GOVERNO TEMER QUER COBRAR INSS DE APOSENTADOS POBRES, MAS PROTEGE RICOS DE TAXAÇÃO

aposentados

Reparem que não se trata de um blogueiro “sujo”, nem de um portal esquerdista. Deu no blog do Leonardo Sakamoto, no UOL:

Se a equipe responsável por desenhar a Reforma da Previdência confirmar que o governo federal deve propor a possibilidade de cobrança de contribuição ao INSS de todos os aposentados, teremos algumas comprovações – isso, é claro, se ainda restar um país depois dos protestos causados pela aprovação dessa medida.

Primeiro, ficará comprovado que o governo Michel Temer acha que desiguais, ricos e pobres, devem ser tratados de forma desigual. Não como deveria ser, com os trabalhadores sendo mais protegidos pelo Estado por sua condição de vulnerabilidade econômica e social. Mas com as pessoas que dependem do INSS mensalmente para sobreviver, ou seja, a camada mais pobre da sociedade, tendo que voltar a contribuir com a Previdência para ajudar nas contas do país.

Enquanto isso, o governo evita discutir a taxação de dividendos recebidos de empresas (como acontecia antigamente e como é feito em todo o mundo), a fazer uma alteração decente na tabela do Imposto de Renda (criando novas alíquotas para cobrar mais de quem ganha muito e isentando a maior parte da classe média), a regulamentar um imposto sobre grandes fortunas e aumentar a taxação de grandes heranças (seguindo o modelo norte-americano ou europeu).

Isso poderia ajudar o caixa da Previdência e serviria como política de redistribuição ao mesmo tempo, o que é sempre bem vindo em um país concentrador de riqueza como o Brasil. Mostraria também que somos uma democracia de verdade, com o chicote estalando no lombo de ricos e pobres.

Segundo, mostrará que o governo utiliza-se de malabarismos semânticos e lógicos para tentar justificar o injustificável. Segundo os estudos em curso, trazidos à tona em matéria da Folha de S.Paulo, deste sábado (29), o trabalhador que recebe bruto um salário mínimo quando está na ativa sofre o desconto do INSS. Então, pela lógica da equipe de Temer, ele deveria ser continuar sendo descontados e receber o mesmo valor quando aposentado e não o valor cheio.

Não importa que os gastos extras com saúde de uma pessoa idosa sejam maiores que de uma pessoa jovem e saudável. Não importa que a pessoa não receba mais FGTS ou tenha acesso a benefícios dos trabalhadores da ativa. O que importa é o cálculo nominal, frio e desumanizado. O valor de R$ 70,40 pode não representar nada para governantes e magistrados que discutem hoje a redução de direitos. Mas para quem recebe uma merreca de aposentadoria de R$ 880,00 pode ser a diferença em ter dignidade ou não.

Por fim, o governo Michel Temer, com esses estudos e balões de ensaio, segue mostrando que acha que o Brasil é um grande escritório com ar condicionado.

2 comentários

  • Anyone

    Na verdade, esse tributo já previsto na CF, vem sendo objeto de discussão há muito tempo. Para que seja efetivamente cobrado, necessita de Lei que regulamente, porém nunca foi de interesse de político algum tendo em vista que estariam criando um tributo para eles mesmo, dado o salário dos cretinos!

    Não é culpa do Temer. Não é culpa da Dilma (Talvez). Se alguém tem culpa é FHC e Lula, já que durante oito anos de pleno governo crescente, não tomaram medida para cobrança deste tributo.

    Agora sabemos o motivo, já que os possuidores das “grandes fortunas” sentavam a mesa com essas figurinhas aí. Qual o interesse de arrumar mais um imposto para meu amiguinho aqui?!

    Enquanto isso, ferro na população classe média e baixa, que disseram tanto proteger…

  • Estão querendo piorar a vida dos aposentados e aposentáveis,principalmente os de baixa renda.Enquanto isso,o nosso presidente,que aposentou aos 55 anos,segue ganhando 30 mil mensais,fora o salário de presidente.O lema do novo governo é cortar na própria carne,Então tá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *