DE COMO A ADMINISTRAÇÃO PARINI “INCENTIVA” A GERAÇÃO DE EMPREGOS

O jornal A Tribuna, edição deste domingo, publicou matéria sobre as desventuras do senhor Manoel, um pequeno empresário, dono da “Distribuidora de Alhos Renata“. Até uns dois anos atrás, o senhor Manoel ocupava uma sala da incubadora localizada na Cohab JACB, onde também já funcionou um Posto da Polícia Militar. Ali, o senhor Manoel gerava cerca de 20 empregos diretos e – durante uma campanha eleitoral – teve a honra de receber a visita do prefeito Humberto Parini que, aparentemente impressionado com o número de funcionários que aquela pequena empresa empregava, prometeu mais apoio ao empresário.

O apoio veio três meses após a reeleição de Parini: numa manhã de janeiro de 2009, o senhor Manoel recebeu uma notificação da Prefeitura, onde o pequeno empresário era convidado a desocupar a sala onde funcionava a “Distribuidora de Alhos Renata“. Depois disso, o senhor Manoel levou sua empresa para um salão, no Jardim Oiti, mas o aluguel e outras despesas foram obrigando-o a diminuir o número de funcionários e, consequentemente, diminuir a produção.

Hoje, a pequena empresa do senhor Manoel funciona em um minúsculo salão, no Jardim Arapuã, nas proximidades da EE “Sueli Marin Batista“. Além do proprietário, apenas mais duas pessoas trabalham na empresa: a mulher dele e um filho do casal. Agora o pior de tudo: a sala na incubadora do JACB, de onde o senhor Manoel foi praticamente despejado, continua vazia até hoje, sem nenhuma utilização, abandonada e depredada, conforme se pode ver na foto lá de cima. Na mesma incubadora, outras salas continuam vazias e, em breve, outras mais estarão também desocupadas, uma vez que, pelo menos duas outras empresas já foram notificadas a deixar o local.

O dono de uma delas, a “Embalagens Tozzo“, não entende essa política da Prefeitura. Afinal, se é prá deixar as salas sem nenhuma utilização, servindo apenas à ação de vândalos, por que não permitir que eles continuem utilizando-as e gerando alguns empregos? A pergunta é pertinente, mas a resposta, só o prefeito Humberto Parini é quem a tem.

1 comentário

  • Até entendo a aflição e as indas e vindas do senhor Manoel, mas o problema reside no produto que comercializa: “o alho”. A Transilvania, vampiro e drácula não gostam de tal produto… Ora pois, já pensou morder o cidadão com bafo de alho?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *