A INICIATIVA PRIVADA E O “TRÁFICO DE INFLUÊNCIA”

Primeira-dama e primeira-ministra abrem empresa privada para prestar serviços em prefeituras da região.

Um dia desses, recebi um telefonema de um amigo. Ele estava preocupado com uma situação: proprietário de uma empresa prestadora de serviços, que há algum tempo trabalha em prefeituras da região, ele temia pela concorrência desleal de uma nova empresa que está entrando no mercado.

A empresa, segundo ele, seria de propriedade de ninguém menos que a nossa primeira-dama, Rosângela Parini, em sociedade com a secretária do prefeito Parini, Marli Mastelari, também conhecida pelo carinhoso apelido de primeira-ministra. A livre iniciativa, como já diz o próprio nome, é livre. Portanto, nada a obstar quanto ao fato de a primeira-dama e sua fiel escudeira se associarem para, juntas, encarar os percalços da iniciativa privada. Quem sabe até, competentes que são, elas não consigam gerar os empregos que o prefeito não está conseguindo.

O problema, é bom deixar claro mais uma vez, não está na iniciativa louvável da primeira-dama. Segundo o meu amigo, o que o estaria preocupando seria o fato de o prefeito Parini estar, na versão dele, usando a sua influência junto a alguns prefeitos da região, na tentativa de “abrir portas” para a micro-empresa da esposa e da secretária. Convenhamos, se isso for verdadeiro – e eu não tenho motivos prá achar que seja mentira – não seria uma atitude muito louvável, digna de um prefeito com “P” maiúsculo. Talvez até merecesse uma atençãozinha especial do Ministério Público. Afinal, a concorrência sempre é positiva, principalmente, quando está em jogo o interesse público. Mas a disputa deve ser leal.  

Já houve um tempo em que, aqui em Jales, duas empresas abertas no mesmo dia e, coincidentemente, com o mesmo endereço, participavam de licitações da Promoção Social, onde, por sinal, um dos neo-empresários trabalhava como psicólogo. Por outra agradável coincidência, os donos das duas empresas tinham ligações com a nossa primeira-dama. Mas essa é outra história. Fica prá um outro post.

3 comentários

  • Cidinha Marques

    Não falta acontecer mais nada nessa cidade!Na minha opinião isso é sacanagem pura!Falta de vergonha na cara! Pode não ser ilegal, mas é imoral!DESLEALDADE!Estão querendo morder em todos os campos…

  • Paulo Reis Aruca

    Segundo o próprio blog, tentaram primeiro com o Carroca; depois com o salgadeiro Tonon. Deu no que deu… Ai, resolveram seguir a máxima: “quer algo bem feito? Faca vc mesmo!”

  • Anônimo

    É realmente uma vergonha, além de desvalorizar totalmente os profissionais que prestam serviço a essas empresas, prejudica a população que recebe o atendimento… ;/
    no caso é oferecido uma miséria para que essa fantástica empresa ganhe a licitação, e ai com tão baixo orçamento eles contratam alguem totalmente desqualificado ( porque nenhum profissional capacitado consegue trabalhar com a gorjeta que se paga para prestar serviço)para oferecer um curso.. que no fim das contas, ninguem aproveita nada..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *