O POETA MORREU EM 1990, MAS AINDA ESTÁ VIVO. CAZUZA FARIA 60 ANOS NESTA QUARTA-FEIRA

A reportagem do Jornal Nacional do dia 07 de julho de 1990, sobre a morte de Cazuza, pode ser vista aqui. Abaixo, parte do texto publicado pelo blog do Mauro Ferreira, no G1:

O tempo não para e, no entanto, Agenor de Miranda Araújo Neto (4 de abril de 1958 – 7 de julho de 1990), o Cazuza, nunca envelhece aos olhos do público. É que Cazuza saiu precocemente de cena, aos 32 anos, deixando cristalizada no universo pop brasileiro uma imagem eternamente jovial, rebelde, de roqueiro indomado pela própria natureza exagerada.

Nesta quarta-feira, 4 de abril de 2018, Cazuza faria 60 anos de vida. É difícil imagina-lo um senhor de idade. Mas o fato é que, se 28 anos após a saída de cena de Cazuza ainda se fala dele e ainda se canta a obra dele, é porque Cazuza foi um senhor compositor, dono de obra que tampouco envelhece.

Discos póstumos hão de pintar por aí, inclusive um com letras inéditas de Cazuza musicadas por nomes como Leoni e Bebel Gilberto, mas o que Cazuza deixou gravado em vida já é suficiente para que o poeta seja admitido no panteão dos grandes compositores da música do Brasil.

Cazuza se projetou no universo do rock dos anos 1980, mas nasceu no berço da MPB, filho de João Araújo (1935 – 2013) – desde os anos 1960 um dos mais importantes executivos da indústria fonográfica do Brasil – e de Lucinha Araújo, a supermãe que se tornou ativista, zelando na Sociedade Viva Cazuza pela saúde e inclusão social de crianças infectadas com o vírus da Aids.

Na alegria ou na tristeza, Cazuza foi fundo. Pode ter pecado por excessos, nunca pela falta, rimando poesia com rebeldia a mil por hora, consciente de que o tempo não para e tampouco espera por alguém. Com lirismo e passionalidade, Cazuza expiou dor de amor e celebrou o prazer do sexo (e da própria vida urbana), mas também tocou nas feridas sociais.

Enfim, é clichê recorrer ao verso-título da canção-tributo de Frejat e Dulce Quental, O poeta está vivo (veja aqui), mas, sim, Cazuza está tão vivo quanto atual no mês em que festejaria 60 anos de vida breve.

No vídeo, Cazuza canta “Faz Parte do Meu Show“, no espetáculo “Uma Prova de Amor“, gravado ao final de 1988.

5 comentários

  • Anônimo

    Vamos elevar o nível do blog, logo aqui, que o “aprendiz de blogueiro” é um grande apreciador de músicas.

    Eu me pergunto: qual o grande legado do Cazuza ? Por que ele deve ser TÃO admirado ? Vejamos, teve uma vida rebelde, usuário de drogas, rebelde na família, na banda… O por que a sociedade e mídia o exalta tanto ? Simplesmente pelas suas letras e melodias ? Se ele estivesse vivo hoje, e vivesse atualmente o seu auge, tenho desconfianças que iriam crucificá-lo, que era mal exemplo a sociedade e fãs.

    Não estou criticando o jovem poeta. Mas sim, questionando, ainda mais o nobre Cardoso, haja vista ter vivido a época do autor de “Codinome beija-flor”, e eu nasci após sua morte.

    Aguardo levantamento de informações e sua opinião caro aprendiz.

  • Morador de Jales

    Ridículo dar importância a um cantor com esse perfil podre , que nao fez nenhum bem a sociedade, realmente esse blog já foi melhor

  • Eu não consigo imaginar o Cazuza como um senhor de 60 anos,”Morra jovem e permaneça belo”,parece que tem uma frase assim.A poesia agressiva e direta de Cazuza ainda serve como carapuça aos dias de hoje.

  • O exagerado Cazuza veio ao mundo no mesmo dia que eu,alguns anos antes,claro.Dizem que todo ariano é exagerado,coincidência ou não,eu sou exageradíssimo.Eu sempre achei engraçado a pessoa botar a culpa nos astros por suas atitudes,tipo,eu matei meu pai porque a lua estava em marte,só rindo.

  • A função do artista é entreter,instigar e fazer pensar,e não para servir de exemplo.Pra servir de exemplo moral já temos Jesus Cristo,São Francisco de Assis e Joana D’Ark (entre tantos outros).
    Apesar de respeitar a opinião dois dois críticos do comportamento do Cazuza,eu não conheço nenhum artista que me sirva de exemplo,todos eles são cheios de defeitos,fraquezas e falhas como todo mundo.
    A arte é estética,a ética e moralidade são matérias pra religião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *