UNIVERSIDADE BRASIL DIZ QUE VAI ACIONAR CORREGEDORIA E CONSELHO SUPERIOR CONTRA MPF

E a guerra de informações entre a Universidade Brasil e o MPF continua. Eis a última novidade, divulgada pelo portal DL News:

A Universidade Brasil informou na segunda-feira (23) que vai acionar a Corregedoria e o Conselho Nacional do Ministério Público Federal (MPF) para investigar suposta prática de abuso de autoridade do MPF.

Nota divulgada no site o Ministério Público Federal, na última sexta-feira (20), acusou a Universidade Brasil de utilizar documentos falsos para obter liminar junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que garantiu o número de vagas do curso de Medicina de Fernandópolis.

Por meio da assessoria de imprensa, a instituição disse que a informação é caluniosa e que repudia o comunicado. A Universidade disse ainda que os documentos levados aos autos são verídicos. “O próprio MPF, no julgamento do TRF-1, tentou imputar falsidade aos documentos, o que foi rechaçado pelos desembargadores”, afirmou.

A instituição disse que as recentes decisões judiciais se alinham à posição defendida pela unidade sobre o número de vagas ofertados no curso de Medicina em Fernandópolis.

“Em decisão colegiada, de forma unânime, no dia 16/12/2019, a sexta turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região em Brasília decidiu por reconhecer a legalidade do quantitativo de alunos regularmente matriculados no curso de Medicina da Universidade Brasil”, diz a nota.

A instituição também afirmou que vai mover ação indenizatória contra o Estado. “Os recursos provenientes da demanda serão aplicados na viabilização de um hospital universitário na região de Fernandópolis”, disse a Universidade Brasil, por meio da assessoria.

Investigações:

A instituição é alvo de investigações e ações da Procuradoria da República em Jales (SP) por irregularidades na criação e no preenchimento de vagas no curso de Medicina em Fernandópolis (SP). Segundo denúncias de alunos, vagas para o curso eram negociadas por R$ 120 mil. A atuação de um ex-diretor do MEC no esquema é investigada. Os donos da universidade foram presos em setembro pela Polícia Federal. Eles já foram libertados.

1 comentário

  • O rico e sua distancia da cadeia

    No Brasil, o rico dificilmente vai preso ou permanece preso. É o caso desses bandidos desta universidade que vendiam vagas em medicina com financiamento do Fies. Logicamente pagavam propina para o fiscal do MEC.
    O dono da UB já saiu da cadeia e dificilmente voltará. Seus advogados vão brigar eternamente com a justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *