COMO OS CUBANOS TRATAM OS CACHORROS DE RUA

A notícia é do portal Hypeness:

No mundo inteiro, são 600 milhões de cães abandonados, sem ter onde dormir ou o que comer. Isso é algo que realmente preocupa, pois se trata de um problema difícil de resolver para os governos. Mas, não para o governo de Cuba.

O país socialista, que sempre teve uma grande população de cachorros de rua, decidiu que deveria ajudá-los de alguma maneira. Foi determinado que as Instituições Públicas do Estado deveriam adotar esses cachorros, fornecendo atenção e cuidados médicos e, mais importante do que tudo, dignidade.

Desde aí, todos os cachorros que circulam nas ruas recebem uma carteirinha oficial do Governo com nome, foto, informações de saúde, como se estão vacinados ou não, e ainda o nome da instituição que os ajuda em caso de emergência (tem número de telefone em cada carteirinha).

Ah, e com um aviso em alguns deles: ‘sou um cachorro de rua, não me maltrate‘.

13 comentários

  • Porto Mariel e + Médicos : Grandes negócios do PT

    Certamente o PT está com saudade dos grandes negócios com a ditadura cubana, pois Lula e Dilma sempre adoraram os irmãos Castros. Dos negócios entre os 2 países, saiam boas propinas.
    Nos 13 anos do governo do PT, Lula e Dilma pressionaram o BNDES (dinheiro nosso) a emprestar dinheiro para construir um porto e aeroportos que até hoje, eles não pagaram pois Cuba não tem dinheiro.
    Alias, a ideia de criar o programa Mais Médicos foram dos cubanos. A desculpa do PT era de que os médicos brasileiros não queriam trabalhar em regiões longínquas. kkk
    Criaram o programa, também, para abater nesta divida impagável, de um dinheiro que daria para resolver o problema de deficit de leito hospitalar.
    Certamente se Lula ganhasse teríamos o programa “Mais cachorros” para a exportação de cães para o Brasil.

  • Arrependimento

    Coitado só os cachorros são ajudados dignadamente pelo Estado cubano, com atenção e cuidados médicos e principalmente com dignidade, pelo povo caribenho .
    No Brasil existem os analfabetos humanos que, sendo: iletrados, incultos, apedeutos, leigo, ignorantes e não tem conhecimentos ou são desconhecedores sobre um assunto, para escreverem burrices ou idiotices , quando não tem nada de objetivo para fazer ou escrever e sempre vem com as mesmas canalhices pensando que o Brasil vai criar Burro cujo o animal iletrado, nasceu do cruzamento do cavalo ( seu pai ), com sua mãe a ( Mula )
    Deste :obscurantismo, desconhecimento, incultura, inabilidade, insciência, apedeutismo, imperícia e incompetência só saem assuntos sobre Porto Mariel e mais médicos

  • Anonimo

    A IMPORTÂNCIA DO PORTO MARIEL PARA O BRASIL.

    ******texto tirado da Folha do Estado de São Paulo, do Estadão, da Revista Veja e da Carta Capital tornando-se assim para os Incultos uma Intertextualidade dessa mídia escrita: isso só foi feito por mim para calar a boca de certo ou certos ignorantes desajustado, comecei dia 7 e estou terminando dia 8 de dezembro.
    Como informação no Google deve ter alguma coisa: a conversa começa no ano de 2004 e segue adiante.

    Um ano após inauguração, Porto de Mariel satisfaz aposta estratégica do Brasil em Cuba.
    Nos últimos meses, de 2015 investimento brasileiro foi de quase R$ 1 bi na instalação cubana se justificou com reaproximação entre governo cubano e Estados Unidos
    Em um ensolarado dia 27 de janeiro de 2014, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e seu homólogo cubano, Raúl Castro, cortaram juntos e com a mesma tesoura a fita de inauguração do Porto de Mariel. O ato simbólico foi celebrado por uns, mas visto por outros como uma decisão adotada por questões ideológicas pelo governo brasileiro. Meses se passaram e a aposta estratégica passou a ser encarada com outros olhos após a reaproximação entre Washington e Havana.
    Situado a menos de 200 quilômetros da Flórida, Mariel é atualmente o porto mais próximo do território norte-americano. Embora o local só tenha aparecido nos holofotes da imprensa internacional nos últimos anos, a cidade cubana desempenhou papel central na história moderna da ilha caribenha. Durante a crise dos mísseis de 1962, por exemplo, Mariel foi o estacionamento escolhido pelos russos para descarga de ogivas nucleares. Anos depois, em 1980, a região do porto foi foco de um êxodo de 120 mil cubanos que fugiram de balsa para os EUA, uma das principais ondas migratórias entre os dois países.
    Ismael Francisco/ Cubadebate
    Dilma e Raúl em 2014: BNDES destinou uma verba de mais de US$ 800 milhões para financiamento das obras do porto cubano
    Motivos não faltam para o interesse brasileiro no local. Em primeiro lugar, Cuba é um país de 11 milhões de habitantes que importa mais de 80% dos alimentos que consome. Estimativas do Conselho Comercial Econômico Cuba-Estados Unidos também apontam que as importações de alimentos custem cerca de US$ 2 bilhões por ano ao governo de Raúl Castro
    Vale ressaltar, ainda, que as exportações brasileiras para a ilha quadruplicaram a US$ 450 milhões na última década, elevando o Brasil ao terceiro lugar na lista de parceiros da ilha, atrás apenas de Venezuela e China. Ou seja, um mercado interessante para sua vizinhança latino-americana, um potencial para exploração de empresas brasileiras que não têm – por enquanto – um rival do peso como os norte-americanos, por conta do embargo econômico imposto há mais de 50 anos por Washington.
    No entanto, para Arturo López Levy, professor do Centro de Estudos Globais da Universidade de Nova York (NYU), mesmo com a expectativa de que o embargo caia nos próximos anos, isso não implicaria uma perda de influência brasileira. “Mais do que China e Rússia, o Brasil é a potência emergente na qual Cuba mais tem confiança”, define Levy, em entrevista a Opera Mundi por telefone.
    Para o especialista, que nasceu na cidade cubana de Santa Clara, mas trabalha na academia norte-americana desde 2001, o porto de Mariel é a aposta estratégica mais importante do hemisfério neste momento. “O Brasil quer acompanhar a transição da economia de mercado cubana e o investimento em Mariel presume também a modernização do canal do Panamá e uma possível construção de um canal na Nicarágua, já que implica o aumento do fluxo de mercados no Caribe. É um local muito estratégico”, explica.
    A vanguarda brasileira*****
    Durante os dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), o governo brasileiro desenvolveu uma série de estratégias na América Central para se aproveitar do momento em que a ilha caribenha abrisse a sua economia, contou a Opera Mundi Welber Barral, secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento entre 2007 e 2011, em 17 de dezembro de 2014, dia em que foi anunciada a reaproximação entre os governos norte-americano e cubano.
    “O Brasil queria estar na frente e ter importante posição de vanguarda na hora que começasse uma abertura maior da economia cubana. A reaproximação dos EUA é mais um passo nesse sentido, mas deve se dar de forma paulatina”, declarou à época Barral, que também é conselheiro da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e professor no Instituto Rio Branco
    Mariel é uma zona econômica especial, isto é,uma área de livre comércio que tem como objetivo atrair o investimento estrangeiro para Cuba
    “Por volta de 2008 foram feitas várias avaliações, inclusive pelo Itamaraty, sobre uma paulatina abertura cubana”, recorda Barral. “A adesão norte-americana não esperávamos tão cedo, mas havia, sim, uma expectativa do Brasil de participar da economia cubana naquele momento”, acrescenta.
    Socialismo encontra capitalismo ******
    Desde 2006, quando Raúl Castro assumiu a Presidência cubana de forma interina, a ilha passou a empreender uma série de reformas para flexibilizar e modernizar a economia local, chegando ao seu clímax com a inauguração de Mariel.
    O porto cubano ainda apresenta outros benefícios próprios: além de ter grande profundidade e ser capaz de recepcionar navios maiores que a maioria das instalações portuárias do Caribe, Mariel foi formulado como uma zona econômica especial a apenas 45 quilômetros da capital, Havana.
    Isso significa que o local tem uma legislação e regulamentação própria do investimento estrangeiro, fora da rigidez do sistema socialista cubano. “O objetivo da zona especial é o uso dessa área para desenvolver novas práticas econômicas. Servirá como um motor para dinamizar reformas econômicas cubanas”, sintetiza o professor da NYU.
    Grosso modo, a zona especial cubana é uma área de livre comércio que tem como objetivo atrair o investimento estrangeiro para a ilha, com instalações modernas e incentivos fiscais favoráveis ao mercado. Em comparação com o resto da ilha, as empresas terão de enfrentar menos restrições à contratação, além de encargos fiscais mais baixos.
    Mariel é o porto caribenho mais próximo da Flórida, a menos de 200 km de solo norte-americano.
    Para o governo cubano, é uma saída também para expandir a infraestrutura da ilha, aumentar as exportações e desenvolver projetos de alta tecnologia que vão criar empregos. “A zona é destinada a criar um clima especial, onde o capital estrangeiro vai ter melhores condições do que no resto do país”, explicou o ministro do Comércio e do Investimento Estrangeiro de Cuba, Rodrigo Malmierca, durante uma visita em setembro passado, a Pequim.
    A posição logística privilegiada não foi alvo apenas de investimentos brasileiros (o BNDES destinou uma verba de mais de US$ 800 milhões para financiamento), mas também de chineses e de outros países asiáticos. Embora a Odebrecht seja a responsável pela construção, o porto é operado pela empresa PSA International, de Cingapura.
    Este projeto foi inspirado nos moldes chineses e vietnamitas implementados décadas atrás, embora ainda não se saiba ainda quais serão as consequências a longo prazo da abertura econômica cubana, com a reaproximação diplomática norte-americana. Se Cuba tomar a mesma direção que outros “Tigres Asiáticos” tomaram no passado, tudo dependerá em grande medida do investimento internacional injetado à ilha liderada pelos irmãos Castro. O que se sabe – por ora – é que o Brasil saiu na frente.

  • Anonimo

    POR QUE O BRASIL ESTAVA CERTO AO INVESTIR EM CUBA, AO CONTRÁRIO DAS IDEIAS OTÁRIAS DOS ELEMENTOS DA DIREITA FASCISTA BRASILEIRA.-QUASE A TOTALIDADE DO TEXTO DE JOSÉ ANTONIO DE LIMA, PARA PODER TENTAR INSTRUIR OS IMBECIS–MAIS FOI UM GRANDE NEGOCIO DA POLITICA DO PT-POIS A OBRA SE PAGOU E TROUXE DIVIDENDOS PARA O BRASIL, MESMO CONTRARIANDO A DIREITA.

    O investimento no Porto de Mariel amplia o alcance do comércio e a área de influência do Brasil.
    Causou certa indignação em determinados setores da sociedade brasileira a inauguração do porto de Mariel, em Cuba, na segunda-feira 27, com a presença de Dilma Rousseff. O espanto se deu por que a obra foi erguida graças a um financiamento do BNDES, que data ainda do governo Lula. Atribui-se o investimento a uma aliança ideológica entre os governos petistas e a família Castro, responsável pela ditadura na ilha. É um equívoco ver o empréstimo desta forma. Trata-se de um ato pragmático do Brasil.
    O porto de Mariel é um colosso. Ele é considerado tão sofisticado quanto os maiores terminais do Caribe, os de Kingston (Jamaica) e de Freeport (Bahamas), e terá capacidade para receber navios de carga do tipo Post-Panamax, que vão transitar pelo Canal do Panamá quando a ampliação deste estiver completa, no ano que vem. A obra, erguida pela Odebrecht em parceria com a cubana Quality, custou 957 milhões de dólares, sendo 682 milhões de dólares financiados pelo BNDES. Em contrapartida, 802 milhões de dólares investidos na obra foram gastos no Brasil, na compra de bens e serviços comprovadamente brasileiros. Pelos cálculos da Odebrecht, este valor gerou 156 mil empregos diretos, indiretos e induzidos no País.
    A obra “se pagou”, mas o interesse do Brasil vai além disso. Há quatro aspectos importantes a serem analisados.
    O primeiro foi exposto por Dilma no discurso feito em Cuba. O Brasil quer, afirmou ela, se tornar “parceiro econômico de primeira ordem” de Cuba. As exportações brasileiras para a ilha quadruplicaram na última década, chegando a 450 milhões de dólares, alçando o Brasil ao terceiro lugar na lista de parceiros da ilha (atrás de Venezuela e China). A tendência é de alta se a população de Cuba (de 11 milhões de pessoas), hoje alijada da economia internacional, for considerada um mercado em potencial para empresas brasileiras.
    Esse mercado só será efetivado, entretanto, se a economia cubana deixar de funcionar em seu modo rudimentar atual. Como afirmou o subsecretário-geral da América do Sul do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Antonio José Ferreira Simões, o modelo econômico de Cuba precisa “de uma atualização”. O porto de Mariel é essencial para isso, pois será acompanhado de uma Zona Especial de Desenvolvimento Econômico criada nos moldes das existentes na China. Ali, ao contrário do que ocorre no resto do país, as empresas poderão ter capital 100% estrangeiro. Dono de uma relação favorável com Cuba, o Itamaraty está buscando, assim, completar uma de suas funções primordiais: mercado para as empresas brasileiras. Não é à toa, portanto, que o Brasil abriu uma nova linha de crédito, de 290 milhões de dólares, para a implantação desta Zona Especial em Mariel.
    Aqui entra o terceiro ponto, a localização de Mariel. O porto está a menos de 150 quilômetros do maior mercado do mundo, o dos Estados Unidos. Ainda está em vigor o embargo norte-americano a Cuba, mas ele é insustentável a longo prazo. “O embargo não vai durar para sempre e, quando cair, Cuba será estratégica para as companhias brasileiras por conta de sua posição geográfica”, disse à Reuters uma fonte anônima do governo brasileiro. Tendo em conta que a população cubana ainda consistirá em mão de obra barata para as empresas ali instaladas, fica completo o potencial comercial de Mariel.
    Há ainda um quarto ponto. Ao transformar Cuba em parceira importante, o Brasil amplia sua área de influência nas Américas em um ponto no qual os Estados Unidos não têm entrada. A administração Barack Obama é favorável ao fim do embargo, como deixou claro o presidente dos EUA em novembro passado, quando pediu uma “atualização” no relacionamento com Cuba. Ocorre que a Casa Branca não tem como derrubar o embargo atualmente diante da intensa pressão exercida no Congresso pela bancada latina, em sua maioria linha-dura. No vácuo dos EUA, cresce a influência brasileira.

  • Anonimo

    PROGRAMA MAIS MÉDICOS NO BRASIL–GRANDE NEGÓCIO DO PT, MESMO A DIREITA FASCISTA NÃO QUERENDO–ISSO ´SÃO OS EIXOS DO PROGRAMA:

    Mais Médicos para o Brasil, mais saúde para você.
    O Programa Mais Médicos (PMM) é parte de um amplo esforço do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, para a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de levar mais médicos para regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais, o programa prevê, ainda, mais investimentos para construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), além de novas vagas de graduação, e residência médica para qualificar a formação desses profissionais.
    Assim, o programa busca resolver a questão emergencial do atendimento básico ao cidadão, mas também cria condições para continuar a garantir um atendimento qualificado no futuro para aqueles que acessam cotidianamente o SUS. Além de estender o acesso, o programa provoca melhorias na qualidade e humaniza o atendimento, com médicos que criam vínculos com seus pacientes e com a comunidade.
    O Mais Médicos se somou a um conjunto de ações e iniciativas do governo para o fortalecimento da Atenção Básica do país. A Atenção Básica é a porta de entrada preferencial do Sistema Único de Saúde (SUS), que está presente em todos os municípios e próxima de todas as comunidades. É neste atendimento que 80% dos problemas de saúde são resolvidos.
    Nesses dois anos, o Mais Médicos conseguiu implantar e colocar em desenvolvimento os seus três eixos pilares: a estratégia de contratação emergencial de médicos, a expansão do número de vagas para os cursos de Medicina e residência médica em várias regiões do país, e a implantação de um novo currículo com uma formação voltada para o atendimento mais humanizado, com foco na valorização da Atenção Básica, além de ações voltadas à infraestrutura das Unidades Básicas de Saúde.
    Encontre mais informações no livro Programa Mais Médicos – Dois anos: mais saúde para os brasileiros
    Os três ;;
    Conheça mais sobre cada uma das frentes em que o Programa Mais Médicos está atuando. Importante ressaltar que o desenvolvimento desses eixos ocorre de maneira simultânea
    1º Eixo – Provimento Emergencial
    Os resultados alcançados pelo o Programa Mais Médicos, bem como sua aprovação pela população usuária do SUS, já comprovam o sucesso dessa ampla e inovadora iniciativa. Isso já seria suficiente para atestar que a dimensão mais imediata do projeto – a de provimento emergencial de profissionais – vem sendo atingida com sucesso.
    Atualmente, o Programa Mais Médicos conta com um total 18.240 vagas em 4.058 municípios de todo o país, cobrindo 73% das cidades brasileiras e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). Com a expansão do programa em 2015, o governo federal garante assistência para aproximadamente 63 milhões de pessoas.
    2º Eixo – Educação
    O programa vem fazendo uma profunda reestruturação na formação médica do país. É por esse eixo que será possível fazer frente, em caráter permanente, ao problema da falta de profissionais, solucionando-o de maneira definitiva. Assim, integram o Programa um plano de expansão da graduação e da residência médica e importantes mudanças no modo de formar médicos e também especialistas. A meta do Governo Federal é criar 11,5 mil novas vagas de graduação e 12,4 mil vagas de residência até 2017. Destas, já foram autorizadas mais de 5 mil vagas de graduação e quase 5 mil de residência.
    3º Eixo – Infraestrutura
    O Mais Médicos também está melhorando a infraestrutura da Atenção Básica no país, por meio da construção de novas unidades básicas de saúde e reforma e ampliação das unidades já existentes. São investidos mais de R$ 5 bilhões para o financiamento de 26 mil obras em quase 5 mil municípios, das quais aproximadamente 10,5 mil já estão prontas e outras 10 mil encontram-se em fase de execução.
    Todos esses esforços estão sendo empreendidos de forma a garantir a estrutura necessária para que os médicos do SUS atendam a população com o máximo de qualidade e motivação.

  • Anonimo

    COMO FOI O MAIS MÉDICOS COM A PARTICIPAÇÃO DOS CUBANOS.–UM PEQUENO TEXTO PARA ENSINAR OS IMBECIS DE SEMPRE:

    O Mais Médicos é um programa lançado em 8 de julho de 2013 pelo governo federal, cujo objetivo é suprir a carência de médicos nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades do Brasil.
    Médicos brasileiros tiveram prioridade em preencher as vagas do programa. As vagas remanescentes foram oferecidas primeiramente a brasileiros formados em universidades no exterior e em seguida a médicos estrangeiros, que trabalham sob uma autorização temporária para praticar Medicina, limitada à provisão de atenção básica de saúde e restrita às regiões onde serão direcionados pelo programa.
    A OPAS/OMS e o Ministério de Saúde do Brasil assinaram um Acordo de Cooperação para colaborar na expansão do acesso da população brasileira à atenção básica de saúde. O acordo inclui diversas linhas de ação: desde documentar e disseminar informação a prover aconselhamento técnico e apoio a capacitação e treinamento continuado aos médicos selecionados, seguindo as recomendações do Código Global de Práticas em Recrutamento Internacional de Pessoal de Saúde da OMS. A OPAS assinou um Acordo de Cooperação de natureza similar com o Ministério de Saúde Pública de Cuba.
    Os médicos cubanos vão trabalhar nos municípios que não foram selecionados por nenhum médico (brasileiros ou estrangeiros) nas primeiras rodadas de recrutamento. A maioria destes municípios tem 20% ou mais da população vivendo em extrema pobreza, a maioria está nas regiões Norte e Nordeste do país. Todos os médicos fazem um treinamento de 3 semanas de duração, uma semana de acolhimento nos estados aos quais serão destinados e um módulo de avaliação.
    Será que o crápula entendeu.

  • Anonimo

    QUAL SERÁ A SITUAÇÃO COM A SAÍDA DOS MÉDICO CUBANOS POR CAUSA DO PSICOPATA QUE NEM BEM COMEÇOU A GOVERNAR E JÁ DESCOBRIRAM ROUBO DE ( 24 ) MIL REAIS DE SUA ESPOSA PARA FREQUENTAR A MANICURE E DE( 1.200 ) HUM MILHÃO E DUZEWNTOS DO MOTORISTA DE SEU FILHO E AMIGO PARTI GULAR. QUAL A CONSEQUÊNCIA? ELE FICOU DOENTE PROIBIDO PELO MÉDICO DE SAIR DE CASA.

    Mais de 600 cidades podem ficar sem médicos após saída de cubanos.
    gOVERNO alerta que cubanos foram os únicos a aceitar trabalhar em unidades de saúde localizadas nas cidades mais distantes. OS DA DIREITA AÍ NÃO V
    Cubanos são os únicos médicos em 611 cidades.
    Texto da Folha de 2013.
    Com a saída dos 8.332 médicos cubanos que integram o programa Mais Médicos, ao menos 611 cidades brasileiras podem ficar sem médicos a partir do próximo ano, de acordo com estimativa de secretarias municipais de saúde.
    O alerta foi feito, por Mauro Junqueira, presidente do Conasems (Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde).
    Segundo Junqueira, os médicos cubanos foram os únicos a aceitar trabalhar em unidades de saúde localizadas nas cidades mais distantes, isoladas ou pobres do País.
    O presidente do Conselho afirma que dificilmente será possível substituir todos os profissionais nessas localidades, tendo em vista que os médicos brasileiros preferem trabalhar nos grandes centros urbanos.
    O Conasems calcula que os médicos cubanos representam mais da metade dos profissionais contratados pelo programa, que permitiu acesso à saúde a cerca de 29 milhões de brasileiros.
    No Brasil, 58,2% dos municípios (3.243 de 5.570) são beneficiados pelo Mais Médicos e os cubanos representam 90% dos profissionais que aceitaram atuar em postos de saúde em aldeias indígenas. Além disso, compõem 100% do quadro em 611 cidades.
    “O cancelamento abrupto de seus contratos representará uma perda cruel para toda a população, especialmente a mais pobre”, alertou, em comunicado, o Conasems.
    “Algumas regiões provavelmente ficarão sem médico por um período entre 60 e 90 dias. Tudo vai depender da rapidez do Ministério da Saúde para contratar os substitutos. O Conselho Federal de Medicina assegura que há médicos disponíveis no Brasil. Vamos rezar para que todos se inscrevam”, afirmou Junqueira.
    A possibilidade de que milhões de brasileiros fiquem sem assistência médica levou a Defensoria Pública da União a apresentar um recurso na última sexta-feira (16) à Justiça Federal para obrigar o governo a manter as regras atuais do programa.
    Na última quarta-feira , o governo de Cuba anunciou a decisão de abandonar o programa após declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Ele afirmou que os profissionais trabalham em condições de escravidão e condicionou a permanência do programa à realização do processo de revalidação do diploma. Também falou que o acordo poderia ser renovado se os profissionais pudessem trazer a família ao Brasil e recebesse pagamento integral — sem repasses ao governo cubano. Os médicos cubanos devem sair do Brasil nas próximas semanas.
    O Ministério da Saúde anunciou que vai lançar, ainda neste mês, um edital para contratação de médicos brasileiros e de outros países que possam substituir os cubanos.
    Soluções emergenciais, até enfermeiros e médicos sem a Rivalidade farão os atendimentos. E Viva a Direita.
    Será que o porra louca deu para entender que foi para o mesmo entende e agora vai calar seus dedos mimosos e deixar para minha mortadela?

  • Anonimo

    PORTO MARIEL E + MÉDICOS : GRANDES NEGÓCIOS DO PT*******seu Insano cria vergonha na sua cara e me responda alguma coisa que valha a pena e não fica na escuridão de sua sandice, como um coitado da Direita Fascista Brasileira, CUJO DEDÃO IMUNDO, JÁ TENHO CERTEZA SE ARREPENDEU DE TER CLICADO NO FACÍNORA DO PSICOPATA BOLSONARO.

    Após o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) dizer que os médicos cubanos são ‘escravos’, o jornalista Gilberto Dimenstein foi atrás de dados para fazer um comparação entre a renda do médico cubano e a renda dos brasileiros ‘livres’. (E olha que Dimenstein é um jornalista que acreditava que Sérgio Moro era juiz de verdade!, pelo menos até ganhar um cargo no governo Bolsonaro).
    Dimenstein chegou a conclusão de que os médicos cubanos pertenceriam economicamente a classe mais rica do Brasil, ou seja, ao 1% mais rico.
    Apesar de muito alta, a relação ainda deixou de fora o custo de vida em Cuba e no Brasil, o que aumenta ainda mais a riqueza do médico ‘escravo’ cubano em relação ao brasileiro ‘livre’.
    O jornalista lembra que um médico cubano que vem ao Brasil trabalhar ganha salário mensal de R$ 3 mil líquidos – ou seja, já descontados os impostos. Também recebe casa e comida grátis, bancadas pelas prefeituras brasileiras. “Portanto, a renda líquida do médico cubano giraria no mínimo em torno de R$ 8 mil. Para um brasileiro ganhar essa renda líquida seria necessário um salário em torno de R$ 10 mil mensais – o que o coloca na classe A. Ou seja, os mais ricos”, diz Dimenstein.

    Ele lembra que segundo o IBGE, a Renda média do brasileiro foi de R$ 1.268 em 2017; “Menos de 1% da população brasileira é rica. Isto significa que 1,5 milhão de pessoas ganha mais de R$ 8 mil (precisamente R$ 8.518,04). O salário médio per capita de uma família rica, desde que as quatro pessoas trabalhem, é de R$ 2.129,51. Ou seja, o “escravo” cubano faz parte de 1% mais rico do Brasil“, mostra Dimenstein.

    *****Salários de médicos cubanos superam os de médicos que atendem por plano de saúde
    *****”O povo cubano não dá o que sobra, compartilha o que tem”, diz médica cubana ao deixar o Brasil
    Mas isso é só o começo da conversa comparativa entre os médicos cubanos ‘escravos’ e os brasileiros ‘livres’. O custo de vida em Cuba chega a ser 10 vezes menor do que o preço do custo de vida no Brasil. Um salário mínimo em Cuba gira em torno de 30 dólares enquanto no Brasil é de 265 dólares. Ao levar esses recursos para Cuba, os médicos ‘escravos’ se tornam ainda mais ricos.
    E há mais diferenças: os médicos ‘escravos’ têm as melhores escolas e faculdades do país e os melhores hospitais e tratamentos gratuitamente. Ou seja, esse salário de R$ 3 mil em Cuba se torna um supersalário.
    Vale lembra que o presidente eleito Jair Bolsonaro votou a favor da chamada Reforma Trabalhista, que retirou direitos dos trabalhadores brasileiros que ganham um salário mínimo.
    Só para lembrar, um salário mínimo no Brasil não permite pagar nem plano de saúde e nem escola particular para os filhos. Mas é um valor que permite ser livre para sonhar que um dia ficarão ricos.
    ENTENDEU SUA ANTA.
    VEM ESCREVER SANDICES VEM SEU ANALFABETO.

  • BNDES - Grandes negócios do PT

    Certamente o MPF, através de Moro, não investigou o BNDES que financiou as exportações de bens e serviços de engenharia de grandes empreiteiras (Odebrecht, etc). Com juros mais baratos do que aqui.
    Vários países deram calote como a Guiné Bissau sendo que o governo teve que tirar dinheiro do Seguro Desemprego para cobrir o rombo no orçamento do tesouro.
    Eis a relação de obras financiadas pelo PT : Porto em Cuba, 4 hidrelétricas no Equador, Nicarágua e Peru, metrô e rodovia no Panamá , aqueduto e soterramento na Argentina, Ponte e metro na Venezuela, barragem, BRT e aeroporto em Moçambique, etc
    Como estes, existem mais de 3 mil empréstimos concedidos pelo BNDES no governo do PT. Eles construíram um propinoduto?
    Porque será que Lula e Dilma preferiram dar empréstimos a esses países sendo que o Brasil precisava tanto de obras?
    Propina????

  • Anonimo

    BNDES–GRANDES NEGÓCIOS DO PT*******pela ultima vez vou responder ao escroto acima, um facínora da direita fascista brasileira.
    Realmente o MPF , não investigou o BNDES que financiou várias exportações de bens e serviços de engenharia de grandes empresas, pois o único intuito de moro era prender Lula não por provas mas por convicções, para que eles a Direita brasileira conseguisse chegar ao poder, caso contrário teria agora que ( Investigar o motorista e ex-assessor do Flávio Boolsonaro sobre o desvio de 24 mil reais para a esposa do presidente e 1,2 hum milhão e duzentos para seu filho),.
    Os idiotas da fauna obscurantista podem até se compensarem psicologicamente quando repassam essa mentirada pela internet. Mas o tucano, que não é um idiota, mas pretende enganar os menos informados, exerce o mandato de senador ,e já foi até presidente da Câmara Federal. ( Aécio ).
    “Ele sabe que o BNDES não pode repassar um centavo para governos estrangeiros: quem a ele recorre é a empresa nacional que vai ganhar em dólares em obras por dezenas de países.
    Foi o que explicou didaticamente o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, em 27 de maio deste ano.
    Segundo o presidente do BNDES, não houve empréstimo ao governo cubano e sim para uma empresa brasileira, no caso, o Grupo Odebrecht. Ele lembrou que o BNDES é impedido por lei de emprestar dinheiro para empresas ou governos estrangeiros. “O BNDES libera recursos apenas para empresas brasileiras que tenham sido encarregadas de realizar um serviço no exterior. Nossa relação é com a empresa nacional, para gerar empregos no Brasil.”
    Por isso meu caro o BNDES não emprestou nunca dinheiro para Cuba e sim para um empresa brasileira, como esta acostumada a fazer em todo governo.
    A inauguração do porto de Mariel, em Cuba, levou espanto por que a obra foi erguida graças a um financiamento do BNDES, que data ainda do governo Lula. Atribui-se o investimento a uma aliança ideológica entre os governos petistas e a família Castro, responsável pela ditadura na ilha. É um equívoco ver o empréstimo desta forma. Trata-se de um ato pragmático do Brasil.
    O porto de Mariel é um colosso. Ele é considerado tão sofisticado quanto os maiores terminais do Caribe, os de Kingston (Jamaica) e de Freeport (Bahamas), e terá capacidade para receber navios de carga do tipo Post-Panamax, que vão transitar pelo Canal do Panamá quando a ampliação deste estiver completa, no ano que vem. A obra, erguida pela Odebrecht em parceria com a cubana Quality, custou 957 milhões de dólares, sendo 682 milhões de dólares financiados pelo BNDES. Em contrapartida, 802 milhões de dólares investidos na obra foram gastos no Brasil, na compra de bens e serviços comprovadamente brasileiros a juros abaixo do mercado. Pelos cálculos da Odebrecht, este valor gerou 156 mil empregos diretos, indiretos e fez entrar no país ( Brasil ), milhões de dólares .
    A obra “se pagou”.
    Então coiso suas primeiras linhas são uma merda copiada no google .
    Mais uma vez burradas, os países:–*Cuba, Equador,Nicarágua , Peru, Panamá, Argentina, Venezuela, Moçambique etc… tiveram; ;hidrelétricas, Ponte, Metro , Rodovias, Aqueduto, Compra de Ônibus ( você esqueceu ou é burrice ), Aeroporto etc….. financiamentos feitos pelo BNDES, através do Governo de Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma. Pois entre os países do mundo todo, precisa haver um intercâmbio, cultural, econômico, social, agrícola, educacional, saúde etc…para que haja uma sociedade mais igualitária e homogenia , tornando-as auto suficiente nesta globalização do final do séc XX e início do XXI.
    Seu Asno não existe no mundo países sem divida , país sem precisar de outros, por isso a existência do Ministério do Comércio Exterior.
    Escroto seja qual for a quantidade de empréstimo, quem os fez foi primeiro o PSDB depois o PT e havia e haverá necessidades pois nada ou ninguém sobrevive sozinho .
    Propinoduto deve ter você em sua parte de trás no ânus
    Apreenda uma coisa seu Estrume tudo o que fez o PT, fez também o PSDB, a unica diferença é que Lula foi o melhor presidente do Brasil para a quase totalidade governos do mundo, tanto é que o mesmo tem 55 títulos de honraria e você nada mais é do que um fanático doidinho pela linguiça dos petistas.
    Imbecil veja o que o Porto Mariel proporcionou para o Brasil:
    **********Volume de US$ 800 milhões são gastos integralmente na exportação de bens e serviços As obras de modernização do Porto de Mariel e sua estrutura logística exigiram investimentos de US$ 957 milhões, sendo US$ 682 milhões financiados pelo Brasil e o restante aportados por Cuba. Para aprovação do crédito, o BNDES acordou com o governo cubano que, dos US$ 957 milhões necessários, pelo menos US$ 802 milhões fossem gastos no Brasil na compra de bens e serviços comprovadamente brasileiros.
    Isso proporcionou a centenas de empresas brasileiras a oportunidade de participar do empreendimento, mediante a exportação dos serviços que prestam e dos bens fabricados no Brasil.
    Mauro Hueb, diretor-superintendente em Cuba da Odebrecht, empresa brasileira responsável pelas obras em sociedade com a Quality, companhia vinculada ao governo cubano, fala da contrapartida gerada para as exportações no Brasil.
    “É importante ressaltar que US$ 800 milhões foram gastos integralmente no Brasil para financiar exportação de bens e serviços brasileiros para construção do porto e, como consequência disso, gerando algo em torno de 156 mil empregos diretos, indiretos e induzidos, quando se analisa que a partir de cada US$ 100 milhões de bens e serviços exportados do Brasil, por empresas brasileiras, geram-se algo em torno de 19,2 mil empregos diretos, indiretos e induzidos”, explicou Hueb.
    Entendeu seu FDP. és um Verme Inconsequente e Psicopata,

  • BNDES - Grandes negócios do PT (2)

    Anonimo
    Bem que vc tentou mas não conseguiu justificar os empréstimos do BNDES feitos pelo seu partido. Foi tudo puro roubalheira!
    Acalme-se. Tome seu calmante para dormir. Depois que eu escrever “Petrobras – grandes negócios do PT”.
    Você vai xingar muito! Seu fanatismo vai te enlouquecer! Você vai espumar de raiva!
    Aguarde. Estou pesquisando
    kkkkkk

  • Anonimo

    BNDES – GRANDES NEGÓCIOS DO PT (2 ) imbecil estou lhe esperando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *