MPF DE MINAS DENUNCIA OITO PESSOAS POR FRAUDE MILIONÁRIA. 20% DOS BENEFICIADOS PELA FRAUDE SÃO DE JALES

A notícia completa é bem cheia de detalhes e pode ser lida no portal A Voz das Cidades, do Betto Mariano. Abaixo, alguns trechos:

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou oito pessoas por uma fraude milionária arquitetada e desenvolvida por servidores públicos municipais de uma pequena cidade do Triângulo Mineiro, Limeira do Oeste. Com população de apenas 6.890 habitantes (Censo IBGE 2010), situada a cerca de 700 km de Belo Horizonte (MG), Limeira não possui agência da Caixa Econômica Federal, por isso a prefeitura tem convênio com uma agência situada em município vizinho, Iturama. Foi lá que os crimes começaram a ser descobertos.

O volume das operações, firmadas através da folha de pagamento da prefeitura municipal de Limeira do Oeste, chamou a atenção dos funcionários da Caixa em Iturama. Ao analisarem as operações, eles verificaram que a quase totalidade dos beneficiários dos empréstimos, na verdade, possuíam vínculos trabalhistas em outros municípios.

As investigações acabaram revelando um esquema criminoso que teria vigorado por pelo menos três anos, de 2012 a 2015, e favorecido diretamente mais de 140 pessoas, com prejuízos da ordem de R$ 10 milhões.

O MPF relata a atuação de um grupo altamente organizado e estruturado em três núcleos principais: o do setor de Recursos Humanos (RH) da prefeitura municipal, o dos aliciadores e o dos fornecedores de dados.

O MPF relata a atuação de um grupo altamente organizado e estruturado em três núcleos principais: o do setor de Recursos Humanos (RH) da prefeitura municipal, o dos aliciadores e o dos fornecedores de dados.

O núcleo de aliciadores, responsável por conseguir pessoas que se dispusessem a fornecer documentos e dados pessoais utilizados na formulação dos empréstimos, era formado pelos acusados Aurélio Aparecido Ferreira, Gizelson Ferreira dos Santos, irmão de Noilma, e Miria Idete Alexandre.

As investigações apontaram que Miria, residente no município de Jales/SP, teve participação ativa no esquema, pois cerca de 20% dos beneficiários dos contratos ilegais eram moradores de Jales.

Entre os acusados de fazer parte do núcleo de fornecedores de dados, estão o marido de Noilma, Márcio Antônio Ferreira, também servidor da prefeitura, lotado no setor de Licitações, e Kátia Cristina do Nascimento, funcionária da Santa Casa de Misericórdia do município de Barretos (SP).

2 comentários

  • Cowboy do asfalto

    É o retrato do Brasil….. A começar por Brasília até chegar nos pequenos municípios do interior, uma corrupção só.
    Agora meu amigo Cardosinho, vamos e voltemos não é?
    A mulher falsificava a folha de pagamento para mostrar ao prefeito e depois alterava os valores que eram debitados da conta da prefeitura.
    Estranho, muito estranho………….

  • Chf

    Será que este pessoal é da Turma do Japonês da Federal o ídolo dos coxinha que ta na cadeia? ?? Kkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *