ATRASO NAS OBRAS DA EUCLIDES DA CUNHA AFASTA ALCKMIN DE AGENDA NA REGIÃO

A notícia está no jornal eletrônico DiárioWeb, edição deste domingo:

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), só visitará a região de Rio Preto após o início das obras de duplicação dos 191,4 quilômetros da rodovia Euclides da Cunha entre Mirassol a Rubinéia. O governo vai descumprir a promessa assumida pelo secretário Estadual de Transportes, Saulo de Abreu, de que a obra seria iniciada até a próxima quarta-feira, dia 9. A obra, que já foi licitada, vai custar R$ 773,7 milhões. “O Alckmin só virá à região com máquinas e homens trabalhando”, diz um interlocutor do governador.

Alckmin afirmou a aliados próximos, durante a semana passada, que só virá à região depois de iniciada a obra. Enquanto isso, mesmo com outros projetos já concluídos e à espera de inauguração, o governador quer evitar desgaste junto à população, já que sabe que as cobranças virão. No ano passado, durante o processo eleitoral, o ex-governador Alberto Goldman assinou ordem de serviço para o início imediato da obra, o que só ficou no papel. A duplicação não foi iniciada e o ato soou como eleitoreiro até mesmo para aliados tucanos.

A justificativa para os atrasos é que o governo promove “ajustes burocráticos” para iniciar oficialmente as obras da duplicação da SP-320. “Um ano e meio e não desenrolam essas questões burocráticas”, afirmou o deputado estadual eleito Carlão Pignatari (PSDB), ex-prefeito de Votuporanga. De acordo com Pignatari, algumas prefeituras ainda não aprovaram leis municipais repassando ao Estado áreas que serão usadas para a duplicação da rodovia. Esse fato foi confirmado ainda pelo secretário estadual de Gestão, Julio Semeghini. “Se não estiver enganado faltam duas prefeituras promoveram a transferência de imóveis para o Estado”, disse Semeghini.

Entre os municípios que teriam de repassar imóveis ao Estado estão uma área em Bálsamo, duas em Tanabi, uma em Votuporanga, uma em Valentim Gentil, três em Fernandópolis, uma em Estrela d’Oeste, uma em Jales, uma em Urânia e cinco em Santa Salete. Em relação as áreas particulares, serão desapropriadas cerca de 500 imóveis, que custarão R$ 26 milhões ao governo estadual.

Alckmin tenta fechar a documentação exigida para iniciar a obra que tem como objetivo reduzir o número de acidentes na rodovia SP-320. Após as desapropiações serem finalizadas, a Cetesb dará sinal verde para o início da duplicação. Segundo Semeghini, a meta prevista pelo governo é que a obra seja iniciada nos próximos 15 dias. “As empresas que venceram a licitação já estão contratando mão-de-obra”, afirmou o secretário Estadual de Gestão.

3 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *