ele e sua mulher. Só lembrando, Janot, ex PGR, também acusou.
    Os procuradores da Lava Jato correram e prenderam o auditor. Agora os procuradores esperam uma retratação do Gilmar Mendes. Desculpas kkkkkk
    Na realidade, o auditor estava roubando a muito tempo. Os procuradores sabiam disso porem quando envolveram com acusações do ministro, na mídia. A casa caiu para o auditor!

  • Sérgio

    Bandido igual aos outros, não queiram diferenciar. Corrupto e ladrão de estimação não existe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *