Categoria: Cidade

EX-RADIALISTA DE JALES MORRE EM SÃO PAULO E É SEPULTADO EM PARANAÍBA

Pacheco nasceu em Jales, estudou na EE “Euphly Jalles” e trabalhou em duas emissoras de nossa cidade. A notícia é do JP News, de Três Lagoas:

João Pacheco Jerônimo, 70 anos, morreu na manhã de segunda-feira, 30, em São Paulo, onde estava internado desde a semana passada. Pacheco, como era conhecido, faleceu após complicações de uma cirurgia cardíaca.

Pacheco foi operador de áudio na Assunção de Jales, Super Rádio Tupi, Scala FM, Gazeta FM (estas três últimas na capital paulista), Difusora de Paranaíba, além de ter sido locutor na Rádio Cultura AM, de Jales, e produtor comercial na Cultura FM, de Paranaíba, sendo esta a última de suas funções no rádio.

O velório ocorreu nesta terça-feira, 1º de dezembro, das 7 às 11 horas, em Paranaíba, onde o corpo foi sepultado.

Em Tempo: Pacheco foi homenageado com um belíssimo texto do nosso conhecido Nino de Assis, outro jalesense que está radicado em Paranaíba há bastante tempo. O texto do Nino termina dizendo que “Pacheco deixou uma lacuna sem precedentes por onde passou”.

FATEC JALES ABRE PERÍODO DE INSCRIÇÕES PARA VESTIBULAR 2021

Além das 40 vagas para o curso noturno de SISTEMAS PARA INTERNET, destacadas no cartaz acima, os vestibulares da FATEC Jales estão disponibilizando mais 160 vagas em outros cursos superiores gratuitos, com três anos de duração:

Análise e Desenvolvimento de Sistemas (manhã – 40 vagas);

Agronegócio (noite – 40 vagas);

Gestão Empresarial (noite – 40 vagas); e

Gestão Empresarial (à distância – 40 vagas).

O período de inscrições começou no dia 25 de novembro e vai até às 15 horas do dia 15 de dezembro.

Taxa de inscrição: R$ 39,00 (boleto ou cartão de crédito).

Informações: fone/whatsapp (17) 99676-2867 – www.fatecjales.edu.br

As inscrições podem ser feitas AQUI.

JORNAL DE JALES: CANDIDATO A VEREADOR MAIS VOTADO EM JALES, RICARDO GOUVEIA QUER DISPUTAR PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cuja principal manchete destaca que “deputado da região peita filho de Bolsonaro e defende a China”. A manchete se refere ao deputado federal Fausto Pinato(PP) que, ao longo da semana, andou criticando os Bolsonaro em função de declarações contra a China, a principal parceira comercial do Brasil. O jornal lembra que Pinato tem base eleitoral em nossa região e reverbera frases em que ele critica a família Bolsonaro. “Uma instituição que quer se dar ao respeito não pode permitir que seus membros achincalhem outros países prejudicando históricas relações”, foi uma das frases atribuídas a Pinato, que é o presidente da Frente Parlamentar Brasil-China e da Comissão de Agricultura da Câmara Federal.

O jornal traz, também, uma entrevista com o vereador eleito Ricardo Gouveia, o candidato a vereador mais votado nas eleições de 15 de novembro, em Jales. Ricardo, que é médico dermatologista, disse ao jornal que, desde que retornou a Jales, em 2008, já trabalhou em diversos setores da saúde municipal e, por isso, conhece as maiores dificuldades nessa área. Na entrevista, Ricardo confirma que pretende disputar a presidência da Câmara Municipal de Jales para os próximos dois anos. Como candidato mais votado, com 1.197 votos, ele presidirá a sessão de posse do novo prefeito e dos novos vereadores, no dia 1º de janeiro de 2021.

O mestrado na USP, conquistado pelo ex-procurador da República em Jales, atualmente em Franca, José Rubens Plates; a Romaria Diocesana realizada no domingo passado, em forma de carreata por conta do coronavírus; a inauguração da decoração natalina em Jales; o novo livro da professora Janeth Vitor, que tem como tema a Prainha de Santa Albertina; a prisão de um rapaz que disparou um tiro durante uma balada no Portal de entrada da cidade; e os números do coronavírus em Jales, que provocaram um aumento de 15,58% na média de ocupação da UTI da Santa Casa, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior destaca o crescimento da participação feminina nas câmaras municipais da região na próxima legislatura. Jales, por exemplo, não tem nenhuma mulher entre os atuais vereadores, mas, a partir de janeiro, terá duas representantes do “sexo frágil” na Câmara. Dirce Reis, Vitória Brasil, Paranapuã e Santa Albertina elegeram uma mulher para seus respectivos legislativos, enquanto Pontalinda e Santa Salete elegeram duas. Em Aspásia foram eleitas três vereadoras, mas as recordistas foram Urânia e Mesópolis, onde os eleitores escolheram quatro mulheres para cada uma das duas câmaras municipais.

A TRIBUNA: EMPRESA QUE PARALISOU CONSTRUÇÃO DE PISTA DE CAMINHADA QUER RESCINDIR CONTRATO COM PREFEITURA

No jornal A Tribuna deste final de semana, a principal manchete destaca a dívida de R$ 7,4 milhões que será deixada pela atual administração junto ao Instituto Municipal de Previdência. De acordo com a matéria, o prefeito Flá Prandi pretende negociar o pagamento da dívida em 60 parcelas mensais de R$ 120 mil, que se estenderiam até o final de 2025. Segundo o secretário de Fazenda, Nivael Bras Renesto, a Prefeitura não tem condições financeiras de saldar a dívida e as negociações com o Instituto deverão começar nos próximos dias. Os R$ 7,4 milhões que a Prefeitura não conseguiu pagar neste ano não é a única má notícia para o próximo prefeito: afora a dívida, a municipalidade terá que repassar mais R$ 10,6 milhões ao Instituto, só no ano que vem.

Destaque, igualmente, para os questionamentos da Câmara Municipal a respeito da construção de uma pista de caminhada na avenida “Euphly Jalles”, entre os bairros Aclimação e Estados Unidos. Segundo informações, a obra contratada por R$ 450 mil foi paralisada há algumas semanas. Por conta disso, os vereadores estão querendo saber os motivos da paralisação, quando a obra será retomada e qual é a previsão para conclusão dos serviços. O secretário de Obras, Manoel de Aro, confirmou que a empresa A.F.S. Construtora e Engenharia, de Fernandópolis, protocolou um pedido de rescisão amigável do contrato.

A inauguração da decoração natalina em Jales; a denúncia do MPF contra pessoas que cometeram irregularidades para receber em doação algumas casas da antiga Fepasa; as medidas tomadas pelo Cine Jales para evitar a transmissão da covid; os 56 anos de atuação da ACIJ em Jales e região; a prisão de dois traficantes e a apreensão de 10 kg de maconha em Jales; os questionamentos do vereador Pintinho a respeito do possível fechamento do posto da Receita Federal em Jales; e a entrevista do advogado Joâo Eduardo Carvalho sobre as eleições deste ano, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações dão conta de que, 12 anos depois de assinado, um contrato firmado entre a Prefeitura de Jales e a empresa CBR Asfaltos, de Santa Fé do Sul, continua, por incrível que pareça, na pauta do Tribunal de Contas. Na semana passada, o TCE publicou despacho informando que, de acordo com sindicância interna realizada pela Prefeitura em 2019, o único culpado pelas supostas irregularidades apontadas no contrato, no valor de R$ 1,9 milhão, seria o ex-prefeito Humberto Parini. Por sinal, Parini já foi multado em cerca de R$ 13,8 mil, por conta das tais irregularidades.

DEU NA FOLHA NOROESTE DE HOJE

O jornal Folha Noroeste, edição digital deste sábado, está destacando as cinco denúncias oferecidas pelo Ministério Público Federal (MPF) contra nove pessoas que foram beneficiadas com a doação de imóveis residenciais que pertenciam à Rede Ferroviária Federal, localizados na Avenida “Jânio Quadros”. As nove pessoas foram denunciadas por outros três moradores do local e estão sendo acusadas de estelionato qualificado por ter mentido sobre a renda familiar e a propriedade de outros imóveis. Um dos acusados, servidor da Prefeitura de Jales, apresentou documento falso informando remuneração menor do que a recebida e, para isso, falsificou a assinatura do funcionário responsável pela folha de pagamento. Além da devolução dos imóveis, o MPF está solicitando o pagamento de indenização à União relativa ao tempo em que os denunciados usufruíram indevidamente dos bens.

Destaque, igualmente, para os serviços executados pela Secretaria Municipal de Agricultura na estrada rural JAL 444, que permite o acesso aos bairros rurais do Açude, Matão e Mataozinho. As melhorias irão beneficiar cerca de 200 produtores que moram ou possuem propriedades nos três bairros ou próximos a eles, que utilizam a estrada para trafegar e escoar a produção. As melhorias atendem uma solicitação antiga dos trabalhadores rurais que produzem hortaliças, uvas rústicas e uvas finas de mesa, entre outros produtos.

Na coluna FolhaGeral, o apropositado redator-chefe Roberto Carvalho, o Pestinha, comenta a performance dos ex-vereadores Jesus Martins Batista(PP) e Pérola Fonseca Cardoso(PSDB), que foram bem votados mas não conseguiram se eleger. O colunista diz que, segundo rumores de bastidores, Jesus poderá assumir um cargo relevante na futura administração municipal, enquanto Pérola poderá ganhar um cargo na área da Assistência Social. Segundo Roberto, além de Jesus, o PP poderá outro representante no secretariado do futuro prefeito Luís Henrique, uma vez que o partido estaria reivindicando duas secretarias.

MPF DENUNCIA NOVE PESSOAS QUE OMITIRAM RENDA E PROPRIEDADES PARA GANHAR IMÓVEIS DA UNIÃO EM JALES

O mar realmente não está para peixes pequenos. A denúncia que resultou nas investigações do MPF foi feita por três moradores das casas da antiga Fepasa, que não tiveram suas situações regularizadas e resolveram botar água no chope dos demais. A notícia é da assessoria de Comunicação do MPF:

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou por estelionato nove pessoas que receberam da União imóveis que pertenciam à antiga Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA) em Jales, no interior de São Paulo. Os acusados informaram renda familiar menor do que a verdadeira e mentiram sobre a propriedade de outros imóveis, como forma de preencher os requisitos legais para serem beneficiários das doações. O MPF requereu a desocupação das casas, localizadas na Avenida Jânio Quadros, próximo à antiga estação de trem do município, além do pagamento de indenização à União pelo tempo em que os denunciados usufruíram indevidamente dos bens.

Os imóveis alvo das fraudes permaneceram longos anos em situação de ocupação irregular. Eles foram doados em 2017, quando a Superintendência do Patrimônio da União (SPU) firmou contrato de doação com ocupantes que preenchiam os requisitos legais. Para ter direito ao bem, os beneficiários deveriam ter renda familiar mensal inferior a R$ 4,6 mil e não serem proprietários de outro imóvel urbano ou rural. Ao todo, das 27 edificações pertencentes à antiga empresa ferroviária em Jales, 19 passaram por esse processo de regularização.

Estelionato – No entanto, representações feitas ao MPF em 2019 indicaram que alguns beneficiários das doações apresentaram informações falsas à SPU para conseguirem a posse dos imóveis. As investigações demonstraram que em três casos, os denunciados eram proprietários de empresas e tinham renda mensal muito superior à declarada na época da doação. Um dos beneficiários, que alegara ser motorista, com renda mensal de R$ 2 mil, por exemplo, é, na verdade, sócioadministrador de uma empresa de transportes, com 90% das cotas sociais. A companhia em questão é proprietária de dois caminhões tratores e sete semirreboques.

Em outro núcleo familiar, o dono de uma empresa de alimentação possuía, junto com a esposa, um imóvel de 1.591 m² em um luxuoso condomínio de ranchos no município de Santa Albertina. Os acusados transferiram 50% do bem aos filhos, enquanto a outra metade foi objeto de uma simulação de venda por irrisórios R$ 4,5 mil, quantia que não corresponde ao real valor do imóvel. “Restou claro que a intenção dos denunciados foi se ‘desfazer’ do bem a fim de preencher todos os requisitos para receber o imóvel da União em doação”, destacou o procurador da República Carlos Alberto dos Rios Junior, autor das denúncias.

Os inquéritos que apuraram as fraudes revelaram ainda que um dos beneficiários, servidor da Prefeitura de Jales, apresentou documento falso informando remuneração menor do que a recebida e, para isso, falsificou a assinatura do funcionário responsável pela folha de pagamento. Em outro caso, um casal que ocupava o imóvel doado omitiu o fato de que morava junto, em união estável, para que a renda familiar não ultrapassasse o limite estabelecido pela lei.

O MPF apresentou ao todo cinco denúncias, referentes a cada um dos imóveis públicos doados indevidamente. As peças elencam nove pessoas envolvidas, que foram acusadas de estelionato qualificado, por obterem vantagem ilícita em prejuízo da União, após a manterem em erro mediante a apresentação de informações falsas, conforme descrito no artigo 171, §3º, do Código Penal.

Das demais representações recebidas pelo MPF, três foram arquivadas e três ainda estão sob apuração. Além disso, um dos investigados aceitou firmar acordo de não persecução penal, comprometendo-se a confessar a prática do crime, devolver o imóvel no prazo máximo de 90 dias e pagar prestação pecuniária de cinco salários-mínimos a entidade pública ou de interesse social cadastrada na Justiça Federal de Jales, entre outras condições. O MPF também segue acompanhando os casos dos demais ocupantes de imóveis da antiga RFFSA que não tiveram sua situação regularizada e o retorno dos bens à posse da União.

BLACK FRIDAY DEVE MOVIMENTAR O COMÉRCIO DE JALES NESTA SEXTA-FEIRA

A notícia é da assessoria de imprensa da ACIJ:

A última sexta-feira do mês de novembro de todos os anos se popularizou por ser o dia de ofertas com maior desconto em produtos e serviços da maioria das empresas do país, assim como acontece em outras partes do mundo. Muito popular nos EUA, aqui no Brasil, a Black Friday se popularizou nos últimos anos.

Em Jales, a expectativa é de que esta sexta seja movimentada, principalmente nas lojas de vestuário, departamentos, móveis, eletrodomésticos, celulares e outros produtos eletrônicos.

Uma enquete realizada nas redes sociais da Associação Comercial e Industrial de Jales questionou os seguidores sobre as pretensões para a Black Friday. Perguntados sobre o que vão comprar, a maioria (39%) respondeu produtos de vestuário como roupas e calçados. Móveis e eletrodomésticos estão na sequência, com 35% da preferência dos consumidores. Os celulares e produtos eletrônicos também devem ser muito procurados no comércio da cidade, já que 26% dos seguidores disseram que vão investir em novos aparelhos.

Os consumidores também foram questionados sobre o valor que pretendem gastar nesta Black. Entre os que devem gastar menos, 44,8% disseram que vão gastar até R$ 100. Já 55,2% responderam que vão passar dos R$ 100. Entre os que vão investir um pouco mais, 57% disseram que vão gastar até R$ 500, enquanto 43% informaram que a soma total de gasto será maior que R$ 500.

Sobre onde eles devem comprar os produtos, os internautas que participaram do questionário mostraram que a internet continua o local mais procurado na Black Friday (58%), enquanto as compras no comércio local devem representar 42%.

A pesquisa também revelou que 61% dos consumidores devem escolher “a prazo” como forma de pagamento, seja com cartão de crédito, boleto ou outras possibilidades, e que os outros 39% vão usar dinheiro ou cartão de débito para pagar as compras.

Com expectativa positiva de vendas e de movimento, é importante lembrar que os estabelecimentos comerciais de Jales estão seguindo as medidas de segurança da fase amarela impostas pelo Plano São Paulo de flexibilização.

FARRA NO TESOURO 2: MINISTÉRIO PÚBLICO ARQUIVA INQUÉRITO CONTRA SEGURADORA PORTO SEGURO

O Ministério Público de Jales chegou à conclusão de que a Porto Seguro Cia de Seguros Gerais não teve participação ativa nos malfeitos supostamente cometidos por um corretor de seguros e um servidor público municipal, investigados na fase 2 da operação Farra no Tesouro, da Polícia Federal.

Em manifestação publicada na semana passada, o MP de Jales propôs o arquivamento do inquérito que investigou a participação da companhia seguradora. Segundo a investigação, a Porto Seguro, assim como outras seguradoras, “não concorreu ou fomentou” as práticas do corretor que, segundo a PF, causaram prejuízos aos cofres da Prefeitura de Jales.

De acordo com o MP, antes dos acontecimentos trazidos à luz pela Polícia Federal, a Porto Seguro já tinha exigido do corretor um termo de responsabilidade onde deixava claro que o mesmo deveria observar boas práticas no relacionamento com órgãos públicos. Para se tornar definitivo, o arquivamento precisará ser analisado pelo Conselho Superior do Ministério Público.   

Desse modo, a encrenca deverá ficar restrita ao corretor de seguros Ademar Bocalon Rodrigues e sua empresa, a Tuta Administradora e Corretora de Seguros, além de três servidores municipais, entre eles o ex-chefe do setor de licitações e compras, Nelson Guzzo Júnior.

Em agosto deste ano, o MP ajuizou uma ação civil pública contra Guzzo, Bocalon, a corretora e os outros dois servidores municipais, na qual pede a devolução de R$ 391,1 mil aos cofres públicos. Naquele mesmo mês, o juiz José Geraldo Nóbrega Curitiba deferiu a liminar solicitada pelo MP, determinando o bloqueio de bens do corretor e sua empresa, no valor de até R$ 391,1 mil.

Além da ação civil por dano ao erário, os mesmos personagens são alvo, também, de uma ação penal ajuizada em maio de 2019 pelo Ministério Público e recebida em setembro de 2020 pelo juiz Alexandre Yuri Kiataqui, da 2ª Vara Criminal de Jales. Na ação penal, a acusação é de crimes contra a lei de licitações.

JALES ABRIU 78 NOVOS EMPREGOS FORMAIS EM OUTUBRO

O Brasil abriu 394.989 vagas de emprego com carteira assinada em outubro, segundo dados do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados hoje pelo Ministério da Economia. É o quarto mês seguido de saldo positivo e o melhor resultado desde 1992, quando foi iniciado o levantamento.

Ainda é cedo, porém, para dizer que a economia está se recuperando. Há uma outra pesquisa, feita pelo IBGE, que é mais ampla, levando em conta empregos informais. Segundo o dado mais recente dessa pesquisa, o desemprego bateu recorde no Brasil em setembro, com 13,5 milhões de desocupados e uma taxa de desemprego de 14%.

Em Jales, outubro significou o mês da virada na geração de empregos formais. Segundo os dados do CAGED, a cidade registrou 317 admissões e 239 demissões em outubro, resultando na abertura de 78 novos empregos com carteira assinada. Com isso, o saldo do ano, que era negativo, passou a ser positivo, com 56 novos empregos abertos em 10 meses.

Entre as principais cidades da região, destaque para Votuporanga, que abriu 556 novos postos de trabalho em outubro. No ano, Votuporanga abriu 681 novos empregos. Fernandópolis, de seu lado, gerou 196 novas vagas formais, enquanto Santa Fé do Sul produziu 63.

O saldo do emprego em outubro foi positivo também em outras importantes cidades da região, como Araçatuba (+370), Mirassol (+185), Tanabi (+45) e São José do Rio Preto (+1.294).

Entre os pequenos municípios da região, o destaque positivo foi Urânia, que abriu 23 novos empregos, enquanto, de outro lado, Santa Albertina foi o destaque negativo, com o fechamento de 86 empregos em outubro. 

POLÍCIAS CIVIL E MILITAR DE JALES PRENDEM DOIS TRAFICANTES E APREENDEM 10 KG DE MACONHA

A notícia é do FocoNews:

Quem andava pelas ruas do centro de Jales no início dessa noite de quarta-feira (25/11) deve ter notado a grande movimentação de viaturas policiais. Investigadores da DISE de Jales receberam informação de que um conhecido traficante estava em uma casa que utilizava como esconderijo de drogas.

Com o apoio de policiais militares da ROCAM, foram até o local e viram quando o traficante saía de lá com uma motocicleta. Feita a primeira tentativa de abordagem, o rapaz empreendeu fuga por diversas ruas da cidade, inclusive trafegando pela contra mão.

Os policiais da ROCAM, unidade especializada da Polícia Militar que faz uso de motocicletas, conseguiram acompanhar o indivíduo por todo o percurso e viram quando ele dispensou objetos em uma construção da Praça Euphly Jales.

O rapaz finalmente foi abordado, e os policiais encontraram os objetos que ele havia dispensado anteriormente: dois tijolos e meio de maconha. Enquanto isso, os policiais civis da DISE foram até a residência utilizada pelo rapaz como esconderijo, e lá encontraram outro rapaz, morador do imóvel.

Questionado, imediatamente confessou que sua casa era utilizada como depósito de drogas. No interior do imóvel, foram encontrados mais seis tijolos e meio de maconha, além de alguns pedaços menores, e uma balança de precisão.

A droga apresentou peso aproximado de 10kg. Os dois rapazes foram apresentados ao delegado plantonista que os autuou em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico, com penas de 05 a 15 anos e 03 a 10 anos de prisão, respectivamente.

Essa foi mais uma prisão efetuada com base em informações anônimas. A Polícia Civil reforça a importância desse mecanismo de auxílio da sociedade às forças policiais, colocando dois telefones à disposição da comunidade: 197 (segunda a sexta-feira, das 09 às 18h), e 3632-9000 (todos os dias).

1 2 3 521