ESTADÃO DIZ EM EDITORIAL QUE MORO DEVERIA RENUNCIAR AO CARGO DE MINISTRO

E o ídolo do Fagner está perdendo as vestes. Até o Estadão está pedindo a cabeça do super-ministro. A charge é do Mariano. Deu no Brasil 247:

O jornal Estado de S. Paulo decidiu romper seu apoio ao ex-juiz Sergio Moro, no editorial Muito a esclarecer, publicado nesta terça-feira. “Causou compreensível estupefação o conteúdo de conversas atribuídas a integrantes da força-tarefa da Lava Jato e a Sergio Moro, então juiz responsável pelos processos relativos à operação e hoje ministro da Justiça. Se as mensagens forem verdadeiras, indicam uma relação totalmente inadequada – e talvez ilegal – entre o magistrado e os procuradores da República, com implicações políticas e jurídicas ainda difíceis de mensurar. Por muito menos, outros ministros já foram demitidos”, aponta o texto.

“Nem o ministro Sergio Moro nem os procuradores citados desmentiram o teor das conversas divulgadas”, lembra ainda o editorial, que defende sua renúncia.

“Não foram poucas as vezes em que as suspeitas levantadas pela Lava Jato custaram o cargo a ministros de Estado, incapazes de se explicar. Se Sergio Moro continuar a dizer que é normal o que evidentemente não é, sua permanência no governo vai se tornar insustentável. Fariam bem o ministro e os procuradores envolvidos nesse escândalo, o primeiro, se renunciasse e, os outros, se se afastassem da força-tarefa, até que tudo se elucidasse.”

20 comentários

  • Sérgio

    Não vai renunciar não Cardosinho. É CARA DE PAU. Nem ele nem do Dallagnol sera afastado. Estamos vivendo tempos obscuros. Há, só para lembrar, os bolsomínions estão sumidos do blog. Pq será????

  • Abraham Lincoln

    É muita ingenuidade acreditar que os diálogos (criminosamente) obtidos e (estrategicamente) revelados não acontecem todos os dias, em todas as instâncias da justiça, seja ela estadual ou federal. Os diálogos revelam, no máximo, uma falta ética. É muito barulho – barulho militante – para pouca coisa. É muito importante lembrar que a operação lava jato desmantelou o maior esquema de corrupção já visto no planeta terra; a investigação não dizia respeito à Madre Teresa de Calcutá, à Irmã Dulce ou a Chico Xavier, a investigação era sobre políticos corruptos, bandidos, canalhas, crápulas, que retiravam dos cofres públicos dinheiro que poderia amenizar ou mesmo por fim ao sofrimento de milhares de pessoas que, por exemplo, estão na fila do SUS aguardando um Raio-X. Aqueles que repercutem isso têm a mesma cegueira do Borsa, a quem criticam tanto: Os primeiros vêem os diálogos como algo importante, desprezando o tamanho da operação e sua relevância para o país; o segundo, em meio à reforma da previdência, quer discutir se eu devo ou não usar cadeirinha para transportar minha filha no automóvel. Gado.

  • Quem vazou? Muita gente quer derrubar Moro!

    O vazamento das conversas da Lava Jato tem efeito político imediato.Querem colocar em dúvida a isenção do “super-herói” Sérgio Moro, atacar sua honra e encerrar suas pretensões de ocupar uma cadeira do STF?
    O sucesso e popularidade de Moro causam ciumeira em gente graúda da política. O juiz tem muitos inimigos, inclusive no próprio governo, já que é candidato forte a concorrer contra o Bolsonaro, em 2022.
    Ele tem a chave da investigação de gente importante do governo, como a da relação entre Flávio Bolsonaro, o laranja Queiroz e as milícias.
    Tem dossiês sobre as ligações entre metade do Congresso e doadores. O congresso tem medo de Moro. Sobretudo o cofre do conteúdo das delações. Uma ala contra seu pacote anticrime pede a sua cabeça.
    Suspeita imediata: Lula e o PT. Lula odeia Moro, a muito tempo. O PT tem uma rede e militância de apoiadores hackers? Será? Alem disso, petistas e politicos corruptos querem derrubar a Lava Jato, junto com Moro!
    Moro conseguiu um feito considerável: o de interferir numa eleição presidencial, vazando mesmo que ilegalmente escutas e trechos de delações pontuais.
    Ala grande da Polícia Federal o detesta, por ter se colocado à frente dos holofotes de quem de fato se arriscava,
    Moro tornou-se mais poderoso que a própria República.
    O que leva a uma suspeita: tem gente de dentro interessada em desestabilizar o governo. Bom, sempre tem. E muita gente incomodada com tamanho poder de Sérgio Moro.

  • Thiago

    E um ministro do STF que liga pra um ex-presidente presidiário, deveria renunciar também ?, ou essa regra não vale pra esquerda ?

  • Enfermeiro cubano

    UMA PERGUNTA SUTIL PARA O CORRUPTO EX-JUIZ SERGIO MORO–PARA PODERMOS ESCLARECE A QUEM ACHA QUE O QUE ACONTECEU E VAI CONTINUAR ACONTECENDO ´PE FALTA DE ÉTICA .
    EU PARTICULARMENTE ACHO QUE TEM FALTA DE ÉTICA, ÍNDOLE E CARÁTER–SÃO OS QUE DEFENDEM MORO E SUA QUADRILHA:*******

    *****ministro, uma pergunta para os meus alunos de primeiro semestre do curso de Direito: juiz pode negociar estratégias com o procurador do caso? Agradeço se puder responder com urgência, queria fazer um PowerPoint com bolinhas para a aula de amanhã.”,

  • Enfermeiro cubano

    COMO ATACAR A MORAL E A ÍNDOLE DE MORO SE ELE NEM CONHECE O QUE SEJA ISSO.

    Resumo claro e direto: “O fato grave é ver um juiz, numa rede de papos, cobrando do Ministério Público a realização de �operações�, oferecendo uma testemunha a um procurador, propondo e consultando-o a respeito de estratégias.”
    OS VERDADEIROS PILANTRAS ESTÃO APARECENDO BEM COMO SEUS SEGUIDOS

  • Enfermeiro cubano

    PALAVRAS DE UM JORNALISTA IMPARCIAL:********

    *****Publicamos *4 artigos complexo*, com muita evidencia, so 3 dias atrás. Entendo que pessoas querem mais, mas precisa nos dar tempo e espaço pra fazer jornalismo certo. Se errarmos, isso não ajudará a informar o público, e eles vão usar isso pra sempre. Tudo será dito. Eu prometo.

    — Glenn Greenwald

  • Enfermeiro cubano

    A INGENUIDADE DO DESPREPARADO:*****

    OLÍTICA
    Moro na parede: ministro perde apoios fundamentais e está isolado.
    O ex-juiz, que sempre contou com a simpatia de grande parte do judiciário e da política, vê o barco afundar
    A semana começou com uma bomba que destabilizou a operação Lava Jato e, consequentemente, o governo do presidente Jair Bolsonaro. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, teve suas conversas do aplicativo Telegram vazadas e publicadas pelo site The Intercept Brasil.
    O conteúdo desses diálogos não são nada comuns. Quando ainda era o juiz responsável pela operação Lava Jato, em Curitiba, Moro combinou estratégias com os procuradores do Ministério Público, trocou informações dos bastidores dos processos e anunciou decisões antes de serem julgadas. Algo que afronta o Código de Processo Penal e a Constituição Federal.

    Lava Jato: Telegram diz que não há indícios de invasão por hackers.
    Lava Jato: entenda os desdobramentos após vazamento de conversas.
    O até então “herói do Brasil” tentou se justificar dizendo que era algo comum de acontecer, e disse ter sido vítima de hackers que invadiram seu celular para roubar o conteúdo das conversas. Uma tentativa frustrada para desviar a atenção do que realmente precisava de uma explicação: o conteúdo das conversas que desmoralizam suas decisões como juiz.
    Moro, que sempre contou com apoio de grande parte do judiciário e da política, se encontra isolado neste momento. Tem apenas o apoio da família Bolsonaro. A questão é até quando ele poderá contar com esse apoio, já que sendo parte do governo, essa crise pode respingar nas articulações políticas do presidente?
    E parece que já está respingando. Começando pelo deputado federal Marcelo Ramos, que é presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados e faz parte do centrão, grupo de políticos que Bolsonaro está tendo dificuldade em articular. Em seu Twitter, o parlamentar deixou claro que moro deveria se afastar do cargo até que se concluam as investigações.

    **/*****O juiz Sérgio Moro certamente aconselharia o ministro Sérgio Moro a se afastar do cargo até que se concluam as investigações.
    A oposição ao governo do Congresso Nacional, como era de se esperar, entrou com um pedido de CPI para investigar as atitudes de Moro quando ainda era juiz. Além disso, há uma solicitação para que o ministro compareça ao Senado para se explicar – o que ocorrerá no próximo dia 19.
    Depois veio a Ordem dos Advogados do Brasil e recomendou que Moro e Dallagnol peçam afastamento dos cargos que exercem. Em uma decisão unânime, os conselheiros da Ordem disseram que as conversas veiculadas entre os integrantes da Lava Jato ameaçam o Estado Democrático de Direito.
    Ao mesmo tempo que a OAB soltou essa nota, conselheiros do Ministério Público enviaram um pedindo para que a Corregedoria Nacional do órgão abra uma investigação contra o procurador Deltan Dallagnol, responsável pelo caso do ex-presidente Lula e que também está envolvido nas conversas com Moro.
    E na manhã desta terça-feira os principais jornais do Brasil, que repetidas vezes elogiaram a atuação do magistrado, soltaram editoriais criticando o ministro e condenando o conteúdo das conversas vazadas pelo site. A Folha de S.Paulo classificou como promiscuidade o conteúdo das conversas vazadas de Moro. “Quando o devido processo não é estritamente seguido, só a delinquência vence”, avaliou o jornal.
    O Estado de S. Paulo fez um editorial dizendo que Moro e os procuradores envolvidos no caso deveriam se afastar até que o caso seja resolvido. O jornal disse, também, que se Moro continuar a dizer que é normal o que evidentemente não é, sua permanência no governo vai se tornar insustentável.
    E na suprema corte, local para o qual Moro almeja uma cadeira, o ex-juiz também foi criticado por alguns ministros. Gilmar Mendes, após o vazamento das conversas, liberou o julgamento da defesa do ex-presidente Lula que pede a anulação do processo do petista por falta de imparcialidade de Moro.
    O habeus corpus foi enviado à corte em dezembro de 2018, logo após Moro ter aceito o convite de Jair Bolsonaro para ser seu ministro. Mendes havia pedido vista e até então não tinha liberado a matéria para que a 2ª turma avaliasse o caso. O julgamento ficou marcado para o próximo dia 25.
    Além de liberar o voto da matéria, o ministro disse, em sessão nesta terça-feira, que “juiz não pode ser chefe de força-tarefa”. Sem citar nomes, Mendes criticou métodos usados pela Operação Lava Jato ao se referir aos áudios vazados.
    O ministro Marco Aurélio também entrou no time de críticas ao ministro. Em declaração à imprensa, o magistrado disse que viu com muita tristeza tudo que leu nas conversas e que a reportagem “fragiliza o perfil” de Moro na caminhada rumo a uma vaga do Supremo. “Todos nós somos contra a corrupção, mas não o combate a ferro e fogo. Porque aí é retrocesso em termos de Estado democrático de direito”, disse o ministro.
    E assim Sérgio Moro segue encurralado contra a parede para que deixe o cargo de ministro até que as investigações sobre o caso sejam concluídas. Por enquanto conta com o apoio do presidente, que disse confiar plenamente no ex-juiz. As cenas dos próximos capítulos mostrarão por quanto tempo esse apoio vai durar.
    PIOR DE TUDO SÃO OS COISAS DA DIREITA ACREDITAR NO CORRUPTO MORO.

  • Enfermeiro cubano

    LEGAL.

  • Enfermeiro cubano

    PALAVRAS DE GLENN:*****
    “Posso falar que exatamente como disse hoje, a Globo foi para a Força Tarefa da Lava Jato aliada, amiga, parceira, sócia. Assim como a Força Tarefa da Lava Jato foi o mesmo para a Globo.”

  • Enfermeiro cubano

    DIREITA BURRA E ORDINÁRIA .

    ‘O povo já não pode confiar no que o Moro diz ou faz’, avalia desembargador.
    Vazamento divulgado pelo The intercept Brasil coloca atuação do ministro da Justiça sob suspeição para Alfredo Attiê. “Laço de confiança foi quebrado”..
    Em respeito à Constituição, presidente Bolsonaro deveria pedir o afastamento de Moro, na avaliação do desembargador.. O sentido mais amplo da palavra corrupção dá conta da percepção da sociedade quanto ao trabalho de um agente do Estado não ser mais confiável, é isso que ocorre agora com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, desde o vazamento das conversas do então juiz da Lava Jato com procuradores da operação, que revelaram atitudes ilícitas. Assim avalia o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo e presidente da Academia Paulista de Direito, Alfredo Attiê, em entrevista aos jornalistas Glauco Faria e Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, na manhã desta quarta-feira (12).
    “Quando o Estado não é confiável, o funcionário público, a autoridade, agem contra a lei, desviando-se do que é sua obrigação, nós temos a falta do laço de confiança e, nesse caso, existe aquilo que é profundamente o sentido da corrupção, ou seja, o povo não pode mais confiar naquilo que o Estado diz ou faz”, afirma Attiê
    De acordo com o desembargador, o teor das conversas reveladas pelo site The Intercept Brasil indica que, como juiz, Moro perdeu a imparcialidade, o que é “inadmissível” em um estado democrático de direito. “Por isso que os fatos revelados são extremamente graves e, se por acaso não forem tomadas as medidas sérias, então nós estaremos diante de uma crise institucional muito grave e séria”.
    Entre as medidas que deveriam ser adotadas, Attiê destaca que a atuação de Moro mostra a importância de reformas no sistema penal, como a mudança na lei processual para que haja a introdução do chamado juiz de garantias, que confira um magistrado para aceitar a denúncia e outro para julgar o mérito do processo, além, claro, de uma posição do presidente da República, Jair Bolsonaro, que, para o desembargador, deveria ser manifestar em favor da legalidade e pedir o afastamento do ministro Moro, ao contrário da condecoração dada nesta terça-feira (12). “Nenhuma autoridade pode ir contra o que a Constituição estabelece. Isso pode levar inclusive a pedidos sérios de impeachment por causa desse descumprimento de obrigações constitucionais”, ressalta Attiê.

    ONDE ESTÃO OS VERDES E AMARELO? DEVEM ESTAR DEFENDENDO NEYMAR O ESTUPRADOR–AMIGO DO MILICIANO E CHEFE DA QUADRILHA,,BOLSONARO E AGORA SERGIO MORO.

  • Enfermeiro cubano

    TORCENDO PARA A BOMBA EXPLODIR O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL NA QUADRILHA DO PLANALTO.

    Gente é estarrecedor!
    Não eram apenas Sergio Moro e seus subordinados no Ministério Público Federal em Curitiba que vazavam informações para os antas do site da Empiricus.
    Há indícios de que o Tribunal Regional Federal da 4a. Região também privilegiou os jornalistas (sic) da organização com informações que deveriam ser mantidas sob sigilo.
    Foi em 24 de janeiro de 2018, quando o TRF-4 confirmou a sentença de Sergio Moro e tirou Lula da disputa eleitoral.
    Às 8:17, quando ainda não havia iniciado a sessão, o site da Empiricus postou uma nota com informações que só poderiam ter sido vazadas por quem já conhecia o resultado do julgamento:
    “Dos resultados possíveis no julgamento de hoje, há um cenário novo: a possibilidade de Gebran Neto aumentar a pena de Lula.
    Os votos de Victor Laus e Leandro Paulsen seriam idênticos, mantendo a sentença de primeira instância”.
    Foi exatamente o que aconteceu, conforme se divulgaria no final da tarde, quando a sessão terminou: Gebran aumentou a pena de Lula de 9 anos e seis meses para 12 anos e um mês de prisão, e os votos de Victor Laus e Leandro Pausen foram idênticos.
    Os antas do site tinham bola de cristal? Deram o chute certo? Claro que não. Alguém vazou. Resta saber se foi alguém da Vara de Moro, para a qual o resultado do TRF-4 também teria sido vazado, ou se foi alguém do próprio tribunal.
    Só peixe graúdo é que tem informação desse tipo
    O resultado também indicaria combinação entre os desembargadores para produzir um acórdão sem divergência e, portanto, que tirasse da defesa de Lula a possibilidade de apresentar embargos infringentes.
    Dois meses e duas semanas depois, Lula seria preso e sua candidatura a presidente seria indeferida por conta dessa condenação em segunda instância, sem chance de recurso no TRF-4.
    Naquele início da manhã em que O Antagonista vazou o resultado do julgamento de Lula, o dólar caiu — foi a R$ 3,19 e a Bolsa de Valores teve ganhos expressivos.
    Tudo bem que, depois com Bolsonaro, o dólar ultrapassasse a barreira dos R$ 4,00 e a Bolsa caísse. Mas, naquele dia, quem soube com antecedência o resultado do julgamento do TRF-4 ganhou dinheiro.
    O vazamento de informação sigilosa, como o voto de um desembargador, é sempre criminoso. Mas, para alguns, é um crime que compensa.

  • Enfermeiro cubano

    ONDE ESTÃO AS MANADAS DA DIREITA BRASILEIRA?

    Lava Jato manobrou para evitar eleição de Lula’, diz Le Monde; veja repercussão internacional.
    Conversas entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol, reveladas pelo site The Intercept, foram destaque na imprensa internacional.
    As conversas entre o então juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador da Força-Tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol, reveladas neste domingo (09/06) pelo site The Intercept e que mostram que os dois atuaram para impedir uma vitória eleitoral de Fernando Haddad e antecipar a prisão de Lula, foram destaque na imprensa internacional. Para o jornal francês Le Monde, a operação “manobrou para evitar a eleição” do ex-presidente.
    “Mensagens também revelam que os próprios promotores tinham ‘sérias dúvidas sobre a existência de provas suficientes da culpa de Lula’ no caso da obtenção de um suborno por meio de triplex, que finalmente o mandou para a prisão por oito anos e dez meses depois de uma recente revisão de sua sentença. Essa condenação impediu que Lula, o favorito das intenções de voto na época, fosse candidato na eleição presidencial em outubro passado. Ele sempre reivindicou sua inocência e afirmou ser vítima de maquinações políticas destinadas a impedi-lo de concorrer a um terceiro mandato após os de 2003 a 2010”, diz o jornal francês.
    O jornal argentino Página/12 chamou o caso de “Brasilgate”. “Se, até agora, Moro e Dallagnol puderam manter o segredo sobre como armaram o complô judicial, ele começa a rachar com os dados revelados pelo Intercept. (…) Os materiais contêm pistas de que os fiscais da força-tarefa falavam abertamente de seu objetivo de frear um triunfo do PT nas eleições de outubro de 2018”, afirma o periódico.
    A emissora multiestatal teleSUR também destacou as revelações em seu site. “Para além de impedir a candidatura de Lula, a informação [do Intercept] revela discussões internas e atitudes altamente controversas, politizadas e legalmente duvidosas do caso Lava-Jato e do julgamento contra o ex-presidente. (…) Sua exclusão da eleição, baseada na decisão de Moro, foi uma peça-chave para abrir caminho para a vitória do então candidato de ultradireita Jair Bolsonaro.”
    Já o La Jornada, do México, disse que as conversas “desnudam” a operação contra Lula. “Chats do Telegram desnudam operação contra Lula no Brasil. Os promotores encarregados da operação de combate à corrupção Lava, liderada por Deltan Dallagnoll, ‘falavam abertamente de seu desejo de evitar’ que o Partido dos Trabalhadores (PT) vencesse a eleição presidencial do Brasil em 2018. E o juiz Sergio Moro, agora poderoso ministro da Justiça do governo do neofacista Jair Bolsonaro, “colaborou secretamente e sem ética” com a equipe do Ministério Público para acertar o caminho para o agora presidente”, afirma.
    O espanhol El Pais disse que as revelações “põem em dúvida a imparcialidade da operação Lava Jato”. “O que The Intercept revela é que o atual ministro da Justiça orientou as investigações do chefe da Lava Jato, Deltan Dallagnol, para facilitar as condenações, algo proibido pela Constituição e pelo Código Penal Brasileiro”, diz.
    A emissora catari Al Jazeera chamou as revelações de “explosivas”. “As acusações vêm em uma hora ruim para Bolsonaro, que já está enfrentando uma oposição crescente com menos de seis meses no cargo, enquanto a maior economia da América Latina está cambaleando no limite da recessão e sua reforma da previdência continua empacada em um Congresso hostil””, afirma.
    ESTA CHEGANDO AO FIM A DIREITA PODRE DO BRASIL!!!!!!!!!!!

  • Enfermeiro cubano

    MAIS UM DERROTA DA QUADRILHA DE BOLSONARO E MORO!!!!!!!!!!!

    Decreto das armas de Bolsonaro é derrotado na CCJ do Senado O deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) levanta cartazes contra o decreto das armas na CCJ do Senado Imagem: Hanrrikson de Andrade/UOL Hanrrikson de Andrade Do UOL, em Brasília 12/06/2019 14h03 A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou hoje os projetos que buscam derrubar o decreto das armas de Jair Bolsonaro (PSL). O assunto será levado agora ao plenário da Casa, que vai debater e apreciar o pleito. O resultado foi construído a partir de um acordo entre os parlamentares contrários à política armamentista, maioria na CCJ. A costura foi confirmada pelo líder da oposição, Randolfe Rodrigues (R… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2019/06/12/decreto-da-armas-de-bolsonaro-e-derrotado-na-ccj-do-senado.htm?utm_source=facebook&utm_medium=social-media&utm_campaign=noticias&utm_content=geral&cmpid=copiaecola

  • Enfermeiro cubano

    O DA DIREITA–DA CADEIRINHA PARA CRIANÇAS OU DA INGENUIDADE—PRESTE ATENÇÃO POIS SUA DIREITA JÁ AFUNDOU JUNTO COM SUA MEDIOCRIDADE .

    “Moro, pede pra sair”, escreve jornalista de O Globo
    O jornalista Elio Gaspari, no jornal O Globo, pediu nesta quarta para o ministro da Justiça, Sérgio Moro, deixe o governo e que o procurador Deltan Dallagnol se afaste do Ministério Público Federal (MPF).
    Sob o título “Moro, pede pra sair”, Gaspari elenca uma série de ilegalidades da força-tarefa Lava Jato e afirma que se Bolsonaro soltar sua mão ele [o ex-juiz] cai do governo.
    “Ao longo dos anos, Moro e os procuradores cultivaram e, em alguns casos, manipularam a opinião pública”, escreve o jornalista nas página de O Globo.
    Ao pedir que Moro peça para sair, o veterano jornalista justifica o apelo ao ministro da Justiça:
    As conversas impróprias de Sergio Moro com o procurador Deltan Dallagnol enodoaram a Lava-Jato e fragilizaram a condenação imposta a Lula pelo tríplex do Guarujá”, escreveu, ao referir-se às combinações secretas publicadas pelo site Intercept.
    O colunista de O Globo também reverbera “o uso das prisões preventivas como forma de pressão para levar os acusados às delações premiadas.”

  • Enfermeiro cubano

    A DIREITA ORDINÁRIA ESTA AFUNDANDO.

    Moro virou um sub-Moro em menos de 72 horas Josias de Souza 12/06/2019 13h15 Digamos que na noite de domingo Sergio Moro tivesse uma biografia impecável, estabilidade no emprego, um pacote anticrime, uma promessa de poltrona no Supremo e uma mulher chamada Rosângela. Decorridas menos de 72 horas, Moro precisa aproveitar o Dia dos Namorados para enviar rapidamente umas flores para Rosângela. Ela pode ser a única coisa que lhe resta. Há um novo Moro na praça. É menor do que aquele que existia antes da divulgação das mensagens tóxicas que trocou com Deltan Dallagnol quando era juiz. Sua biografia está sub judice. O cargo tornou-se instável. Em vez do pacote anticrime, prioriza o… – Veja mais em https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/06/12/moro-virou-um-sub-moro-em-menos-de-72-horas/?utm_source=facebook&utm_medium=social-media&utm_campaign=noticias&utm_content=geral&cmpid=copiaecola

  • Rapizodia

    Meus senhores!? Não é possível o que leio! Pior ainda, vindo de pessoas que acredito serem cultas! Um diz que é pouca coisa! Penso que só pode ser descaso, muito comum entre os brasileiros, pois achar que conspiração de promotores com juízes para condenar pessoas não deve ser levado a sério, é o pior dos cenários, é o fim do princípio ético e moral de um poder da república. O que aconteceu e acontece Brasil afora é um modelo que sabíamos que existia, mas agora temos a comprovação e não podemos calar e não nos indignar com os fatos. Um poder da república conspirou contra seus cidadãos e há provas, medidas devem ser tomadas para que não se repita e sirva de exemplo. Aos envolvidos as barras da justiça e se possível cadeia. Ao cometer estes ilícitos, tanto Sérgio Moro, Deltan Dellagnol e seus comparsas, sim agora são bandidos e gângsteres, se colocaram de igual à aqueles que buscaram condenar e ou condenaram.

  • Sérgio

    Caro Thiago, um Ministro do STF ligar para um ex-presidente preso, para dar condolências pela morte de seu neto, é bem diferente que um juíz comandar o Ministério Público e direcionar as investigações de uma operação. Imagina você se o Moro, pelo jeito ainda seu herói, ligasse para o Advogado do Lula. Tenho certeza que nenhuma conversa do Moro com o Advogado do Lula existe. Há, sou advogado e te garanto, NUNCA nenhum juíz ligou para mim, muito menos tenho nenhum deles em minha rede social. Dê uma repensada em sua posição, mais cedo ou mais tarde, vc será obrigado a fazê-lo.

  • Enfermeiro cubano

    As mensagens trocadas entre Sergio Moro e o Deltan Dallagnol escancararam o caráter político da operação Lava-Jato. A promiscuidade do juiz-inquisitor e o procurador partidário são um afronte para o direito e para a democracia.

  • Enfermeiro cubano

    URGENTE—-URGENTE::::

    No último domingo, o site The Intercept Brasil divulgou mensagens trocadas entre Moro e o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, nas quais o ex-juiz orienta uma investigação da força-tarefa da operação sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cobra a deflagração de novas ações e até antecipa uma decisão. Moro atribui o vazamento das informações à atuação de hackers. O site afirma que recebeu o material de uma fonte anônima.
    A reunião entre Moro e Russomanno, no gabinete do ministro, começou às 14h30, segundo a agenda oficial do ministério. Além dos dois, o áudio indica a presença de pelo menos mais uma pessoa, de nome Lucas, aparentemente levada ao encontro por Russomanno.
    Sobre os diálogos vazados pelo The Intercept Brasil, Moro disse a Russomanno e Lucas ter “ouvido falar” que parlamentares também foram alvos de invasões de hackers. “Quando apareceu [inaudível] era montado, acho que invadiram dos procuradores, ficou esse negócio sendo remoído. Mas eles estão invadindo ainda muita gente, já ouvi falar que invadiram parlamentar lá também”, disse o ministro da Justiça.
    A reunião entre Moro e Russomanno, no gabinete do ministro, começou às 14h30, segundo a agenda oficial do ministério. Além dos dois, o áudio indica a presença de pelo menos mais uma pessoa, de nome Lucas, aparentemente levada ao encontro por Russomanno.
    Sobre os diálogos vazados pelo The Intercept Brasil, Moro disse a Russomanno e Lucas ter “ouvido falar” que parlamentares também foram alvos de invasões de hackers. “Quando apareceu [inaudível] era montado, acho que invadiram dos procuradores, ficou esse negócio sendo remoído. Mas eles estão invadindo ainda muita gente, já ouvi falar que invadiram parlamentar lá também”, disse o ministro da Justiça.
    Em um outro trecho da conversa, 17 segundos depois do fim da fala de Moro, Russomanno enumera precauções tomadas em relação a novos vazamentos. Não é possível entender, no entanto, a respeito de qual sistema ele está se referindo.
    “[inaudível] Foi tirado o sistema do ar, foi mudado a senha de todos os funcionários, de todo mundo, porque estava tudo vulnerável, tudo, tudo, tudo, é absurdo. Um trabalho que a gente desenvolveu lá, foi o Lucas que fez com a equipe. Mas infelizmente nós estamos vivendo em um mundo que é um mundo de dados, e se a gente não estiver na rede de proteção de dados, nós vamos ter problemas sérios quanto a isso [inaudível] Vamos trabalhar”, declarou o parlamentar.
    Em seguida, Moro fala sobre possíveis novas “vítimas” das invasões, o que levaria à criação de um “cenário positivo” para tratar de uma “iniciativa” citada na reunião por Russomanno. Não é possível entender, no curso do diálogo, que medida seria essa, mas o deputado é um dos mais ativos nos debates sobre segurança da informação no Congresso e teve participação na elaboração da Lei de Proteção de Dados.
    “Talvez esperar um pouquinho aí porque vai ter mais vítima para aparecer, aumenta o cenário positivo aí para uma iniciativa dessa espécie e aí podemos trabalhar junto”, afirmou o ministro.

    ESSA FOI SÓ UMA BOMBINHA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *