A VERSÃO DO PREFEITO SOBRE A ‘DÍVIDA DA MINERVA’

O prefeito Humberto Parini esteve hoje no microfone do Antena Ligada para falar sobre a dívida com a família Jalles. Como sempre, ele repetiu a cantilena de que os “adversários” que estão trazendo esse assunto novamente ao centro do debate são os mesmos que criaram a dívida e depois a “empurraram com a barriga”. O “adversário” que remexeu o assunto, que eu saiba, foi o presidente do PT local, Antonio Carlos Donizete Nogueira, o Cacaio.

O estadista disse também que está depositando os valores devidos em uma conta da Justiça e, se esta não está pagando dona Minerva, não é culpa da Prefeitura. Aí reside uma meia verdade. A Justiça realmente ainda não começou a fazer os pagamentos, mas a Prefeitura está depositando cerca de R$ 850 mil por ano para pagamento de todos os precatórios e não apenas o da família Jalles. Desse valor, no máximo – repito: no máximo – a metade poderá ser transferida pela Justiça aos Jalles, o que representa cerca de 20% de cada uma das três parcelas que restavam.

Parini disse que pagou R$ 230 mil em 2005 e R$ 2 milhões em 2006. Esqueceu-se de dizer que os R$ 230 mil foram deixados no caixa pelo ex-prefeito Hilário Pupim, especificamente para pagamento da dívida. Esqueceu-se de dizer também que o valor de 2006 referia-se a duas parcelas e só foi pago mediante um sequestro das receitas da Prefeitura. Esqueceu-se de dizer, igualmente,  que o valor das duas parcelas ficou só em R$ 2 milhões porque o advogado Silvério Polotto, num gesto de camaradagem, concordou em dar o desconto de 30%, mesmo depois de Parini não ter cumprido o acordo.

O prefeito disse também que só optou por pagar a dívida usando a emenda 62, depois de tentar um infrutífero novo acordo com a família Jalles. Esqueceu-se de dizer que, ao desprezar o acordo antigo e tentar um novo, elevou a dívida, num piscar de olhos, em cerca de R$ 2,5 milhões. Até onde eu sei, o advogado Polotto e a família Jalles não ficaram nem um pouco tristes com a decisão do prefeito. Afinal, eles se livraram do desconto que estavam dando, conseguiram aumentar o crédito de R$ 4  para R$ 7 milhões e, durante os próximos quinze anos, continuarão recebendo uma gorda poupança patrocinada pelos súditos jalesenses. Um bom negócio fez o estadista…   

4 comentários

  • Anônimo

    ECAD, Família JALLES,ETC,vamos começar bem o 2012,pelo menos de dívidas.

  • RIO PRETO SHOPPING

    A DECORAÇÃO NATALINA DO RP SHOPPING TA LINDA….E PARECE QUE VAI CONTINUAR LINDA POR VARIOS ANOS.

  • Má gestão pública

    Pode até existir vontade de pagar a “dívida com os Jalles”, mas o dinheiro é que está em falta. Quero ver em dezembro de 2012, quando o Parini e sua turma tiverem que deixar as contas da prefeitura em ordem para o novo prefeito. Em 2012 não terá folha de pagamento de servidores para vender e aí a coisa vai engrossar.

  • Ouvi dizer, “Má Gestão”, que o prefeito estaria tentando antecipar a venda da folha de pagamento, que só poderia ser vendida novamente em março ou abril de 2013. Para tanto, ele estaria em conversação com o Santander, para rescindir o contrato atual. É o que dizem… Caso ele consiga isso, poderá colocar algumas contas em ordem. Caso não consiga, o segundo semestre de 2012 vai ser um arrocho só.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *