BOA NOTÍCIA: PARAPLÉGICO VOLTA A ANDAR NA BAHIA APÓS TRATAMENTO INÉDITO

A notícia está no portal da revista Veja:

Nove anos após sofrer uma violenta queda durante uma viagem em família, que lhe causou um trauma raquimedular – lesão que causa comprometimento da função da medula espinhal -, que tirou a sensibilidade e os movimentos das duas pernas, o major da Polícia Militar Maurício Borges Ribeiro está andando novamente. Por enquanto, Ribeiro ainda precisa ser amparado por um andador e por uma órtese no tornozelo, por causa da atrofia muscular sofrida em suas pernas em nove anos de imobilidade. Mas as perspectivas são boas.

“Estamos fazendo um trabalho de fortalecimento muscular, para que o paciente possa, futuramente, se sustentar em pé e andar sem a ajuda de aparelhos”, afirma Claudia Bahia, a fisioterapeuta e pesquisadora da Clínica de Atenção à Saúde (Casa), do Centro Universitário Estácio da Bahia (Estácio-FIB) – onde o policial realiza as sessões de fisioterapia uma vez por dia. “Há pouco tempo, ninguém acreditava que seria possível que um paciente paraplégico com lesão completa pudesse voltar a andar. É uma conquista imensurável”.

Ribeiro foi o primeiro homem a participar de um tratamento experimental, desenvolvido por cientistas da Fundação Oswaldo Cruz na Bahia (Fiocruz-BA), com o apoio dos hospitais Espanhol e São Rafael e de universidades baianas, para melhorar a qualidade de vida de pacientes que, como ele, tiveram ruptura total da medula espinhal por causa de traumas – e, com isso, perderam completamente a sensibilidade, o controle e os movimentos de quadris e pernas.

O tratamento consiste na aplicação de células-tronco mesenquimais, retiradas da medula óssea da bacia dos próprios pacientes, diretamente na região onde ocorreu o trauma. O procedimento começou a ser estudado em 2005 e foi testado inicialmente em animais domésticos, a partir de 2007, com melhorias em graus diferentes em todos os casos. 

1 comentário

  • Luiz Gustavo

    Eu estou minho contente e muito confiante neste avanço da medicina, gostaria de saber como que eu posso me cadastrar para participar deste tratamento, abraços…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *