CHICO BUARQUE COMPLETA 70 ANOS

Chico-Buarque_ACRIMA20120107_0025_15

Hoje, dia 19 de junho, Francisco Buarque de Hollanda está completando 70 anos. Como acontece quase todos os anos, Chico – que é avesso a festas e homenagens – vai comemorar o aniversário em Paris.

O jornal Zero Hora, de Porto Alegre, pediu a 10 jornalistas e críticos musicais que apontassem aquelas que, na opinião deles, seriam as 10 melhores canções de Chico.

Construção, “com seu irretocável tecido de palavras proparoxítonas”, foi a mais lembrada, aparecendo em 07 das 10 listas. Eu te Amo, aparece em segundo lugar, com seis citações.

Em terceiro, Futuros Amantes e Retrato em Branco e Preto com cinco menções. Beatriz, uma das minhas preferidas, aparece em seguida, com quatro indicações.

Homenagem ao Malandro, Samba e Amor, Folhetim, As Vitrines, Vai Passar, O Que Será e Quem Te viu, Quem te Vê foram citadas em três listas. 

Para se ter uma ideia da dimensão da obra de Chico, nada menos que 54 músicas aparecem nas 10 listas dos 10 críticos. Esse número se torna ainda mais impressionante, quando se nota que clássicos como Atrás da Porta, Roda Viva, Tatuagem, João e Maria, Teresinha, Cálice, Mulheres de Atenas e tantas outras ficaram de fora das 10 listas. 

Se eu tivesse que fazer uma lista com as minhas preferidas do Chico, certamente teria muita dificuldade em relacionar apenas 10, mas, Até Pensei, Todo o Sentimento, Atrás da Porta, A Noiva da Cidade, Sem Fantasia e Beatriz não ficariam de fora. 

Ontem, enquanto eu procurava o poema “Os Submersos”, que Carlos Drummond fez em homenagem a Rubineia, me veio à cabeça a cidade submersa do Chico. E me lembrei que Futuros Amantes é outra das minhas preferidas. Vida longa ao Chico!

Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios no ar
 
E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos
Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização
 
Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você

7 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *