SUBSTITUIÇÃO DE MINISTROS NO GOVERNO TEMER É UMA TROCA DE CÚMPLICES

Abaixo, trechos de artigo escrito pelo blogueiro Josias de Souza, sobre a escolha da deputada Cristiane Brasil(PTB) para ocupar o comando do Ministério do Trabalho. 

Convém lembrar que o ministro anterior – também indicado pelo ex-deputado Roberto Jefferson, um “herói do combate à corrupção”, segundo o ex-urubólogo Alexandre Garcia – deixou o cargo sob suspeitas de corrupção. O artigo completo pode ser lido aqui. Eis os trechos:

Em qualquer país do mundo, um volume de 12,5 milhões de desempregados levaria o governo a tratar com reverência uma pasta batizada de Ministério do Trabalho. No Brasil de Temer, esse pedaço vital da máquina pública pertence ao PTB. E passará a ser gerenciado pela deputada Cristiane Brasil, filha do ex-deputado Roberto Jefferson.

Que beleza! Os empregos continuam sumidos. Mas o governo sujo de Temer resgatou a imagem mal lavada do clã de Jefferson. “Alvíssaras!”, gritarão os desempregados nas filas, brandindo seus currículos inúteis. O nome de Cristiane soou na delação da JBS como participante de negociação que rendeu R$ 20 milhões ao PTB. O dinheiro comprou o apoio da legenda à candidatura presidencial de Aécio Neves em 2014. Cristiane foi mencionada também na delação da Odebrecht como beneficiária de mochila com R$ 200 mil.

Nada disso resultou, por ora, em investigação, apressa-se em dizer a filha de Jefferson. Preocupação tola. Num governo presidido pelo primeiro presidente da história a ser denunciado criminalmente no exercício do mandato, um par de menções em inquéritos vale como medalhas de honra ao mérito..

Assumirá a vaga de Cristiane na Câmara dos Deputados um suplente do também governista PSD, partido controlado pelo ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia). Chama-se Nelson Nahin. É irmão de um político manjado: Anthony Garotinho. Arrasta a bola de ferro de uma condenação a 12 anos de cadeia por exploração sexual de menores e adolescentes no Rio de Janeiro. Passou uma temporada de quatro meses atrás das grades. Foi libertado em outubro passado, graças a um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal.

O condenado Nahin será recepcionado na base congressual de Temer com fogos de artifício. Se der uma declaração a favor da reforma da Previdência, verá um tapete vermelho estender-se sob seus pés na entrada do Palácio do Planalto. Não demora e estará na fila das emendas e dos cargos, pois em Brasília nada se cria, nada se transforma, tudo se corrompe.

Estima-se que até o início de abril, prazo limite para que os candidatos deixem seus cargos no Poder Executivo, pelo menos 17 ministros pedirão para sair. Mantido o padrão das primeiras substituições, os partidos que enxergam na Esplanada oportunidades de negócios não perdem por esperar. Ganham!

O problema não começa nas legendas. Começa no presidente, que oferece graciosamente os ministérios. Temer não é o primeiro a fazer isso. É apenas um dos mais despudorados. Se existem áreas abertas à barganha mesmo com a Lava Jato a pino é porque o cinismo tornou-se uma marca indissociável do atual governo. PTBs e PRBs apenas jogam o jogo que lhes é proposto. E Temer decidiu tratar a reforma de sua equipe de governo não como uma substituição de ministros, mas como uma troca de cúmplices.

6 comentários

  • OLHA A HISTÓRIA DESSA LACRAIA DA DIREITA BRASILEIRA–FILHA DO PAI LADRÃO EX – DEPUTADO JEFFERSON.

    Nova Ministra de Temer já foi detida, citada em delações e protestava “contra corrupção”
    TEXTO DA VEJA

    Escolhida pelo presidente Michel Temer (PMDB) para o Ministério do Trabalho, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) foi citada nas duas delações premiadas que sacudiram a política brasileira em 2017: a da Odebrecht e a da JBS. Executivos das empresas atribuíram a Cristiane, filha do ex-deputado federal Roberto Jefferson, cacique-mor do PTB e delator do mensalão, participação na negociação da suposta venda do apoio político do partido e o recebimento de dinheiro via caixa-dois nas eleições de 2014.
    O ex-diretor de Relações Institucionais da JBS Ricardo Saud disse aos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) que a empresa comprou o apoio petebista à campanha presidencial do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A nova ministra foi uma das principais articuladoras da adesão do partido, então na base aliada da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), às fileiras aecistas naquele ano.
    Conforme o delator, Cristiane e o deputado federal Benito Gama (PTB-BA) indicaram o tesoureiro do PTB Luiz Rondon para receber 20 milhões de reais, suposto “preço” do apoio do partido ao tucano. Saud afirma que 17 milhões de reais foram doados oficialmente a diretórios estaduais do PTB, 2 milhões entregues a Rondon em dinheiro vivo e um milhão de reais, depositado em contas indicadas pelo tesoureiro.
    “Quatro milhões [foram] para o Rio de Janeiro, que é a origem da Cristiane Brasil e do Roberto Jefferson”, afirmou Ricardo Saud. Cristiane declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) doações de 5,3 milhões de reais em 2014, dos quais 2 milhões de reais vieram da Flora Produtos de Higiene e Limpeza e 1,9 milhão de reais, da JBS. Os valores, correspondentes a 73,5% do total injetado na campanha dela, foram doados ao diretório fluminense do PTB, que repassou o dinheiro à candidata.
    Outro delator a citar a nova ministra do Trabalho foi Leandro Andrade, executivo da Odebrecht. Ele afirmou ao MPF que Cristiane Brasil foi pessoalmente a um escritório no Rio de Janeiro para retirar 200.000 reais em espécie. Andrade narrou que, durante a suposta entrega do montante, levado ao local por um operador, um “fato pitoresco” aconteceu. Cristiane teria ficado incomodada com uma câmera na sala. “Existia uma câmera para fazer conference call e Skype com minhas obras no interior. Ela ficou super incomodada com aquilo, achando que eu estava gravando aquele momento. Ela perguntou: ‘mas aquilo ali funciona?’. Eu percebi o constrangimento e falei: ‘não se preocupe que aquilo não é…’. Eu mesmo fui lá, tirei a câmera e botei no chão”, relatou.
    O Supremo Tribunal Federal (STF) não determinou abertura de inquérito para investigar o suposto recebimento de dinheiro por Cristiane Brasil.
    A nova ministra não recebeu doações da Odebrecht em sua campanha a deputada em 2014. Sua prestação de contas eleitorais, contudo, mostra um aporte de 166.000 reais da Cervejaria Petrópolis, apontada por delatores da Odebrecht como “laranja” de doações da empreiteira. Conforme os relatos, a Petrópolis fazia doações a políticos indicados pela Odebrecht e os valores eram abatidos da construção de fábricas da cervejeira.
    Apesar das citações em delações por irregularidades no financiamento de campanhas – acusações que precisam de provas para seguir à frente na Justiça – o mais notório enrosco da nova ministra com a lei se deu no dia do primeiro turno das eleições de 2014. Cristiane Brasil foi detida na Zona Sul do Rio de Janeiro pela prática de boca de urna. Ela teria pedido votos em Aécio Neves perto de seções eleitorais. “Passei pelo constrangimento de ter meu direito ao voto confundido com a prática ilegal da boca de urna, ato que jamais pratiquei, nem em minha própria campanha”, afirmou na ocasião. Ela foi liberada depois de prestar esclarecimentos em uma delegacia.
    O GOVERNO ONDE SÓ TEM MINISTROS LADRÕES, OTÁRIOS, SALAFRÁRIOS, CRÁPULAS E CORRUPTOS E O PODER JUDICIÁRIO É PODRE.

  • Acreditar jamais

    Os coxinhas perderam a moral de vez mesmo. Vergonha

  • OSCAR HALIO

    mais uma piada de mal gosto do veinho. desconta toda sua falta de popularidade em cima do povão que da nota baixa pra ele. cada ´pesquisa uma pancada na gente.

  • A DIREITA SALAFRÁRIA COMANDA POR UM CORRUPTO QUE SÓ TEM MINISTRO PROCESSADO PELA LAVA JATO:—–

    Temer, o sádico, pôs uma escravocrata no Ministério do Trabalho.

    O que esse país vem assistindo desde a ascensão de Michel Temer ao cargo de presidente da República é algo realmente assombroso.

    Desde que o pesadelo da ditadura militar foi oficialmente superado, não sofríamos um atentado tão brutal à nossa soberania nacional, aos direitos trabalhistas, à produção de conhecimento e à própria dignidade humana dos brasileiros.
    Alçado ao poder da forma mais ultrajante que um homem pode se utilizar: pela via da traição, a canalha que se serviu dos antros da República fez refletir os mais obscuros desígnios de seu comandante supremo.
    Rodeado pela mais vexaminosa escória já produzida pela política brasileira, Temer realmente conseguiu escalar uma verdadeira seleção de criminosos confessos, investigados e condenados jamais vista na esplanada dos ministérios.
    Não é tarefa fácil indicar qual dos seus ministros, entre os que passaram e os que ainda persistem, ofende mais à moral e à razão pública.
    Dos que atualmente encontram-se encarcerados, Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves, ambos são legítimos exemplares das “pessoas de bem” que, “contra a corrupção”, aderiram alegremente ao golpe.
    A dupla de apenados já seria mais do que suficiente para demonstrar o caos a que essa nação foi exposta desde que a democracia foi ferida de morte neste país.
    Mas o mal não vem só à galope, vem também à profusão.
    De uma ministra dos Direitos Humanos negra – e racista – à um ministro da educação praticamente um analfabeto funcional, passando, claro, pelo inominável Carlos Marun, o que temos é um massacre impiedoso do governo central contra o povo brasileiro.
    No embalo da tradição formada, ao sair o cidadão que entrou para a história como o cretino que quis legalizar o trabalho escravo – pensando nas eleições, revogou sua própria proposta – Temer não deixou por menos e nomeou em seu lugar não um simpatizante, mas uma escravocrata convicta já carimbada pela justiça.
    Cristiane Brasil, a filha de Roberto Jefferson indicada para a pasta do Ministério do Trabalho (é inacreditável que tenhamos que escrever isso) já foi condenada por obrigar o seu motorista a trabalhar 15 horas por dia.
    É essa mulher que Michel Temer e sua corja escolheram para cuidar do ministério responsável pela criação de empregos num país de 13 milhões de desempregados.
    Uma vez rasgada a Consolidação das Leis Trabalhistas, agora uma senhora de escravos dos tempos modernos irá ditar as políticas de como serão empregadas, ou escravizadas, essa legião de errantes num país em que o futuro passou repentinamente a andar de marcha-a-ré.
    Até posso entender que é difícil para o presidente encontrar alguém com dignidade e vergonha na cara que tope participar dessa pocilga a que ele chama de governo, mas Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho não é só incompetência, inaptidão, falta de escolha e virulência, é sadismo puro.
    É bem verdade que a passividade com que o povo brasileiro está se deixando amordaçar e ser sodomizado meio que o incentivam, quase que o autorizam, a fazer o que está fazendo.
    Na falta de quem diga um “basta”, tudo parece estar sendo permitido e consentido com aquele estranho prazer de quem consegue enxergar na dor, no sofrimento e na humilhação a relação perfeita entre dominador e dominado.
    Não fosse uma tragédia, seria cômico, hilário até, que um velho diagnosticado com infecção urinária e que precisa de uma sonda para fazer parte de suas necessidades básicas esteja empalando um país inteiro.
    Em tempo, como se tudo isso já não fosse o bastante, o suplente que assumirá a vaga de Cristiane Brasil é o senhor Nelson Nahim, outro “cidadão de bem” condenado a 12 anos de prisão num processo onde foi acusado por exploração sexual de menores e tráfico de drogas.
    ESSE É O GOVERNO MAIS CORRUPTO E CRÁPULA DA HISTÓRIA REPUBLICANA DO BRASIL.

  • Senhores que participam do blog de uma maneira ou outra esse primeiro Acreditar Jamais ****que escreveu os coxinhas perderam a moral de vez mesmo. Vergonha. **** Não representa o segundo Acreditar Jamais, logo a baixo deve ser um Demente Senil, apesar de um concordar com suas palavras.

  • Thiago

    Que loira maravilhosa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *