2 comentários

  • POR FERNANDO BRITO
    E A PRESSÃO DOS JUÍZES E DO MP–Dra. CARMEM, A SENHORA ACEITA

    Mil promotores e juízes fazem um “abaixo assinado”, piedosamente batizado de “Nota Técnica” para exigir do Supremo Tribunal Federal que autorize Sérgio Moro a prender Lula imediatamente.
    Chegam a admitir no texto, que a prova é um aspecto secundário, bem abaixo da convicção, neste trecho, onde grifo:
    A interpretação do princípio da presunção de inocência deve-se operar em harmonia com os demais dispositivos constitucionais, em especial, os que se relacionam à justiça repressiva. O caráter relativo do princípio da presunção de inocência remete ao campo da prova e à sua capacidade de afastar a permanência da presunção. Há, assim, distinção entre a relativização da presunção de inocência, sem prova, que é inconstitucional, e, com prova, constitucional, baseada em dedução de fatos suportados ainda que por mínima atividade probatória.
    Disso decorre que não é necessária a reunião de uma determinada quantidade de provas para mitigar os efeitos da presunção de inocência frente aos bens jurídicos superiores da sociedade, a fim de persuadir o julgador acerca de decreto de medidas cautelares, por exemplo; bastando, nesse caso, somente indícios, pois o direito à presunção de inocência não permite calibrar a maior ou menor abundância das provas.
    É de causar arrepios a quem pensa na Justiça como ferramenta da aplicação do direito e no velho – e ao que parece, aposentado – conceito de prova, agora substituído por qualquer “dedução de fatos” e pelo “em dúvida” não mais pro reu, mas pelo que achem que seja “pro societas“, em seu exclusivo conceito.
    Aliás, “flexibilização de princípios” é argumento que, pela sua contradição, só pode ser próprio de canalhas, porque é o mesmo que não ter princípios.
    Numa descarada usurpação de funções, não apenas violam a Lei Orgânica da Magistratura – que proíbe a juízes de se manifestarem “por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento, seu ou de outrem” – como atuam como advogados:
    …os membros do Ministério Público e do Poder Judiciário abaixo assinados manifestam-se pela constitucionalidade de prisão após a condenação em 2ª instância.
    Como cidadãos, têm todo o direito de expressar opinião. Mas quando se qualificam e se agrupam como “membros do Ministério Público e do Poder Judiciário”, não podem.
    A não ser como foras da lei, algo que parece já não vir ao caso, diante de seus ódios políticos.
    Sabem que essa “pressão” a Ministra Cármen Lucia aceita. O Supremo, talvez não.
    OS MAIORES CORRUPTOS SÃO OS JUÍZES E O MP LIDERADOS POR MORO.

  • Os idiotas protegem os seus bandidos

    Os políticos corruptos elegem seus inimigos para os “bocas de piratas” repetirem.
    Lula e Dilma falam mal de Moro, dos delegados da PF e procuradores da Lava Jato. Os petistas xingam de corruptos, e ladrões para proteger seus ídolos.
    Agora Temer elege o ministro Barroso como seu inimigo n.1 que mandou prender seus “amigos” depois de xingar Janot do PGR. Emedebistas xingam os dois

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *