AS DIFICULDADES DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

Há alguns dias, o jornal Folha Regional publicou a exoneração do assessor de imprensa da Prefeitura, Leonardo de Freitas Carvalho, o Léo. Filiado ao PT e integrante da Executiva do partido, Léo deve ter se cansado de esperar pelas promessas do prefeito que, há muito tempo, vinha acenando com a possibilidade de uma pequena promoção para ele. Pediu demissão e partiu para a iniciativa privada, no que fez muito bem.

O cargo de assessor de imprensa foi extinto com a criação da Secretaria de Comunicação, mas nem assim o prefeito tomou a iniciativa de nomear o Léo para um dos cargos criados, o que significaria uma pequena diferença – cerca de R$ 300,00, a mais – no salário do ex-assessor. Resultado: mais um petista fora do governo Parini e, o que é pior, a Prefeitura perdeu o único assessor preparado para atualizar a sua página na internet. 

Por outro lado, o novo secretário de Comunicação, Welton Cláudio, deve estar passando pelas mesmas dificuldades que eu passei, no período em que fui assessor de Comunicação do prefeito, nos três primeiros meses do governo Parini, quando tive que comprar, às minhas expensas, até a máquina fotográfica que eu utilizava. A minha sala ficava ao lado do gabinete do prefeito e, nesses três meses, Parini entrou lá apenas duas vezes. De minha parte, solicitei três ou quatro vezes para que ele contratasse um profissional para cuidar da página eletrônica da Prefeitura. Em vão. Tive que contratar um rapaz e pagá-lo com parte do que eu ganhava como assessor.

Na mesma época, fui até Santa Fé do Sul, em companhia do atual presidente do PT local, Antonio Carlos Nogueira, o Cacaio, onde o amigo Antonio Vieira Júnior, o Lata, que era assessor de comunicação do prefeito Itamar Borges, me mostrou como funcionava a Coordenadoria de Comunicação da vizinha cidade. De volta a Jales, apresentei um projeto ao prefeito Parini e ao secretário de Administração, José Shimomura, mas nunca mais tive notícias dele. O projeto criava, a exemplo de Santa Fé, uma Coordenadoria, algo muito mais enxuto que uma Secretaria. Foi engavetado!

Exatamente por saber que o prefeito não tem a menor noção sobre a importância da Comunicação, me posicionei contrário à criação da Secretaria, quando Parini anunciou a intenção de mandar um projeto para a Câmara. Eu sabia que seria apenas uma Secretaria a mais, que não iria funcionar. Manifestei minha opinião ao prefeito Parini e ao vereador Especiato, que, aparentemente, não gostaram dela. Mas a realidade está mostrando que eu tinha razão. Pelo que estou vendo, Welton está trabalhando sozinho e sem o menor respaldo. E vai continuar assim.

Querem um exemplo das dificuldades do Welton? Dêem uma olhada nas páginas eletrônicas das nossas vizinhas, Votuporanga, FernandópolisSanta Fé do Sul, e depois comparem com a página de Jales. E, se quiserem ir um pouquinho mais longe, comparem com Olímpia.

1 comentário

  • Paulo Reis Aruca

    Grande parte deste descaso resulta do respeito que a imprensa
    de Jales da’ a si próprio. Passou da hora de os “profissionais do meio repensarem sua posição e covardia diante deste desgoverno municipal. Cada um goza do conceito que merece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *