Arquivos mensais: fevereiro 2020

BOLSONARISTAS ATACAM JORNALISTA QUE NOTICIOU APOIO DE BOLSONARO A PROTESTO CONTRA CONGRESSO E STF

Destaque para o ataque covarde da deputada mineira, que fez uma insinuação indigna, bem ao estilo bolsonarista, e depois disse que não fez. Deu na Folha de S.Paulo:

A jornalista Vera Magalhães, colunista do jornal O Estado de S. Paulo e apresentadora do programa Roda Viva, da TV Cultura, virou alvo de insultos de bolsonaristas após publicar que o presidente Jair Bolsonaro havia compartilhado no WhatsApp um vídeo de apoio ao ato marcado para 15 de março a seu favor e contra o Congresso.

Em sua conta no Twitter, a deputada federal Alê Silva (PSL-MG) publicou, em resposta a Vera: “E aí, a senhora também está louca para dar… furo”.

Após a frase com insinuação sexual, a congressista negou ter tido essa intenção. “Eu falei de ‘furo jornalístico’. Talvez eu não tenha sido feliz em completar a frase”, disse.

Alê Silva ofendeu a jornalista usando o mesmo termo empregado por Bolsonaro para insultar a repórter da Folha Patrícia Campos Mello no último dia 18.

Procurada pela Folha, Vera afirma que as ofensas não prejudicarão seu trabalho de jornalismo profissional.

“Os ataques pessoais pelas redes sociais não são novidade para mim. Mas eles escalaram muito nas últimas horas, e sempre permeados de insinuações machistas, misóginas e sexistas, como é o padrão quando se trata de jornalista mulher”, diz.

“Não vou deixar de fazer meu trabalho por nenhuma tentativa de intimidação, por parte de nenhum grupo político. Já vivi isso por parte de outros grupos, mas a intensidade, a virulência e a participação de ministros, parlamentares e outras autoridades são inéditas”, completa a jornalista.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO INVESTIGA EMPRESA DO MARIDO DE JOICE HASSELMANN

Essa senhora teve o voto de 1.199 jalesenses que acreditaram na história da “nova política”. A notícia é do Estadão:

O Ministério Público de São Paulo investiga o contrato de gestão de um hospital no Vale do Ribeira, interior do Estado, suspeito de receber recursos da gestão João Doria (PSDB) por atendimentos médicos não prestados.

A Promotoria apura a prática com empresas subcontratadas pelos gestores do hospital e menciona a Nevro Serviços Médicos, do médico Daniel França Mendes de Carvalho, marido da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). 

A Nevro, microempresa de neurologia com sede em Teresina (PI), foi contratada em novembro de 2018, logo após o segundo turno das eleições. O contrato, obtido pelo Estado, mostra que a Nevro deveria fornecer “profissional para o atendimento de cirurgias eletivas no centro cirúrgico” três vezes por semana, neurocirurgião para visitas médicas diariamente e profissional para atendimento ambulatorial duas vezes por semana, além de coordenador e de neurologista para cobertura a distância 24 horas por dia”. 

De novembro a fevereiro, porém, o Hospital Regional de Registro (HRR) não realizou nenhuma neurocirurgia, embora os pagamentos estivessem sendo feitos. Denúncia que consta no inquérito relata que um paciente chegou a ser encaminhado ao hospital para uma neurocirurgia, mas não foi atendido e morreu. Segundo o contrato, a Nevro recebeu R$ 595 mil no período.

CRISE NO BOLSA FAMÍLIA TENDE A FICAR PIOR EM 2020, PREVÊ FOLHA DE S.PAULO

Conforme informado pelo jornal A Tribuna e por este blog, em Jales apenas 03 (vou repetir por extenso: três) famílias conseguiram entrar no Bolsa Família em sete meses – de junho a dezembro de 2019 – enquanto mais de 400 esperam na fila.

Reportagem de hoje, do jornal Folha de S.Paulo, joga um pouco mais de luz sobre o que está acontecendo com o Bolsa Família no governo Bolsonaro:

Documentos internos revelam que o governo Jair Bolsonaro já havia sido alertado, em fevereiro de 2019, para o fato de que a verba para o Bolsa Família não seria suficiente.

Ao menos cinco vezes, o Ministério da Cidadania pediu mais dinheiro para que a fila de espera continuasse zerada.

Os pleitos, porém, foram barrados pela Junta Orçamentária, formada pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni, então na Casa Civil e que, na semana passada, passou a comandar o Ministério da Cidadania, responsável pelo Bolsa Família. 

Procurado, Onyx não quis comentar as recusas para elevar os repasses que evitariam a queda na cobertura do programa e a barreira a mais de 1 milhão de famílias que pediram o benefício.

O programa atende famílias com filhos de 0 a 17 anos e que vivem em situação de extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, e pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 por mês. O benefício médio é de R$ 191.

Sem dinheiro, o governo praticamente suspendeu a liberação de novos benefícios, desde junho do ano passado.

Assim, a fila de espera, quando a família aguarda há mais de 45 dias para entrar no programa, voltou a se formar. Documento do Ministério da Cidadania mostra que mais de 1 milhão de famílias estavam nessa situação no fim do ano.

A tendência é o número continuar subindo, podendo chegar a 1,454 milhão no início de 2020, diz nota técnica da pasta.

REINALDO AZEVEDO: “MORO RASGOU A LEI CONTRA LULA E TENTA VENDER SEU ABUSO COMO ERRO”

Para quem não está acompanhado o caso, a Polícia Federal abriu um inquérito, a pedido do Ministério da Justiça de Sérgio Moro, para, com base no artigo 26 da Lei de Segurança Nacional, investigar possível crime de calúnia e difamação que teria sido cometido pelo ex-presidente Lula.

O que disse o ex-presidente de tão grave? Que estamos sendo governados por milicianos que são responsáveis pela morte da ex-vereadora Marielle. A PF, depois de ouvir Lula na semana passada, concluiu que ele não cometeu nenhum crime.

Ao ver que a opinião pública e a comunidade jurídica condenaram a utilização de uma lei da ditadura militar contra Lula, Sérgio Moro apresentou a versão de que não pediu o enquadramento do ex-presidente na LSN e que teria havido “uma confusão” no Ministério da Justiça.

Você acredita? O Reinaldo Azevedo, que já foi fã de Moro e um dos maiores críticos do PT e de Lula, não acreditou. Deu no Brasil 247:

O jornalista Reinaldo Azevedo critica a postura do ministro Sérgio Moro (Justiça) sobre a possibilidade de enquadrar o ex-presidente Lula na Lei de Segurança Nacional – o ex-juiz negou que tenha dado ordens. “Moro tinha plena consciência do que estava em curso e nada fez”, afirma em sua coluna publicada no UOL.

“E o que disse Moro quando o despropósito se tornou público? Esta maravilha: ‘A informação sobre a Lei de Segurança Nacional foi repassada de forma equivocada aos jornalistas, devido a um erro interno do Ministério da Justiça, pelo qual pedimos desculpas'”, reforça o jornalista. “O alvo do pedido de desculpas é que está errado: não é a imprensa, mas Lula”.

De acordo com o jornalista, “Moro quer a Presidência da República”. “Há quem diga que acabará no Supremo. Sua verdadeira vocação já está mais do que revelada: fazer discurso cafona em casamento cafona de gente cafona ao som de um piano cafona. Eis o Moro lírico. Mas também há o épico, que pretende fazer história. Esse é o que corrói as instituições, o Estado de Direito e a democracia”, diz. 

VEREADOR ZANETONI QUESTIONA PREFEITURA SOBRE PROBLEMAS EM CASAS DO CONJUNTO ‘HONÓRIO AMADEU’

O conjunto habitacional “Honório Amadeu”, com 99 casas, começou a ser construído em 2012, ainda no governo Parini, e só foi concluído em 2019. O local, totalmente inapropriado, obrigou a empresa a fazer muros de arrimo que não estavam no projeto original. A construção das casas custaria R$ 6,6 milhões, mas acabou custando cerca de R$ 8,5 milhões.

A notícia é da assessoria de imprensa da Câmara:

O vereador João Zanetoni (PSB) apresentou, na última sessão da Câmara, um requerimento questionando se a Prefeitura sabe dos problemas de infraestrutura que há nas casas do recém-entregue Conjunto Habitacional “Honório Amadeu”.

O vereador justificou que os moradores reclamam que as casas apresentam infiltrações nas paredes, goteiras, a água escorre por tubos da fiação elétrica e pisos de cerâmica que descolam. A situação é grave, causa prejuízo para os moradores e  já foi matéria em uma rede de televisão regional.

Zanetoni falou sobre a propositura: “Faz um ano da inauguração, teve reportagem na TV e temos acompanhado fotos e vídeos que são enviados para nós. É um descaso. A pessoa não ganhou aquilo, ela está pagando, apenas foi sorteada. Espero que a administração municipal, através do órgão competente, possa buscar a solução”.

O vereador Vanderley Vieira – Deley comentou o requerimento: “A população merece respeito e o nosso apoio. Eu estive lá, vi que muitas casas estão com rachaduras e outros problemas. Um engenheiro precisa ir lá, fazer um relatório para levarmos à CDHU e ela cobrar da empresa construtora”.

Zanetoni indagou quem é responsável por solucionar os danos nas casas e o que a Prefeitura pretende fazer quanto ao problema.

O requerimento foi aprovado por unanimidade e encaminhado ao Poder Executivo, que tem até 15 dias úteis para enviar resposta ao Legislativo.

COM BOLSONARO, APENAS 03 FAMÍLIAS DE JALES CONSEGUIRAM ENTRAR NO BOLSA FAMÍLIA EM SETE MESES

A ojeriza do governo Bolsonaro aos mais pobres não fica apenas nas palavras – como na fala de Paulo Guedes sobre as domésticas – mas também nas ações. Uma dessas ações é o corte orçamentário na assistência social, que, em Jales, e no resto do país, já produz efeitos maléficos, como o aumento da extrema pobreza.

Em Jales, um dos principais exemplos do ataque de Bolsonaro & Cia aos mais pobres está no Bolsa Família, que, em maio de 2019, tinha 1.153 famílias cadastradas e, em janeiro deste ano, esse número já tinha sido reduzido para 904.

Segundo números informados pela Secretaria Municipal de Promoção Social, entre junho e dezembro de 2019, ou seja, em sete meses, apenas três famílias jalesenses foram incluídas no Bolsa Família. E não é por falta de candidatos: os mesmos números mostram que em Jales nós temos 1.101 famílias em situação de extrema pobreza, das quais 374 estão fora do programa.

Nos primeiros cinco meses de Bolsonaro, quando os cortes orçamentários ainda não tinham causado efeitos, 174 famílias jalesenses foram incluídas no Bolsa Família. Parece muito, mas não é. Para se ter uma ideia, no últimos três meses do governo Temer, Jales conseguiu incluir 172 famílias. E olhem que Temer também fez cortes no programa.

Em 2016, quando Temer assumiu o assento presidencial, Jales tinha 1.671 famílias no Bolsa Família, que, juntas, receberam R$ 2,5 milhões. Em 2019, primeiro ano de Bolsonaro, o Bolsa Família transferiu R$ 2,2 milhões para 1.208 famílias jalesenses. Queda de 27% no número de famílias e de 12% no valor transferido.

AGENTES DE EDUCAÇÃO INFANTIL BUSCAM REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO

A notícia está pendurada no site do Sindicato dos Servidores:

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jales e Região promoveu uma reunião entre as agentes de educação infantil que atuam nas oito EMEIs do município e o prefeito Flávio Prandi Franco. O encontro aconteceu na sede da Associação dos Funcionários Públicos do Município de Jales na noite de quarta-feira, 19 de fevereiro. As servidoras reivindicavam redução da carga horária diária de oito para seis horas.

Elas reclamaram das condições de trabalho e carga horária extensa e contaram que fizeram um levantamento sobre o número de funcionárias que seria necessário para cobrir as horas que deixarão de cumprir. Porém, segundo elas,as gestoras educacionais do município discordaram desse levantamento e apresentaram números muito superiores.

Na EMEI Vera Lúcia Oliveira Vilela, por exemplo, as árvores foram retiradas e não é possível levar as crianças para passear do lado de fora do prédio porque não tem sombra. As salas não têm ar condicionado e em algumas, nem o ventilador funciona.

Na EMEI Gema Prandi Rosa, a capacidade de atendimento é de 150 crianças, mas são atendidas 180. Atualmente há 18 funcionários e elas levantaram que seriam necessárias mais sete, caso a jornada fosse reduzida. Entretanto, no dia seguinte a vice-diretora disse que era para pedir 23 funcionárias novas, mais que o número total da unidade.

O presidente do Sindicato, José Luís Francisco, disse que pretende pedir a colocação de placas informando a capacidade de crianças de cada unidade para frisar a proporção de funcionários necessários para atender a todas as crianças nela matriculadas.

Ficou definido que uma nova reunião será realizada na semana que vem. Participarão da discussão as vice-diretoras e uma assistente de cada um das oito EMEIs, o presidente do Sindicato e a sua assessoria jurídica, o prefeito e as gestoras educacionais do município.

FRASE

“Desejo que ele se assuma, que ele seja feliz, que ele possa realmente desfilar com o namorado dele e que estamos de braços abertos para recebê-lo”.

(da cantora Gretchen ao UOL, sobre Carlos Bolsonaro, o Carluxo, com quem ela andou trocando farpas no Twitter. Em janeiro, ela disse ter pena de Carlos, “um homem que não pode assumir sua sexualidade por causa do pai”.)

 

JORNAL DE JALES: EMPRESÁRIO FABRÍCIO FUGA, DA FUGA COUROS, É HOMENAGEADO EM SUA CIDADE NATAL

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, onde uma das manchetes diz que os ricos também dependem dos repasses do SUS. A matéria trata do cadastramento da população no Sistema Único de Saúde, que, segundo a secretária municipal de Saúde, Maria Aparecida Moreira Martins, é fundamental para que o município melhore a arrecadação através dos repasses do SUS. A secretária lembrou que mesmo quem não usa o SUS depende dele para muitos serviços que são executados nos municípios. Segundo ela, o cadastramento é uma meta imposta pelo governo e, em Jales, será necessário ampliar o número de cadastrados em seis ou sete mil pessoas, a fim de que os repasses de recursos para o município não sejam reduzidos.

O jornal está destacando, também, o convênio assinado pelo prefeito Flá Prandi junto à Secretaria Estadual de Saneamento e Recursos Hídricos que vai possibilitar investimentos de R$ 394 mil em obras de infraestrutura no bairro São Judas Tadeu. Serão realizadas obras de drenagem urbana nas ruas Amazonas, São José, “Joaquim Catarino” e “João Batista de Mello”, com o objetivo de combater a erosão do córrego Tamboril. O prefeito lembrou que recentemente foram realizadas obras de recapeamento no São Judas, com recursos viabilizados pelo vice-governador Rodrigo Garcia. Flá ressaltou que, com esse novo convênio, será possível executar obras que irão transformar a realidade do São Judas.

O encontro que reuniu oito bispos e um arcebispo em Jales, para discutir o Pacto Global Pela Educação, uma iniciativa do papa Francisco; o sucesso do pré-carnaval promovido pelo Lar Transitório e realizado no Almería Eventos; a solenidade de formatura da primeira turma do Curso de Formação de Psicanalistas, realizada na Câmara Municipal; os elogios dos vereadores jalesenses ao desempenho da Fatec Jales, que obteve excelentes notas em avaliação feita pelo MEC; a reeleição do empresário Leandro Rocca Lima para a presidência da ACIJ; e a crise na Santa Casa de Fernandópolis, que resultou na prisão de alguns dirigentes após investigação da Polícia Civil, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior destaca a condecoração recebida pelo empresário jalesense Fabrício Fuga – da Fuga Couros – em sua terra natal, Marau, cidade gaúcha de 36 mil habitantes. Fabrício foi homenageado pela Câmara Municipal daquela cidade com a “Comenda Migrante Grande Empreendedor”, honraria concedida aos filhos de Marau com relevantes serviços prestados dentro e fora do município. A Fuga Couros, gerenciada por Fabrício, se instalou em Jales em meados dos anos 90 graças ao empenho do  então prefeito José Carlos Guisso, que, após algumas viagens ao Rio Grande do Sul, convenceu a cúpula da empresa a trazer uma filial para Jales. 

1 2 3 10