JOÃO MISSONI ANUNCIA QUE ESTÁ SAINDO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO

O anúncio oficial estava previsto para segunda-feira, mas parece que o João Missoni resolveu adiantar o expediente. Nesta sexta-feira, ele foi o entrevistado do Antena Ligada, onde falou sobre semáforos e radares.  Missoni aproveitou, também, para fazer um balanço de sua gestão à frente da Secretaria de Planejamento e anunciar que está deixando a administração Parini. Terça-feira (10) será seu último dia de trabalho na Secretaria.

Missoni explicou que já não estaria se sentindo muito confortável no cargo de secretário, tendo em vista que o seu partido – o PMDB, do qual ele é o presidente do diretório local – está anunciando o propósito de lançar candidatura própria ao cargo de prefeito, nas eleições de outubro. E, como Parini também já anunciou Especiato como candidato do PT à sucessão, João estaria saindo para evitar falatórios, como ele mesmo explicou.

João não explicou, e também não lhe foi perguntado, como ficarão os outros peemedebistas – Jediel e Colombo – que fazem parte do governo. Tampouco disse qual será a posição dos vereadores do partido – Rivelino e Osmar – na Câmara. Tudo indica, no entanto, que nada vai mudar. Isto é, Missoni está deixando a administração, mas o PMDB continua no governo Parini. E por um motivo muito simples: os peemedebistas não acreditam que Garça vá ser candidato e continuam acalentando a idéia de uma dobradinha com o PT.   

26 comentários

  • boleiro

    Que falta esse oportunista irá fazer foi tarde.

  • eduardo

    gostaria de mais informacoes a respeito dos radares de velocidade que vao ser implantados na cidade

  • anônimo

    se o garça for esperto, vai de vice do FLÁ. São amigos e pensam da mesma forma. Também não quer o garça com seus 12% na pesquisa ser cabeça na chapa e colocar o FLÁ com 25% de vice. juizo né senhor garça. Bom ano pra vocês!

  • Desinteressado

    Garça Prefeito,Pérola Vice – Flá vereador

  • Amedrontado

    INTERESSADO
    Juliano Matos guardinha, só se for do Anisinho

  • Informação consistente…estou republicando camarada.

  • Camarada Martini

    Mas ai como fica Garça, Itamar e o Jarbinha

    ligado a vice presidencia.

    Significantemente, quem comanda esse partido,

    sempre não levei a serio esse PMDB.

    Isso inclusive passei para Mara do Itamar na

    segunda-feira na posse da provedoria da Sta Casa.

    Ela me pediu opinião, de 0 a 10. Minha nota foi
    ZERO.

  • CARDOSO, OLHA QUE TEXTO INTERESSANTE.

    Michel Teló, BBB e os conceitos sobre cultura

    por Sylvio Micelli

    Os assuntos mais discutidos na primeira semana de 2012, ao menos nas redes sociais (que hoje pautam muita coisa), versam sobre a capa da revista semanal Época com o cantor (?) Michel Teló e sobre o início de mais uma edição do Big Brother Brasil transmitido pela Rede Globo de Televisão. Por sinal, apenas para constar, Época e Globo pertencem à mesma organização.

    O paranaense Teló foi parar na capa da publicação por ser o “cantor, compositor, multiinstrumentista” que mais tocou nas rádios em 2011. Sua música (?) “Ai Se Eu Te Pego” vendeu horrores. Ele fez centenas de shows, ganhou um bom dinheiro e a segunda revista semanal mais vendida do Brasil achou por bem colocá-lo na primeira capa do ano. Mais que isso: destinou 12 páginas, isso mesmo, 12 longas páginas e o apresentou como a tradução de “valores da cultura popular para os brasileiros de todas as classes”. Teló está na dele. Não tem culpa nenhuma.

    O Big Brother Brasil, por sua vez, completa 10 anos de transmissão e chega à sua 12ª edição. A temática é mesma de sempre, em que pese a produção do programa tentar dar uma reciclada. Trancafia pessoas dentro de uma casa. Elas deverão viver e conviver com as diferenças ao longo das semanas. O jogo vai se desenrolando. As máscaras caem e o mais forte, ou o mais popular, ou o que der mais retorno de mídia, sagra-se o campeão. Tem gente que fez carreira artística e até política no jogo.

    Vamos, enfim, aos fatos

    Inicialmente, fico numa enorme sinuca de bico. Porque se eu elevar Teló e o BBB à condição de “cultura” irei contra tudo aquilo que suponho ser cultura e estarei a nivelar, por baixo, o que efetivamente entendo o que seja cultura. Se eu chamar o músico e atração global de subcultura, os patrulheiros de plantão (e eles sempre estão presentes) vão me chamar de preconceituoso, quiçá burguês, e de desrespeitar a cultura, que eles assim entendem, diversificada e multifacetada do meu país.

    Então sobram duas óticas

    Teló e BBB são estratégias de marketing para ganhar dinheiro. E muito dinheiro. Simples assim.

    No caso do cantor, você pega um rapaz do interior do Paraná, jovem e simpático, que cai no gosto de jovens iguais a ele. Cria uma música (?) de pouquíssimos versos e de letra paupérrima, põe uma pegajosa melodia e usa de todos os métodos para que isso vire um hit. O resultado é infalível. Não é a primeira vez que acontece e também (infelizmente) não será a última. O Brasil passará por Teló, como já passou pelo Tcham, Créu, dancinha da garrafa e tantas coisas efêmeras que depois apodrecem nos sebos da vida.

    O BBB é a catarse humana em versão compacta. Da mesma forma que se coloca uma dúzia ou mais pessoas dentro de uma casa, para que se suportem, mas no fundo todos são inimigos e buscam o prêmio ou fama (ou ambos), também em nosso dia-a-dia lidamos com diversas pessoas que adoraríamos mandar para o paredão (e vice-versa), mas que a santa hipocrisia social nos (lhes) impede.

    Há, ainda, uma outra ótica. Essa muito mais perigosa e é dela que devemos (ou deveríamos) nos reguardar. Teló e BBB são braços fortes da grande mídia, em busca da hegemonia na comunicação, como nos ensina o mestre Vito Giannotti do Núcleo Piratininga de Comunicação. Quando a Época decreta que Teló traduz “valores da cultura popular para os brasileiros de todas as classes”, ela quer dar hegemonia ao Brasil. Dizer que somos todos felizes como os Smurfs e que a música de Teló, que faz sucesso com a doméstica e com o empresário, acaba por aproximar todos nós. Olha que lindo! Um país sem preconceitos, onde todos somos rigorosamente iguais.

    Por outro lado, o BBB, que (lembrando) pertence ao mesmo grupo de Época mostra que, sob confinamento, vence o mais forte ou o que cai no gosto da população. Dessa mesma população hegemônica que discutirá nas próximas semanas quem deve ir para o paredão e ficará a bisbilhotar se um novo casal é feito na casa (e, certamente, dois são desfeitos fora). Então, todas as terças à noite, o mercador de ilusões Pedro Bial, de forma histriônica, unirá um país de norte a sul, porque todos estarão (assim eles querem que seja) interessados em descobrir quem se dará mal naquela semana.

    Essa hegemonia, meus caros, é o nosso grande problema. O Brasil deveria buscar a discussão de assuntos de mais importância. Claro que devemos ter lazer. Claro que o lúdico, mesmo de gosto duvidoso é importante. E aqui não reside nenhum preconceito da minha parte. É que a hegemonia faz com que boa parte dos cidadãos acredite que tratar de temas polêmicos não lhes pertence. Mas pertence, sim. Só nesta semana posso destacar três: as questões que envolvem o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a tentativa de abertura do Poder Judiciário, as chuvas que voltam sempre em janeiro (a Natureza é perfeita) e o pouco que se fez desde a desgraça do ano anterior e as eleições de 2012 que chegam logo, e há muito que mudar.

    Enquanto deveríamos gastar nosso tempo com isso, e reitero que não se trata de discussão de elites, a mídia hegemônica nos impõe coisas “desimportantes”. E isso também não é novidade. É o “velho e bom” Panis et Circenses com que a Roma Antiga brindava seu povo. A única diferença é que os gladiadores de hoje, não derramam uma gota de sangue sequer.

    Ao final de tudo mantenho a esperança de que dias melhores virão. Sempre acredito que o Brasil, enquanto sociedade, ainda é novo e devemos passar por tudo isso para que possamos amadurecer e chegar, um dia, aos conceitos de cultura de países nem tão longíquos daqui como a Argentina ou o Chile.

    Já estaria feliz.

    • Anônimo

      a musica e uma merda, mas é um fenômeno e só gente arrogante como este poleto não entende isso. É isso que a revista fala: fenômeno popular. Este marco poleto vive de passado e ainda fica cheirando a naftalina dos seus discos do joão gilberto. Que por sinal, são uma merda e nem ele ouve.Fica só exibindo na estante para posar de intelectual.

  • Simples Cidadão

    Parabéns Poleto, ótimo o texto.

  • Desinteressado

    interessantissimo seu resumo pra colocar num blog, Poletto,
    vou prestar bastante atenção!

  • Simples Cidadão

    P….artido
    M….ovimento
    D….a
    B….oquinha

    Eu vc ai me arruma uma boquinha ai!
    Não vai dar, não vai dar não!
    Só se vc me ajudar na eleição.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    E de boquinha em boquinha eles vão vivendo kkkkk

  • Anônimo

    Quanta lambança fez este Missoni na prefeitura, gente do céu. Já vai tarde.De planejamento nunca tinha nada. Planejar é preparar com antecedencia e ele sempre deixava para em cima da hora. Não foi isso que aconteceu com a zona azul, com a iluminação de natal, com a reforma, com os semáforos que nunca vieram e só foram anunciados, com o trãnsito e tantas outras coias. Os caras do PMDB puxaram o tapete dele e ele agora vai ter que ir pro rancho pescar.
    Só falta tirar o Colombo e o Jediel.

  • anônimo

    Juliano Matos prefeito – Flá vice – Garça vereador e perola guardinha kkkkkkkkkkkkkkkkk sem falar no macetão deputado kkkkkkkkkkkk

  • tião

    Juliano Matos para Deputado Federal em 2014. E por falar nisso, quantos votos ele teve em 2010? Deve ter sido uma quantia muito grande de votos que nem o site do TSE conseguiu informar.

  • Anônimo

    Teve um voto e ainda foi anulado kkkkkkk Tem hora que da dó viu rs eee J.m quem te conhece não vota

  • anônimo

    anônimo, tem uma lista no TRE que diz que ele teve por aqui 621 votos. Não sei se essa lita é só Jales ou outras cidades também. Mas eu pergunto, será que com esses 621 votos o Juliano de Matos conseguiria se eleger vereador? Tem gente no partido dele com potencial maior que esse? Será que essas pessoas vão votar nele novamente? Será que outras que não votaram vão votar? Deixo o comentário para vocês analistas políticos de plantão. Comentado o rapaz está.

  • Anônimo analista

    A considerar que na eleição de 2010 o Juliano “sem noção” Matos concorreu diretamente com uns 10 ou 12 candidatos e obteve 621 votos (conforme post acima), nas eleições desse ano quando concorrer com 80 a 100 candidatos aproximadamente, com penetração em bairros, empresas, igrejas, escolas, grupos etc, o Juliano “sem noção” Matos deverá atingir a exuberante soma de 70 à 80 votos votos. Em resumo, com essa maravilhosa votação deverá ser eleito para inspetor de quarteirão.

  • anônimo

    anônimo analista. Mais uma piada pronta neste blog.

  • anônimo

    Juliano Matos ta na boca do povão. Quanto mais ele leva ripada, mais o povão comenta e admira.

  • Anônimo

    Admira? kkkkkk é isso vou ter que te dar razão é como um palhaço que quanto mais faz malabares, mais o povo bate palma e tem dó de uma pessoa tão inocente que gosta de se aparecer .Cada uma que leio aqui viu

  • anônimo

    quanta raiva ou inveja esse povo catiga. vamos crescer pessoal!

  • FUNCIONARIA

    NOSSA ACHO QUE A POLITICA AQUI VIROU CACA. ACORDA JALES!!!!

  • bolero

    Camarada Martini não tem jeito agora é Flá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *