EX-MINISTRO DIZ QUE EDUARDO CUNHA ESTÁ PRESO PORQUE SE RECUSOU A MENTIR EM DELAÇÃO

Em sendo verdadeiro o que diz o ex-ministro, fica confirmado o que já se suspeitava: que na República de Curitiba a delação premiada só tem validade se o delator disser o que interessa à narrativa da Lava Jato. A notícia é do UOL:

Carlos Marun (MDB-MS), que foi ministro-chefe da Secretaria de Governo durante o governo Temer, afirmou hoje que Eduardo Cunha (MDB-RJ), ex-presidente da Câmara, está preso porque se recusou a mentir em proposta de colaboração premiada com a Operação Lava Jato.

As afirmações de Marun à reportagem repercutem texto publicado no UOL hoje, com base em mensagens dos procuradores no aplicativo Telegram, entregues por uma fonte anônima ao site The Intercept Brasil.

Nos diálogos, os investigadores afirmam que a denúncia de Cunha sobre fraude na escolha de relatorias no Congresso era importante, mas que optariam por ignorá-la. Um dos motivos apontados pelos procuradores é que Cunha não denunciava Carlos Marun na delação e não trazia outras informações de interesse dos procuradores.

Como não viam interesse nas informações apresentadas por Cunha na proposta de delação, os procuradores da Lava Jato não deram continuidade nas negociações – mas também não se aprofundaram nas ilegalidades apontadas pelo ex-deputado.

Hoje, Marun disse que a reportagem mostra que Cunha não cedeu a pressões depois de ficar quase um ano na prisão. “Apresentou sua relação prévia de delatados e recebeu como resposta de elementos do MPF que só sairia da cadeia se dissesse alguma coisa que me comprometesse”, reclamou o ex-ministro.

“Nada mais interessava. Cunha se recusou a mentir e por isto está preso.” O ex-ministro disse que sua vida poderia estar “destruída”. “Se ele tivesse concordado em me caluniar, estaria solto e eu, com a minha vida destruída. Eu, minha família e meus verdadeiros amigos estaríamos sofrendo em função de uma mentira exigida por homens e mulheres que deveriam zelar pelo respeito a Lei”, afirmou.

Para o ex-ministro do governo de Michel Temer, o Ministério Público dá “guarida a estes maus elementos, que não vacilam em se transformar em criminosos sob o pretexto de combater o crime”. Ele disse que os cidadãos deveriam ter “uma forma de reagir diante de atitudes infames como esta”.

3 comentários

  • Verdade ou mentira

    Se cunha não mentiu então já não sabemos o que é verdade, porque mais mentiroso que este na face da terra não tem.

  • PT e MDB contra a Lava Jato

    Eu me lembro que Cunha, o ex presidente da Camara, e o Temer, então vice de Dilma, foram acusados pelos petistas de traição no impeachment de Dilma. Ambos do partido governista PMDB, sócios do PT na roubalheira da Petrobras.
    Na época, Marun defendia com “unhas e dentes”, o Cunha. Logo, Temer deu emprego a ele para defender o seu governo. Agora, eles estão juntando com os petistas contra a Lava Jato. Certamente, a união dos políticos condenados já era esperado.
    A mídia sempre noticiou os interesses dos procuradores da LV para fechar a delação dos bandidos políticos condenados. Isso não é novidade nenhuma. Isso aconteceu com Palocci. A sua delação demorou meses para ser aceita.
    A campanha dos presos e condenados para condenar os procuradores, ainda, não deu certo.

  • Do "Queiroz gate" para "Glenn gate"

    Um relatório do Coaf foi encaminhado ao Ministério Público depois que o site The Intercept Brasil passou a divulgar mensagens de autoridades da força-tarefa da Operação Lava Jato.
    Esse Relatório federal indica movimentação atípica de R$ 2,5 milhões na conta bancária do deputado federal David Miranda (PSOL) que é casado com o jornalista Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil e o novo ídolo petista. São coincidências demais!
    Este caso é parecido com as rachadinhas do Queiroz/Flavio bolsonaro que os petistas choram pela prisão de Queiroz até hoje. E agora, petistas!

Deixe uma resposta para PT e MDB contra a Lava Jato Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *