MESÓPOLIS: BOAS E MÁS NOTÍCIAS

Nem deu tempo para o prefeito Otávio Cianci, de Mesópolis, comemorar uma boa notícia e já lhe caiu um balde de água fria sobre a cabeça. Notícia do site Ethos On Line, publicada na semana passada, dava conta de que o juiz da 4ª. Vara Cível de Jales havia indeferido o pedido de indisponibilidade dos bens de Otavinho e de alguns de seus assessores, conforme havia sido requerido pelo promotor André Luiz de Souza, em Ação Civil Pública por conta de supostas fraudes em licitações. O juiz entendeu que não havia nos autos provas de que os acusados estivessem tentando ocultar, desviar ou dilapidar seus respectivos patrimônios para frustar um eventual ressarcimento ao erário, em caso de a Ação ser julgada procedente. Ponto para Otavinho e sua turma, mas a Ação – cujo valor chega a mais de R$ 1,6 milhão – continua correndo na Justiça.

E como alegria de pobre dura pouco – diz a sabedoria popular – nesta semana sobreveio a má notícia. Em uma outra Ação Civil Pública, também subscrita pelo promotor André Luiz de Souza, do Ministério Público de Jales, a juiza substituta Luciana Conti Puia julgou improcedente o pedido de impugnação do valor da causa feito por Moacir Pereira, diretor de Planejamento da Prefeitura de Mesópolis. Moacir e os outros envolvidos queriam baixar o valor da causa – mais de R$ 1 milhão – para “apenas” R$ 329 mil, o que lhes foi negado pela Justiça.  Em resumo, a juiza entende que o valor atribuído à causa pelo promotor corresponde ao valor integral dos pedidos condenatórios que estão sendo pleiteados pelo representante do Ministério Público.  Além de Moacir, a Ação envolve como requeridos o prefeito Otávio Cianci, os servidores públicos Vilma Alexandrina Santana, Andréia Savatin, Jaqueline Brito Brandão, Rosana Cláudia Moraes Pavão e José Domingues Filho; os empresários José Júlio Dias  e Sirlene Moraes Dias e as empresas Dias & Moraes Serviços de Limpeza Ltda,   Sirlene Moraes Dias ME  e   J.J.Dias & Moraes Cia de Madeira Ltda. A acusação é de suposta fraude praticada em processo licitatório. 

E cá entre nós, a coisa parece meio suspeita mesmo.  Reparem que os sobrenomes Moraes e Dias aparecem em todas as empresas envolvidas na licitação.  Aí também já é dar muita sopa pro azar!   As notícias completas estão no site Ethos On Line, que pode ser acessado no link aí do lado direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *