RAQUEL TAVARES E XANDE DE PILARES – “SEM FANTASIA”

Eu já postei aqui no blog um vídeo em que Chico Buarque e Maria Bethânia cantam “Sem Fantasia”, uma de minhas músicas preferidas. E, sendo uma de minhas preferidas, acho que vale um repeteco. Afinal, “Sem Fantasia” tem várias versões. Chico e Bethânia, por exemplo, a gravaram duas vezes, a primeira em 1975 e a segunda em 2001, ambas ao vivo.

O próprio Chico já gravou “Sem Fantasia” pelo menos mais duas vezes: uma, mais antiga, com Caetano Veloso, e outra, de 2004, com a cantora Paula Santoro. Oswaldo Montenegro também gravou uma bonita versão, cantando com Tania Maya. Outra bela releitura é a do Emílio Santiago, em dueto com a Joyce.

Eu tenho dois bons motivos para gostar de “Sem Fantasia”. Um deles não vem ao caso. O outro é porque essa música é uma das 12 canções do primeiro LP do Chico que eu comprei, quando tinha uns 14 anos. No tal LP, de 1968, Chico, àquela altura com 24 anos, canta com sua irmã Cristina, seis anos mais nova.

“Sem Fantasia” foi composta para “Roda Viva”, a peça do próprio Chico Buarque, interrompida pelo Comando de Caça aos Comunistas (CCC) durante uma apresentação, na qual os artistas foram agredidos, entre eles a atriz Marília Pera. Depois, a peça foi censurada pelo regime militar, classificada como “subversiva”. Um exemplo da “subversão”: numa cena, um ator, vestido de soldado, defeca no próprio capacete.

Os prezados leitores devem ter notado, nos exemplos acima, que “Sem Fantasia” é sempre cantada em dueto. Isso não é uma coincidência: ocorre que a letra traz declarações de amor de uma mulher para um homem e vice-versa. Na primeira parte, é a mulher quem faz sua declaração de amor. E na segunda, é a vez do homem.   

Um detalhe que torna a interpretação de “Sem Fantasia” muito difícil, principalmente nas versões ao vivo, é que na segunda parte o homem e a mulher cantam suas respectivas declarações ao mesmo tempo.

No vídeo abaixo, a bela canção do Chico é interpretada pelo sambista Xande de Pilares e pela fadista portuguesa Raquel Tavares, em gravação de 2013. Raquel, atualmente com 35 anos, ganhou destaque aos 12 anos, ao vencer um festival de fados em Portugal.

Fã da música brasileira, ela gravou, em 2017, um CD só com músicas do Roberto Carlos. Reparem que ela, como a Bethânia, a Simone, a Cesária Évora e outras, gosta de cantar descalça.

  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *