TRIPLEX: GLOBO RECUA, CRITICA RELATÓRIO DA PF E DIZ QUE LULA É INOCENTE

images_cms-image-000514192

A notícia é do Brasil 247:

Parece mentira, mas é verdade. Na noite de ontem, o grupo Globo de comunicação, que há mais de dois anos tenta destruir o ex-presidente Lula, recuou.

Em texto publicado no site da revista Época, por ninguém menos que o próprio editor-chefe da revista, afirma-se que o relatório da Polícia Federal sobre o chamado “triplex de Lula”, que provocou o indiciamento do ex-presidente e da ex-primeira-dama Marisa Letícia, é fraco e sem provas.

“É fraco o relatório da Polícia Federal sobre o caso do tríplex ligado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, diz o texto. Segundo a análise, o relatório da PF “falha no que lhe é mais essencial: demonstrar que o caso do tríplex envolve corrupção e lavagem de dinheiro – e que Lula e os demais indiciados cometeram esses crimes.”

Portanto, se os crimes não estão demonstrados, Época sugere que Lula é inocente e vai além. Diz que a denúncia do Ministério Público, a ser oferecida ao juiz Sergio Moro e que foi antecipada pelo próprio Globo, terá que ser bem mais consistente do que o relatório da Polícia Federal. “A peça dos procuradores terá de superar as fragilidades apresentadas pelo relatório final da PF. Caso contrário, a acusação terá grandes chances de ser considerada inepta – de ir para o lixo”, diz o texto de Época.

A grande questão é saber por que a Globo recuou, mas há algumas hipóteses: (1) o risco de sair derrotada no golpe de 2016, com uma eventual vitória de Dilma e Lula, (2) a percepção generalizada na imprensa do mundo civilizado de que há um golpe, com a participação direta da Globo, e uma caçada judicial a Lula, como foi denunciado à ONU e (3) a busca de um pacto para evitar a destruição do sistema político brasileiro, depois que líderes tucanos, como José Serra e Aécio Neves, foram atingidos por acusações bem mais sérias do que as que pesam contra Lula.

Enquanto Serra foi delatado por um caixa dois de R$ 23 milhões, pago no exterior, pela Odebrecht, e Aécio por propinas de 3% nas obras da Cidade Administrativa, em Minas Gerais, pela OAS, a acusação contra Lula é de que ele seria beneficiário de reformas num imóvel, que, segundo o cartório de registro, pertence à construtora – e não ao ex-presidente.

6 comentários

  • Queremos todos na cadeia!

    Os petistas estão felizes pois até o Cardozinho publica a opinião da arqui inimiga “Revista Época” aliás a lista se estende a Veja, Folha, Estadão e assim vai, pois formam a “midia golpista” ( eleita pelos petistas) porem as noticias preferidas de Lula e Dilma são do site petista “Brasil 247”.
    A opinião da mídia pouco importa para a Policia Federal mas sabemos que o STF (não deixou Lula ser preso) e a PGR (soltou um ex ministro petista) são imparciais.
    Até Rodrigo Janot anulou a delação premiada (citada pelo Cardozinho) da OAS ser aceita pois entregava Lula, Dilma, Serra, Aécio e Toffoli
    Certamente queremos fora todos que roubaram e não queremos acordo de Lula, Dilma, Serra, Aécio, ou que for…………

  • Só falta um!

    Hoje, Temer, Dilma e Lula estão abrindo as suas carteiras de dinheiro (da Petrobras) para “comprar” os senadores para votarem no impeachment de Dilma.
    Temer tem mais do que oferecer só dinheiro pois tem cargos e mais cargos pois teve o tempo suficiente para negociar alem disso, Dilma oferece “vantagens” se ficar.
    Após a saída de Dilma, Lula sabe que o próximo será ele pois já tem 6 processos. Qualquer hora, a “bomba” estoura

  • RESULTADO

    VIVA O TEMER.

    Desemprego sobe a 11,6% e atinge 11,8 milhões de trabalhadores, aponta IBGE.
    O desemprego no país atingiu, em média, 11,6% no trimestre de maio a julho. Essa é a maior taxa já registrada pela pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que começou a ser feita em 2012.
    No período, o número de desempregados no Brasil subiu para 11,8 milhões de pessoas, que também é o maior já registrado pela pesquisa.
    São 436 mil desempregados a mais do que no trimestre anterior (de fevereiro a abril), crescimento de 3,8%. Em um ano, são 3,2 milhões de pessoas a mais sem emprego, um aumento de 37,4%.
    Os dados foram divulgados nesta terça-feira (30) e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE. A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).
    Comparação com resultados anteriores.
    No trimestre de maio a julho de 2016, a taxa de desemprego foi de 11,6%:
    no trimestre de fevereiro a abril, havia sido de 11,2%;
    no trimestre de abril a junho, havia sido de 11,3%
    um ano antes (maio a julho de 2015), havia sido de 8,6%.
    O número de desempregados chegou a 11,8 milhões:
    no trimestre de fevereiro a abril, havia sido de 11,4 milhões
    no trimestre de abril a junho, havia sido de 11,6 milhões
    um ano antes (maio a julho de 2015), havia sido de 8,6 milhões.
    Número de trabalhadores
    O número de pessoas com trabalho ficou em 90,5 milhões no trimestre até julho, resultado considerado estável pelo IBGE em comparação com o trimestre anterior (90,6 milhões).
    Em um ano, o total de trabalhadores caiu 1,8%, o que equivale a 1,7 milhão de pessoas.
    Rendimento cai 3% em um ano
    O rendimento real (ajustado pela inflação) do trabalhador caiu e ficou em R$ 1.985 no trimestre terminado em julho deste ano.
    Na comparação com o trimestre anterior (R$ 1.997), o rendimento teve queda de 0,6%. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado (R$ 2.048), caiu 3%.
    Diminui número de carteiras.
    O número de empregados com carteira assinada ficou em 34,3 milhões, enquanto no trimestre de fevereiro a abril havia sido de 34,5 milhões.
    Em um ano, a queda foi de 3,9%, o que representa uma perda de cerca de 1,4 milhão de carteiras.
    VIVA O DESGOVERNO DO RATO GOLPISTA TEMER E SUA DIREITA.

  • RESULTADO

    VIVA O TEMER.

    Desemprego sobe a 11,6% e atinge 11,8 milhões de trabalhadores, aponta IBGE.
    O desemprego no país atingiu, em média, 11,6% no trimestre de maio a julho. Essa é a maior taxa já registrada pela pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que começou a ser feita em 2012.
    No período, o número de desempregados no Brasil subiu para 11,8 milhões de pessoas, que também é o maior já registrado pela pesquisa.
    São 436 mil desempregados a mais do que no trimestre anterior (de fevereiro a abril), crescimento de 3,8%. Em um ano, são 3,2 milhões de pessoas a mais sem emprego, um aumento de 37,4%.
    Os dados foram divulgados nesta terça-feira (30) e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE. A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).
    Comparação com resultados anteriores.
    No trimestre de maio a julho de 2016, a taxa de desemprego foi de 11,6%:
    no trimestre de fevereiro a abril, havia sido de 11,2%;
    no trimestre de abril a junho, havia sido de 11,3%
    um ano antes (maio a julho de 2015), havia sido de 8,6%.
    O número de desempregados chegou a 11,8 milhões:
    no trimestre de fevereiro a abril, havia sido de 11,4 milhões
    no trimestre de abril a junho, havia sido de 11,6 milhões
    um ano antes (maio a julho de 2015), havia sido de 8,6 milhões.
    Número de trabalhadores
    O número de pessoas com trabalho ficou em 90,5 milhões no trimestre até julho, resultado considerado estável pelo IBGE em comparação com o trimestre anterior (90,6 milhões).
    Em um ano, o total de trabalhadores caiu 1,8%, o que equivale a 1,7 milhão de pessoas.
    Rendimento cai 3% em um ano
    O rendimento real (ajustado pela inflação) do trabalhador caiu e ficou em R$ 1.985 no trimestre terminado em julho deste ano.
    Na comparação com o trimestre anterior (R$ 1.997), o rendimento teve queda de 0,6%. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado (R$ 2.048), caiu 3%.
    Diminui número de carteiras.
    O número de empregados com carteira assinada ficou em 34,3 milhões, enquanto no trimestre de fevereiro a abril havia sido de 34,5 milhões.
    Em um ano, a queda foi de 3,9%, o que representa uma perda de cerca de 1,4 milhão de carteiras.
    VIVA O DESGOVERNO DO RATO GOLPISTA TEMER E SUA DIREITA.

  • ELA

    O GOVERNO CO CORRUPTO TEMER-VEJA PARA ONDE VAMOS.

    Sem pedalada, rombo nas contas do governo cresce 140% e soma R$ 18,6 bi em julho
    Governo Temer.
    As contas do governo federal fecharam o mês de julho com deficit de R$ 18,6 bilhões, aumento de 140% em relação ao resultado negativo do mesmo período do ano passado, já descontada a inflação do período.
    No mês passado, o Tesouro Nacional realizou o pagamento semestral de subsídios para os bancos públicos, no valor de R$ 9,2 bilhões. Desde o início do ano, o governo adotou a regra de dois pagamentos ao ano, de forma a acabar com as “pedaladas fiscais” adotadas no governo Dilma.
    Os dados divulgados nesta terça-feira (30) pelo Tesouro Nacional mostram ainda deficit de R$ 51,1 bilhões no acumulado do ano, ante R$ 8,9 bilhões nos sete primeiros meses do ano passado.
    Como tem ocorrido em todos os meses deste ano, os números são os piores já registrados pelo Tesouro, cuja série histórica começa em 1997.
    O Congresso autorizou o governo a fazer um deficit de até R$ 170,5 bilhões em 2016. O deficit acumulado em 12 meses soma R$ 163,3 bilhões até julho deste ano, cerca de R$ 10 bilhões acima do verificado até junho.
    Brasil aprofunda recessão em 2015.

    INSS
    Em julho, a Previdência Social registrou deficit de quase R$ 12 bilhões, aumento de 92% na comparação anual.
    “O crescimento do deficit da Previdência Social tem sido o principal condicionante do resultado primário do governo”, afirma o Tesouro em nota. No ano, o deficit cresceu 67% além da inflação, para R$ 73,4 bilhões.
    Segundo o governo, o resultado está influenciado pela greve do INSS no segundo semestre de 2015, que atrasou a concessão de benefícios.

    QUEDA NA ARRECADAÇÃO

    A recessão econômica derrubou as receitas do governo federal, que recuaram 6,8% no acumulado do ano. A arrecadação de tributos caiu mais (-7,3%). A diferença se explica pela entrada de recursos de um leilão de usinas hidrelétricas do ano passado. O governo recebeu R$ 17,4 bilhões, divididos nos meses de janeiro, junho e julho.
    O Tesouro estima que a carga tributária associada à arrecadação de tributos da Receita Federal esteja em 12,7%, depois de chegar ao pico de 14,5% em novembro de 2011.
    As despesas do governo federal, por outro lado, cresceram 0,8% acima da inflação neste ano. O governo aumentou os gastos com Previdência, subsídios e abono salarial e seguro desemprego, principalmente. E cortou as despesas dos ministérios e os investimentos do PAC.
    Este é o governo golpista, praticando sua politica econômica no Brasil, pagando deputados federais e senadores para o impeachment da presidência e afundando o país cada vez mais, colocando a culpa é logico, no INSS, nas Pedaladas, no pagamento das Pedaladas, na inflação, no pagamento dos subsídios dos bancos públicos, do deficit acumulado e na queda da arrecadação.
    Mas a realidade desse rombo, vou dar dois exemplos:—
    1. aumento para os servidores do Poder Judiciário de 42%.
    2.gastos com Dep. Federais e Senadores para aprovarem o Impeachment.
    Quero ver o resultado dessa Baderna daqui uns seis meses, ou seja quem vai pagar esse Rombo? Os brasileiros trabalhadores, pois os 1% dos capitalistas só vão engordar e dar risada do golpe. Podem ter certeza, vem aumento de impostos e o CPMF.
    Quero que essa direita capitalista, fascista e golpista, comandada pela quadrilha do PMDB, PSDB e DEM se explodam.
    O que aqui se faz aqui se paga.

  • Eduardo Cunha... o malvado favorito

    Michel Temer também tem culpa no cartório…
    O PMDB endossou tudo o que o PT fez!
    Vai chegar a hora dele!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *