EM NEW YORK, A CONSAGRAÇÃO INTERNACIONAL DE FHC COMO GOLPISTA

fhc3

Vídeo publicado por Mídia Ninja no Facebook mostra a manifestação que fez o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) fugir da sessão de abertura da LASA, maior Congresso de Estudos da América Latina no mundo. Espectadores se vestiram de preto, em luto pelo atentado contra a democracia no Brasil.

Entoando palavras de ordem, acadêmicos, ativistas e intelectuais de todo continente mostraram, no coração de Nova York, que ‘golpistas e fascistas não passarão’. O vídeo pode ser visto aqui.

Sobre esse mesmo assunto – a consagração de FHC – o jornalista Paulo Nogueira, do DCM, escreveu interessante artigo. Ei-lo:

FHC viveu o bastante — 85 anos até aqui — para ver sua consagração internacional como golpista. E em Nova York, a capital do mundo.

Clap, clap, clap. De pé. Para os responsáveis pelo reconhecimento.

FHC fora convidado para participar de um encontro de cientistas políticos para debater a tão ameaçada democracia na América Latina.

É um mistério o que passou pela cabeça dos organizadores ao chamar o decano do presente golpe no Brasil. É como chamar Alexandre Frota para debater educação. Mas foi brilhante a reação dos cientistas políticos que sabem perfeitamente o papel imundo que FHC representou na trama plutocrata que colocou Temer no Planalto.

Eles prontamente se insurgiram. Diante da insistência da organização em manter FHC, avisaram que respeitavam a decisão. Mas, diante dela, alertaram que iriam comparecer de preto ao seminário em protesto contra um convite tão acintosamente equivocado.

FHC fez o que sempre fez em situações complicadas. Primeiro, se acoelhou. Fugiu da reunião. Depois, produziu uma nota que é sua alma: cínica, hipócrita, mentirosa. Nela, evocou o passado. Disse que foi perseguido pelo golpe de 1964 e coisas do gênero. Acontece que ninguém está falando de 1964, e sim de 2016. Rechaçou que houve golpe com o argumento de que o STF monitorou o impeachment.

Ora, ora, ora. Depois de gravações de conversas que expuseram brutalmente a participação do STF na derrubada de Dilma, ele tem a ousadia de citar os eminentes magistrados? Entre estes se destaca, com seu golpismo explícito, Gilmar Mendes, que foi colocado no STF exatamente por FHC.

Apenas para registro, em 1964 o STF também abençoou o golpe.

Se passado valesse, Lacerda — o maior golpista da história da República — poderia, ao estilo de FHC, dizer que foi integrante do Partido Comunista na juventude para tentar ser absolvido pelo papel vergonhoso que desempenhou repetidamente contra a democracia e a favor dos ricos.

Seja o que for que FHC tenha feito num passado remoto, tudo já foi incinerado pelo que ele é, e não de hoje.

É, numa palavra, um fâmulo da plutocracia.

Lacerda desandou quando passou a falar, demagogicamente, em corrupção para atacar governos progressistas como o de Getúlio e o de Jango. Há quantos anos FHC faz exatamente o mesmo?

Em sua descomunal vaidade, FHC tem a pretensão de ser conhecido — e respeitado — como um homem de esquerda. Ele sabe que cientistas políticos de direita são universalmente desprezados.

Mas ele não é mais que isso: um reacionário, um direitista, um golpista da pior espécie.

Seu julgamento perante a história já foi feito em vida, e ele foi condenado com desonra.

O símbolo disso foram as camisas pretas em Nova York em repúdio a ele. 

10 comentários

  • O titanic petista

    Depois que os petistas assaltaram o governo deixando uma divida de R$ 170 bilhoes, como tambem faliram a Petrobras depois do mensalao (eu nao falei do caso Celso Daniel) quando Dilma e Lulal foram beneficiados.
    Depois que varios politicos petistas e operadores do esquema foram presos sendo que alguns ainda podem ser presos, como o ainda governador/MG e Lula, e outros (o Ze’ Dirceu foi preso de novo).
    Depois de “elegerem” FHC, Aecio, Cunha, Temer, Moro, a midia, etc como os culpados por tudo isso
    Depois de serem expulsos do governo pela maioria do congresso nacional e voltando a ser um partido nanico e sem expressao.
    Agora, o PT chora a vergonha, dizendo que foi um golpe (o STF nega) pois houve uma conspiraçao. Pois perseguem FHC, Alexandre Frota e Temer.
    Petistas, voltem para casa e façam uma reflexao!
    Voces afundaram

  • Maior e melhor presidente da história do Brasil , entregou tudo arrumado para os bandidos do pt , mastigou mastigou para os bandidos engolirem , entraram com populismo e politica publica … Com a economia arrumada foi fácil !!! SÃO FHC !!!

  • Anonimo Voltei

    Otitanic petista:-
    Depois que Cunha queria obrigar o PT a ser contra o seu Conselho de Ética e o PT disse não.
    Depois que Cunha por vingança ao ( não ), colocou o impeachment em votação.
    Depois que Cunha foi delatado por Youssef e por Baiano que o mesmo tinha mais de 5 Milhões de dólares na Suíça.
    Depois que foi aberta um CPI contra Cunha e logo depois ele foi tirado pelo STF de presidente da câmara, mas continua mandando no desgoverno Temer.
    Depois que Aécio e sua quadrilha mandou matar Lucas Arcanjo ( policial que o delatava ).
    Depois que omitiram a Overdose de Aécio e seu internamento no Hospital Master Dey em MG.
    Depois que surgiu a delação feita por Carlos Alexandre Cesar sobre Aécio na sua participação na corrupção em Furnas, o mesmo esta sendo processado pelo, inclusive por corrupção e lavagem de dinheiro.
    Depois que Aécio foi delatado também, por Ceveró, Baiano e Youssef de ter participado da corrupção na Lava Jato, da qual também esta sendo processado, por isso esta sumido da mídia.
    Depois que Renan também foi delatado por participar da Lava Jato e o processo corre em segredo de justiça pelo STF
    Depois que Sergio Machado que pertenceu durante 10 ano no PSDB e 3 anos no PT, delatou através de várias gravações, que não acabaram ainda que: Temer, Renan, Aécio Agripino, Aloysio Nunes, Jucá, Sarney, Janot ( chamado na gravação de mau caráter ), STF ( citado na gravação como um STF de merda e comprado ) e em todas as conversas o assunto principal era tentar acabar com a Lava Jato, pois estavam chegando neles todos ),por isso o Impeachment da Dilma.
    Depois
    Depois que a quadrilha macabra foi descoberta, queriam então acabar com a Lava Jato.
    Depos que Temer fechou a TV a mando da globo.
    Depois que o Ministro Jucá foi mandado embora do governo pelas corrupções.
    Depois que o Ministro da Educação recebeu em seu Gabinete o cafetão, viciado e ator de filme pornô.
    Depois que ontem a noite o corrupto Gilmar Mendes visitou a casa do corrupto temer.
    Depois que delações e gravações comprovaram que o PSDB,DEM,PMDB e outros partidos, financiavam os movimentos pró impeachment com panfletos, dinheiro, uso de carros, lanches, viagens aluguel de ônibus etc……
    Ficou comprovado o Golpe seus fascista, corruptos, crápulas.
    Vocês afundaram babacas, fala fala, fala mas não enxergam o próprio rabo.
    Faça uma reflexão seu babaca . Só não estão presos pois colocaram na mão do STF muito $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$.

    • O titanic petista

      ANONIMO
      Voce voltou para defender o pequeno e minusculo PT porem vai ser dificil mas vamos analisar o que voce escreveu. Lembra dos acordos do PT?
      O bandido Cunha roubou propinas da Petrobras, com o consentimento de Lula, onde o PT fez um acordo para assaltarem com o PMDB.
      O Aecio roubou Furnas quando ele era amigo de Lula (pasmen!) quando Lula autorizou. Furnas nao e’ do governo? Pois entao?
      Sergio Machado foi colocado na Petrobras pelo Renan Calheiros para roubar para ele e o PMDB conforme acordo
      Temer. o presidente interino atual, era vice de Dilma portanto voce votou nele e fez todas essas cagadas citada por voce e agora voce chora a conspiraçao de Temer contra Dilma. Temer furou o acordo.
      Financiamentos de grupos pro impeachment, voces, petistas sempre fizeram isso, lembra do MST. UNE, MTST, CUT? Que sempre mamaram o PT
      Nós sofremos um golpe. Golpe de sorte de ter expulsado voces, do governo
      kkkkkkkkk

  • Anonimo Voltei

    Luiz

    Corrupção organizada do governo de FHC o mesmo que usou dinheiro público, para pagar dois abortos de sua ex-amante e comprar um apartamento nos EUA, para seu filho bastardo de mais de 2 milhões, se insistirem nesta besteira depois mostro mais, inclusive a de ele dizer que é pai do real, pois o inventor do real foi Pérsio Arida um professor de economia da Usp, a pedido do presidente Itamar Franco, sem falar do afundamento da base de petróleo P-36.por falta de administração que valia 100 Bilhões, ou ainda na venda da Vale do Rio Doce que valia 100 Bilhões e foi vendida por 3,3 Bilhões ( onde esta a diferença ).
    No esforço de elucidar melhor a complexa sociologia da honestidade desenvolvida por FHC, ou “conduta imprópria”, seguem-se alguns dos maiores escândalos registrados sob a sua presidência, ademais de breve compilação de ‘desvios de rota’ observados em governos tucanos, a envolver casos de superfaturamento de contratos, propinas, evasão de divisas, proteção descarada ao sistema financeiro… Certamente, não há aqui a pretensão de esgotar um assunto tão virgem, ainda à espera de um espaço na unifocal agenda do operoso juiz Sergio Moro.

    Vejamos:

    Trensalão e Caso Alstom. O Trensalão envolve um bilionário esquema de contratos superfaturados e pagamento de propinas de multinacionais – Alstom e Siemens à frente – para ‘operar’ licitações no setor de transporte sobre trilhos. Em São Paulo, palco da maioria dos contratos superfaturados, o esquema teria envolvido, ao longo de uma década (1998-2008), integrantes dos governos Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. A denúncia veio à tona em 2013, na Suíça. A alemã Siemens fez, então, um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), delatando o que sabia, em troca de imunidade civil e criminal. Estima-se que juntas, Siemens e Alstom tenham faturado R$ 12,6 bilhões em contratos.
    Outro escândalo incluído na rubrica ‘Caso Alstom’ apareceu em 2008. Autoridades suíças denunciaram o pagamento de propina da multinacional francesa à Eletropaulo, a estatal de energia comandada pelo tucanato paulista há mais de duas décadas. Segundo o Ministério Público da Suíça, entre 1998 e 2001, pelo menos 34 milhões de francos franceses teriam sido pagos em subornos a autoridades dos governos tucanos através de empresas offshore, criadas em paraísos fiscais.
    Mensalão tucano. Em 2007, o Ministério Público denunciou um esquema de desvio de R$ 3,5 milhões (R$ 14 milhões corrigidos) de empresas públicas mineiras, ocorrido em 1998, para favorecer a reeleição de Eduardo Azeredo, então governador de Minas Gerais. Entre os envolvidos no financiamento irregular, além do ex-governador, estão os publicitários Marcos Valério, Ramon Hollerbach e Cristiano Paz. Há suspeitas, aguardando [para o Dia de São Nunca…] investigações operosas, que o valor seja superior ao indicado. Empresas públicas, como a CEMIG, por exemplo, ficaram de fora da denúncia que amargou oito anos no limbo. Em dezembro de 2015, a Justiça de Minas Gerais condenou Azeredo a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. A decisão foi em primeira instância. Cabe recurso. Mesmo condenado, Azeredo continua exercendo cargo na FIEMG como informa o “Estadão” de 19.12.2015.
    Caso Banestado. O escândalo do Banestado (Banco do Estado do Paraná) diz respeito à evasão de divisas do Brasil, na ordem de R$ 150 bilhões [seriam hoje da ordem de R$ 650 bilhões] para paraísos fiscais, entre 1996 e 2002. Em 2003, chegou a ser instalada a CPMI do Banestado que, em seu relatório final, pedia o indiciamento de 91 pessoas. Da lista, faziam parte doleiros, funcionários do banco, empresários e vários tucanos, como o ex-presidente do Banco Central do governo PSDB/FHC, Gustavo Franco e o ex-diretor do Banco do Brasil, amigo do peito de José Serra, o impoluto quadro tucano, Ricardo Sérgio de Oliveira. Em reportagem onde detalha o caso, “Governo recupera R$ 2,2 mi dos R$ 124 bi desviados via Banestado” – a jornalista Najla Passos, de “Carta Maior”, em 04.09.2012, destaca que as ações contra responsáveis pelo sistema fraudulento encontram-se esparsas, em diferentes varas da justiça brasileira, a maioria sob segredo de justiça. Somente no Governo Lula, aponta Najla, o Brasil passou a contar com dispositivos para combater a prática de evasão de divisas.
    Farra das Privatizações. Os escândalos que envolveram as privatizações na era FHC estão documentados em dois trabalhos de fôlego: “O Brasil Privatizado” de Aloysio Biondi e “A Privataria Tucana” de Amaury Ribeiro Jr. Ambos detalham irregularidades e bastidores da venda a preço de banana do patrimônio público nacional. Em 2011, Ribeiro Júnior trazia, inclusive, indícios de corrupção envolvendo membros do governo PSDB/FHC, com vasta documentação sobre movimentação financeira e lavagem de dinheiro por meio de offshores no Caribe.
    Em 1999, no calor da hora, Biondi sintetizava o processo de privatização já na introdução do seu livro: “o governo financia a compra no leilão, vende ´moedas podres´ a longo prazo e ainda financia os investimentos que os ‘compradores’ precisam fazer. E, para aumentar os lucros dos futuros ‘compradores’, o governo ‘engole’ dívidas bilionárias demite funcionários, investe maciçamente e até aumenta tarifas e preços antes da privatização”. Vários escândalos envolveram as privatizações, como veremos a seguir.
    Grampos no BNDES. Em novembro de 1998, Elio Gaspari denunciava a existência de grampos no BNDES. Uma gravação vazada pela “Folha”, em 25.05.1999, trazia Mendonça de Barros, então ministro das Comunicações, e André Lara Resende, presidente do BNDES na época, articulando o apoio da PREVI (fundo de pensão dos funcionários do BB) em benefício do consórcio do “Banco Opportunity”, às vésperas da privatização do Sistema Telebrás. FHC, inclusive, entrava na conversa, autorizando o uso do seu nome para pressionar o fundo. Já na privatização da Telemar (uma das empresas da Telebrás), surgiu a denúncia da cobrança de R$ 90 milhões, por parte de (de novo, o amigo do peito de Serra, pau para toda obra tucana), Ricardo Sérgio de Oliveira. Ex-diretor do Banco do Brasil, ele foi peça chave nas privatizações que envolveram a PREVI (fundo de pensão dos funcionários do BB), atuando na montagem de consórcios. Ao acompanhar a movimentação financeira de empresas do ex-diretor do BB e do empresário Carlos Jereissati – à frente do consórcio vitorioso – Ribeiro Jr. lança a suspeita, em seu livro, do pagamento de US$ 410 mil.
    Vale destacar a análise de Biondi sobre a venda do sistema Telebrás. Biondi mostra o quanto a negociação foi prejudicial ao país, já que o governo havia investido R$ 21 bilhões no setor, durante dois anos e meio, para vendê-lo depois por R$ 22 milhões. Além disso, R$ 8 milhões foram financiados pelo BNDES para que as empresas compradoras pudessem dar a entrada num autêntico exemplar dos negócios ‘de pai para filho’.
    Venda da Vale do Rio Doce. O escândalo da venda da Vale do Rio Doce, em 1997, começa já no valor da negociação. A mineradora foi arrematada por US$ 3,3 bilhões. O preço estimado no período batia os R$ 30 bilhões. Em 2011, Amaury Jr escreveria que, em diferentes ocasiões, dois ministros de FHC ouviram o empresário Benjamin Steinbruch se queixar de uma suposta comissão paga … sim, a ele, Ricardo Sérgio de Oliveira. O valor, R$ 15 milhões [equivalentes hoje a R$ 65 milhões], teria sido confirmado por executivos da área financeira, ministros e empresários, segundo o jornalista. Steinbruch nega.
    Superfaturamento no TRT-SP. O escândalo dizia respeito ao desvio de recursos públicos na construção do Tribunal Regional do Trabalho paulista. A denúncia veio à tona durante as investigações da CPI do Judiciário. Aberta em 1999, a CPI levou à condenação do juiz Nicolau dos Santos Neto e do então senador Luiz Estevão (PMDB-DF), cassado em 2000, pelo desvio de R$ 169 milhões [equivalentes hoje a R$ 652 milhões]. Ao todo, foram investidos R$ 234,5 milhões na obra [equivalentes hoje a R$ 800 milhões], um montante acima do previsto no Orçamento, apesar dos alertas do TCU sobre irregularidades. Em 2000, ao ser questionado sobre os repasses federais, FHC respondeu “assinei sem ver”. A frase correu na imprensa internacional do período, como informava a Folha, em 15.07.2000, e foi comentada pelo argentino El Clarín, no site da TV CNN, no chileno El Mercúrio, no português Jornal de Notícias.
    Caso Marka e FonteCindam. Em 1999, um ano depois da desvalorização cambial promovida por PSDB/FHC logo após a reeleição – com suspeitas de vazamentos seletivos de informações pelo Banco Central – os bancos Marka e FonteCindam contaram com privilégios e uma ajuda do BC brasileiro. Montante envolvido: R$ 1,6 bilhão [equivalentes hoje a R$ 5,6 bilhões] fixado com base em uma cotação de R$ 1,25 do dólar, quando a moeda já alcançava R$ 1,30 no mercado.
    Compra de votos para a reeleição. A emenda da reeleição foi aprovada em 1997. Como? Um esquema da compra de votos – R$ 200 mil por cabeça [hoje equivalentes a R$ 900 mil]– teria envolvido pelo menos 150 deputados [no montante total hoje equivalente a cerca de R$ 135 milhões]. A suspeita sempre desdenhada pelo PSDB, seria corroborada pela admissão explícita de dois deputados do PFL (atual DEM). Em maio, dois representantes do Acre, Ronivon Santiago e João Maia, afirmavam ao jornalista Fernando Rodrigues [da “Folha”], terem recebido R$ 200 mil para votar a favor da reeleição. Segundo eles, o assunto era tratado diretamente com Sérgio Motta, ministro das Comunicações de FHC. No artigo “Esqueçam o que escrevi, diriam os jornais”, de 02.09.2013, a jornalista Maria Inês Nassif detalha o episódio.
    PROER – O Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER), criado em 1995, para salvar bancos particulares [com dinheiro público] custou 12,3% do PIB [R$ 111,3 bilhões; hoje equivalentes a R$ 571 bilhões] aos cofres públicos, segundo analistas do CEPAL. Em “Proer: a cesta básica dos banqueiros”, de 30.08.2012, o escritor Laurez Cerqueira aponta como consequência direta da medida a grande concentração bancária, calcada na internacionalização do sistema financeiro brasileiro: 8 instituições estrangeiras compraram 11 bancos nacionais. Títulos públicos de juro alto e risco baixo ocuparam desde então o espaço de honra no portfólio dos bancos, marmorizando a especulação financeira no sistema.
    Cerqueira aponta, também, que o grosso dos recursos do Proer foram distribuídos para salvar bancos falidos como o Banco Econômico, o Nacional e o Bamerindus, que deram um calote de mais de R$ 10 bilhões no BC. O Banco Nacional, que pertencia à família Magalhães Pinto, da nora de FHC, foi um deles. Contou do sogro com uma linha de crédito de R$ 6 bilhões [hoje equivalentes a R$ 31 bilhões], apesar dos R$ 5,3 bilhões registrados em fraudes contábeis praticadas pelo banco desde 1986.
    Pasta Rosa. Em 1995, funcionários do BC, que trabalhavam em uma auditoria do Banco Econômico, encontraram uma pasta rosa, com documentos que revelavam a doação ilegal de bancos, de US$ 2,4 milhões da época [hoje cerca de R$ 14 milhões], a 45 políticos durante as eleições de 1990. Entre os envolvidos, estavam a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o dono do Banco Econômico, Ângelo Calmon de Sá –além de políticos como José Serra (PSDB), Antônio Magalhães (DEM), Luís Eduardo Magalhães (PFL/BA), José Sarney (PMDB) entre outros. Calmon de Sá chegou a ser indiciado pela Polícia Federal pelo crime de sonegação e “colarinho branco”, mas [com a blindagem rotineira] o caso foi arquivado em fevereiro de 1996.
    Em seu artigo “O recheio da pasta e o caso do Banco Econômico”, de 16.08.2012, o escritor Laurez Cerqueira detalha que, entre os documentos, havia recibos e notas fiscais de serviços supostamente prestados a campanhas eleitorais, além da lista de políticos. Em 1990, a legislação eleitoral proibia a doação de dinheiro por empresas a candidatos. O estorvo ’às condutas impróprias’ seria resolvido em 1997, durante o Governo PSDB/FHC, com a promulgação da Lei n.9.504. De certa forma, ela sancionaria a compra das eleições no país, permitindo o financiamento privado das campanhas eleitorais.
    Caso Sivam. O primeiro ano de governo de FHC/PSDB foi marcado por denúncias de tráfico de influência e corrupção na negociação do contrato de US$ 1,4 bilhões do Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia (Sivam/Sipam). Sem concorrência pública, foi escolhido o consórcio liderado pela Raytheon Company, empresa norte-americana, associada à paulista Esca – Engenharia de Sistemas de Controle e Automação S/A. Apesar da Esca ser acusada de fraudar de Previdência, o contrato foi fechado. No mesmo ano, vazava uma gravação que indicava tráfico de influência e propina na negociação. Personagens do enredo gravado: o chefe de cerimonial de FHC, Júlio César Gomes dos Santos e o empresário José Afonso Assumpção, representante da Raytheon no Brasil. Um pedido de CPI foi protocolado. Só saiu seis anos depois [!], de forma esvaziada e sem quórum… Júlio César foi nomeado embaixador em Roma; os trabalhos da CPI encerrados.
    Ninguém foi punido.

  • Anonimo Voltei

    Luiz precisa aprender a procurar mais principalmente as noticias verdadeira, para não fazer papel de desaprendido—o Texto é cópia e no final tem de onde foram tiradas as comparações do governo FHC/Lula e Dilma:—
    Comparando o Brasil de 2002 (Fernando Henrique Cardoso) ao de 2013 (Lula/ Dilma)… segundo a OMS, a ONU, o Banco Mundial, o IBGE, o Unicef etc…

    Leiam e tirem as suas próprias conclusões….

    1. Produto Interno Bruto:
    2002 – R$ 1,48 trilhões
    2013 – R$ 4,84 trilhões
    2. PIB per capita:
    2002 – R$ 7,6 mil
    2013 – R$ 24,1 mil
    3. Dívida líquida do setor público:
    2002 – 60% do PIB
    2013 – 34% do PIB
    4. Lucro do BNDES:
    2002 – R$ 550 milhões
    2013 – R$ 8,15 bilhões
    5. Lucro do Banco do Brasil:
    2002 – R$ 2 bilhões
    2013 – R$ 15,8 bilhões
    6. Lucro da Caixa Econômica Federal:
    2002 – R$ 1,1 bilhões
    2013 – R$ 6,7 bilhões
    7. Produção de veículos:
    2002 – 1,8 milhões
    2013 – 3,7 milhões
    8. Safra Agrícola:
    2002 – 97 milhões de toneladas
    2013 – 188 milhões de toneladas
    9. Investimento Estrangeiro Direto:
    2002 – 16,6 bilhões de dólares
    2013 – 64 bilhões de dólares
    10. Reservas Internacionais:
    2002 – 37 bilhões de dólares
    2013 – 375,8 bilhões de dólares
    11. Índice Bovespa:
    2002 – 11.268 pontos
    2013 – 51.507 pontos
    12. Empregos Gerados:
    Governo FHC – 627 mil/ano
    Governos Lula e Dilma – 1,79 milhões/ano
    13. Taxa de Desemprego:
    2002 – 12,2%
    2013 – 5,4%
    15. Lucro médio da Petrobras:
    Governo FHC – R$ 4,2 bilhões/ano
    Governos Lula e Dilma – R$ 25,6 bilhões/ano
    17. Salário Mínimo:
    2002 – R$ 200 (1,42 cestas básicas)
    2014 – R$ 724 (2,24 cestas básicas)
    24. Inflação Anual Média:
    Governo FHC – 9,1%
    Governos Lula e Dilma – 5,8%
    26. Taxa Selic:
    2002 – 18,9%
    2012 – 8,5%
    34. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza
    35. Criação de Universidades Federais:
    Governos Lula e Dilma – 18
    Governo FHC – zero
    43. Gastos Públicos em Saúde:
    2002 – R$ 28 bilhões
    2013 – R$ 106 bilhões
    44. Gastos Públicos em Educação:
    2002 – R$ 17 bilhões
    2013 – R$ 94 bilhões
    45. Estudantes no Ensino Superior:
    2003 – 583.800
    2012 – 1.087.400
    47. Operações da Polícia Federal:
    Governo FHC – 48
    Governo PT – 1.273 (15 mil presos)
    49. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C)
    50. 42 milhões de pessoas saíram da miséria

    FONTES:
    47/48 – http://www.dpf.gov.br/agencia/estatisticas
    39/40 – http://www.washingtonpost.com
    42 – OMS, Unicef, Banco Mundial e ONU
    37 – índice de GINI: http://www.ipeadata.gov.br
    45 – Ministério da Educação
    13 – IBGE
    26 – Banco Mundial
    De 2002 a 2009 (Lula) a taxa de extrema pobreza caiu 6,71%

  • marcelo

    O cara tinha que ganhar um predio em dubai, tem 330 virgens lhe esperando, fez magica aqui no brasil, fez um país de terceiro mundo, subdesenvolvido, com inflação absurda sair da crise, e virar um país emergente. Tirou a gente da forca!!!

  • Anonimo Voltei

    O titanic petista—voltei para ensinar os despreparados a verdade e não defender nenhum partido, pois não sofri lavagem celebral, não tenho inveja nem ódio.
    Veja como não sabes nada as corrupções de Cunha não foram no governo de Lula. Isso é burrice.
    Veja outra burrada o roubo de Aécio não foi no governo de lula outra idiotice.
    Sergio Machado foi sim indicação de Renen ( PMDB ) aí não entra oPT. outra iudiotice ) e depois ao perceber que ia ser preso Machado delatou através de gravações Renan ( PMDB ), Sarney ( PMDB ) Jucá PSDB ), Cunha PMDB ) STF ( que não é partido ), Temer ( PMDB ) Agripino (DEM ) outra babaquice não tem ninguém do PT.
    Outra imbecilidade sua entre os 55 milhões de voto tem o meu que foi exclusivo em Dilma, pois vice e bosta é a mesma coisa, só serve para tapar buraco e da golpe.
    Mas um idiotice semana passada saiu áudio comprovando que o PSDB,DEM,PMDB e outros partidos, financiavam os movimentos pró impeachment com panfletos, dinheiro, uso de carros, lanches, viagens aluguel de ônibus etc……
    Ficou comprovado o Golpe.
    Sua ultima burrice, idiotice, desinteligência, despreparado, babaquice és o mesmo analfabeto de sempre que não sabe colocar os centos, mas as palavras são as mesmas e os anônimos diferentes. Então a conclusão és um babaca, que não tem assunto.

  • O titanic petista

    ANONIMO (mudou o nome, de novo!) ou Professor, Cadete, etc
    Voce mudou o nome mas continua o mesmo mal educado de sempre. Eu te falei : nao esqueça de tomar o remedio
    Continua dizendo que nao e’ petista, que apoia o Lula mas e’ petista e muito!
    Agora diz que Cunha e Aecio nao roubaram no governo Lula? Quando foi?
    Sergio Machado foi indicado por Renan, conforme acordo PT/PMDB e foi Lula/Dilma que o colocou como presidente portanto eles sao responsaveis.
    Voce acha que vice e’ bosta pois foi essa bosta que passou a mao da bunda de voces, petistas. Agora limpam e choram. E’ golpe! kkkkkk
    Os partidos de oposiçao pagaram os movimentos e voces pagaram o MST UNE MTST, CUT, etc. Chumbo trocado nao dói! kkkkkkkk
    Golpe? Golpe de sorte! Ficamos livres de voces. Choram

  • Anonimo Voltei

    Não mudei de nome, pois isso é pseudônimo, mas não mudei, quanto a ser professor ou cadete, pensa o que quiseres, se és que tem QI para isso, não sei onde lhe ofendi, pois quando um individuo não sabe determinado assunto e mesmo assim se mete a escrever isso é o que ( inteligência ou burrice? ), quanto ao tomar remédio não sei para que, só se for para lhe mostrar que o mesmo tem acento.
    Inteligente Cunha e Aécio iniciaram suas corrupções no governo de Dilma, primeiro mandato.
    Você mesmo disse intelectual, Renan do ( PMDB ), indicou Sergio Machado que foi do PSDB 10 anos depois 3 anos do PT ), para um cargo sem expressão na Petrobras e se teve acordo entre PT/PMDB, por essa indicação foi com Dilma e Temer, pois como sabes o PMDB é um partido de só ser vice, querer cargos no segundo escalão , ministério e $$$$$$$$$$$$$$$$.
    Na minha bunda ninguém passou a mão só se foi do seu genitor, para não falar outra coisa, pois esta corrupção nada me afeta.
    Querido arrume outro assunto esse de um rouba outro pode roubar é para otário igual a você.
    não tem acento viu inteligente.
    remédio tem acento viu querido.
    Aécio tem acento viu querido.
    são tem acento viu querido.
    Você tem acento viu querido.
    mão tem acento viu querido.
    oposição tem acento viu querido
    Querido Intelectual, quantos anônimos você tem ? Fácil saber, os que não tem acentuações, virgulas, frases com nexos e inteligência.
    Tchau babaca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *