VEREADOR, CONTADOR E ASSESSOR JURÍDICO DA CÂMARA DE ASPÁSIA SÃO AFASTADOS DE SUAS FUNÇÕES

A notícia é da assessoria de imprensa da Polícia Civil:

A Polícia Civil de Jales representou junto à Justiça da Comarca de Urânia pelo afastamento das funções públicas do Vereador e Primeiro Secretário, do Contador e do Assessor Jurídico da Câmara Municipal de Aspásia, em virtude de irregularidades e crimes praticados nos anos de 2017 e 2018, cujas investigações começaram a partir de denúncia de outro Vereador.

O Ministério Público de Urânia opinou favoravelmente à representação e, ainda, requereu que fosse determinada a proibição de acesso daqueles às dependências da Câmara de Aspásia.

A Justiça de Urânia acolheu a representação e determinou o afastamento de todos os investigados e a proibição do acesso às dependências da Câmara de Aspásia, sob pena de decretação de prisão em caso de descumprimento.

Policiais Civis de Jales acompanharam o Oficial de Justiça na entrega da decisão judicial na Câmara de Aspásia e para o Vereador, o Contador e o Assessor Jurídico, na tarde de quarta-feira, 04/09/2019.

A Polícia Civil de Jales instaurou oito (08) Inquéritos Policiais para apuração das irregularidades e crimes praticados pelos investigados.

Obs.: O release distribuído pela assessoria de imprensa da Polícia Civil não cita nomes, mas, com relação ao vereador envolvido, basta uma simples pesquisa no site da Câmara Municipal de Aspásia para saber que o primeiro secretário é o vereador Renan Medeiro Venceslau, o Tiosa(PP).

O autor da denúncia citada no release foi, provavelmente, o vereador Odenir Vieira(PSDB). Em 2017, ele protocolou uma representação junto ao TCE, na qual denunciava possíveis irregularidades na atuação da Câmara Municipal de Aspásia.

Em setembro de 2018, Odenir voltou à carga, protocolando três denúncias no TCE contra o então presidente da Câmara, o Tiosa. Uma delas apontava possíveis irregularidades na aquisição de produtos e serviços na área de segurança, filmagem e monitoramento.

As outras duas denúncias mencionavam supostas irregularidades nos gastos com combustíveis e nas despesas com diárias, transportes e alimentação dos vereadores e servidores. Possivelmente, são essas as denúncias que estão sendo investigadas pela Polícia Civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *