FRASE

A permanência e o agravamento da crise política e econômica, que toma conta do Brasil, parecem indicar a incapacidade das instituições republicanas que não encontram um modo de superar o conflito de interesses que sufoca a vida nacional, e que faz parecer que todas as atividades do país estão paralisadas e sem rumo. A frustração presente e a incerteza no futuro somam-se à desconfiança nas autoridades e à propaganda derrotista, gerando um pessimismo contaminador, porém, equivocado, de que o Brasil está num beco sem saída. Não nos deixaremos tomar pela “sensação de derrota que nos transforma em pessimistas lamurientos e desencantados com cara de vinagre”.

(Trecho de nota da CNBB, divulgada na quinta-feira, sobre a realidade sociopolítica brasileira. O inteiro teor da nota pode ser lido aqui).

15 comentários

  • Anônimo

    Você e eles dizem esta besteira de inacreditável frieza com os milhões de novos desempregados porque não correm o risco de perder o ganha-pão, nem de ver os seus ganhos reduzidos a pó.

  • Thiago

    “Propaganda derrotista, gerando um pessimismo contaminador, porém, equivocado”. Quando vejo o aumento de impostos, tanto a nível federal quanto estadual, quando vejo os produtos inflacionados a índices maiores que os “oficiais”, quando recebo minha conta de energia elétrica com valores reajustados, enfim, nesses momentos não acho que essa propaganda derrotista seja tão sem fundamento. Se eu estivesse a bordo do Titanic gostaria de tomar ciência da gravidade da situação antes que de ser surpreendido pela água, nos pisos superiores.

  • anonimo

    A crise da imprensa é pior do que a crise real.

    • Fabiana

      Realmente, fala-se tanto da crise financeira, e no entanto, vivemos há anos sob o jugo de uma crise devastadora, e parece que poucos a enxergam.
      Sugiro a leitura do meu artigo entitulado : ” Estamos em crise?”. Foi usado como base numa reunião de escola e deixou muita gente bem reflexiva.

  • anônimo

    Essa CNBB não assume nada mesmo…..apoiaram os militares saindo a francesa……maior cabo eleitoral do LULA PT…..cinismo demais…….chega.

  • Amen

    A nota da CNBB esta’ tentando dar otimismo para as pessoas enfrentarem a crise dizendo que a crise nao e’ tanto quanto as pessoas sentem : no supermercado, na padaria, no salario perdido com o desemprego, no aumento da gasolina para abastecer o seu carro, etc
    Sao bispos que representam a rica Igreja Catolica e que tem suas opinioes por que veem noticias nos jornais, revistas e tv.
    Me desculpe, os catolicos, mas sabe o que essa nota representa ?
    Nada

  • NAUFRAGO

    Meu Preclaro amigo bloguista , minhas acusações e opiniões sobre este desgoverno que ai está agora tem algum fundamento ? Voce continua a insistir que o culpado de toda esta Desgraceira que ai está é culpa do Fernando Henrique Cardoso , pessoa esta que voce e o povo do PT vivem descarregando seus figados em cima dele ? Ora bolas meu amigo a prova contundente de tudo é o povo ja entrando em desespero , cade o dinheiro Cardosinho ? O gato comeu e ninguem viu ? E agora ? Kd seus puxa sacos idiotas daqui que tocam a mesma Zabumba junto com voce ? Destruiram a nação , acabaram com a Patria !!! Hipocrita e cego é aquele que finge não ver !!! Passe bem amigo !!!

  • eduardo

    sou católico – não concordo com a “cnnb” APOIAR LADRÃO, vou pedir explicação para o Bispo Dom Demetrio de Jales – penso que a religião deve ficar longe dessa sujeira desse governo o PT.

  • Chupa

    NAUFRAGO:ACHO QUE VC É O ORLANDO MATHEUS MEU GRANDE AMIGO SANTISTA

  • PROVA CONTUNDENTE- CADÊ O DINHEIRO

    Para que não paire nenhuma duvida sobre o que a União , Os Estados e os Municípios tem ou não tem o poder de subir ou não determinados Impostos, ( ou seja o que cabe a cada um determinar seus Impostos), para que não venha tudo recair nas costas da União como quer os Golpista, e para esse mesmos Golpistas, poder perguntarem , para onde esta indo o dinheiro da União, dos Estados e dos Municípios procurei através de pesquisas na Constituição Promulgada em 1988, cujo Presidente da Assembléia Constituinte, na época era o Deputado já falecido Ulisses Guimarães e a mesma estabelece o seguinte sobre os Impostos, dos desgovernos, sim, mas da União, Estados e Município e é lógico, só pode reclamar quem paga os impostos em dia, e não também pratiquem corrupção, seja ela de 1,11 real ou 1 Milhão de Reais, pois corrupção é corrupção e não depende do valor ou da pessoa, mas vamos e venhamos tudo começou, com a colonização mas o maior crápula corrupto e ladrão, sim é FHC e sua corja da direita, mas a frente vou mostrar a certas pessoas o porque disso. Agora os Impostos e a Constituição:–

    Impostos Federais, Estaduais e Municipais
    1 – IMPOSTOS FEDERAIS
    Impostos de competência da União, que estão contidos no Art. 153 da Constituição Federal de 1988.

    A Constituição Federal de 1988 é que regulamenta a matéria e define os tipos de tributos e a sua competência, da União, dos Estado e do Distrito Federal e dos municípios, neste contexto, discorremos sobre os impostos de competência da União, que estão contidos no Art. 153 da Constituição Federal de 1988, que são:
    ⋅ Imposto de importação de produtos estrangeiros;
    ⋅ Imposto de exportação de produtos nacionais ou nacionalizados;
    ⋅ Imposto de renda e proventos de qualquer natureza;
    ⋅ Imposto sobre produtos industrializados;
    ⋅ Imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos ou valores mobiliários;
    ⋅ Imposto sobre propriedade territorial rural;
    ⋅ Imposto sobre grandes fortunas.

    1.1 – Imposto sobre a Importação

    a) Fato gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre a importação de produtos estrangeiros tem como fato gerador a entrada destes no território nacional. (CTN, art. 19)

    A rigor, para incidência do gravame, a condição necessária e suficiente é a de que, cumulativamente, implementem-se os seguintes requisitos:

    entrada no território nacional;
    de produto estrangeiro;
    para permanência definitiva.
    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte:

    O contribuinte do importo de importação é o importador ou a quem a ele a lei equiparar, e o arrematante de produtos apreendidos ou abandonados (CTN, art. 22). Geralmente, o importador é uma pessoa jurídica, regularmente estabelecida, mas, para os fins do imposto, é considerado importador qualquer pessoa, seja natural ou jurídica, regularmente estabelecida ou não, que realize a introdução da mercadoria no território nacional.

    1.2 – Imposto Sobre Exportação

    a) Fato gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre a exportação, para o estrangeiro, de produtos nacionais ou nacionalizados tem como fato gerador a saída destes no território nacional (CTN, art. 23).

    Considera-se ocorrido o fato gerador no momento da expedição da guia de exportação ou documento equivalente, porém a condição necessária para incidência do tributo é a de, cumulativamente, implementarem-se os seguintes requisitos:

    saída do território nacional;
    de produto nacional ou nacionalizado;
    para consumo ou uso no exterior.
    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte:

    Contribuinte do imposto é o exportador ou quem a lei a ele equiparar (CTN, art. 27).

    A Constituição Federal não vinculou o imposto de exportação a um sujeito passivo específico, nem atribuiu à lei complementar essa definição de sorte que o legislador ordinário pode livremente escolher o contribuinte desse imposto. È claro, porém, que esse sujeito passivo, para assumir a condição de contribuinte, há de ter relação pessoal e direta com o fato gerador do tributo, por força do que estabelece o art. 121, parágrafo único, do CTN. A lei não pode, portanto, equiparar ao exportador pessoa sem qualquer relação com a exportação.

    1.3 – Imposto sobre Renda e Proventos de Qualquer Natureza

    a) Fato Gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica:

    de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos;
    de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior.

    1°. A incidência do imposto depende da denominação da receita ou do rendimento da localização, condição jurídica ou nacionalidade da fonte, da origem e da forma de percepção.
    2°. Na hipótese de receita ou de rendimento oriundos do exterior, a lei estabelecerá as condições e o momento em que se dará sua disponibilidade, para fins de incidência do imposto referido neste artigo.(CTN, art. 43).

    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do imposto é o titular da disponibilidade a que se refere o art.43, sem prejuízo de atribuir a lei essa condição ao possuidor, a qualquer título, dos bens produtores de renda ou dos proventos tributáveis. (CTN, art 45)

    1.4 – Imposto Sobre Produtos Industrializados

    a) Fato Gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre produtos industrializados tem como fato gerador:

    I. o seu desembaraço aduaneiro, quando de procedência estrangeira;
    II. a sua saída dos estabelecimentos a que se refere o parágrafo único do art. 51;
    III. a sua arrematação, quando apreendido ou abandonado e levado a leilão.

    Parágrafo único – Para os efeitos deste imposto, considera-se industrializado o produto que tenha sido submetido a qualquer operação que lhe modifique a natureza ou a finalidade, ou o aperfeiçoe para o consumo.(CTN, art. 46)

    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte:

    Contribuinte do imposto é:

    o importador ou quem a lei a ele equiparar;
    o industrial ou quem a lei a ele equiparar;
    o comerciante de produtos sujeitos ao imposto, que os forneça aos contribuintes definidos no inciso anterior;
    o arrematante de produtos apreendidos ou abandonados, levados a leilão.
    Parágrafo único – Para os efeitos deste imposto, considera-se contribuinte autônomo qualquer estabelecimento de importador, industrial, comerciante ou arrematante.(CTN, art. 51).

    1.5 – Imposto Sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros e Sobre Operações Relativas a Títulos e Valores Mobiliários.

    a) Fato Gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre operações de crédito, câmbio e seguro, e sobre operações relativas a títulos e valores mobiliários tem como fato gerador:

    I – quanto às operações de crédito, a sua efetivação pela entrega total ou parcial do montante ou do valor que constitua o objeto da obrigação, ou sua colocação à disposição do interessado;

    II – quanto às operações de câmbio, a sua efetivação pela entrega de moeda nacional ou estrangeira, ou de documento que a represente, ou sua colocação à disposição do interessado, em montante equivalente à moeda estrangeira ou nacional entregue ou posta à disposição por este;

    III – quanto às operações de seguro, a sua efetivação pela emissão da apólice ou do documento equivalente, ou recebimento do prêmio, na forma da lei aplicável;

    IV – quanto às operações relativas a títulos e valores mobiliários, a emissão, transmissão, pagamento ou resgate destes, na forma da lei aplicável.

    Parágrafo único – A incidência definida no inciso I exclui a definida no inciso IV, e reciprocamente, quanto à emissão, ao pagamento ou resgate do título representativo de uma mesma operação de crédito.(CTN, art 63)

    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do imposto é qualquer das partes na operação tributada, como dispuser a lei. (CTN, art 66)

    São contribuintes do imposto:

    os tomadores de crédito, os compradores de moeda estrangeira para pagamento de importação de bens e serviços;
    os segurados e os adquirentes de títulos e valores mobiliários;
    os primeiros tomadores – pessoas físicas ou jurídicas – dos créditos concedidos pelos agentes do Sistema Financeiro da Habitação.
    1.6 – Imposto Sobre Propriedade Territorial Rural

    a) Fato gerador:

    O imposto, de competência da União, sobre a propriedade territorial rural tem como fato gerador a propriedade, o domicílio útil ou a posse de imóvel por natureza, como definido na lei civil, localizado fora da zona urbana do Município.(CTN, art. 29)

    b) Sujeito ativo: União

    c) Sujeito passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do imposto é o proprietário do imóvel, o titular de seu domínio útil, ou o seu possuidor a qualquer título. (CTN, art. 31)

    1.7 – Imposto Sobre Grandes Fortunas

    A Constituição Federal de 1988 atribui à União competência para instituir imposto sobre grandes fortunas, nos termos da lei complementar (art. 153, inc. VII). Não obstante, até agora esse imposto não foi instituído, nem editada a lei complementar para definir o que se deve entender como grande fortuna.

    2 – IMPOSTOS ESTADUAIS E DF
    2.1 – ICMS – Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação Serviços

    O ICMS vem genericamente previsto no art.155, II, da Constituição Federal, que estatui: “Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: operações relativas à circulação de mercadorias sobre prestações de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior”.

    É importante salientar que o ICMS é um imposto de competência estadual e distrital, no entanto, a União também está credenciada a criar o imposto, por força do que estabelecem os arts.147 e 154,II ambos da Constituição Federal. De fato, é esta pessoa política que poderá fazer nascer, “in abstracto” (no plano legislativo), o ICMS, seja nos Territórios (se voltarem a ser criados, já que, no momento, inexistem), seja em todo o território nacional, “na iminência ou no caso de guerra externa”. São duas hipóteses excepcionalíssimas.
    Considera-se mercadoria (Art.1º do RICMS):

    Qualquer bem móvel, novo ou usado, inclusive semovente;
    A energia elétrica;
    O bem importado, destinado a consumo ou ativo fixo;
    a) Fato Gerador do ICMS:

    A saída de mercadoria de estabelecimento do contribuinte;
    O desembaraço aduaneiro de mercadorias importadas;
    O início da execução do serviço de transporte intermunicipal e interestadual;
    A entrada no estabelecimento de mercadorias ou serviços, oriundos de outras UF que não estejam vinculadas à operação subseqüente.(Para cálculo do diferencial de alíquota).
    b) Sujeito Ativo: Estados e Distrito Federal

    c) Sujeito Passivo: Qualquer pessoa, física ou jurídica que realize operações de circulação de mercadorias ou prestação de serviços.

    2.2 – ITCM – Imposto sobre Transmissão “Causa Mortis” e Doação

    Este imposto surgiu de desmembramento do extinto ITBI — Impos­to sobre Transmissão de Bens Imóveis — previsto na Constituição de 1969 e atribuído à competência tributária dos Estados.

    O extinto ITBI incidia sobre a transmissão de bens imóveis, a qualquer título, ou seja, por ato oneroso ou gratuito. As transmissões causa mortis de bens ou valores mobiliários não estavam, no regime da Constituição de 1969, sujeitas ao alcance do ITBI e desta circunstância decorria vazio incidental que comprometia seriamente o princípio da capacidade contributiva.

    A atual Constituição reformulou inteiramente esta espécie imposi­tiva, bipartindo-a, para atribuir aos Estados o imposto sobre transmissão causa mortis e doação de quaisquer bens ou direitos (ou seja, as trans­missões a título gratuito), e aos Municípios, o imposto sobre transmissão inter vivos de bens imóveis por ato oneroso (art. 155 c/c art. 156).

    Tratando-se da transmissão causa mortis ou doação de bens imó­veis aplica-se à espécie o princípio da territorialidade que outorga esta receita tributária ao Estado da situação do bem. Nas transmissões a título gratuito de bens ou valore mobiliários, o imposto pertence ao Estado onde se processar o inventário ou arrolamento ou, ainda, onde tiver domicílio o doador (CF. art. 155)

    Por último, nos termos do inc. IV do art. 155, as alíquotas máximas do ITCM serão fixadas pelo Senado Federal, naturalmente mediante Resolução daquela Casa do Congresso.

    a) Fato Gerado do ITCM:

    O fato gerador é a transmissão “causa mortis” e doação, ressaltando que a transmissão “inter-vivos” está incluída na competência dos municípios.

    b) Sujeito Ativo: Estados e Distrito Federal

    c) Sujeito Passivo: São os beneficiários dos bens ou direitos recebidos e os doadores.

    2.3 – IPVA – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores

    O imposto sobre a propriedade de veículos automotores substitui, em nosso sistema tributário, a extinta Taxa Rodoviária Única TRU. cujo fato gerador era um ato expressivo do poder de polícia de alçada federal: o registro e licenciamento de veículos em todo território nacional (cf. DL n0 999, de 21.10.1966).

    Essa taxa de polícia foi extinta pelo art. 2” da Emenda Constitucio­nal n0 27, de 28 de novembro de 1985. que outorgou aos Estados competência para instituir imposto) sobre a propriedade de veículos automotores, vedada a cobrança de impostos ou taxas incidentes sobre a utilização de veículos’’.

    Destarte o que fora simples taxa federal — decorrência de ato expressivo do poder de polícia — desaparece do cenário impositivo para ceder lugar a um tributo sui generis: o IPVA. incidente sobre a titulari­dade de qualquer veículo automotor.

    A atual Constituição manteve o novo modelo impositivo sem alterar o respectivo critério de competência tributária.

    Compete aos Estados e ao Distrito Federal institui impostos sobre a propriedade de veículos automotores. (CF, art 155 inc. III)

    a) Fato Gerador:

    Incide sobre a propriedade de veículos automotores, estendido como qualquer veículo com propulsão por meio de motor, com a fabricação e circulação autorizada e destinada ao transporte de mercadorias, pessoas ou bens.

    b) Sujeito Ativo: Estados e Distrito Federal

    c) Sujeito Passivo: Os proprietários de veículos automotores sujeitos a licenciamento em órgão federal, estadual ou municipal.

    3 – IMPOSTOS MUNICIPAIS
    3.1 – IPTU – Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

    a) Fato Gerador:

    O IPTU, de competência dos municípios, incide sobre a propriedade predial e territorial urbana e tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, localizado na zona urbana do município.

    A lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora da zona considerada urbana.
    O IPTU poderá, segundo a lei estadual, ser progressivo, de forma a assegurar a função social da propriedade.

    Conforme a Constituição Federal, compete aos Municípios instituir impostos sobre propriedade predial e territorial urbana.(CF, art. 156 inc.I)

    b) Sujeito Ativo: Os municípios

    c) Sujeito Passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor a qualquer título.

    3.2 – ITBI – Imposto Sobre a Transmissão “inter vivos” de Bens Imóveis e de Direitos Reais Sobre Imóveis

    a) Fato Gerador:

    Conforme a Constituição Federal, compete aos Municípios instituir impostos sobre, transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis por natureza ou acessão física, e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão de direitos a sua aquisição.(CF, art. 156 inc.II)

    O ITBI, que aproveita a sigla do antigo imposto estadual, não incide sobre a incorporação de bens imóveis ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de capital, nem sobre as transmissões de bens ou direitos decorrentes de fusão, cisão, incorporação ou extinção de pessoa jurídica.

    Haverá incidência, porém, se a atividade preponderante do adquirente for a compra e venda de bens imóveis ou de direitos a eles relativos, locação ou arrendamento mercantil.

    b) Sujeito Ativo: Os municípios

    c) Sujeito Passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do imposto é qualquer das partes envolvidas na operação, conforme dispuser a lei estadual. No Brasil, as leis dos Estados têm nomeado o comprador como contribuinte do ITBI.

    3.3 – ISS – Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza

    Conforme a Constituição Federal, compete aos Municípios instituir impostos sobre serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155 II, definidos em lei complementar.(CF, art. 156 inc.III)

    São imunes os serviços prestados pela União, pelos Estados, pelos Municípios, pelo Distrito Federal, por templos de qualquer culto, por partidos políticos e pelas instituições de educação ou de assistência social, desde que cumpram o estabelecido no art. 14 do CTN.

    A isenção em relação ao ISS é concedida através de lei ordinária emanada da Câmara dos Vereadores.

    Gozam de isenção os profissionais ambulantes e jornaleiros, bem como os profissionais localizados em feiras livres, os sindicatos que prestam serviço aos empregados de determinadas empresas, quando prestados gratuitamente, as promoções de concertos, recitais, exposições e outros eventos similares, cujas receitas sejam destinadas a fins assistenciais, os serviços típicos das empresas, da indústria cinematográfica, dos laboratórios e dos estúdios, inclusive, dos distribuidores exclusivos a filmes brasileiros, naturais ou de enredo, com vigência até 31.12.2000, assim como os serviços de exibição de filmes cinematográficos em salas ocupadas por entidades brasileiras sem fins lucrativos.

    O local da prestação do serviço é do estabelecimento ou domicílio do prestador ou, no caso de construção civil, o lugar onde se efetuar a prestação.

    a) Fato Gerador:

    O imposto tem como fato gerador a prestação por empresas ou profissional autônomo, com ou sem estabelecimento fixo, de serviços incluídos na lista estabelecida na Lei Complementar n.º 53/87.

    Os serviços enumerados na referida lista ficam sujeitos apenas ao ISS, ainda que a prestação envolva fornecimento de mercadorias. Tal fornecimento, com prestação de serviços não especificados na lista, fica sujeito ao ICMS.

    b) Sujeito Ativo: Os municípios

    c) Sujeito Passivo: Contribuinte

    d) Contribuinte: Contribuinte do ISS é o prestador do serviço, não se compreendendo como tal aquele que presta serviços em relação de emprego, o trabalhador avulso, os diretores e membros do conselho consultivo ou fiscal de sociedade.

    São contribuintes do ISS os autônomos, assim como a empresa entendida como toda e qualquer pessoa jurídica, inclusive a sociedade civil ou de fato, que exercer atividade prestadora de serviços, a pessoa física que admitir, para o exercício da sua atividade profissional, mais do que dois empregados ou um ou mais profissionais na mesma habilitação do empregador, o empreendimento instituído para prestar serviços com interesse econômico, bem como o condomínio que prestar serviços a terceiros.

    Aos entendidos que leram, de quem é a culpa do IPVA de SP, ser o maior do Brasil, de quem é a Culpa do ICMS se SP ser o maior do Brasil ( por isso grandes empresas estão indo para outros Estado como MT, GO, MG, etc.) de quem é a culpa de a Água ter subido mais de 55 %, de quem é a culpados paulistas, estarem bebendo Água de Esgoto, de quem é a culpa da Corrupção do Metrô, de quem é a culpa da corrupção do Trensalão, de quem é a culpar da corrupção da Sabesp, de quem é a culpa de policiais Militares e Civis, praticarem Chacinas todos os Dias, de quem é a culpa do fechamento de mais de 150 Escolas no Estado de São Paulo, de quem é a culpa de mas de 100 mil alunos terem que andar mais de 5 Km, agora para frequentar uma Escola etc…..Para onde esta indo este dinheiro, quem governou o Estado por 20 anos, por que neste Estado não tem CPI de corrupção? Já sei os governadores são todos santos e em São Paulo tem muito tapete.Isso sim é Desgoverno e Desgoverno Burgues e Fascista.

  • PROVA CONTUNDENTE- CADÊ O DINHEIRO

    OLHA SÓ QUEM CERTOS BURGUESES E CAPITALISTAS QUERIAM PARA VICE-PRESIDENTE–SERÁ QUE ELE NÃO DESTRUIRIA A NAÇÃO OU ACABARIA COM A PÁTRIA —REALMENTE HIPÓCRITA E CEGO NÃO QUER VER QUAL É O VERDADEIRO DESGOVERNO.

    Quem foi Aloysio Nunes candidato a Vice Presidente de Aécio Cheira Cheira:—
    Começou a militância política em 1963, quando entrou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco da Universidade de São Paulo. Logo depois do golpe militar de 1964, filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB)[1] , que, por ter sua existência proibida, atuava na clandestinidade. Foi presidente do tradicional Centro Acadêmico XI de Agosto[2] e formou-se bacharel em direito em 1968.
    Como o PCB se opunha à resistência armada contra a Ditadura Militar que se instalara desde 1964 no Brasil, Aloysio Nunes, assim como vários jovens da época que tinham ideais de esquerda, ingressou na Ação Libertadora Nacional (ALN), organização guerrilheira liderada por Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira, o Toledo[1] [3] .
    Assumiu na clandestinidade o pseudônimo Mateus. Durante muito tempo foi motorista e guarda-costas de Marighella. As ações da Aliança Libertadora Nacional incluíram assaltos para angariar fundos que sustentariam a resistência armada. Em agosto de 1968, participou do assalto ao trem pagador da antiga Estrada de Ferro Santos-Jundiaí. Segundo relatos da imprensa da época, a ação ocorreu sem que houvesse o disparo de qualquer tiro. Aloysio Nunes foi o motorista do carro no qual os assaltantes fugiram do local com os malotes que continham NCr$ 108 milhões(US$ 21.600), dinheiro suficiente para o pagamento de todos os funcionários da Companhia Paulista de Estradas de Ferro[1] [4] . Em outubro do mesmo ano, participou do assalto ao carro-pagador da Massey-Ferguson interceptando o veículo na praça Benedito Calixto, no bairro paulistano de Pinheiros[5] [6] [7] [8] .
    Sofrendo um processo penal em que já havia um pedido de prisão preventiva e com a possibilidade de que descobrissem algo sobre suas ações armadas, foi enviado a Paris por Marighella utilizando um passaporte falso[1] . Foi posteriormente identificado como guerrilheiro e condenado com base na extinta Lei de Segurança Nacional. Pretendia realizar um treinamento de guerrilha em Cuba, mas a gravidez de sua mulher o fez desistir. Tornou-se representante da Ação Libertadora Nacional no exterior e coordenou as ligações desta com movimentos de esquerda de todo o mundo[1] [2] [9] [10] . Filiou-se ao Partido Comunista Francês em 1971[1] e negociou com o presidente Boumédiène, da Argélia para que brasileiros recebessem treinamento militar de guerrilha naquele país.
    Pôde finalmente, em 1979, regressar ao Brasil devido à promulgação da Lei de Anistia, a qual beneficiou todos que cometeram crimes políticos de qualquer tipo, assim como aqueles que torturaram e mataram em nome da repressão, durante os anos anteriores da Ditadura Militar.
    Desfiliou-se do PCB, ainda na clandestinidade, e filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)[3] , tendo sido eleito por este partido deputado estadual de 1983 a 1991 em seu estado natal. Foi líder do governo Franco Montoro na Assembleia Legislativa em seu 1° mandato, e líder do governo Quercia em seu segundo mandato durante a redação e votação da Constituição do Estado de São Paulo[11] .
    ALOYSIO NUNES DO PSDB PAULISTA, ENVOLVIDO NO TRENSALÃO E SABE-SE LÁ EM QUANTOS CRIMES MAIS, É PROTEGIDO PELA MÍDIA GOLPISTA E CALOTEIRA.

  • PROVA CONTUNDENTE- CADÊ O DINHEIRO

    ALGUMAS ACUSAÇÕES E OPINIÕES SÃO TÃO MAL COLOCADAS OU INVERÍDICAS, QUE NÃO MERECEM RESPOSTAS, MAS NÃO ACONTECERAM DESGOVERNOS FEDERAIS NO BRASIL NOS ULTIMO 13 ANOS, MAS SIM GOVERNOS VOLTADOS PARA AS CLASSES SOCIAIS E AS MENAS DESFAVORECIDAS E É CLARO QUE CORRUPÇÕES ACONTECERAM POIS NÃO SOU NENHUM HIPÓCRITA COMO ALGUNS, DE PENSAR AO CONTRÁRIO,MAS EM NENHUMA DELAS ATÉ AGORA, MESMO A MÍDIA E OS GOLPISTAS QUERENDO, APARECERAM OS NOMES DE LULA E DILMA ( MESMO ATRAVÉS DE DELAÇÕES PREMIADAS ).
    Mas vamos imaginar agora se estivesse sido eleito para Presidente Aécio Neves, aí sim teríamos um Desgoverno com Traficante, que nos seus 8 anos de Desgoverno em Minas tem como, suas principais realizações, com inclusive provas contundentes, mas que foram para debaixo de Tapetes, Engavetados e imaginem somente ima CPI, que não deu em nada.
    Sua Realizações–

    E QUEM É AÉCIO CHEIRA CHEIRA EM SEU GOVERNO EM MINAS:—-
    —SUA HISTÓRIA VERDADEIRA COMO GOVERNADOR :—

    1- Censurou a parte da imprensa mineira que ousou denunciar esquemas de corrupção quando governador de MG.
    2- Também tentou censurar o Google, Yahoo! e Bing, movendo um processo pa
    ra retirada de links relacionados ao uso de drogas e ao desvio de verbas da saúde.
    3- Mandou demitir um diretor da Globo de Minas Gerais após três reportagens que o desagradaram.
    4- Não gosta de ser investigado: em 10 anos ele e seu sucessor Anastasia só permitiram 3 CPIs em Minas Gerais. Mais de 70 foram barradas
    CORRUPÇÃO QUANDO FOI GOVERNADOR DE MINAS GERAIS
    5- Foi processado por desviar R$ 4,3 bilhões da saúde.
    6- Construiu 5 aeroportos em cdades com menos de 25 mil habitantes no entorno de sua fazenda.
    7- Um dos aeroportos custou R$ 14 milhões e fica na fazenda de seu tio.
    8- Pagou R$ 56 mil reais ao ex-ministro do STF Ayres Britto para arquivar a investigação de ilegalidade no aeroporto na fazenda de seu tio.
    9- Quando governador, desapropriou um terreno de seu tio-avô no valor de R$ 1 milhão e fez o Estado pagar a ele uma indenização superfaturada de R$ 20 milhões.
    INFRINGINDO A LEI
    10- Apesar de declarar apenas R$ 100 mil em bens, sua rádio tem uma frota de carros de luxo e de passeio no valor de mais de 1 milhão e reais. Quem passeia nesses carros?
    11- Foi pego pela polícia dirigindo o carro de sua rádio, um Land Rover no valor de R$ 192.000,00. O pior: estava embriagado e se recusou a fazer o teste do bafômetro.
    12- Troca de favores ou compra de votos? Quando governador contratou 98 mil servidores públicos sem concurso e de maneira ilegal.
    13- Nepotismo? Com apenas 25 anos foi nomeado diretor da Caixa Econômica Federal por seu primo, o então Ministro da Fazenda Francisco Oswaldo Neves Dornelles.
    13 motivos não são suficienteS? Então vem mais 15 por aí!
    EDUCAÇÃO E SAÚDE
    14- Durante seu governo, Minas Gerais passou a pagar o piso salarial mais baixo do Brasil a professores.
    15- Aliás, tal piso era mais baixo que o permitido pela lei do piso salarial de professores, e portanto, ilegal.
    16- Diminuiu o salário-base dos médicos em Minas para apenas R$ 1.050,00 -o segundo mais baixo do Brasil.
    17- Quando governador de MG, pagou com dinheiro do Estado uma dívida da Rede Globo de US$ 269 milhões referente à compra da Light.
    ECONOMIA
    18- Em 2013 quando Dilma anunciou redução de 20% na conta de luz, os tucanos de Minas se posicionaram contra. Pediram um aumento de 30%. Em vez de a conta abaixar, subiu 14,76% (que foi o que a Aneel aprovou).
    19- Ele e seu sucessor fizeram a dívida de Minas crescer 127% em 11 anos.
    MENSALÃO E PROTEGIDO DA IMPRENSA
    20- Tem um dos réus do mensalão tucano como assessor. O publicitário Eduardo Suplicyo Guedes, acusado de desviar R$ 3,5 milhões para a empresa de Marcos Valério.
    21- Tem em seu palanque em Minas o maior réu e mentor do mensalão tucano, seu antecessor no governo de MG, Eduardo Azeredo.
    22- Seu primo, Rogério Lanza Tolentino, era braço direito de Marcos M Valeria Pereiraio e foi condenado por lavagem de dinheiro em MG.
    23- Seu outro primo, Tancredo Aladin Rocha Tolentino, foi preso por vender sentenças judiciais. A Globo se calou.
    24- Por falar em sentença, conseguiu um mandado de busca e apreensão para que a polícia invadisse o apartamento de uma jornalista. Computador, hd externo, cds e celular foram apreendidos.
    SENADOR EXEMPLAR?
    25- Nos quatro anos como senador, apresentou menos projetos que o deputado Tiririca.
    26- Gastou 63% do dinheiro com passagens de avião pagas pelo senado com viagens para o Rio de Janeiro. Apenas 27% das viagens foram para MG, estado que o elegeu senador
    Com esse Presidente e Vice o Brasil seria um país otimista, onde supermercados estariam ( como estão lotados ), final de semana no litoral,( como estão as prais do litoral lotados, como mostrou os Jornais das Tvs. de ontem,Salário Mínimo, a partir de janeiro no valor de mais de 826,00 reais) Classe média viajando de avião para o Nordeste e Europa. Pelo Amor de Deus deu para perceber que se fosse com essas duas ínguas, nada disso estaria acontecendo, quem pensa que seria assim são os golpistas fascistas .

  • PROVA CONTUNDENTE- CADÊ O DINHEIRO

    PARA FINALIZAR VOU MOSTRAR AGORA ALGUNS FATOS PITORESCOS, INCLUSIVE ALGUNS COM DATAS, ESSE SIM DO DESGOVERNO DE FHC, QUE DE, ABRIU AS ´PORTAS DA PETROBRAS, PARA A CORRUPÇÃO, QUE CONTINUA ATÉ OS DIAS DE HOJE, MAS CLADO, MESMO ATRAVÉS DAS DELAÇÕES PREMIADAS, EM NENHUM MOMENTO APARECEU OS NOMES DE LULA E DILMA.

    NÃO PODEMOS ESQUECER OS FATOS OCORRIDOS NO GOVERNO DE FHC—ALGUNS TEM DATAS OUTROS NÃO E TAMBÉM A ORDEM NÃO É CRONOLÓGICA:–
    L.–31.01.99— BRASIL É O SEGUNDO PAÍS DO MUNDO EM DESEMPREGO.
    2.–FHC ORDENA DEMISSÕES EM MASSA
    3.–15.12.98—FHC FREIA OS SALÁRIOS E MANTÉM CORREÇÃO DE CONTRATOS.
    4.–09.04.98—SALÁRIOS DE PARLAMENTARES SOBE 59% E DE FHC 49%.
    5–31.04.99—EM SÃO PAULO SALÁRIO CAI 18,8% NA DÉCADA DE 90.
    6–30.11.97—JAZIDA DE NIÓBIO FOI VENDIDA POR 600 MIL.
    7–27.02.20—PETROBRAS VIRÁ PETRO-BRAS,POR US$ 50 MILHÕES.
    8–10.12.98—BORNHAUSEN QUER VENDER PETROBRAS.
    9.–10.12..98—PFL PRESSIONADA PELA VENDA DA PETROBRAS.
    10–27.01.20—56% DOS JOVENS ESTÃO FORA DA ESCOLA.
    11.25.02.202–PAÍS TEM 50 MILHÕES DE INDIGENTES SEGUNDO fgn.
    12-12.05.98—FHC DIZ QUE É VAGABUNDO QUEM SE APOSENTA COM 50 ANOS.
    13-21.04.202–CONCERTO DE PRIVATIZAÇÃO EXIGE ATÉ 9 BILHÕES.
    14-05.08.202–PAÍS PRECISA DE US$ 40 BILHÕES DO FMI DIZEM ANALISTAS.
    15-03.01.99—ESTRATEGIA DO GOVERNO DE FHC FOI SEGUIR A RECEITA DO FMI.
    16-22.11.202–FMI EXIGE E O BRASIL NO GOVERNO DE FHC AUMENTA OS JUROS.
    17-08.05.202–FHC MANDA LIBERAR EMENDAS PARA BARRAR VÁRIAS CPI.
    18-17.06.202–OS BRASILEIROS SÃO OBRIGADOS A CORTAR GASTOS COM A ALIMENTAÇÃO.
    19-04.04.202–GASOLINA TEM 3 REAJUSTES EM 35 DIAS.
    20-11.04.202–PETROBRAS ADMITE QUE PODE REVER SISTEMA DE REAJUSTE QUINZENAIS.
    21-10.07.201–BRASIL TEM 60 MIL SEM TETOS.
    22-08.07.201–PROJETO APROVADO PELO GOVERNO FAVORECEU O PODER DA GLOBO.
    23-04.07.201–63% DAS INDUSTRIAS DIZ QUE VAI DEMITIR.
    24-04.07.201–GOVERNO AUMENTA CONTA DE LUZ EM 26,6%
    25- DURANTE 8 ANOS DE GOVERNO FHC SÓ FEZ UMA UNIVERSIDADE.
    26-FHC TEM 05 APOSENTADORIAS E A PRIMEIRA FOI AOS 37 ANOS COMO PROFESSOR DA USP.
    27-FHC SE DIZ PAI DO REAL–MENTIRA–O PAI FOI PÉRSIO ARIDA MINISTRO DA FAZENDA DA ÉPOCA(PROFESSOR DE ECONOMIA), NO GOVERNO DE ITAMAR FRANCO–FHC JÁ ESTAVA FORA DO GOVERNO A MAIS DE 5 MESES.
    28-PRIVATIZOU AS MELHORES EMPRESAS BRASILEIRAS ENTRE ELA A VALE DO RIO DOCE QUE VALIA 100 BILHÕES E FOI VENDIDA POR 3,3 BILHÕES.
    29-EM 1997 COMPROU DEPUTADOS E SENADORES POR 200 MIL PARA APROVAREM O PROJETO PARA SUA REELEIÇÃO.
    Foi tão bom que nunca mais tentou ser candidato, pois sabe que não se elegeria, nem para inspetor de quarteirão.

  • anonimo

    Perdido com o Desemprego:::::::::::::::::

    Governos Lula e Dilma: Desde 2003, foram criados 17 milhões de novos empregos
    Via Vermelho

    Um estudo recente, divulgado pelo Dieese (“A situação do trabalho no Brasil na primeira década dos anos 2000”), registra o enorme progresso do Brasil neste novo ciclo de governos progressistas inaugurado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva em 2003 e mantido sob Dilma Rousseff, que aprofunda o processo de mudanças então iniciado.
    Depois de duas décadas de retrocesso, agravado pelo governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso, o Brasil reencontrou o caminho do crescimento, com grande benefício para os trabalhadores.
    Foram criados, entre 2003 e julho de 2011, quase 17 milhões de novos empregos, com carteira assinada. Mesmo sob a mais grave crise capitalista desde 1929 (iniciada em 2007/2008), a criação de novos empregos no Brasil continuou, ao contrário do que ocorre nos EUA e na Europa onde o predomínio de políticas de defesa do capital e dos interesses patronais leva à estagnação, ao desemprego e ao empobrecimento dos trabalhadores. Em nosso país, apesar da crise, no ano de 2009 foram criados quase um milhão de novos empregos.
    A melhoria nas condições dos trabalhadores brasileiros é consequência da nova orientação adotada pelo governo federal a partir de 2003.
    A nova política inaugurada por Lula começou a apresentar efeitos em 2004; o país voltou a crescer (5,7% naquele ano) e o emprego começou a deslanchar. Em 2005 outro fator significativo trouxe efeitos benéficos para a economia brasileira: o governo Lula não renovou o acordo de Fernando Henrique Cardoso com o FMI, de 2002, que reforçou a submissão do Brasil às autoridades financeiras do FMI e do imperialismo.

    O efeito veio em seguida; já em 2005 o crescimento foi de 3,2%; subiu para 4% em 2006 e para 6,1% em 2007; a crise internacional começou a cobrar seu preço em 2008 e o ritmo diminuiu um pouco, caindo para 5,2%. Este foi o ano do início da crise econômica nos EUA e na Europa, com forte impacto no mundo. Seu reflexo na economia brasileira foi a queda de 0,6% no PIB em 2009 mas, mesmo assim, o país – em plena crise mundial – continuou criando empregos com carteira assinada.
    A volta do crescimento trouxe a melhora no mercado de trabalho e o fortalecimento do mercado interno, dando novas bases ao desenvolvimento a partir das forças próprias do país.
    Outros fatores que ajudam a explicar este quadro favorável foram as políticas de valorização do salário mínimo, a política de transferência de renda para os mais pobres e a expansão do crédito. O resultado foi o aumento da massa salarial (214%), passando de R$ 19 bilhões em 2000 e para R$ 60 bilhões em 2009.
    Outro fator fundamental para a melhoria na situação dos trabalhadores foi o reforço da luta sindical e operária, que cresceu a partir da unidade das centrais sindicais, entre as quais se destaca a atuação da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), na direção da luta e na abertura das negociações com o governo, resultando nas políticas de valorização do trabalho e dos salários que, juntamente com os programas de distribuição de renda (como o Bolsa Família), ajudaram a elevar a renda dos trabalhadores mis pobres.
    Embora os resultados sejam significativos, ainda persistem grandes dificuldades para consolidar as conquistas alcançadas; a maior delas é formada pelos efeitos negativos da crise internacional do capitalismo, que parece não ter fim.
    O avanço no rumo das mudanças depende da luta do povo e da derrota de qualquer ameaça de volta do neoliberalismo. Por isso é importante vencer os conservadores e a direita na eleição municipal deste ano, para fortalecer o rumo democrático e popular e manter o Brasil na rota do avanço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *