MAIS PERSEGUIÇÃO: VEREADORES E EMPRESÁRIA PRESOS POR SUPOSTA FORMAÇÃO DE QUADRILHA

A notícia está no G1, de hoje:

Foram presos na manhã desta sexta-feira (17) três vereadores e uma empresária do ramo de comunicação na cidade de Sorriso, a 418 quilômetros de Cuiabá. Todos são investigados por supostamente cometerem crimes de formação de quadrilha e concussão, ou seja, tirar vantagem do executivo municipal.

A operação ‘decoro’ foi desencadeada pelo Grupo Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). Também foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em vários pontos da cidade.

Segundo denúncia do Ministério Público, além do prefeito do município de Sorriso, o secretário de Indústria e Comércio e o procurador município estariam sendo coagidos a pagar propina, que chegaria a R$ 500 mil. Neste momento os presos estão sendo encaminhados para a sede da Polinter em Cuiabá, onde devem permanecer à disposição da justiça.

8 comentários

  • Juju 1030

    MALLET

    A defesa de Flenik
    Sobre as acusações que pesam sobre a sua administração, Cesar Flenik, afirma que tudo se resume numa questão pessoal do promotor da Comarca de Mallet contra ele e seu filho. “Virou uma questão pessoal, nós recebemos intimação todo dia aqui. Ele quer causar tumulto na sociedade, qual é o interesse público disso? Nenhum. Ele está causando constrangimento a nós que saímos na imprensa gratuitamente. Acho que é algo que o Ministério Público tinha que se ater também, é uma questão pessoal”, acusa o prefeito.

  • Juju 1030

    SANTA LEOPOLDINA

    O prefeito afastado de Santa Leopoldina, Ronaldo Prudêncio (PDT), apresentou ontem ao procurador-geral de Justiça, Fernando Zardini, denúncia contra o promotor de Justiça Jefferson Valente Muniz, autor da ação de improbidade administrativa que culminou com o afastamento preventivo do pedetista, na Operação Moeda de Troca.

    Na denúncia, o prefeito acusa o promotor de negociar com vereadores a ocupação de cargos comissionados da prefeitura e até de secretarias. Em troca, eles teriam de votar a favor da cassação de Prudêncio, na Comissão Processante instaurada na câmara após o afastamento dele. A denúncia também atinge o juiz da comarca, Carlos Campostrini Machado – que determinou o afastamento de Prudêncio.

    Em duas conversas gravadas nesta semana e encaminhadas a Zardini junto com a petição, juiz e promotor supostamente aparecem, nos termos da denúncia, ameaçando vereadores de perseguição caso o resultado do julgamento político fosse favorável a Prudêncio. Para o prefeito, as escutas evidenciam “um conluio entre promotor, juiz e vereadores para cassar a todo custo o mandato do denunciante”.

    As gravações foram feitas por vereadores aliados de Prudêncio. Ontem, o presidente da câmara, Darley Espindula (PP), e outros três parlamentares prestaram depoimento na sede do Ministério Público Estadual (MPES), Vitória, e confirmaram a denúncia. A defesa do prefeito alega que o promotor o persegue desde que ele se elegeu, em 2008, e que, após a Moeda de Troca, viria coagindo os vereadores e praticando “completa ingerência tanto na câmara como na prefeitura”.

    O prefeito pede a Zardini que o promotor seja afastado de suas funções, por abuso de autoridade, crime de ameaça e tráfico de influência. Pede, ainda, a abertura de procedimento disciplinar contra Muniz. Ele também vai oferecer representação contra o juiz Campostrini à Corregedoria Geral de Justiça, pedindo a nulidade de todas as decisões do magistrado na ação de improbidade pela qual foi afastado.

    Zardini informou que o MPES vai apurar a denúncia.

    Operação.
    Deflagrada a 16 de setembro, a Operação Moeda de Troca foi o resultado de cinco meses de investigação da Polícia Federal, que prendeu 11 pessoas por formação de quadrilha para fraudar licitações em cinco prefeituras capixabas – Santa Leopoldina, Cachoeiro, Viana, Presidente Kennedy e Serra.

    Irmão
    Entre os presos, estavam empresários que seriam benefiados em licitações e contratos emergenciais, como Aldo Martins Prudêncio, irmão do prefeito de Santa Leopoldina.

    Afastamento
    Em setembro, o juiz Carlos Ernesto Campostrini Machado decretou liminarmente o afastamento do prefeito Ronaldo Prudêncio do cargo e o bloqueio dos bens dele e de seu ex-secretário de Obras Ramilson Coutinho Ramos, preso na operação. O juiz acatou ação de improbidade movida pelo promotor de Justiça Jefferson Valente Muniz.

    O outro lado

    “Há indícios de que houve crimes”>

    Carlos Ernesto Campostrini
    Juiz de Santa Leopoldina

    O juiz Carlos Campostrini confirmou que se reuniu com vereadores, mas negou conversas sobre loteamento de cargos e disse que a situação da câmara não é de sua alçada. “Não admitirei desvios de dinheiro público. É uma tentativa de desmoralização. Há indícios de que os crimes foram cometidos”. O promotor Jefferson Muniz não retornou as ligações.

  • Juju 1030

    ITAITUBA

    Presidente da Câmara Municipal de Itaituba, vereador João Bastos Rodrigues, o “Cebola”, foi empossado pela Justiça, ontem de manhã, como prefeito do município. Ele assume por determinação do juiz da Comarca, Gleucival Estevão, que na última segunda-feira afastou liminarmente, por 180 dias, o prefeito Walmir Climaco de Aguiar (PMDB). Como o vice-prefeito, Edir Pires, também do PMDB, teve o mandato cassado pelo TRE na semana passada, acusado de infidelidade partidária, o vereador teve que
    assumir a prefeitura.

    João Bastos é o quarto prefeito que assume o executivo municipal em menos de quatro anos. É que, antes de Climaco, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) afastou os ex-prefeitos Roselito Soares e Silvio de Paiva Macêdo.

    Climaco é alvo de ação civil pública movida pelo MP, que aponta o gestor como responsável por uma série de irregularidades. Em sua defesa, o prefeito agora afastado tem alegado que estaria sendo perseguido pelo promotor e que o MP estaria agindo de forma parcial.

  • Juju 1030

    TADINHOS DOS PREFEITOS, TODOS SOFREM PERSEGUIÇÃO!

    ISSO MOSTRA QUE O PARINI NÃO É O ÚNICO.

  • Martini

    Tem noticias um pouco confusa sobre

    CASO CARROÇA, a Radio Peão da cidade esta forte

    sobre isso

  • ORLANDO MATHEUS

    O bebâdo chegou num bar com as duas orelhas queimadas,cheia de esparadrapos.O botequeiro lhe perguntou o que tinha ocorrido . ele disse-lhe : Ontem minha patroa foi viajar , eu tava passando roupas ,tava mamado ,ai tocou o telefone atendi com o ferro eletrico .Mas e a outra orelha tambem queimada ? O FILHADAPUTA ligou de novo hic hic ! Santos fc clube campeao de tudo este ano , segura ai Cardosinho ! E´pra cabá com o piqui de goiás e os queijos de minas !!! Aguenta coraçao Santista !

  • anjo

    Sobre Santa Leopoldina.
    O loteamento de cargos é fato por quem vive em santa leopoldina. O advogado contratado após as demissões devido À operação do ministerio publico é filho do senhor funcionário do forum do município um dos autores da denuncia inicial. O secretario de finanças na gestao do prefeito afastado pediu demissão pouco antes de defragada a operação e é suspeito de ser informante do promotor e apos o afastamento do prefeito reassumiu o cargo. Hoje é concursado e assumiu recentemente o cargo de contador e acumula como secretário municipal o que é ilegal. Se o promotor queria tanto moralizar a prefeitura como permite isso – é uma moeda de troca pelos serviços prestados? mesmo aquele funcionario tendo participado de comissões de licitação sem ser punido como os demais membros (Yara, Paulo, Andreia, Ramilson e Dorio). Tem coelho neste mato.Como o promotor permitiu que houvesse nepotismo mesmo após denuncia entre tia e sobrinha com cargos comissionados quando não permitia na adiministração do Ronaldo (acusado). Poderia ter coisas erradas na adiministração mas també na área do Ministerio público na pessoa do promotor e no do juiz que fazem justiça de acordo com suas consveniencias e não na base da lei.

Deixe uma resposta para ORLANDO MATHEUS Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *