EM CAMPO GRANDE, PROFESSOR JALESENSE DIZ TER ORGULHO DA PROFISSÃO, MAS LAMENTA RUMOS DA EDUCAÇÃO

A notícia é do portal O Pantaneiro, de Campo Grande(MS):

“A educação mudou a minha vida e a da minha família. Meus pais não tem estudo. Vivíamos num sítio e trabalhávamos na roça. Hoje eu sou professor, minha irmã também é, além do meu cunhado e da minha esposa. Acreditamos que a educação salva e transforma uma pessoa”.

Leandro Colombo Pedrini (de camisa preta, na foto), tem 36 anos, há 14 é professor do município, e há quatro assumiu a direção de uma escola estadual. Com uma rotina diária de três turnos de trabalho, ele relembra que viu na profissão uma possibilidade de mudar a sua vida.

“Sou de Jales, interior de São Paulo, e na minha cidade, naquela época não havia muitas opções de curso. Sempre fui bom e gostei de matemática, resolvi cursar a faculdade e me tornar professor”, lembra.

Estudando e trabalhando em uma empresa para pagar seus gastos e auxiliar nas contas da casa, Leandro conta que ao se formar pediu demissão e começou a trabalhar viajando para ganhar mais e conhecer outras cidades na esperança de melhorar de vida.

“Quando me formei, em 2005, comecei a trabalhar de ‘chapa’ de caminhão (assistente de motorista), e ao chegar em Campo Grande vi que estava aberto o concurso para professor da rede estadual. Fiz a inscrição e passei na prova. Logo em seguida passei para o município também. Foi uma grande conquista”.

Casado, pai de dois filhos, Leandro mostra ser apaixonado por sua profissão e tem muito orgulho do rumo que sua vida tomou, porém vê com tristeza a forma com que a educação vem sendo tratada.

 “Foi através dela que eu consegui me formar, passar em dois concursos, fazer mestrado e ter meu salário garantido no fim do mês. A educação transforma vidas, e ver o descaso e a negligência de como ela vem sendo tratada é algo que me preocupa.  A ausência da família no desenvolvimento da criança e do adolescente, jovens que não respeitam os professores, cortes nas verbas para universidades, diminuição de bolsas de estudo. Isso tudo é muito triste”, lamenta.

Mesmo com tantos desafios, Leandro acredita no poder e na força da educação.

2 comentários

  • Thiago

    A esquerda criou uma geração de “alunos” sem qualquer noção de disciplina em sala de aula.

    Tudo bem que a educação vem de casa mas uma sala de aula onde o professor possa ter comando, voz ativa, é uma sala de aula produtiva.

    O que vemos hoje são jovens que deveriam estar trancafiados na fundação casa, fazendo baderna em sala de aula e batendo em professor.

    E depois disso tudo você vê professor defendendo a esquerda, não dá pra entender.

    Parece mulher de homem violento que sempre depois da surra diz “ele não é assim, só quando bebe, ele é um homem bom”, então tá

  • ANTIGAMENTE

    ANTIGAMENTE, se dizia:
    Qual a profissão do seu genro, o outro lado respondia, é bancário, nossa que maravilha, é do BB.
    E se a resposta fosse é professor, a resposta vinha na lata, nossa, coitado, ganha pouco né, isso já era ANTIGAMENTE, e até HOJE, porque o ser humano insiste em ser professor……..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *