JÚRI DE SEMEGHINI DEVE SE ESTENDER ATÉ ÀS 20 HORAS

ApHe5dg5V51Ncp3HPzVJ4c7oMqGJvfLpuUqH7_Lt1Tbj%20-%20Cópia

Na foto acima, Hélio Maldonado, de 82 anos, pai de Simone Maldonado, chega ao Fórum de Fernandópolis para acompanhar o julgamento do ex-genro. A notícia é do Diário da Região:

O médico Luiz Henrique Semeghini, assassino confesso da mulher, Simone Maldonado, há exatos 15 anos, chegou ao Fórum de Fernandópolis às 9h. Cabisbaixo, entrou no Salão do Júri, onde ocorre o julgamento que deve se estender até as 20h. Por volta das 8h30, cerca de 150 pessoas já faziam fila em frente ao Fórum para acompanhar o julgamento. O Salão do Júri tem capacidade para cem pessoas.

Após polêmicas e diversas manobras protelatórias, a expectativa da família é de que Semeghini seja condenado pelo assassinato de Simone. “Esperamos que o júri aconteça e que haja a condenação. É a única hipótese plausível. Assim poderemos ter paz nas nossas vidas”, disse Ralph Maldonado, irmão da vítima.

Alberto Zacharias Toron, advogado de Semeghini, chegou ao Fórum por volta das 8h30 e não quis falar com a imprensa. Quinze jurados foram convocados, dos quais sete foram sorteados pelo juiz Vinicius Castrequini Bufulin para participar do júri. Os jurados são seis mulheres e um homem.

Entenda o caso

Semeghini será julgado por homicídio qualificado (uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima). Em 2008, ele foi condenado a 16 anos de reclusão pelo crime, mas o júri foi anulado pelo Tribunal de Justiça (TJ).

Desde então, outras duas tentativas de realizar o júri foram fracassadas: em janeiro de 2014, devido a uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), e em agosto último, quando o advogado do médico não compareceu ao julgamento.

Na última segunda-feira, o TJ negou três pedidos de Toron para que o juiz do caso fosse substituído, recursos chamados “exceção de suspeição”. O mesmo Tribunal havia negado liminar para retirar o julgamento de Fernandópolis. O mérito do pedido não foi julgado. Há ainda um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo que seja retirada a qualificação do homicídio. Nenhum dos dois recursos deve ser julgado até o júri.

2 comentários

  • tomas turbano

    esse assassino deveria logo após cometer o homicídio, se entregar à policia e pedir uma condenação automática. Gastando uma fortuna para ficar livre. O que ele pensa sobre o fato e sobre os filhos que estavam em casa e viram a cena do crime?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *