MÃE DE GEDDEL TEM PENSÃO DE R$ 26 MIL DA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DO CEARÁ

geddel2

O lado perverso disso tudo é que a mãe de Geddel é, segundo ele próprio, uma mulher rica. Por conta de coisas assim, os estados terão que fazer alterações em suas previdências quebradas. Uma das alterações é a elevação da contribuição para 14%. Ou seja, no fim e ao cabo, a conta por aberrações como pensão da viúva rica irá ser paga pelos mais pobres. A notícia é do DCM:

A mãe de Geddel e Lúcio Vieira Lima também tem sua boquinha: a partir de janeiro deste ano, ela passou a receber uma pensão de R$ 26.000,00, da Caixa de Previdência Parlamentar do Ceará, por conta de 16 anos de contribuição de seu marido, pai da dupla, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, morto em 10 janeiro deste ano.

Geddel, por sua vez, que é o encarregado dentro do governo Temer de encaminhar o apoio à reforma da Previdência no Congresso, aposentou-se, em 2011, após 20 anos de mandatos consecutivos na Câmara Federal.

Ele tinha 51 anos, à época, e já afirmou que não vai renunciar aos R$ 20.354,15 mensais que recebe atualmente, acumulando-a aos R$ 30.934,70 do salário de ministro da Secretaria de Governo. Detalhe: ela tem muito dinheiro. Segundo o próprio Geddel, “meu pai casou com uma mulher rica”.

Essa declaração foi dada em 2000, à Folha, que investigava denúncias de Antônio Carlos Magalhães (ACM), então presidente do Senado, sobre suspeitas de irregularidades nas compras de fazendas de Geddel.

Em tempo: um dos passatempos prediletos de Geddel é ofender a mãe de quem o critica, como se pode ver aqui.

5 comentários

  • Jales

    MEUS AMIGOS:—TEXTO FOLHA DE SÃO PAULO–POR ISSO EU DIGO DESGOVERNO DE LADRÕES.

    Um primo e um sobrinho de Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) são representantes junto ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) do condomínio La Vue, o espigão de luxo em uma das áreas mais nobres de Salvador que o ministro tem usado sua força política para liberar. Além de Geddel, outros membros de sua família também têm apartamentos no empreendimento, cujos preços chegam a R$ 2,6 milhões. Na semana passada, Marcelo Calero deixou o comando da Cultura denunciando a conduta ilegal de Geddel. Apesar de todas as provas contra seu braço-direito, o presidente Michel Temer decidiu mante-lo no cargo. Ontem, líderes da base aliada se posicionaram publicamente a favor da permanência de Geddel no governo.

    As informações são da Folha de S.Paulo.

    “Em um documento anexado no processo administrativo que tramitou junto ao Iphan, a Porto Ladeira da Barra Empreendimento, empresa responsável pelo La Vue, nomeou como procuradores os advogados Igor Andrade Costa, Jayme Vieira Lima Filho e o estagiário Afrísio Vieira Lima Neto.
    Jayme é primo de Geddel e sócio dele no restaurante Al Mare, em Salvador. Afrísio é filho do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel.
    A procuração foi assinada em 17 de maio de 2016, cinco dias depois de Geddel tomar posse como ministro. Ela não tem prazo de validade.
    Semanas antes, ainda na gestão Dilma Rousseff (PT), o Iphan havia embargado a obra por considera que o prédio afetaria monumentos tombados da região como o Forte de São Diogo e a Igreja de Santo Antônio da Barra.
    O documento possibilita aos advogados e ao estagiário “representar o outorgante [empreendimento La Vue], conjunta ou separadamente, perante o Iphan”, dando poderes para “interpor recursos perante qualquer juízo, instância ou tribunal”.
    O outro signatário da procuração, o advogado Igor Andrade Costa, é sócio de Jayme num escritório de advocacia.
    Costa ainda assina como representante legal do empreendimento na ata de constituição do condomínio do La Vue registrada em cartório de imóveis de Salvador.
    A procuração que colocou parentes de Geddel como representantes do La Vue junto ao Iphan foi assinada depois de o ministro ter adquirido o apartamento.
    A Folha ainda apurou que, além de Geddel, outros parentes do ministro adquiriram apartamentos no La Vue.”

    IMAGINARAM SE FOSSE ALGUM POLITICO DO PT OU O PRÓPRIO LULA—COMPARE COM O TRIPLEX DO GUARUJÁ ONDE ONTEM DELCIDIO EM SUA DELAÇÃO DESMENTIU O JUIZ MORO E SEUS CAPANGAS.

  • Antonio Carlos e Silva

    PERGUNTA PARA OS COXINHAS PODRES E CORRUPTOS.

    Geddel, cadê o comprovante de depósito da compra do apartamento
    O jornalismo dos grandes veículos brasileiros se tornou algo absolutamente desprezível há tempos, mas isso não significa que todos os repórteres e profissionais dessas empresas joguem o jogo da esculhambação.
    Sendo assim, já que o Geddel provavelmente não vai me enviar resposta, alguém poderia fazer a seguinte pergunta ao atual ministro da Secretaria de Governo:
    – Já que há uma denúncia grave de desvio de conduta por parte do ministro neste episódio e um claro conflito de interesse com a função pública que ocupa, o senhor poderia apresentar o contrato de compra e venda do referido imóvel e o comprovante de transferência bancária para sua aquisição?
    Em apresentando esses documentos o ministro não estará absolutamente livre de uma investigação acerca do episódio e nem livre de ter de passar no mínimo por uma acareação com o ex-ministro da Cultura numa CPI que, se o governo fosse do PT, provavelmente já estaria instalada.
    Mas ao menos, em fazendo isso, o ministro dirimiria uma dúvida, com que recursos ele comprou um imóvel avaliado em 2,5 milhões de reais. Como conseguiu tanto dinheiro Sr. Ministro? Foi emprestado do Aécio, do Serra, do Renan, do Jucá, do Alkimin, do Agripino, do Moro ou do Gilmar Mendes?

  • Cidadão

    Esse pais não tem solução!

  • BRITO

    COXINHAS PODRES O LÍDER DA QUADRILHA DO GOLPE O RATO TEMER SAIU DO BURACO.
    BOMBA: CALERO DIZ QUE TEMER TAMBÉM O PRESSIONOU A LIBERAR OBRA ILEGAL.

    Não foi só Geddel Vieira Lima que pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a liberar uma obra ilegal em Salvador; em seu depoimento à PF, Calero afirmou que Michel Temer também o pressionou a liberar o espigão de 107 metros de altura, onde Geddel tem um imóvel de R$ 2,4 milhões; “O depoente foi convocado pelo presidente Michel Temer a comparecer no Palácio do Planalto; que nesta reunião o presidente disse ao depoente que a decisão do Iphan havia criado ‘dificuldades operacionais’ em seu gabinete, posto que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado; que então o presidente disse ao depoente para que construísse uma saída”, disse Calero, referindo-se à pressão exercida por Temer, que também lhe disse que “a política tinha dessas coisas”; Globo pediu nesta quinta-feira a demissão de Geddel; pedirá a de Temer também?
    Não foi só Geddel Vieira Lima que pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, a liberar uma obra ilegal em Salvador, que agride o patrimônio histórico da capital baiana.
    Em seu depoimento à Polícia Federal, Calero afirmou que Michel Temer também o pressionou a liberar o espigão de 107 metros de altura, onde Geddel tem um imóvel de R$ 2,4 milhões.
    Eis um trecho de seu depoimento:

    “Que na quinta, 17, o depoente foi convocado pelo presidente Michel Temer a comparecer no Palácio do Planalto; que nesta reunião o presidente disse ao depoente que a decisão do Iphan havia criado ‘dificuldades operacionais’ em seu gabinete, posto que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado; que então o presidente disse ao depoente para que construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU [Advocacia-Geral da União], porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução (…) Que, no final da conversa, o presidente disse ao depoente ‘que a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão'”.
    Apesar de todas as evidências de que Geddel agiu em interesse próprio, Temer decidiu blindá-lo.
    Hoje, o jornal O Globo, um dos principais responsáveis pelo golpe parlamentar de 2016, pediu a demissão de Geddel (leia aqui), o que deixa no ar uma dúvida: pedirá de Temer também?
    FALA COXINHAS GOLPISTAS.

  • MEUS AMIGOS COXINHAS VAMOS BATER PANELAS? Dia 27/ll / 2.016 NA AV. PAULISTA
    DO UOL E FOLHA —-Geddel decide deixar o cargo após denúncia atingir Temer e Padilha.

    Geddel diz que tomou a decisão “diante da dimensão das interpretações dadas” ao caso
    Envolvido em acusações de tráfico de influência para liberar a obra de um prédio onde comprou um apartamento, em Salvador, o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria do Governo) pediu demissão do cargo nesta sexta-feira (25). O pedido foi enviado por e-mail ao presidente Michel Temer. Geddel, que está na Bahia, é o sexto ministro a cair por conflitos éticos.
    A demissão chega um dia após ser tornado público o depoimento do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero à Polícia Federal em que ele acusa Temer e o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) de também o terem pressionado para interceder em favor da obra ligada a Geddel. As conversas foram gravadas por Calero, que negou que tenha pedido audiência com Temer apenas com essa intenção.
    Em sua carta de demissão, Geddel afirma que tomou a decisão “diante da dimensão das interpretações dadas” ao episódio e do “sofrimento dos meus familiares”, com a repercussão do caso
    O ministro diz ainda que sua decisão foi objeto de “profunda reflexão” e que continua como um “ardoroso torcedor” do governo Temer.
    Segundo o jornal “Folha de S. Paulo”, Temer decidiu deixar para a semana que vem o anúncio do substituto de Geddel. A pasta é responsável pela articulação política junto ao Congresso Nacional.
    A crise no núcleo do governo Temer teve início com entrevista de Calero ao jornal “Folha de S.Paulo” na qual o ex-ministro revelou que um dos motivos de ter pedido demissão havia sido a pressão exercida por Geddel para que o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) autorizasse a obra de um prédio de 30 andares numa região histórica de Salvador, nas imediações de monumentos tombados.
    O Iphan, órgão subordinado ao Ministério da Cultura, havia embargado a obra e exigido que a construção tivesse somente 13 andares.
    Ao deixar o cargo, Geddel perde o direito ao foro privilegiado, que faz com que ministros de Estados só possam ser julgados criminalmente pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
    A Polícia Federal remeteu o depoimento de Calero ao STF. A Procuradoria-Geral da República estudava abrir um inquérito contra Geddel para investigar a suposta pressão sobre o Iphan.
    A Comissão de Ética da Presidência da República também abriu uma investigação sobre o caso. O presidente da comissão, Mauro Menezes, afirmou hoje que o processo contra Geddel continua a tramitar mesmo após o pedido de demissão, pois ex-autoridades também podem ser punidas com a pena de censura.
    Geddel confirmou ter conversado com Calero sobre o prédio em construção, mas negou ter exercido pressão para que o Iphan liberasse a obra.
    Em nota, Temer confirmou ter tratado por duas vezes com Calero sobre a divergência com Geddel, mas negou ter pressionado o então ministro da Cultura a modificar decisão do Iphan.
    O presidente disse que sugeriu ao ministro que o tema fosse submetido à avaliação jurídica da AGU (Advocacia-Geral da União), pois o órgão federal teria “competência legal para solucionar eventuais dúvidas entre órgãos da administração pública”.
    Também por meio de nota, Padilha afirmou que procurou Calero para “sugerir” que fosse buscada uma solução jurídica para o embargo do prédio pelo Iphan junto à AGU.
    Padilha cita que a AGU tem o poder de resolver impasses jurídicos entre órgãos da administração federal. No caso do prédio na Bahia, departamento nacional do Iphan decidiu embargar a obra depois de a construção ter sido autorizada VIpor um parecer da superintendência baiana do Iphan.

    Carta de demissão de Geddel:
    “Meu fraterno amigo presidente Michel Temer,
    Avolumaram-se as críticas sobre mim. Em Salvador, vejo o sofrimento dos meus familiares. Quem me conhece sabe ser esse o limite da dor que suporto. É hora de sair.
    Diante da dimensão das interpretações dadas, peço desculpas aos que estão sendo por elas alcançados, mas o Brasil é maior do que tudo isso.
    Fiz minha mais profunda reflexão e fruto dela apresento aqui este meu pedido de exoneração do honroso cargo que com dedicação venho exercendo.
    Retornando à Bahia, sigo como ardoroso torcedor do nosso governo, capitaneado por um presidente sério, ético e afável no trato com todos, rogando que, sob seus contínuos esforços, tenhamos a cada dia um país melhor.
    Aos congressistas, o meu sincero agradecimento pelo apoio e colaboração que deram na aprovação de importantes medidas para o Brasil.
    Um forte abraço, meu querido amigo.
    Geddel Vieira Lima”
    Viva os Coxinhas o único governo que a quadrilha rouba em grupo. Vamos agora mesmo bater panelas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *