PARA JORNAL AMERICANO, DILMA SERÁ JULGADA POR ‘SINDICATO DE LADRÕES’

EDUARDO CUNHA-AÉCIO-PAULINHO2 A notícia é do blog do Esmael Moraes:

los angeles timesA crise política brasileira continua atraindo as atenções da imprensa internacional. Nesta segunda-feira, o jornal americano Los Angeles Times divulgou um levantamento feito pela ONG Transparência Brasil sobre os políticos que estão incumbidos de analisar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

No título da reportagem, a publicação diz: “Os políticos que votam o impeachment da presidente do Brasil são acusados de mais corrupção do que ela”.

Ao longo do texto, o jornal cita números pesquisados pela ONG sobre os integrantes da Comissão Especial do Impeachment, formada na Câmara para emitir um parecer sobre o pedido de afastamento da petista, e o Congresso como um todo. 

Segundo a Transparência Brasil, dos 65 membros da comissão – formada por deputados de partidos que apoiam o governo, da oposição e dos chamados independentes –, 37 enfrentam acusações de corrupção ou outros “crimes graves”, conforme cita a publicação americana.

“Cinco membros da comissão são acusados de lavagem de dinheiro, outros 6 de conspiração e 19 são investigados por irregularidades nas contas; 33 são acusados ou de corrupção ou de improbidade administrativa; ao todo, 37 membros foram acusados, alguns deles de crimes múltiplos”, afirma.

O LA Times destaca ainda a presença, no colegiado, de Paulo Maluf (PP-SP), ex-prefeito de São Paulo, afirmando que ele é “procurado pela Interpol e que um tribunal de Paris recentemente o condenou à revelia por lavagem de dinheiro e crime organizado”. O parlamentar nega a prática de crimes.

Dentre os 513 deputados da Câmara, segundo a Transparência Brasil, 303 são investigados por algum crime. No Senado, o número também ultrapassa os 50%: 49 dos 81 senadores estão envolvidos em investigações.

O Los Angeles Times pondera que os dados fornecidos pela ONG ainda não incluem as informações mais recentes da 26ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na semana passada, e que tem como alvo executivos da Odebrecht e doleiros.

Uma lista da construtora citando mais de 200 políticos de diversos partidos que teriam recebido doações da empresa foi divulgada pela Polícia Federal – e depois colocada sob sigilo pelo juiz federal Sergio Moro –, mas ainda não há confirmação sobre a legalidade ou não desses repasses.

“Dilma Rousseff, por sua vez, nunca foi investigada oficialmente ou acusada de corrupção, apesar de ela ter uma impopularidade gigantesca atualmente e ser considerada culpada pela recessão profunda em que o país se encontra”, afirma o jornal americano.

“Ela era chefe do conselho administrativo da Petrobras quando a empresa esteve envolvida no esquema de pagamento de propina que tem sido desvendado pela Operação Lava Jato. Mas, para tirá-la do poder, os deputados estão se valendo da acusação sobre a manobra orçamentária (“pedaladas fiscais”) para esconder o tamanho do deficit do país, e eles garantem que essa é uma ofensa passível de impeachment.”

O jornal ainda menciona as investigações contra o vice-presidente Michel Temer (PMDB), que seria o sucessor de Dilma em caso de impeachment. “Michel Temer é suspeito, em investigações da Lava Jato, de estar envolvido em um esquema de compra ilegal de etanol”, afirmou, em referência à delação do senador Delcídio do Amaral.

O peemedebista nega a prática de crimes.

Principal oponente da presidente na última eleição e líder da oposição, Aécio Neves (PSDB) é “investigado pela Lava Jato”, afirma o LA Times. A publicação cita documentos obtidos durante as apurações que indicariam que a família de Aécio manteria conta bancária secreta em Liechtenstein, também mencionada por Delcídio.

Aécio nega irregularidades. Até o momento, ele e Temer não são oficialmente investigados pela Lava Jato.

18 comentários

  • Comentarista

    Vamos falar sobre as mídias estrangeiras então…

    Explicação de Dilma para nomeação de Lula foi ‘ridícula’, diz ‘New York Times.

  • Comentarista

    Vamos continuar falando sobre as mídias americanas…
    NYT faz dura crítica a Dilma e diz que brasileiros se enojaram com razão
    Jornal americano define explicação dada pela presidente sobre a nomeação de Lula para o ministério como “ridícula”

    • New York Times? O mesmo que escreveu o editoral abaixo?

      Brazil is in tatters. The economy is in a deepening recession: Last Tuesday, Moody’s downgraded Brazil’s credit rating to just about junk. A massive corruption scandal involving the national oil company Petrobras has ensnared scores of politicians and businessmen. The legislature is in revolt. President Dilma Rousseff’s popularity rating, less than a year after her re-election, is down to one digit, and nationwide protests on Sunday reverberated with calls for her impeachment.

      In all this turbulence, it is easy to miss the good news: the fortitude of Brazil’s democratic institutions. In pursuing bribery at Petrobras, federal prosecutors from a special anticorruption unit of the Public Ministry have not been deterred by rank or power, dealing a blow to the entrenched culture of immunity among government and business elites. Former Petrobras executives have been arrested; the wealthy chief executive of the construction giant Odebrecht, Marcelo Odebrecht, is under arrest; the admiral who oversaw Brazil’s secret nuclear program has been arrested, and many others face scrutiny, including Ms. Rousseff’s predecessor and mentor, Luiz Inácio Lula da Silva.

      Though the investigations have created huge political problems for Ms. Rousseff and have raised questions about her seven-year tenure as the chairwoman of Petrobras, before she became president, she has admirably made no effort to constrain or influence the investigations. On the contrary, she has consistently emphasized that no one is above the law, and has supported a new term for the prosecutor general in charge of the Petrobras probe, Rodrigo Janot.

      So far, the investigations have found no evidence of illegal actions on her part. And while she is no doubt responsible for policies and much of the mismanagement that have laid Brazil’s economy low, these are not impeachable offenses. Forcing Ms. Rousseff out of office without any concrete evidence of wrongdoing would do serious damage to a democracy that has been gaining strength for 30 years without any balancing benefit. And there is nothing to suggest that any leaders in the wings would do a better job with the economy.

      There is no question that Brazilians are facing tough and frustrating times, and things are likely to get worse before they get better. Ms. Rousseff is also in for a lot more trouble and criticism. But the solution must not be to undermine the democratic institutions that are ultimately the guarantors of stability, credibility and honest government.

      Traduzo um trecho, para o caso de você não saber inglês:

      “Ela [Dilma] não fez – o que é admirável – nenhum esforço para constranger ou influenciar as investigações. Ao contrário, ela tem consistentemente enfatizado que ninguém está acima da lei, e apoiou a renovação da gestão do atual procurador-geral da república, encarregado das investigações sobre a Petrobrás, Rodrigo Janot.

      Até o momento, as investigações não encontraram nenhuma evidência de ações ilegais de sua parte. E enquanto ela é, sem dúvida, responsável por políticas e erros que produziram problemas econômicos, não há nada que justifique o impeachment. Derrubar Dilma sem evidências concretas de corrupção causaria sérios danos à democracia que vem ganhando força nos últimos 30 anos, sem nenhuma contrapartida. E não há nada que sugira que algum dos líderes políticos que querem lhe tomar o lugar faria melhor do que ela em termos de política econômica”.

  • Comentarista

    Vamos continuar….

    NÃO ERA GOLPE DA GLOBO? BCC ‘ESCULACHA’ PRESIDENTE EM EDITORIAL

    • BCC? Seria a BBC? A mesma que considera um escândalo o processo de impeachment ser conduzido pelo Eduardo Cunha?

      Referência em imprensa independente e imparcial, a British Broadcasting Corporation, a BBC, conglomerado público de radiodifusão da Grã-Bretanha não consegue entender para além de um escândalo o fato de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) possa ocorrer pelas mãos do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O parlamentar responde a um processo no Conselho de Ética na Câmara pretérito ao do afastamento da líder petista e tem sobre suas costas um processo no Supremo Tribunal Federal e um pedido da Procuradoria Geral da República determinando seu imediato afastamento.

      A BBC, a exemplo de uma série de veículos de comunicação internacionais, entendem como uma tentativa de golpe o rito do processo contra Dilma. Reportagem da jornalista Mariana Schreiber, da BBC Brasil em Brasília, publicada neste sábado (26) ouve congressistas que sustentam a tese de que a presidente eleita é vítima de um julgamento sumário, movido pelo interesse de Cunha de esconder seus próprios malfeitos e de uma oposição que fecha os olhos para o devido processo legal.

      “A tentativa de cassar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por meio de um processo no Conselho de Ética começou em 13 de outubro, 50 dias antes de ele aceitar um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, em 2 de dezembro – dando início ao trâmite que pode culminar na derrubada do governo petista. Apesar disso, a presidente corre risco real de ser afastada do cargo antes de o julgamento de Cunha ser concluído”, surpreende-se a BBC, logo no início do texto (aqui).

      A BBC sustenta que, longe de um julgamento justo, com fato determinado e provas que sustentem o cometimento de algum crime, o ritmo de análise dos dois procedimentos (de Cunha e de DIlma) tem variado simplesmente movido pelos interesses do enrolado presidente da Câmara, cujo cargo lhe confere poder de acelerar ou retardar o funcionamento do plenário e das comissões da Casa.

      “Um deputado que é réu (em processo no Supremo Tribunal Federal) é isento para conduzir o processo de impeachment da presidente? Eu acho que não”, disse à BBC o deputado José Carlos Araújo (PR-BA), presidente do Conselho de Ética.

      “Ele (Cunha) não estava preocupado com o futuro do país, com a economia. Quis acirrar os ânimos para sair da vitrine”, critica também o deputado Julio Delgado (PSB-MG).

      “O importante para eles é protelar (o processo do Cunha) até resolver o caso da Dilma aqui na Câmara. Eles priorizaram. A questão principal é derrubar a Dilma, e Cunha é o fiador da celeridade dos trabalhos da comissão especial e da apreciação (do impeachment) em plenário”, disse Chico Alencar (PSol-RJ).

      Já os líderes da oposição, que não raro aparecem em denúncias de financiamento ilegal de campanha, sustentam que o processo de impeachment segue o rito normal.

      “No caso da comissão do impeachment, o rito foi determinado pelo Supremo. Então você tem uma regra bem definida. No caso do Eduardo Cunha, o que acontece é que o presidente do Conselho de Ética comete uma série de irregularidades, não cumprindo o regimento da Casa e, consequentemente, o processo acaba voltando (ao início, devido aos recursos que questionaram essas supostas irregularidades)”, disse Paulinho da Força, um dos principais aliados de Cunha, para quem o rito do impeachment e o funcionamento do Conselho de Ética são coisas diferentes.

      O líder do DEM, Pauderney Avelino, diz que seu é preciso abordar uma coisa de cada vez. “Independentemente do Cunha, o processo de impeachment anda. O Cunha não tem mais nada a ver com o processo de impeachment, a questão hoje é institucional”, afirmou.

  • Comentarista

    Certeza que nem um dos comentários sera aceito pelo sujeito que administra o blog, mas vamos continuar falando das mídias interna cionas

    Financial Times critica Dilma

    Dilma concede entrevista coletiva ao lado de Herman
    Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu
    Site do “Financial Times” publica artigo com críticas a Dilma
    O jornal “Financial Times” publicou ontem, em sua versão digital, um artigo intitulado “Dilma: Agony Aunt to the European Union”.

    • O Financial Times também já escreveu coisas assim:

      “O jornal lembra, porém, que as investigações sobre a Petrobrás não relacionam Dilma Rousseff e não há nenhuma acusação contra a presidente. O jornal explica que há acusações de desrespeito às regras de financiamento eleitoral e maquiagem das contas públicas. As duas acusações poderiam levar a um impeachment, mas tudo isso aconteceu no primeiro mandato, diz o jornal.

      Mesmo que as acusações prevalecessem sobre o segundo mandato, o FT nota que o apoio do Congresso para o impedimento não seria fácil. “Os políticos, que também estão envolvidos em corrupção, estão relutantes em puxar o gatilho. Enquanto isso, o partido de centro-direita de oposição PSDB está feliz em ver Rousseff sofrendo essa agonia. O PSDB espera chegar às eleições presidenciais de 2018 com o PT completamente desacreditado e com um mandato claro para adotar reformas liberais”, diz o editorial.

      “Além disso, mesmo que Dilma seja removida, provavelmente haveria outro político medíocre para substituí-la e, em seguida, tentar adotar o mesmo de programa de estabilização econômica que ela está tentando fazer”, continua o FT.

  • Comentarista

    O que já escreveu é passado, se escreveu é porque via coisa boas na espoca, e se escreve HOJE criticas é porque vê HOJE o lixo que o Brasil esta nas mãos do PT

  • Eu

    Comentarista depois dessas enfia a viola no saco ( não lá no ……….. mas no saco ), e se manda de Blog seu otário.

  • Dilma e' ingenua

    Sobre Dilma podemos dizer que:
    1 – Os petistas roubaram Petrobras com propinas que foram desviadas para a campanha de Dilma . Dilma nao sabia, nao viu dinheiro nenhum logo nao cometeu crime nenhum
    2- A Petrobras comprou Pasadena e rolou propina. Dilma (presidente do conselho) nao sabia, nao viu propina nenhum logo nao cometeu crime nenhum
    3- Na campanha de Dilma, pagaram o marqueteiro Joao Santana (preso) com dinheiro da Odebrech. Dilma nao sabia, nao viu dinheiro logo nao cometeu crime nenhum
    4- Pedaladas – na campanha de Dilma, ela mentiu para ganhar a eleiçao que o governo estava sem dinheiro pois pegou dinheiro emprestado (e nao pagou) depois demorou para pagar R$ 50 bi aos bancos publicos
    5- Seu tesoureiro de campanha foi denunciado varias vezes pela operaçao lava jato, exigindo propina a empresarios. Dilma nao sabia de nada, nao viu dinheiro logo nao cometeu crime algum
    Chega ou esta’ bom? Quer mais!

  • Evandro

    Cardosinho, pode colocar a viola no saco. JÁ ERA.

  • Rolando Caio da Rocha

    Cardosinho, acho que vou requerer uma oportunidade no congresso pra você fazer a defesa oral da leitoa de vermelho… Você anda argumentando tão bem ultimamente…

  • anonimo

    Essas três caras aí estampadas é prá acabar.

  • O Ovo da Serpente

    Que nojo!…Pessoas vindo aqui ativadas pelo ódio da mídia programada (elas nem sabem porque estão aqui, mas sabem que devem repetir o que a mídia odiosa manda) execrar a Dilma (que deve ser questionada mesmo)…Mas, estes mesmos desinformados estão, indiretamente -ou diretamente-, apoiando o Cunha gerenciando e direcionando o impeachment (como é difícil escrever essa merda)…Cunha…sujo …. lama….e rindo desse povo desgraçado e morto….

  • Anônimo

    Leitoa de vermelho? O legal desses caras, provavelmente um emocionalmente instável, se sentem um pouco menos miserável discriminando alguém que eles sabem, não suportariam nem um décimo do que essa mulher tem suportado. Porque simplesmente não guardam esse machismo na gaveta do armário do banheiro? ou então tenham uma atitude ainda mais grandiosa, coloquem ele (o machismo) num vaso, num vaso sanitário e tenham uma atitude de coragem: Deem descarga. Provavelmente vão se sentir mais humanos e menos ser depois.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *