ENQUANTO BOLSONARO SE PREOCUPA COM A VENEZUELA, DESEMPREGO CONTINUA AUMENTANDO NO BRASIL

As duas fotos acima mostram bem como o Brasil “melhorou” com a chegada do bolsonarismo ao poder.

A da esquerda foi tirada em agosto do ano passado, quando cerca de 5.500 pessoas foram ao vale do Anhangabaú em busca de uma vaga de trabalho no chamado “mutirão do emprego”, promovido pelo Sindicato dos Comerciários de São Paulo e pela União Geral dos Trabalhadores(UGT).

Já a foto da direita foi registrada nesta semana, quando da realização de mais uma edição do tal mutirão. Cerca de 15.000 desempregados – quase o triplo – ficaram na fila para tentar conseguir um emprego, ainda que temporário.

E ainda nesta semana, enquanto o ex-urubólogo Alexandre Garcia – agora uma alegre Polyana, que consegue enxergar tudo cor-de-rosa no sombrio governo Bolsonaro – anunciava alegremente os 170 mil novos empregos formais contabilizados em fevereiro pelo CAGED, o IBGE, de outro lado, anunciava que o número de desempregados teria saltado de 12,7 milhões, em janeiro, para 13,1 milhões de pessoas, em fevereiro.

Considerando que, ao final de dezembro, o IBGE calculava que tínhamos 12,4 milhões de desempregados, isso significa que, em dois meses de bolsonarismo, pelo menos 700 mil pessoas passaram a frequentar as filas do desemprego.

E, enquanto isso, Bolsonaro está preocupado em invadir a Venezuela ou em comemorar o golpe militar. E se o IBGE insistir em divulgar essas más notícias, correrá o risco de ser fechado.      

5 comentários

  • Enfermeiro cubano

    DESEMPREGO SOBE E ATINGE 13% MILHÕES DE BRASILEIROS DE BRASILEIROS, DIZ O IBGE:—de acordo com o instituto, a taxa de desemprego subiu para 12,4% nos três meses .
    Segundo os dados, o contingente de pessoas desocupadas é de 13,1 milhões, um crescimento de 7,3% (892 mil pessoas na população desocupada), em relação ao trimestre anterior, de setembro a novembro, quando havia 12,2 milhões de desempregados.
    “A desocupação voltou a subir, mas não é a maior da série. Neste mesmo trimestre (dezembro a fevereiro), a maior foi de 13,2%, em 2017. Esperava-se que ela fosse subir, é um aumento que costuma acontecer no começo do ano”, explica o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.
    A última vez que o número de desempregados ficou na casa dos 13 milhões foi nos três meses encerrados em maio de 2018.
    A estatística da subutilização da força de trabalho ficou em 24,6%, somando 27,9 milhões de pessoas, maior número da série histórica do IBGE iniciada em 2012.
    Na comparação com os três meses anteriores, houve uma alta de 901 mil pessoas subutilizadas. Já na comparação como mesmo trimestre do ano anterior, o crescimento foi de 2,9%, ou 795 mil pessoas.
    O grupo de trabalhadores subutilizados reúne os desocupados, os sub ocupados com menos de 40 horas semanais e os que estão disponíveis para trabalhar, mas não conseguem procurar emprego por motivos diversos.
    O Brasil afundando e a direita esperneando e eu adorando.

  • eu

    https://external-gru2-1.xx.fbcdn.net/safe_image.php?d=AQDw5sOIfjtOiZlw&w=540&h=282&url=https%3A%2F%2Fblogdacidadania.com.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2019%2F03%2Fpode.png&cfs=1&upscale=1&fallback=news_d_placeholder_publisher&_nc_hash=AQAOPDyGs1R0TLA_

    ********Desembargadora que liberou comemorar golpe de 64 acumula histórias obscuras
    Uma breve busca no Google com o nome da desembargadora Maria do Carmo Cardoso revela uma série de escândalos e posicionamentos suspeitos. Permitir a comemoração do golpe sangrento de 1964 foi o ápice de sua atuação medonha como magistrada.
    Em 2011, a desembargadora chamou índios de “privilegiados” quando, em uma sessão-relâmpago de 15 minutos no Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1), votou afirmando que os povos indígenas afetados por Belo Monte não precisavam de ser consultados pelo Congresso Nacional.
    Outro caso da magistrada envolve a denúncia de Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, que afirmaram ter tentado comprar decisões judiciais em tribunais superiores em Brasília. Para isso, contavam com a advogada Renata Gerusa Prado de Araújo e com a mãe dela, a desembargadora Maria do Carmo Cardoso. A denúncia ocorreu por meio do ex-marido de Renata, que sofreu ameaças de morte.
    Segundo matéria da VEJA, a desembargadora também autorizou o desbloqueio de 45 milhões de reais que deveriam ser pagos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) à rede Soebras, dona de empresas nos setores de educação e saúde, pertencente ao ex-prefeito de Montes Claros (MG), Ruy Muniz, e à deputada federal Raquel Muniz (PSD-MG).
    Quem não se lembra do voto patético de Raquel Muniz (foto) no congresso? “Meu voto é pra dizer que o Brasil tem jeito, e o prefeito de Montes Claros mostra isso pra todos nós com a sua gestão”, disse efusivamente.
    O repasse do FNDE havia sido bloqueado em razão da descoberta de fraude fiscal e desvio de recursos públicos pela empresa. O esquema fraudulento foi descoberto em 2016 e resultou na prisão de Ruy Muniz, em abril daquele ano, logo após a votação do impeachment de Dilma Rousseff.
    Reportagem do DCM também mostrou outro capítulo obscuro da atuação de Maria do Carmo, dessa vez em relação a um caso no Amapá. O veredito da desembargadora Maria do Carmo no fim de 2017 deu ganho de causa a uma mineradora que, com base em provas, já tinha perdido nas instâncias inferiores. Ela não levou em conta as sentenças em que a empresa saíra derrotada, pois não foram sequer apreciadas ou citadas em seu parecer.
    Agora, a mais recente decisão desse ser humano comprova sua natureza abjeta: ela derrubou liminar e liberou as comemorações da ditadura sangrenta civil-militar que se instalou no Brasil em de 31 de março de 1964. Para Maria do Carmo Cardoso, não há ‘violação ao princípio da legalidade, tampouco violação a direitos humanos, mormente se considerado o fato de que houve manifestações similares nas unidades militares nos anos anteriores, sem nenhum reflexo negativo na coletividade’.
    Essa gente é um perigo ao Brasil, a todo o processo civilizatório que, a duras penas, tentamos fazer acontecer. Porém, quando a barbárie veste a toga, há muito pouca esperança. Brasil, um país miseravelmente à mercê de gente da pior espécie.

  • Enquanto Dilma se preocupava com o golpe, o desemprego aumentava!

    A comparação do desemprego nos governos mostra claramente que o desemprego começou a aumentar no segundo mandato de Dilma, antes de seu impeachment e manteve-se alto no governo Temer.
    Em 2002 (FHC): tivemos 10,5%. Em 2010 (Lula): tivemos 5,3%. Em 2014 (Dilma):tivemos 4,3%. Em 2016 (golpe/ Dilma) tivemos: 10,2% Em 2017 (Temer) tivemos 13,7%.
    Bolsonaro, a 3 meses, no governo certamente não criou essa taxa altissima de desemprego. O aumento de 700 mil desempregados mostra que seu governo está preocupado em aprovar as reformas. Ou melhor, por “a casa em ordem”.
    Bolsonaro sabe que seu governo precisa parar de gastar para fazer a economia “andar” consequentemente diminuir o numero de desempregados.

  • Enquanto Dilma se preocupava com o golpe, o desemprego aumentava! (2)

    Cardosinho
    Depois que Dilma saiu do governo com milhões de desempregados, o seu vice Temer aumentou esse numero de desempregados. Os petistas não podem criticar Bolsonaro, com 4 meses de governo, pelo desemprego.
    Temos que esperar. A derrota faz parte da politica!
    Quem é Alexandre Garcia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *